História Instinto de Gato - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolescente, Amizade, Baseball, Comedia, Drama, Escolar, Fantasia, Ficçaocientifica, Gato, Instintodegato, Lancaster, Mistério, Neo, Romance, Saya, Slice Of Life
Visualizações 1
Palavras 4.037
Terminada Não
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 12 - Surpresa


Por um momento Neo não sabia o que fazer. Em todas as pessoas naquela escola a que ele menos esperava que estivesse ali naquela sala, estava lá. Esperava até a Saya e não ele.

Pelo menos a sala era grande, havia dez cadeiras ali separadas em duas fileiras de cinco viradas uma de frente para a outras, encostadas na parede e com uma mesa retangular no centro, alguns quadros e uma estande pequena, além disso havia algumas revistas e outras coisas ali para passar o tempo. A sala toda tinha uma cor marrom que lembrava um tribunal.

Se sentou rapidamente na primeira cadeira da fileira, o mais distante possível do outro garoto, evitando ao máximo contato visual.

Ao mesmo tempo em que era uma situação tensa também podia-se dizer que era engraçada porque ele nunca havia antes estado tão perto do seu rival, tudo o que queria era que o tempo passasse rápido para que pudesse sair dali. Porém, sabendo que o tempo sempre esteve contra ele, era óbvio que ficaria anos preso ali.

Já havia passado algum tempo e Kensuke continuava imóvel olhando para o nada, enquanto Neo ficava olhando em volta procurando algo para fazer sem sucesso. A sala de espera fazia jus ao nome, até porque não havia nada mais que podia se fazer além de esperar.

Foi quando o pior aconteceu, o rival despertou de seu estado imóvel e olhou em volta, vendo o garoto sentado ao longe, além dele tentar quebrar o gelo falando alguma coisa, também o reconheceu.

–Ei, se não me engano você é amigo da Saya, certo? –Perguntou ele um tanto quanto confuso.

Aquela pergunta era simples, porém de certa forma o irritava. Tudo que ele queria era ficar quieto no canto dele e depois entrar na aula, não precisava conversar, não estava entediado a esse ponto, porém era só uma simples pergunta e por isso não custava responder.

–Pode-se dizer que sim. –Respondeu ele querendo acabar o assunto ali.

Kensuke sorrio por ter acertado.

–Ah sim, seu nome é Neo, né? Ela fala muito de você, o tempo todo.

Óbvio que aquilo deixou o garoto feliz, só que ele manteve a seriedade e a frieza enquanto ouvia o restante.

–Parece que ela realmente gosta muito de você, apesar de eu nunca ver vocês juntos.

–Fico feliz com isso. –Disse Neo tentando mais uma vez cortar o assunto.

Claro que as palavras dele fizeram algum efeito, deixando o ambiente pesado e silencioso por alguns segundos, o que ele não sabia é que seu rival era teimoso.

–Sabe, eu tenho te observado e você parece um cara legal e confiável. –Disse Kensuke tentando parecer legal.

–Isso não soou muito bem. –Disse Neo estranhando aquilo.

Apesar dele ter dito aquilo, Neo nunca percebeu que estava sendo observado.

–Realmente. Desculpe.... É que com a Saya falando tanto de você, tive que verificar quem era. E agora que finalmente pude conversar contigo, se quiser acho que possamos ser amigos.

Amigos? Realmente seria uma coisa muito estranha de acontecer, os dois que disputam pelo o amor da mesma garota serem amigos. Só que talvez isso significava que Kensuke não sabia sobre o que Neo sentia e claro que isso poderia muito bem ser uma vantagem.

–Não sei, tudo isso é tão repentino. –Respondeu Neo um pouco seguro.

–É, tem razão.

Depois de outra tentativa falha, Kensuke ficou sem graça e o silêncio dominou novamente, ficou assim por bastante tempo, só que ele era teimoso demais para desistir ali e resolveu jogar seu orgulho de lado e insistir tentar uma última coisa, aquilo que seria um grito de desespero.

–É que para falar a verdade, eu preciso da sua ajuda. –Disse ele soando como realmente desesperado.

–Com o que? –Perguntou Neo como quem não quer nada.

–Como você é amigo dela, sem dúvidas pode me ajudar. –Concluiu ele.

Kensuke parou por um momento para criar coragem para falar e nesse momento Neo teve um mal pressentimento, como se as palavras que fosse escutar em seguida fossem muito ruins, por isso não queria escutar, só que ao mesmo tempo estranhamente algo dentro dele falava que era algo que precisava ouvir, porque aquilo era algo que por mais que ele não aceitasse ou quisesse que fosse mentira, não iria ser, e só acreditaria ouvindo pessoalmente, aquilo que seria o inevitável.

–Estou apaixonado pela Saya e vou me declarar para ela, por isso preciso de sua ajuda! –Soltou suas palavras com toda força que pode.

Ouvindo aquilo, Neo não conseguiu ficar mais ali, imagens dele perdendo a garota que amava, pensamentos de que aquilo podia ser real e principalmente medo gritavam para ele fugir, por isso sem pensar acabou levantando, virou de costas e correu, o mais rápido que conseguiu. Kensuke se surpreendeu pelo garoto fazer aquilo de repente, tentou chamar, mas, de nada adiantou.

Ele não sabia onde ir, apenas precisava respirar em um lugar que não fosse muito longe, pois precisaria voltar para a próxima aula. Inconscientemente acabou subindo as escadas e parando no terraço, seus pés o levaram lá, mas, era justamente o lugar que estava procurando.

Dali dava para ver a cidade inteira, Neo pensou em como Claws por mais que fosse uma cidade pequena ainda assim ela era bem grande se olhasse daquele lugar. Uma vista que era divertida para ele, olhar os seres humanos de longe, lembrou que sempre fez isso, era divertido pensar para onde aquela pessoa apressada estava indo ou quem aquela outra estava esperando? Será que conseguiria viver como eles? Queria ser mais que um observador. Como será que é viver como humano?

“É doloroso...” –Pensou ele enquanto lagrimas rolavam em seu rosto.

Ali o tempo passou e finalmente o sinal mostrando que a primeira aula tinha acabado finalmente bateu, e com isso o garoto foi lavar seu rosto no banheiro para fingir que nada tinha acontecido, checou se tudo estava certo com o uniforme e o cabelo. Provavelmente ninguém iria notar nada de diferente.

Entrou na sala e viu que todo mundo já estava lá dentro, inclusive Kensuke que estava o encarando, o professor não tinha chegado ainda e isso era uma coisa boa por ter chegado no tempo certo, tudo que fez foi ir em direção a sua cadeira e sentar enquanto ignorava as pessoas perguntando o que teria acontecido para que tivesse se atrasado.

Claro que Len, não tirou os olhos dele em busca de respostas, porém tudo que o garoto fez foi olhar para fora da janela, em busca de solidão, para que meditasse em seus pensamentos, afinal quem estava cheio de perguntas era ele e quase nenhuma resposta.

E as coisas seguiram assim até praticamente o intervalo chegar, onde sem nem menos esperar muito Len foi falar com ele.

–Aconteceu alguma coisa? Você nunca chegou tão atrasado assim. –Questionou preocupado.

Claramente aquilo deixava Neo nervoso, porque havia acontecido, só que não era por isso que tinha acordado tarde.

–Eu...

Neo ia responder quando percebeu que Kensuke o estava observando aquele tempo todo e claramente não podia ouvir o que ia falar em seguida, pois se tratava dele mesmo.

–Len, podemos conversar em outro lugar? –Sussurou Neo.

E antes que ele pudesse responder, Neo o puxou pelo o braço para fora da sala, enquanto Kensuke continuava a observa-los de longe, não demorou muito para que começasse a segui-los.

–Está vendo? Kensuke está me vigiando. Continue andando. –Sussurrou Neo.

Len que antes estava confuso compreendeu na hora a estranheza do garoto e seguiu o ritmo como se nada tivesse acontecido.

–Você sabe o porquê? –Perguntou analisando a situação.

–Talvez eu saiba o motivo, mas, por hora a gente tem que despistá-lo.

Os dois continuaram andando em ritmo normal, fingindo que estavam apenas conversando normalmente, foram em direção as escadas e enquanto desciam apressaram um pouco o passo, no fim dela quando Kensuke não podia mais vê-los, foi quando decidiram entrar em uma das salas mais próximas, se agacharam e ficaram escondidos.

Dali dava para ver o garoto procurar por eles, ficar extremamente confuso pelos dois terem desaparecido do nada e por fim passar pela sala sem ao menos pensar que estariam ali dentro. Quando estavam a salvo, soltaram um suspiro.

–Neo? O que está fazendo na minha sala?

Talvez por estar preocupado em se esconder ou por outro motivo de imediato não conseguiu reconhecer aquela voz, precisou virar para ver que era Takeshi e claramente se quando o viu.

–Takeshi? O que você está fazendo aqui? –Neo perguntou surpreso enquanto se levantava.

–Como assim? Eu quem pergunto, sou dessa sala, vim pegar alguns papeis que o Maeda me pediu. –Explicou Takeshi confuso.

De repente Kensuke voltou pensando que Neo poderia ter ido para o outro corredor e antes que ele pudesse olhar para dentro da sala mesmo que de relance, Neo abaixou em um movimento rápido e junto com Takeshi.

–Que? O que está acontecendo? Ne-

E antes que Takeshi pudesse terminar, foi interrompido.

–Shhh! Ele vai nos ouvir. –Sussurou Neo.

Os três observaram Kensuke voltar para onde estava a escada, ficar realmente confuso sobre o que havia acontecido ali, procurando se havia alguma passagem secreta ou alguma coisa, pensou em várias coisas até que resolveu descer. Assim que eles puderam ouvir o som dele indo embora, mais um suspiro.

–Afinal, o que está acontecendo? –Perguntou Takeshi olhando para Len que estava encolhido perto da parede esperando que ele respondesse.

Por outro lado, Len apenas continuou imóvel.

–Vamos falar sobre isso em outro lugar, pode ser que ele volte. –Disse Neo.

Ele levantou e chamou os outros dois que o seguiram sem pensar duas vezes, tomando maior cuidado para não serem vistos, seguiram para a escada e subiram bem rápido. O que eles não tinham visto é que bem ao longe, uma garota loira dos olhos azuis, Saya, viu os três juntos e sorriu enquanto assistia eles subindo a escada.

Os três chegaram até o terraço, o único lugar onde Neo conseguiu pensar rapidamente que ninguém os acharia por lá.

O lugar estava quase do mesmo jeito que antes, vazio, por uma diferença de estar ventando bastante. Aquele vento não era ruim, pelo contrário, enchia os pulmões, como se estivessem voando, uma sensação de liberdade tão boa.

–Acho que aqui ele não vai nos achar. –Disse Neo confiante.

–Realmente, tem razão. –Concordou Len enquanto olhava em volta.

Os dois estavam olhando em volta analisando o terraço, enquanto Takeshi ainda olhava para os dois.

–Bom, acho que já pode se explicar. –Disse ele impaciente.

Neo ia começar a falar quando resolveu que seria melhor que eles se sentassem reparando que havia vários bancos ali, afinal é melhor do que ficar de pé, apontou para um deles.

Quando os dois estavam prestando atenção atentamente, resolveu que era hora de começar a falar.

–Eu não sei por onde começar. –Disse sendo sincero.

–Talvez você possa começar pelo começo, explicando o porquê de ter se atrasado. –Sugeriu Len.

Neo concordou, era uma boa ideia.

–Acabei dormindo demais, não ouvi o alarme, não cheguei a tempo de o portão estar aberto, então o porteiro disse que eu precisava esperar pela segunda aula, fui encaminhado até a sala de espera. Só não esperava encontrar com o Kensuke ali.

Os olhos de Len arregalaram mostrando que estava surpreso e ainda assim achava aquilo interessante, enquanto Takeshi estava perdido.

–Prossiga. –Disse Len para que ele continuasse.

–Eu sentei bem longe dele esperando que não falássemos nada e cada um fosse para um lado, só que ele me reconheceu, disse que a Saya falava de mim para ele e por isso queria falar comigo e virar meu amigo.

–Amigo? Que estranho. –Perguntou Len enquanto pensava sobre o motivo disso.

–É! Foi o que eu disse para ele, o tempo todo eu estava tentando acabar com o assunto por ali, só que ele estava insistindo cada vez mais. Até que ele me pediu ajuda.

–Sabia, as pessoas sempre têm segundas intenções. –Concluiu Len pensando em como as pessoas poderiam ser ruins. –Ajuda? Com o que?

–Sim. –Neo deu uma pausa, mas, logo continuou. –Ele queria que eu o ajudasse a ficar com a Saya.

Len se surpreendeu, era totalmente inesperado, enquanto Takeshi continuava a prestar atenção sem entender.

–Eu pensava na possibilidade de ele gostar da Saya, só não imaginava que ele pudesse pedir ajuda para você, achei que o Kensuke fosse do tipo: “faço tudo sozinho”, mas pelo visto nesse sentido é diferente. Bem, e o que você disse?

–Então...

Neo deu outra pausa, não queria contar que ficou mal com aquilo, só que não ia ter jeito, teve uma ideia para contornar a situação e implorou que desse certo.

–Sai da sala e vim para o terraço.

–O que? Como assim? –Perguntou Len confuso, até porque aquela explicação não fazia sentido.

–Isso mesmo. Fiquei muito surpreso, por isso não sabia o que fazer e resolvi que precisava ir para qualquer lugar tirando ali. –Disse rapidamente implorando que Len engolisse aquilo.

–Entendi. Por isso que ele estava te encarando e principalmente seguindo. –Concluiu Len fazendo Neo suspirar por conseguir inventar algo que foi aceitável.

–Isso. –Concordou ele finalizando toda a história.

–Espera, quer dizer que você nunca imaginou que ele pudesse gostar da Saya? –Perguntou Len surpreso.

–Nunca, sempre achei que fosse o contrário. –Disse Neo chateado.

–Tanto para mim quanto para um monte de pessoas sempre imaginamos o Kensuke gostando dela. –Disse Len tentando animar o garoto.

–É difícil saber de verdade, ela sempre foi um mistério. –Disse Neo tentando ser o mais realista possível.

Sem perceber os dois acabaram por deixar Takeshi de fora da conversa, que obviamente não ia ficar ali sem entender nada por todo aquele tempo.

–Afinal, quem é Saya? –Perguntou ele a ponto de sanar suas dúvidas e estar a par da situação.

–É a garota que ele ama. –Len respondeu apontando para o garoto sem ao menos hesitar em contar aquilo, enquanto tudo que ele respondia era:

–EI!  

–Não reclama, é verdade, não é? –Disse Len se defendendo.

Infelizmente ele tinha razão, por isso não podia brigar por ter contado e eventualmente se não fizesse, Neo teria que contar, então no fim da na mesma.

Takeshi, entretanto, ficou surpreso em saber aquilo.

–O que? Você gosta de alguém? Em todo o tempo que te conheço nunca vi você falar de garota. –Disse ele totalmente surpreso.

–Que? –Perguntou Neo mais surpreso ainda pela reação que ele teve.

–Sim, esse garoto é uma caixinha de surpresas, não é mesmo? –Disse Len enquanto ria disso, uma reação bem estranha dele.

–Estou realmente surpreso. Saiba que o time de baseball pode te ajudar se quiser. –Disse Takeshi tentando ajudar.

–Não! Não conte para eles, quanto menos pessoas souber melhor. –Implorou Neo pensando na vergonha que ia passar.

–Mas, a ajuda deles seria muito util. –Disse Len querendo mostrar para o amigo que seria vantajoso ter mais gente ajudando.

–Sim, nós podemos ajudar. –Concordou Takeshi.

Os dois olharam para Neo esperando uma resposta.

–Está bem, olha se por acaso eu precisar, aí você conta para eles, por enquanto mantém isso entre a gente –Disse ele desistindo.

–Ok. Parece justo. –Concordou Takeshi.

Os dois sorriram vendo que tudo estava certo, menos Len que sentia que faltava algo a ser discutido.

–É, só que ainda falta uma coisa. Neo, o seu maior inimigo acaba de te dizer que quer ganhar a guerra e o que você vai fazer?  –Disse Len desafiando Neo a fazer alguma coisa.

–Vou impedi-lo de ganhar. –Respondeu ele aceitando o desafio.

–Como pretende fazer isso? –Perguntou tentando colocar Neo em um beco sem saída.

–Eu não sei. –Respondeu rápido e sincero.

Era uma situação difícil porque por mais que ele quisesse tomar alguma iniciativa, não havia nada que pudesse fazer realmente.

–Sabe, você podia aproveitar que ele quer a sua ajuda e atrapalhar as coisas. –Sugeriu Takeshi.

–Takeshi tem razão, é simples, você finge que vai ajuda-lo fazendo com que ele de voltas ou faça coisas erradas, depois é só fingir que fez sem querer ou que não sabia o que estava fazendo. –Concordou Len explicando melhor para ele.

A ideia era boa, porém parecia algo muito maquiavélico.

–Como vocês são malvados. –Acusou Neo.

–Ué, ele é seu inimigo, não é? Nada mais justo do que o tratar como. –Disse Takeshi se explicando.

–Mas, sério Neo. Pense sobre isso. É uma boa ideia.

O sinal tocou, os três se olharam, se despediram e resolveram ir para a classe. Obviamente Neo estava pensando sobre o que os dois haviam falado.

As aulas passaram bem rápido, contudo Kensuke não tirava os olhos do garoto, o que era aterrorizante, porém estranhamente no final da aula, Neo não foi perseguido por ele.

Neo passou o dia pensando no que fazer, era maldoso? Era. Mas, não era tanto, então talvez ele podia fazer, por isso a noite foi conversar com Len para saber o que iria fazer daqui em diante.

E os dois bolaram um plano juntos, primeiro começava com Neo enrolando um pouco para testar a paciência do rival, ver como era a personalidade dele, três dias parecia ser o bastante.

Apesar de na teoria parecer fácil, na prática foi um pouco difícil, Kensuke era realmente teimoso e persistente, no terceiro dia estava quase impossível se esconder dele, só que Neo era muito esperto usando sua experiência como gato era fácil se esconder de um humano, mesmo que fosse alguém difícil de se esconder.

Toda a informação que ele conseguiu passou para Len, e então era chegada a hora de ir ser amigo do rival.

No intervalo, Neo foi até Kensuke que estava observando ele novamente. 

–Kensuke. –Disse ele com o maior esforço para parecer amigável.

–Se não é o melhor amigo da Saya.... Achei que nunca ia falar comigo. –Disse Kensuke debochando dele.

–Claro né, você acabou me assustando, me perseguindo igual um maníaco. –Disse Neo mostrando que a culpa não era dele.

–Sério? Desculpe, é o meu jeito de fazer as coisas. –Pediu desculpas.

–Tudo bem.

–Afinal, o que veio falar comigo? –Perguntou Kensuke curioso.

–Olha eu gosto de ficar na minha, acho que cada um deve fazer as coisas do seu jeito, por isso não ia te ajudar, mas no fim acabei ficando com pena de você, por estar tão desesperado. –Disse Neo tentando ser o mais coerente possível.

–Pena? Bom, se isso te fizer me ajudar, então eu aceito. –Disse Kensuke feliz por ter a ajuda dele.

Era exatamente como Len havia dito, Kensuke era tão orgulhoso e metido que para ele tanto faz quanto tanto fez, ele não perceberia mesmo se Neo dissesse que estava o atrapalhando.

Então, era hora do próximo passo.

–Certo. Primeiro, eu preciso te perguntar uma coisa, qual seu plano?

–Eu estava pensando em declarar para ela aqui mesmo, na sala, na frente de todo mundo e o mais rápido possível. –Kensuke disse com toda a convicção do mundo.

Neo riu por dentro, porque era exatamente o que Len havia dito que ele responderia.

–“Kensuke pensa de um jeito muito simples, por isso suas ações vão ser tão simples quanto”, pensou nisso enquanto lembrava das palavras do amigo.

–Não, você não pode fazer assim, não vai dar certo. –Disse Neo cortando ele.

–Sério? –Perguntou Kensuke um tanto quanto chateado por a sua ideia dar errado.

–Sim, a Saya tem vergonha, muita vergonha, sem dúvidas não ia gostar que você se declarasse assim em público, mesmo que gostasse de você, sem dúvidas seria rejeitado.

Claramente Neo estava mentindo, só que o que ele não sabia é que aquilo era realmente verdade.

–Caramba, você realmente entende do assunto, fale mais. –Disse Kensuke totalmente impressionado.

–Por isso você tem que conversar com ela em um lugar onde só tenha os dois, assim vocês podem conversar com mais calma. –Explicou Neo.

–Eu realmente tinha razão de te pedir ajuda, você conhece muito bem ela.

Ele sabia que não era verdade e queria que fosse verdade, mas logicamente não ia falar isso para ninguém.

–É, talvez. –Concordou em partes.

–E pensar que eu que sou o amigo de infância dela não sei quase nada dela. –Disse Kensuke em um tom triste enquanto pensava sobre o passado, ficando distante por um tempo e Neo não sabia o que falar naquela situação, era uma situação inesperada. –Bom, que seja vou compensar o tempo perdido, quando começamos? –Disse ele deixando o passado de lado.

Com essa pergunta dele dava início a segunda parte do plano.

–Eu ainda não pensei em nada, me dê algum tempo que quando tiver pensado em algo. –Disse Neo exatamente como foi praticado anteriormente.

–Tudo bem, estarei esperando. –Concordou Kensuke.

A segunda parte do plano consistia em logicamente: “mais enrolação”.

Primeiro veio o final de semana que logicamente não precisava de muito esforço para fingir algo, chegando segunda-feira, logicamente Kensuke queria saber sobre o que Neo havia pensado, só que foi desanimadora a resposta dele, afinal precisava de mais tempo.

E assim seguiu mais alguns dias sem que o garoto dissesse uma palavra sobre algum plano ou alguma ideia, e quanto mais o tempo passava mais ficava difícil enrolar Kensuke que era totalmente impaciente, foi no quarto dia que ele começou a perguntar sobre de novo, só para receber outra resposta idêntica à da segunda-feira.

No quinto dia, o rival já não aguentava mais, estava insuportável, não saia da cola no garoto todo o tempo e direto perguntava, foi nesse momento em que a paciência dele estava claramente perto de ser esgotada que Neo teve que mudar a estratégia e seguir para terceiro passo do plano.

No final da aula, finalmente foi dar a notícia para ele que tinha um plano em mente.

–Eu reuni o máximo de informação que consegui e sem dúvidas vai tudo funcionar certinho. –Disse Neo tentando parecer o mais convincente possível.

Kensuke não conseguiu conter a emoção, toda aquela demora fez com que as palavras que ouviu fossem música da mais bela que existe no mundo.

–E o que é? –Perguntou ele sem se conter.

–Saya sempre costuma ficar depois da aula perto da parte externa observando as quadras do ginásio, só você aparecer lá como quem não quer nada e conversar com ela. –Explicou ele.

Só que como era planejado, Neo falou isso justamente quando era sexta-feira, fazendo com que o outro garoto sofresse ainda mais porque teria que esperar até segunda e pior ainda no fim da aula, fazendo com que o tempo que sempre tinha sido seu rival, virado o seu aliado. Para ele o tempo passou tão rápido, diferente de Kensuke, que sofria com a espera e contava os segundos.

O mais triste foi ver que quando ele apareceu no lugar que Neo havia falado e esperado por bastante tempo, não havia ninguém por lá, ninguém apareceu.

No dia seguinte, ele contou o que aconteceu para o mentor daquele plano perfeito e tudo o que ele respondeu foi:

–É uma pena ela não ter aparecido ontem, porém não desanime, essa foi a única vez que ela não apareceu dentre todos esses dias em que eu a observei, talvez hoje possa ser diferente.

E Kensuke acreditando fielmente nele foi mais uma vez e novamente foi engando, ninguém apareceu por lá.

Neo apenas disse:

–É uma questão de perseverança, você só precisava ir mais vezes ali e esperar, hoje infelizmente também não foi a sua sorte de encontrá-la, mas, talvez amanhã seja.

Assim o enganando por vários dias, mudando de vez em quando o lugar que tinha que esperar.

A noite daquele dia, entretanto os dois garotos juntaram o que haviam conseguido de informação para organizar os fatos e ver como estavam indo as coisas.

Na visão de Len estava tudo certo só que na visão do Neo as coisas estavam ruins.

–Len! O plano era enrolar ele ao máximo para que desistisse da Saya, nós já enrolamos ele praticamente por um mês inteiro, até mais e ele nem cogitou a ideia de desistir, parece que está até mais persistente que antes. –Contestou Neo.

–Imaginei que isso pudesse acontecer.... Sabe o que a gente vai fazer? –Perguntou Len com um sorriso de que tudo ia dar certo com essa última cartada.

–Não. –Respondeu Neo com toda a sinceridade.

–Dizem que a melhor defesa é o ataque, então está na hora de você atacar.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...