História Insígnias do amor - Capítulo 26


Escrita por: ~

Postado
Categorias Em Família
Personagens Clara Fernandes, Marina Meirelles
Tags Clarina, Em Família
Exibições 227
Palavras 2.469
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Boa tarde pessoal
mais um capítulo para vocês
Boa Leitura
Anne

Capítulo 26 - Capítulo 26


Clara foi a primeira a acordar naquela manhã, viu a amada em seu lado na cama e pensou: “Como tenho sorte meu Deus, como ela é linda...” Admirou a fotografa, por mais alguns instantes e então se levantou, foi até o banheiro e trocou de roupa e escovou os dentes, depois saiu do quaro bem devagar. Foi até o quarto de Ivan, para ele tomar banho e se ajeitar para a escola, o menino resmungou por alguns momentos, mas logo tratou de levantar, sabia que a mãe ficava brava se ele não levantasse, por que se nãe ele se atrasava.

A morena então foi para a cozinha para preparar o café, preparou algo simples, mas com todo amor desse mundo. O pequeno não demorar para estar pronto, logo já estava sentado a mesa, tomando o seu café e viu que a mãe arrumava uma bandeja de café da manhã, ele sabia para quem era, deu um pequeno sorriso mas não disse nada, ele sabia que a mãe estava feliz e isso para ele bastava, que seus pais estivessem felizes, mesmo não estando juntos, Ivan era bem maduro apesar da pouca idade.

Clara: - Filho, quando terminar coloca na pia esta bem? Mamãe vai lá acordar a Marina tá bom?

Ivan: - Tá bom mãe.

***

                Ao chegar no quarto, ela viu que a amada ainda estava num sono gostoso, que dava até dó de acordar ela, mas ela precisava, além de ter que levar o pequeno na escola, sabia que Marina tinha compromissos no estúdio pela manhã. Deixou a bandeja na mesinha de cabeçeira e se aproximou do ouvido dela bem devagar, e disse:

Clara: - Oh dorminhoca tá na hora de acordar... e deu um beijo na bochecha da amada.

Marina: - Ah não amor, mas um pouquinho, por favor.

Clara: - Mas o preguicinha, você tem reunião hoje cedo.

Marina: - Mais aqui tá tão bom, não vou trabalhar hoje, me recuso a ficar longe de você hoje...

Clara: - Isso é chantagem dona Marina Meirelles?

Marina: - Passa o dia comigo, que eu levanto para ir para reunião, se não, nada feito.

Clara: - Esta bem, então toma o seu café. Se afastou da amada para pegar a bandeja, Marina abriu um sorriso, a morena a mimava demais, mas ela estava gostando disso. – Não quero te apressar, então vou deixa minha linda aqui e levar o pequeno na escola e volto, quando eu voltar, vamos para Santa Tereza combinado?

Marina: - Esta bem amor.

Clara: - Você está em casa, então fique a vontade.  Deu um beijo na amada e se levantou rapidamente, já saiu do quarto gritando para Ivan pegar a mochila se não ele ia se atrasar, isso fez a fotografa viajar um pouco, imaginou se todas as suas manhãs fossem assim, e ela realmente queria que fossem, com todas as forças do seu ser.

***

                Marina tomou tomou o seu café da manhã, se levantou e colocou a bandeja na cozinha, depois voltou ao quarto e foi ao banheiro, mas queria tomar um banho, mas não viu nenhuma toalha, então foi até o guarda-roupa da amada para procurar e viu como a namorada era organizada e caprichada, não demorou muito para achar, vasculhou também atrás de uma roupa para colocar.

                Ligou o chuveiro de deixou a água cair sobre ela, sem pressa relaxando, tomou o banho saiu, escovou os dentes e viu sobre a bancada do banheiro o perfume de Clara e decidiu colocar um pouquinho em si  mesma só para passar o dia com o cheirinha da amada empregnado nela, ela sabia que a amada passaria o dia com ela, mas gostou da ideia de fazer isso. Voltou a sentar na cama, esperaria a morena voltar, o que não demorou muito.

***

                A morena chegou e logo foi para o quarto, achou bonita a cena de ver Marina sentada na sua cama e usando a sua roupa e assim que se aproximou, viu que ela também estava usando o seu perfume.

Clara: - Roubando o meu perfume é?

Marina: - Nesse pequeno tempo, já fiquei com saudade amor. Então coloquei seu perfume, para sentir seu cheirinho em mim.

Clara: - Parece que você achou tudo né?

Marina: - Sim, a senhorita é muito organizada.

Clara: - Já a senhorita né amor?

Marina: - Não sou tão desorganizada assim, mas confesso que tenho uns pequenos problemas.

Clara: - Pequenos?

Marina: - Ok, talvez muitos. Riu. A morena olhou para ela com um olhar penetrante, de desejo. Deu um beijo na amada, que de lento, logo se tornou intenso, logo o clima entre elas estava quente. A morena parou o beijo e ouviu um resmungo da amada.

Clara: - Sei que está gostoso, mas precisamos ir né? Você não pode se atrasar... Marina olhou para ela fazendo bico. – Continuamos mais tarde e prometo que compenso.

Marina: - Estou gostando disso.

Clara: - Ah é sua sapeca?

Marina: - Vai passar o dia comigo no estúdio e depois mais tarde tem recompensa.... do que eu preciso reclamar... nada. Enquanto a ser sapeca, você sabe que eu sou, mas isso vera mais tarde.

***

                Chegaram rápido a Santa Tereza, o trânsito estava bem tranquilo. Foram direto pro estúdio onde Flavinha já estava com um computador nas mãos, quase que nem piscava.

Marina: - Você não dorme?

Flávia:  - Se eu fizer isso minha chefinha briga comigo...

Marina: - Muito má a sua chefinha.

Flávia: - Muito... Temos companhia hoje?

Marina: - Sim e vai passar o dia todo.

Flávia: - Oi Clara. Acenou para a morena.

Clara: - Oi Flavinha.

Flávia: - Vai gostar de acompanhar um ensaio da Marina.

Clara: - Ensaio, amor você disse que era só uma reunião.

Marina: - Queria fazer uma surpresa e já está mais do que na hora da minha namorada me ver trabalhando, sei que vai gostar amor.

Clara: - Gostar? Tenho certeza de que vou amar, seu trabalho é incrível.

Flávia: - É amiga, encontrou a sua fã número um.

Marina: - Né amiga, mas bem o que precisamos ajeitar?

Flávia: - Bom, só o cenário e a iluminação. Vanessa está trazendo as modelos. Marina olhou para Flavinha com olhar de preocupação, por que até então Vanessa sabia da existencia da morena na vida de Marina, mas ainda não tinha visto ela de fato, e de certa forma isso causava certa tensão em Marina, pois ela não sabia como a ruiva iria reagir a isso, que apesar dela dizer que não ligava, a fotografa sabia que não era tão simples assim.

Clara: - Esta tudo bem?

Marina: - Ta sim amor.

Clara: - É que fizeram uma carinha... A fotografa nada disse e ficou em silêncio e logo foram ajeitar o cenário, mas Marina depois disse no ouvido da morena que depois explicaria pra ela.

***

                Vanessa chegou no estúdio e a principio não viu a morena, ela estava com Marina no andar de cima vendo as roupas que ela tinha no estudio. A fotografa deixou a amada lá em cima e desceu para falar com a ruiva.

Vanessa: - Oi Marina, as modelos já chegaram e Flavinha disse que já ajeitaram o cenário... então acho que podemos começar... Foi só então que ela parou para reparar na roupa da amiga. – Trocou de estilo?

Marina: - Vanessa...

Vanessa: - Essa roupa não é sua...

Marina: - Vanessa...

                A morena sem entender o que estava acontecendo, desceu as escadas e parou no pé dela, quando viu a ruiva gesticulando com Marina, como se estivesse brava com ela e a fotografa só estava parada olhando, tentando acalmar Vanessa.

Marina: - É da minha namorada essa roupa, já conversamos sobre isso e eu pensei que estava bem claro pra você, sobre esses questionamentos sem fundamentos que você me faz...

Vanessa: - Você não poderia ter trocado?

Marina: - E que mal há nisso Vanessa? E fica calma, por favor.

Vanessa: - Você não me contou que iria dormir na casa dela, disse que conversaria comigo sobre essas coisas.

Marina: - Não vou contar tudo né? E você tem que entender Vanessa, mesmo em uma amizade, tem limite das coisas que contamos e compartilhamos. A morena ainda não tinha se pronunciado, como não estava entendendo o que elas estavam falando, achou que era algo relacionado ao trabalho, então ficou aguardando. – Ela tá aqui e vai passar o dia e acompanhar o nosso trabalho e eu ficaria muito grata, se você respeitasse isso.

Vanessa: - Aqui, comigo aqui?

Marina: - Vanessa, além de sermos amigas, aqui é meu local de trabalho, posso trazer quem eu quiser e mesmo não acreditando me preocupo com seu bem estar, mas você precisa entender as coisas, nunca te dei esperança e você sabe que estou em um relacionamente, e mas nada que normal que ela venha aqui, não é só meu trabalho é minha casa.

Vanessa: - Ela virou mesmo a sua cabeça.

Marina: - O que virou a minha cabeça? Olha as coisas que você fala.

Vanessa: - Pra você, pode não ter sido nada, pareço um disco arranhado, mas pra mim... eu me apaixonei...

Marina: - Sempre deixei claro que de mim só teria a minha amizade e você tem que entender e respeitar isso.

Vanessa: - Mas Marina...

Marina: - Mas nada, e melhor para com isso, por que certamente ela não esta entendendo nada.

Vanessa: - Ela sabe dos seus fantasmas?

Marina: - Saberá quando tiver que saber... um deles já sabem, Vanessa ela é a pessoa que eu escolhi. E já disse se continuar com esse comportamento, serei obrigada a tomar medidas drasticas, coisa que eu não quero... assunto encerrado e se comporto. A fotografa se afastou e foi até a namorada.

***

Clara: - O que está acontecendo amor?

Marina: - Eu sei que você não está entendendo nada, você ouviu alguma coisa?

Clara: - Não, tem haver com seu trabalho amor, fiquei aqui para não atrapalhar.

Marina: - Não é bem assim amor, preciso conversar com você sobre a Vanessa, mas não precisa se preocupar eu prometo para você, só que não pode ser agora, preciso começar o ensaio... as modelis estão esperando, mas prometo que explicarei tudo.

Clara: - Esta bem amor. Apesar de Marina dizer, a morena não deixou de se preocupar.

Marina: - Vamos lá vê se as modelos estão prontas?

Clara: - Vamos.

***

Flávia: - Vanessa, você ficou doida? Marina esta tendo paciência com você viu, por que se é outra pessoa já tinha te mandando embora.

Vanessa: - Sem sermões...

Flávia: Parece que você anda precisando de alguns... e dose de semancol.

***

                Logo o ensaio foi iniciado e não demorou muito para o clima pesado sair. A fotografa começou a trabalhar e a morena ficou encantada. Marina com a camera na mão, era magico, ela parecia que virava criança de novo.

                A morena amou ver o ensaio que durou mais ou menos umas duas horas, já estava na hora do almoço, elas almoçaram as quatro juntas, mas o silêncio foi geral. Assim que terminaram, Flavinha tratou logo de arrasta Vanessa dali, mesmo a contra gosto da mesma, ela queria ficar ali para conversar com Marina, para ela a conversa ainda não estava encerrada, só tinha ficado quieta naquela hora por que sabia que o ensaio era importante para a fotografa e não queira estragar isso para ela, mas certamente que depois conversaria e de uma coisa ela tinha certeza, que não desistiria de Marina assim tão fácil, apesar de ter dito para ela que tentaria esquecer.

Assim que as duas sairam, Marina se aproximou da amada e segurou a sua mão, afastou o cabelo que insistia em cair sobre os olhos dela.

Marina: - Gostou do ensaio?

Clara: - Gostei amor, é mágico de te ver trabalhando.

Marina: - Fico feliz que minha amada pense assim. Bom, amor eu disse que iamos conversar sobre a Vanessa.

Clara: - Por que ela estava discutindo com você?

Marina: - Ciúme. Clara logo fechou a cara. – Antes de ficar brava comigo, me deixa falar?

Clara: - Deixo... só não entendo a razão do ciúme dela.

Marina:  - Ela trabalha comigo a anos e desenvolvemos uma amizade...

Clara: - Só amizade?

Marina: - Deixa eu falar amor...? A morena fez que sim com a cabeça e a fotografa prosseguiu. – Como eu estava dizendo, densenvolvemos uma grande amizade, compartilhamos muitas coisas relacionadas ao trabalho e uma vez fiz uma exposição em Madri, as fotografias venderam na mesma noite, todas e eu fiquei muito feliz e depois da exposição fomos a uma boate para comerar. Nesse dia, eu bebi além da conta, não estava em mim, passei mesmo dos limites... Vanessa que me levou para o hotel... me deu banho e colocou na cama... eu não tinha controle sobre mim... ela invés de ir pro quarto dela, ficou no meu... eu estava sonolenta, mas não queria dormir, o banho de certa forma me despertara... fiquei falando coisas sem nexo... ela se aproveitou disse  e me beijou, não lembro se correspondi ao beijo, mas não foi nada, mas na cabeça dela, ali nasceu um sentimento. No dia seguinte, acordei com ela do meu lado... eu estava com a roupa trocada e banho tomado e uma dor de cabeça descomunal, sem me lebrar de nada e me sentindo pessima por ter acontecido alguma coisa entre a gente, por que eu realmente não queria nada daquilo e apesar deu insistir em perguntar, ela nunca dizia, ficou me torturando semanas, até que disse que foi só um beijo, nesse instante confesso que minha mente, ficou tranquila, mas foi ai que começou... todas que se aproximavam de mim ela dava ataque de ciúme, mas eu sempre dizia que não queria nada com ninguém e nem com ela, sempre deixei claro que entre eu e ela, era só amizade.

Clara: - Eu entendo e confio em você amor, mas parece que na cabeça dela não funciona assim. Se continua assim, você tem que afastar ela, essas coisas de ciúme é perigoso.

Marina: - Não esta brava comigo?

Clara: - Por que eu estaria amor? Tudo isso aconteceu antes da gente se conhecer, não posso ficar brava com você por isso, e você me disse que é só amizade confio em você. Agora, não posso deixar de me preocupar com ela, pois não a conheço e não sei que reações ela poderia ter...

Marina: - Você não existe amor... mesmo. Beijou a amada. – Eu sei que tenho que resolver isso, mas antes de tomar uma decisão muito drastica, queria que ela caisse em si sabe, mas pela nossa amizade que outra coisa entende?

Clara: - Sim, mas pelo que vimos hoje, ela esta no limite de sair do controle, só me promete que vai tomar as providencias se isso sair do controle.

Marina: - Tomarei.


Notas Finais


E ai gostaram?
Abraço
Anne


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...