História Insensível - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Visualizações 5
Palavras 1.611
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Colegial, Romance e Novela
Avisos: Estupro, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 10 - X - Pai?


Fanfic / Fanfiction Insensível - Capítulo 10 - X - Pai?

Acordei, percebendo que acabei adormecendo torto na cama.

Olhei para o relógio, e ja eram 18:30. Levantei da cama, tirei minha camisa. E desci para sala. Antes de terminar de descer da escada, pude ouvir a voz do Maw na cozinha. Fui até a cozinha e pude ver a cena mais incrível que eu já tinha visto. Ele e minha mãe estavam cozinhando juntos.

- Oi filho- Disse minha mãe percebendo que estava encostado na porta olhando para eles, - o que foi?

- Nada não - disse rindo.

- Por que não me avisou que ele estava aqui? - perguntei para a minha mãe. E ele continuava a cortar os tomates, mas as vezes olhava para mim.

- Você estava dormindo, e ele achou melhor não acordar você.

Ele olha pra mim e da um sorriso maravilhoso.

- Hum...

- Nossa, você deveria ser como ele - minha mãe disse - ele sabe cozinhar, e voce não sabe nem fritar um ovo.

- Nossa, a culpa não é minha se não tem paciência para me ensinar. - Ele ri.

- Mãe eu... - sou interrompido pela campainha que toca.

- Atende a porta filho - disse minha mãe.

- Eu não vou atender, pois eu sei quem é - disse irritado, pois ela também sabia quem tocará a campainha.

- Se quiser eu atendo - disse o Maw.

- Você me faria esse favor? - perguntou minha mãe.

- Claro.

O Maw foi atender a porta. Pude ouvir o Maw conversando com ele.

- Oi senhor Carlos - disse o Maw - eles estão na cozinha.

- Obrigado meu rapaz.

Eu estava sentado na cadeira da cozinha que fica de costas para a entrada da cozinha. Minha irmã desce correndo as escadas e da um abraço nele. E eu continuo sentado.

- Pai - diz minha irmã ainda nos braços dele - Estava morrendo de saudades.

- Eu também minha filha. - ele se solta dos braços dela - Eu estava com saudade de você também Andy.

O Maw aparece novamente. Ele volta a sentar na mesa e cortar os legumes. Minha mãe parecia estar tirando algumas panelas do fogo.

- Que bom - digo frio. O Maw olha para mim, e faz negação com a cabeça forma de dizer para que eu parasse de ser grosso. Eu sussurei para ele "Depois eu explico" - Pois eu não estava.

- Andy - minha mãe me chama - nos já conversamos.

Eu me viro e vou em direção ao meu quarto.

- Não ganho nenhum abraço? - ele pergunta.

Me viro novamente em direção à cozinha. Ele devia pensar que estava indo o abraçar tanto é que ele abre os braços quando chego perto.

- Maw, preciso conversar com você. Vamos subir? - perguntei pro Maw.

- Okay.

Ele para o que estava fazendo, e sobe comigo até meu quarto.

- Cara eu não entendo por que você é assim com seu pai.

Ele diz se sentando na cama junto a mim.

- Eu preciso te contar uma coisa - comecei a dizer - eu confio em você, e sei que daqui não vai sair.

- Sim, pode confiar - ele olha para mim preocupado - Aconteceu alguma coisa?

- Sim, e eu vou te contar o verdadeiro motivo de eu odiar meu pai - fechei os olhos brevemente e continuei - Meu pai fez uma coisa comigo que eu não consigo esquecer, é como cicatriz eu sempre lembro..... - respirei fundo - Meu pai abusou de mim quando eu era pequeno.

- O que? - vi lágrimas caindo dos olhos do Maw - Me desculpa eu não sabia, e eu estava te empurrando pra cima daquele monstro.

- Não precisa pedir desculpa, você não fazia idéia. - olho para ele e continuo - Ele deve ter se separado da minha mãe por não ter aguentado a olhar para mim com medo de eu contar. Acho que talvez ele deva pensar que eu tenha esquecido. Mas não esqueci.

- Se quiser, pode dormir em casa - ele disse enxugando algumas lágrimas do rosto.

- Não, obrigada. Tenho que enfrentar esse problema de frente. Eu sempre fugi disso, e nada adiantou. Esta na hora de eu bater de frente - paro e caiu a chorar - Mas sempre que olho para ele, eu me lembro de tudo. Sinto meu corpo tremer e ferver de ódio.

- Eu te entendo.

Ele fica me olhando e abaixa a cabeça. Parecia esperar algo, e eu sabia exatamente o que era. Talvez esteja mesmo na hora de eu parar de fugir desta responsabilidade também.

- Maw - chamo ele. Ele logo se vira e olha para mim, entorta o sorriso e seu rosto queima.

Eu me ajoelho em frente a ele.

- Eu não sei bem como é, ou como funciona. Mas com você eu sou capaz de tentar, mesmo errando. Você quer namorar comigo?

Ele coloca as duas mãos no rosto e chora mais um pouco.

- Eu não esperava isso de você - ele tira a mão do rosto - E sim, eu aceito namorar com você.

Eu não esperei e fui ao encontro dos teus lábios.

Seus lábios era como vício, não tinha forças para desfazer o beijo, e nem queria. Coloquei ele deitado na cama de barriga pra cima. E me sentei sobre ele, e voltei a beija-lo. Estávamos muito excitados, eu podia sentir sua ereção enquanto me sentava em seu colo, derrepente a porta se abre.

- Filho vem... - ela para de falar quando me vê em cima do Maw. Ela coloca a mão na boca e fala - Por que você não me contou?

Eu saio de cima do Maw. Eu estava tranquilo em relação a minha mãe. Ela me poupou o trabalho de ter que dizer a ela.

- Eu ia, mas o outro chegou e atrapalhou - falo observando o Maw com vergonha - Mãe, Maw e eu estamos namorando.

- E eu sou a última a saber - ela faz uma voz manhosa e vem me abraçar - Não importa sua orientação sexual meu filho, o que importa é o seu caráter que espero continuar o mesmo.

Ela vai até o Maw e estende os braços para que ele abrace ela.

- Vem meu genro, me dê um abraço.

Os dois se abraçam e ela novamente nos chama pra jantar.

- Venham jantar. Senao vai esfriar.

Ela saí.

- Eu não quero descer - digo desanimado.

- E aquele papo de " Enfrentar os problemas" - ele faz aspas com os dedos, e acaba rindo - Não se preocupe eu vou estar lá, do seu lado.

Descemos as escadas, e quando estávamos quase chegando na cozinha eu tive uma idéia. Olhei para o Maw.

- Você confia em mim? - perguntei para o Maw. E dei um sorriso de quem ia aprontar.

- Ah, não. O que vai fazer? - perguntou desconfiado.

Eu sussurei " Só confia em mim", e peguei as nossas mãos e cruzamos. Chegamos na cozinha, minha mãe estava terminando de colocar a mesa. Ela era a única que estava de frente pra nós, a minha irmã estava conversando com o pai dela, meu irmão estava no colo dele. Minha mãe olha para nós, e depois olha para nossas mãos, ela solta um riso e sussurra pra mim

" Boa ".

Não pude deixar de rir. O Maw nem ouviu, e infelizmente ninguém percebeu que eu e o Maw estávamos de mãos dadas.

Sentei ao lado do Maw, de frente para o Carlos, meu irmão ao lado do Carlos, minha mãe e minha irmã estavam nas pontas de frente uma para outra.

No início minha irmã fazia algumas perguntas, sobre o lugar onde morava, aonde ele trabalhava, etc.

- Eu encontrei uma casa, amanhã eu vou ver certinho, o bom que é nesse quarteirão. - disse Carlos.

- Sério pai? Que legal, vai ficar pertinho da gente de novo. - disse a Nath.

- Pois é, - ele repousa a colher no prato e coloca suas mãos na mesa. - E você Andy, como está indo na escola?

- Bem, Obrigado por perguntar - digo sarcásticamente.

- Maw, quando vamos contar a novidade para sua mãe? - pergunto para Maw para fugir de um futuro papo com Carlos.

- Se quiser podemos falar daqui a pouco. - ele diz e abaixa a cabeça com vergonha.

- Que novidade é essa? - pergunta a Nath. - Agora fiquei curiosa.

- Vamos aproveitar a " Família Reunida" e contar a eles? - pergunto para Maw novamente.

O Carlos olha desconfiado. Minha mãe só observa, ela ja sabe do que se trata.

- Você que sabe Andy. - O Maw abaixa a cabeça novamente.

- Então família.... Maw e eu estamos namorando. - digo na lata. Eu estava louco para ver a reação de Carlos.

- O que! - Carlos pergunta baixo, um pouco inaudivel.

- Que legal! Um irmão gay - a Nath disse isso, e pela primeira vez não ouço sarcasmo em sua voz.

- O que é gay? - pergunta meu irmão pequeno. Mas todos ignoram.

Todos olham para minha mãe. Ja estava de boa, pois minha mãe sabia.

Mas ninguém estava ciente que minha mãe estava bem informada.

- Não vai dizer nada Carmen ? - Pergunta o Carlos, de forma pacífica.

- O que eu tinha pra dizer eu já disse. Se quer dizer algo Carlos, fale. Ele também é seu filho. - disse minha mãe, que continuava a comer sua comida.

- Okay. É normal hoje em dia né? - ele disse respirando bem fundo. Ele sabia que teria que engolir pois ele não tinha o menor direito de falar algo.

- Pois é, né. - digo sarcásticamente.

Maw e eu fomos até sua casa. Contamos nos mínimos detalhes para ela. Ela no fundo ficou feliz. Ainda por cima ela deixou bem claro para Maw, que se eu fizesse algum mal a ele, é para ele contar. Achei bonito da parte dela. É o papel de mãe. Maw foi deitar, e eu fui para minha casa.


Notas Finais


Por favor, comentem


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...