História Insane Love - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce, Evan Peters, Lana Del Rey
Personagens Castiel, Iris, Kentin, Lysandre, Nathaniel, Nina, Peggy, Personagens Originais, Rosalya
Tags Elo, Insanidade, Loucura, Lyssiele, Psicopatas, Sangue
Exibições 61
Palavras 1.104
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Ficção, Hentai, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 7 - Drowning


Niele sentou-se no sofá, esperando que Lola lhe dissesse o que tinha de falar, mesmo imaginando que, certamente, Lola só estava brava porque ela não dormira em casa. Lola sentou-se ao lado de Niele e apertou a mão dela, encarando-a em silêncio por um tempo. Niele ficou aflita. Pelo visto, o assunto era sério porque Lola não soltara os cachorros até agora.
— Tia Lola? O que aconteceu? Está me assustando. Olha… Se é porque eu dormi fora, eu juro que…
— Não é isso. Tem algumas coisas que preciso te contar e… — Ela suspirou e, após uma pausa continuou. — Esperei por muito tempo até que você fosse crescida o suficiente para compreender. Só espero que depois de ouvir a verdade não me odeie e nem odeie a Thereza porque seja como for… Ela cuidou de você quando eu não pude.
— Tia, espere? O que está dizendo? — perguntou Niele sentindo um frio na barriga.
— Vou responder a todas as suas perguntas, eu juro, mas tem de prometer que… Deus! Não tenho nenhum direito de te pedir isso, mas, por favor? Não me despreze porque… Você é quem eu mais amo. — Lola disse chorando e apertou as mãos dela.
Niele não disse uma palavra. Imóvel, encarou Lola, esperando que ela contasse seu segredo.
— Arrancaram você de mim quando ainda era um bebê e… Não pude fazer nada. Fui forçada a assumir o papel de tia quando na verdade era a mãe, SUA mãe. — Confessou Lola. — O seu pai… Ele… Abusou de mim, mas ninguém acreditou e… Me mandaram para um manicômio onde eu permaneci até dar a luz a você, que foi quando a tiraram de mim, dizendo que a colocariam na adoção, mas eu não queria. Juro por deus! A Thereza foi me ver uns dias depois e me disse que tinha registrado você como filha dela. Quando saí daquele lugar, eu lutei por você, mas… Me perdoe? — Falou Lola.
Niele soltou suas mãos, chorando.
— Eu jurei que levaria esse segredo para o túmulo, mas não aguento mais. Não suporto mais tantas mentiras. — Falou Lola— Sinto muito. Não queria que soubesse quem seu pai é de fato, mas cedo ou tarde você descobriria e preferi que fosse por mim. Me perdoe?
— Eu não tenho nada o que te perdoar. — Niele abraçou Lola. — Doí saber que meu pai não era quem eu pensava que fosse, mas a verdade por mais horrível que seja é sempre melhor. E eu sempre soube, lá no fundo… Que você é minha verdadeira mãe.
— Oh, Nie! — Falou Lola.


[…]


Armin estava dormindo quando Lysandre ligou para seu celular, o acordando.
— Ai! O que é? Como ousa me acordar às onze da madrugada? Ficou maluco ou o quê? — Resmungou Armin.
— Ainda está dormindo? Oh, eu devia ter imaginado… Preguiçoso como é… — Falou Lysandre.
— Será que dá pra ir direto ao ponto?! — Falou Armin irritado.
— Sim. Quero que diga ao Cassy que Niele e eu estamos fora da banda dele. — Falou Lysandre.
— Hein? Não é a banda dele! É a MINHA banda, sim, porque fui eu quem juntou todos e teve a ideia de formar a banda. — Falou Armin se sentando.
— Isso é um problema seu então, mas eu estou fora e a Niele também! — Falou Lysandre antes de desligar.
— Droga! — Disse Armin e se levantou.


[…]

Quando Alexy abriu a porta de sua casa e deu de cara com seu irmão gêmeo teve certeza de que ele não viera visitá-lo ou saber como ele estava simplesmente porque Armin não se importava.
— O que você quer? — Alexy perguntou.
— Como nem o Lys e eu estamos falando com o Cassy, gostaria que você desse um recado a ele… Diga que Lysandre, Niele, Rosalya e eu estamos fora. — Falou Armin.
— O quê? Mas vocês não podem fazer isso! A Niele ou o Lysandre eu entendo… Mas você?! — Falou Alexy.
— Se os meus amigos não fazem mais parte da banda, eu também não tenho porque fazer. — Falou Armin e foi embora.
Alexy fechou a porta.
— Coitado do Cassy! Ele não merece isso!


[…]


Alexy foi até a casa de Castiel e o encontrou trabalhando na oficina de seu pai. Castiel estava suado e todo sujo de graxa. Alexy sentiu um aperto no coração. Pobre Castiel! Como se não tivesse sido o bastante ser traído por um de seus melhores amigos, ele agora teria de lidar com o fim de sua banda.
— Cassy?
— Alexy? Oi? O que tá fazendo aqui, irmão? Veio me dar uma mãozinha?! — Castiel disse e riu.
— Você tem um minuto? — Alexy perguntou.
— Hum rum. — Falou Castiel e tirou um lenço do bolso de seu macacão e limpou suas mãos.


Alexy seguiu Castiel até a cozinha onde o ruivo abriu a geladeira e pegou duas latas de cerveja. Os dois sentaram-se e Alexy disse:
— Armin foi até a minha casa hoje e…
— Humm… — Castiel tomou um gole de sua bebida e virou o rosto. Só de ouvir o nome de Armin ele sentia seu sangue ferver.
— Ele mandou um recado pra você.
— Que recado?! — Castiel encarou Alexy.
— Que Rosalya, Lysandre, Niele e ele estão fora da banda. — Alexy disse.
Castiel colocou sua lata na mesa com uma batida e derramou parte do líquido sobre a mesma.
— Então vai ser assim… Ok. — Castiel levantou-se deu uma volta e parou diante de Alexy, encarando-o.
— Podemos substituir eles… Não precisa ser o fim da banda. — Falou Alexy.
— É… Tem razão. — Castiel voltou para seu lugar. Desanimado.
— A Alice tem uma voz maravilhosa e ela pode ser a nossa vocalista. Conheço uma pessoa que pode ser a nossa tecladista. E tem também a Iris que pode ser a nossa baixista. Só falta um baterista, mas isso é o de menos. — Falou Alexy.
— Eu conheço um baterista… — Falou Castiel.
— Ótimo. — Alexy esfregou as mãos e sorriu animado. — Vamos mostrar a Armin e Lysandre que não precisamos deles.


[…]


Nathaniel saiu de quarto com um sorriso no rosto que logo desapareceu quando ele deu de cara com Ambre que estava com os braços cruzados, batendo um dos pés, furiosa.
— Quer me explicar por que eu não fiquei com nenhum dos papéis principais nas peças desse ano? — Ambre perguntou.
— Eu não sei. Ok? Não controlo o grupo de teatro do colégio. Mas por que está reclamando se ficou com dois papéis de destaque como Malévola e a fada madrinha da Cinderela? Francamente? Ambre? Você ficará bem como uma fada, eu acho. — Disse Nathaniel com certo deboche.
— Será uma delícia ver esse sorriso deixar seu rosto, maninho. — Falou Ambre sorrindo maldosa.
Nathaniel balançou a cabeça. Suspirou. E foi para seu quarto.

— Está brincando com fogo e VAI se queimar. — Falou Ambre com ódio.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...