História Insano - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Zayn Malik
Personagens Personagens Originais, Zayn Malik
Visualizações 37
Palavras 2.210
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Quero agradecer pelos comentários e favoritos assim como pedir desculpas por algo, eu ainda estou muito triste com a perda da minhas fanfics e espero que não me abandonem não deixem de favoritar e comentar é muito importante pra mim


* NOTAS FINAIS TEM NOVA FANFIC

Capítulo 2 - Destino


Eu sentia meu corpo doer por completo, mal conseguia me mover quando me dei conta que não estava na minha cama como era de costume estar, não conseguia enxergar muito mas o pouco que conseguia me mostrava com certeza que não estava em casa, eu lembrava de pouca coisa mais o suficiente para saber que eu havia sido raptada por um completamente desconhecido da qual eu não conseguia nem enxergar a face, eu queria muito gritar mais sentia que se fizesse isso perderia todas as forças que ainda me mantinham de olhos abertos, queria saber quem era aquele homem ao meu lado, dormindo sob uma pequena penumbra em meio ao breu daquele ambiente, mas era impossível, tudo que meu olfato podia decifrar era um cheiro de nicotina forte com uma mistura de cafeína e perfume amadeirado, eu não sabia que horas eram e também não sabia o porque estava aqui, a todo momento que piscava uma possibilidade do porquê estar aqui passava em minha mente, mas era em vão eu não tinha motivos nenhum para estar aqui, não tinha inimigos e não tinha fortunas.

- Ah! - Gemi sentindo uma grande ardência em meu pescoço.

" Você é minha Ellie, só minha, você é minha escolhida e ninguém vai te tirar de mim, ou você é minha ou não é de mais ninguém."

Aquele homem sabia meu nome, eu estava perdida, eu não tinha ninguém para notar minha falta e vir atrás de mim, morava sozinha, não tinha amigos próximos e eu não sabia o paradeiro dos meus pais a mais ou menos dois anos, quando decidi morar sozinha em Bradford.

- Deus, me ajude. - Implorei sentindo as lágrimas caírem sobre meu rosto novamente, não teria chance nenhuma deu conseguir sair viva dessa, sentia a cada minuto que passava que iria morrer ali. - Alguém me tire daqui. - Sussurrei e senti aquele homem ao meu lado puxar me para mais perto dele.

- Você está me atrapalhando meu anjo, eu quero dormir, te aconselho a fazer o mesmo. - Ele falou baixo como se tudo estivesse bem, como se não estivesse comigo raptada ali.

- Por que estou aqui? Olha seja quem for eu juro que não tenho fortuna nenhuma, talvez tenha pego a pessoa errada não? Eu trabalho em uma cafeteria como gerente, não ganho muito com isso para me tornar alguém rica, minha faculdade eu consegui através de bolsas, eu não tenho nem um automóvel, tenho como provar que não tenho muito de valor. -Falei e ele riu.

- Pode ter certeza, este com certeza não é o motivo que te trouxe aqui, não mesmo. - Ele sussurrou.

- Eu não te conheço, mas me perdoe se fiz algo que você não gostou, jamais faria algo pra prejudicar alguém, acredite em mim, não há motivos para fazer isso comigo. - Implorei e ele suspirou.

- Eu sei que não faria algo para prejudicar alguém Ellie, sempre tão doce e tão pura. - Ele riu. - Isso chega a me irritar, você não sabe o quanto. - Ele falou e eu tremi com a ameaça.

- Por favor, deixe me sair daqui. - Implorei em vão.

- Ellie, eu recomendo calar a porra da boca. - Falou com uma voz mais alta. - Você não vai sair daqui, ninguém irá lhe ajudar e quanto mais falar, pior será.

Senti meus olhos pesarem novamente e por mais que eu relutasse em me manter acordada eu não consegui.

[...]

A garota permaneceu por mais algumas horas desacordada, quando abriu os olhos já estava de manhã e estava sozinha naquele quarto, rodou os olhos pelo ambiente agora iluminado pela luz do sol, era um quarto de luxo na qual a mesma se encontrava, móveis e paredes escuras, muitos troféus em estantes e lustres luxuosos. Ellie levantou da cama percebendo que estava presa ali, porta e janelas trancadas.

- Por favor... Eu estou com sede. - A menina de pele alva falou baixo sentindo as pernas bambiarem. Passou muito tempo até que alguém entrou novamente naquele quarto.

- Ai está você. - Uma voz grossa e grave invadiu o ambiente, era a mesma voz de ontem, só que desta vez era possível perceber quem era o dono dela. Um homem alto e de aparência magra estava parado ali, seus cabelos negros eram caídos sobre sua face séria, algumas tatuagens eram visíveis na pele que a camiseta não cobria, seus olhos eram castanhos, um castanho intenso quase âmbar, ele era lindo e isso nem Ellie podia negar. A morena se encolheu no canto da cama a cada passo que ele dava. - Achei que demoraria muito para acordar, mas o sedativo passou o efeito então...

- O que vai fazer?

- Nada. - Sussurrou se aproximando. - Eu só quero te ver, te ver de perto. - Sorri tocando o rosto dela. - Você não sabe o quanto esperei por esse dia.

- Não me toca. - Ela o empurrou com o pouco de coragem que restava. - Não me toca, tire suas mãos de mim eu nem lhe conheço. - Falou firme e ele franziu o cenho.

- Olha aqui. - O homem segurou os dois braços dela pressionando os dedos em sua pele. - Não é você quem manda aqui, sou eu, eu toco em você a hora que eu bem entender, até porque você é minha.

- Eu não sou. - Disse com ódio o encarando com os olhos azuis, algumas lágrimas já se formavam por ali.

- Eu não queria que fosse assim linda, não queria, mas você não me dá outra escolha, se fizesse tudo que eu mandasse sem reclamar não séria assim. - Soltou os braços dela deixando marcas por ali.

- Eu quero ir embora... Por favor.

- VOCÊ NÃO VAI. - Ele disse enfurecido. NÃO ADIANTA GRITAR, PEDIR E CHORAR, EU ODEIO GENTE QUE CHORA ENTÃO PARE. - Gritou ameaçando. - Olha aqui. - Ele puxou a cabeça dela para olha lo. - Você vai fazer o que eu quiser aqui porque você é minha, assim ninguém se prejudica tudo bem? Eu espero que não tenha que falar de novo com você Ellie, você não sabe quem eu sou, não me conhece e não sabe o que eu sou capaz de fazer, eu acabo com você entendeu? Entendeu porra? - Ele puxou o cabelo da menina com certa violência e ela concordou com a cabeça tentando segurar o choro. - Ótimo, agora vá tomar um banho. - Ele apontou para uma porta ao lado da cama. - Vai logo, anda.

Enquanto choramingava Ellie se arrastou até o banheiro e encarou seu reflexo no espelho, seu pescoço estava com marcas roxas de enforcamento, e agora seus braços estavam vermelhos, ela precisava tomar um banho quente e assim talvez as dores no corpo melhorassem. Quando finalmente terminou, se enrolou em uma das toalhas disponíveis e saiu envergonhada para o quarto novamente, onde aquele homem ainda se encontrava.

- E... Eu não tenho outra roupa pra por. - Confessou tentando esconder o máximo possível de seu corpo na toalha e em meio aos fios molhados de cabelo.

- Vista qualquer roupa minha. - O cara falou sem emoção, parecia perturbado com algo. - Você pode procurar ali. - Apontou para uma portinha preta dentro do quarto, provavelmente o closet. A morena seguiu rapidamente até lá se trancando em seguida, havia muitas roupas por lá e muitos ternos também, era um mais lindo do que o outro, assim como eram uns mais caros que os outros, o que mostrava que ele tinha dinheiro, muito dinheiro. Ela pegou em uma das tantas gavetas uma cueca boxer na cor preta e vestiu, tentou procurar uma calça jeans que coubesse porém era impossível, as pernas daquele homem eram magras demais se comparando a dela então vestiu uma calça moletom preta e uma blusa de mangas compridas branca, que por sinal ficava grande nela. Levou o nariz até o tecido sentindo um perfume masculino muito bom, era algo como baunilha e canela.

- Terminou? - O moreno perguntou encarando Ellie e concordou assustada. - Ótimo, sente na cama, preciso deixar algumas coisas claras pra você. - Ele deu passagem para ela ir até a cama sentar, Ellie fez o que ele pediu sentindo um olhar pesado sobre ela e engoliu a seco.

- Se for sobre negociações com minha família sobre algum valor do sequestro, eu... Não tenho contato com minha família, e posso garantir que não tenho dinheiro nenhum, talvez oito mil no banco, mas talvez nem isso. - A voz fina dela se fez presente e ele deu uma risada sarcástica.

- Eu já disse Ellie, você não está aqui por dinheiro, nunca vai estar aqui poe dinheiro algum.

- Como sabe meu nome?

- Eu sei mais de você do que você pensa... O que eu quero que saiba minha doce e pequena Ellie, é que você vai ficar aqui agora...

- Por que me trouxe até aqui?

- Quantas perguntas... Eu não gosto de perguntas sabe? Eu estou tentando dizer é que agora sua vida é aqui, comigo...

- Eu não quero, por favor.

- Sua vida vai ser aqui, eu quero que se comporte minha bonequinha, se não o papai vai ter que ser malvado com você e você não vai gostar nada. - Ele beijou a bochecha dela e levou a mão até o maxilar da mesma. - Entendeu?

- Sim. - A garota conseguiu falar no desespero e ameaça. - Eu nem sei seu nome, não sei o porque estou aqui, você vai me vender é isso? Serei de alguma rede de prostituição?

- Nunca mais diga isso ouviu? Eu não te venderia para nenhum homem nesta terra, você não vai se deitar com ninguém. - Disse nervoso. - E respondendo sua pergunta meu anjo, eu sou Zayn, Zayn Malik.

- Zayn... - O nome diferente saiu da boca dela como um sussurro, ela nunca tinha ouvido aquele nome então não o conhecia mesmo.

- Mandei fazer pães de queijo pra você, sei que você gosta e precisa se alimentar. - Ele apontou para a cabeceira da cama. Ellie pensou em perguntar como ele sabia que gostava de pão de queijo, já que ela comia todas as manhãs antes de ir para a cafeteria onde trabalhava, mas ai lembrou que ele havia dito que a conhecia mais do que ela pensava. - Você ficará aqui neste quarto, as comidas serão trazidas por alguém de minha confiança e eu acho muito bom que você coma certo Ellie, a casa está vazia, mas lá fora você está cercada sabe? Tem meus homens lá fora e você não vai conseguir ir a lugar nenhum, entendeu?

- Eu... Não posso sair desse quarto?

- Não, você não pode.

- Por favor Zayn... Eu me sinto sufocada aqui dentro, eu queria tomar um ar.

- Você vai entender depois o porquê estou fazendo isso meu amor. - Zayn acariciou os cabelos dela e a mesma tirou bruscamente a mão dele sobre ela.

- Não toque em mim.

- PORRA ELLIE, PORRA. - Zayn gritou se levantando da cama e chutou o rack que apoiava alguns livros. - VOCÊ NÃO QUER COLABORAR, DEPOIS NÃO RECLAME. - Gritou saindo e depois batendo a porta.

- Louco, eu estou presa com um louco, Deus me ajude. - Ellie sussurrou caindo em prantos novamente.

[...]

As horas se passavam como dias ali dentro daquele quarto, Ellie não tinha noção do tempo ali dentro, conseguiu perceber que era noite assim quando o céu ficou escuro e Zayn ainda não tinha voltado, mais cedo seu almoço foi entregue por um homem que bateu na porta entregando lhe a bandeira com a comida e um suco natural, era como se ela estive em um sistema carcerário só que com comida boa e em um quarto extremamente luxuoso. Ela teve tempo o suficiente para olhar tudo ao redor, os livros sobre as estantes empoeirados eram do curso de direito, mas pela conservação havia muito tempo que ninguém os lia, os pequenos quadros na parede não tinham fotos como era de costume ter, haviam desenhos feito a lápis emoldurado, eram lindos e indecifráveis. Todo aquele espaço estava com o cheiro dele, um cheiro forte e marcante, tudo arrumado perfeitamente e ao mesmo tempo um ambiente completamente pesado.

- Deus, me proteja de todo o mal, crie um caminho para me ajudar. - Ela pediu em uma pequena oração enquanto ainda pensava no que estaca acontecendo em sua vida, uma reviravolta que nunca pensou em acontecer, em um dia ela vivia sua vida pacata do trabalho para casa e de casa para a Faculdade e agora era totalmente diferente, não sabia o que iria acontecer com ela daqui pra frente. Quando terminou a oração, apagou as luzes daquele quarto e foi pra cama dormir, não tinha noção de que horas eram mas sabia que era tarde pois sentia seus olhos pesarem pelo sono, Zayn não voltava desde manhã, e talvez nem voltaria hoje. Quando ela estava pegando no sono e se livrando de pensamentos atordoados e assustadores sobre seu destino, um barulho forte fez com que a mesma levantasse em um pulo da cama, correu para acender a luz novamente e ver o que estava acontecendo. era Zayn, ele estava ali em sua frente parado, ofegante e todo ensangüentado.

- AHHHHHH. ! - Uivou de dor antes de cambalear para o lado.

- Zayn? Meu Deus, o que houve?

[...]


Notas Finais


Eu a desejava como nunca desejei nenhuma outra mulher na vida, eu queria ela na minha cama gemendo o meu nome, mas eu também queria andar de mãos dadas com ela na praia e não podia, ela era mulher do meu irmão e aquilo não poderia existir entre nós.


https://spiritfanfics.com/historia/perdicao-9954000


Leia perdição com ZAYN MALIK


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...