História Insano - Psicose - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Do Kyungsoo, Exo, Hentai, Hospital, Kyung Soo, Masoquismo, Psicopata, Psicose, Sadomasoquismo, Sexo
Exibições 470
Palavras 1.195
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Ecchi, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi amorez! 🌸🌸
Desculpem a demora pra postar o primeiro cap! ^_^
Sei que tenho uma fic pendente ainda, mas creio que não vai atrapalhar!
Eu estava tomando banho quando tive essa ideia maluca de história, e aí, como eu estou estudando um pouco sobre psiquiatria e psicologia resolvi fazer.
Espero que gostem e não se decepcionem!

PS: Não são todos os caps que serão em terceira pessoa, mas o primeiro será. ^_^

Capítulo 1 - Capítulo um


Fanfic / Fanfiction Insano - Psicose - Capítulo 1 - Capítulo um

                                           Narradora

— O novo paciente está a espera, Doutora Steele.

As palavras doces pronunciadas pela loira enfermeira daquele hospital psiquiátrico ecoaram naquela sala aonde pertencia a psiquiatra mais nova — porém uma das mais competentes independente de sua idade — daquele hospital a qual apenas assentiu vendo a mais alta se reverenciar e sair fechando a porta.

A que permaneceu dentro sozinha suspirou, já estava a espera desse novo paciente a semanas e havia até mesmo perdido a curiosidade que lhe veio a primeiro momento.

Afinal, seria o seu primeiro paciente com um problema tão grave, psicopatia, mas a mesma era tão confiante em si que nem ao menos se importava, mas ainda assim, era muito inteligente e competente para o caso.

Ainda por cima tendo em conta, o fato de que o mesmo havia sido negado até mesmo ao manicômio aonde havia passado alguns meses e teve que sair do local após assassinar uma das enfermeiras que cuidava de si.

E ainda por cima, estava ali apenas por ser sua última opção já que nenhum outro local havia o aceitado, e os que o haviam feito acabavam por desistir devido ao receio de seus profissionais.

E, para não ser por menos, o melhor hospital psiquiátrico de Seoul havia também considerado a ideia de fazer o mesmo que os outros, porém, acabou por ceder a opinião de uma das suas melhores profissionais — pois mesmo que jovem, a mesma possuía um alto QI e um ótimo desenvolvimento em poucos anos de trabalho, isso sem contar em seus estudos na faculdade em que frequentou, uma das pertencentes do SKY (conjunto das três melhores faculdades da Coréia do Sul) — que tinha confiança e competência de se tornar responsável pelo caso.

Porém, a mesma apesar de ser muito competente, ainda era muito jovem e não possuía experiência nesse tipo de caso, além de que era um dos mais graves.

Portanto, acabou que a mesma não se tornou a principal responsável, mas sim a assistente de seu chefe e assim, ganharia a experiência para futuros casos.

A cacheada levantou-se de sua poltrona e vestiu seu jaleco branco que possuía letras bordada escrito: Katherine Steele. Que era o nome da mesma.

A mesma ajeitou-se e saiu da sala carregando seus objetos e caminhou pela mesma até ao “quarto” em que o paciente se encontrava.

Em seus passos e sua pose confiante, e até mesmo sedutores aos olhos daqueles que observavam a ocidental que representava o corpo psiquiátrico daquele hospital mesmo tão jovem beirando o final de seus vinte anos, o corpo esbelto, digno de uma mulher de origem brasileira, e com curvas bem marcadas que chamavam a atenção da maioria daqueles presentes por onde passava.

Os cabelos cacheados e bem delineados negros que caiam e balançam contornando o rosto belo da garota que, o que muitos consideravam raro devido a seus traços de negra, possuía uma pele branca e sem marcas e olhos esverdeados cor de água, além de uma maquiagem, que apesar de leve, avivava os olhos delineados pelo delineador e rímel preto.

Lábios carnudos e tão avermelhados como sangue e que chamavam a atenção naturalmente por onde a mais baixa passava, e claro, que a mesma apesar de gostar da atenção, não a retribuía, era confiante e orgulhosa o suficiente para não o fazer e apenas seguir seu caminho normalmente com as mãos dentro dos bolsos de seu jaleco e emanando um delicioso perfume natural de sua pele.

Seus passos foram cessados quando a mesma parou de frente a porta branca e bem trancada de seu novo paciente, girando a chave na fechadura e abrindo a mesma.

Assim  adentrou o local encontrou uma enfermeira e mais dois enfermeiros — provavelmente “protegendo a pobre menina medrosa” foi o que passou pela mente daquela que pensava com deboche da mais nova que se fazia de inocente — terminando de ajeitar uma camisa de força no paciente que estava de costas para a porta parado como alguém morto, porém o mesmo acordado e sentado na cama.

Assim que a mesma terminou seu serviço e notou a nova presença no quarto, a mais velha a olhou e pronunciou na sua mais normal voz arrogante e calma.

— Já pode se retirar, enfermeira Eun. — disse para a mesma que assentiu, já estava na hora dela ir almoçar. — Enfermeiro Shin, o Doutor Lee o espera na sala dele e Enfermeiro Kim — o mais novo a olhou e ela sorriu de canto — Venha a minha sala às 18:00h.

O mais novo com seus cabelos platinados e pele morena, o que o deixava ainda mais sexy aos olhos de Kate, e cujo crachá indicava o nome “Kim Jong In” sorriu disfarçadamente já sabendo do que se tratava o tal “encontro”.

E os dois se retiraram alegando que a mesma deveria chamar caso algo acontecesse, fazendo a mais velha revirar os olhos.

Então, enfim sós com o causador de tanto alvoroço naquele hospital.

Ao se dirigir novamente a direção aonde o mais novo se encontrava, encontrou o mesmo já virado e sentando a encarando.

E inesperadamente, ao menos pela garota, se viu perdida e sem conseguir desviar o olhar daquelas grandes orbes negras tão intimidantes fazendo a mesma ter a sensação de que o mesmo parecia ler a sua alma com aqueles olhos penetrantes e misteriosos.
Um arrepio lhe correu pela espinha e a mesma tentou manter-se na sua postura normal e confiante recebendo um sorriso nasalado do mesmo que percebeu o efeito que causou, exatamente como desejava, na mesma.

Katherine retornou o olhar ao mesmo e tentou ao máximo fingir não estar incomodada e nem intimidada por aquele garoto inexplicavelmente belo e sedutor — aos olhos de qualquer garota que o visse — e teria tido sucesso em sua atuação se o mesmo não fosse exatamente aquele garoto que conseguia ver de longe tudo que se passava na mente de qualquer um apenas deduzindo através do olhar.

E então, a Steele apenas tentou agir como uma profissional, como geralmente o fazia com seus pacientes, e mesmo que já soubesse de cór devido a quantidade de vezes que havia lido a ficha sobre aquele garoto psicopata, perguntou para iniciar uma conversa pacifica com seu mais novo paciente.

— Sou Katherine Steele, sua nova médica, e como se chama? — tentou parecer amigável, afinal, teria que se tornar próxima de seu paciente para que o mesmo se abrisse com ela.

Mas o sorriso de canto carregado se malícia e um tanto sombrio, fez com que a única garota presente no local sentisse um arrepio em seu baixo ventre e assim que a voz rouca e extremamente sedutora irrompeu os ouvidos da moça, fez arrepiar até mesmo os pelos nos quais ela nem julgava ser possível.

— É um prazer... — um sorriso insano e malicioso brincou seu rosto enquanto o mesmo percorria com os olhos cada detalhe visível do corpo da cacheada até que voltou a falar. — Sou Do Kyung Soo, mas pode me chamar de monstro.

                                                “Eu estou rastejando pelo seu coração,
                                               Eu vou te pegar, te quebrar e te engolir...       
                                               Você pode me chamar de monstro...”  


Notas Finais


E então?
Vocês acham que eu deve continuar ou parar essa fanfic?
O que vocês acharam do primeiro cap?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...