História Instinto de Gato - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Personagens Personagens Originais
Tags Adolescente, Amizade, Baseball, Comedia, Drama, Escolar, Fantasia, Ficçaocientifica, Gato, Instintodegato, Lancaster, Mistério, Neo, Romance, Saya, Slice Of Life
Visualizações 4
Palavras 4.857
Terminada Não
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Capítulo 4 - A Festa


Naquele sábado de manhã, havia poucas nuvens no céu e era um dia muito quente, Neo estava encoberto e foi acordado com o calor, ele se desencobriu e olhou para o relógio que mostrava que eram 9:28, o que significava que ele tinha muito tempo antes da festa que começaria mais tarde naquele dia, porém não sabia o que fazer.

Neo nunca foi a uma festa e não sabia como agir, estava escrito no papel exigindo traje social, porém ele não sabia o que era isso. Havia tantas dúvidas na cabeça dele e nenhuma solução para elas. Seus pensamentos foram interrompidos pelo ronco da sua barriga, estava morrendo de fome e pensou em comer alguma coisa antes de voltar aos pensamentos.

Levantou da cama, sentiu uma tontura momentânea e depois foi para o chuveiro, tomou banho, escovou os dentes e colocou a mesma roupa de sempre, foi para o refeitório do dormitório.

No refeitório, viu que alguns alunos já tinham acordado e estavam sentados comendo alguns alimentos e bebendo certas bebidas. Outros estavam fazendo uma fila na frente da cafeteria, Neo acreditou que se quisesse comer alguma coisa teria que ir para ali, na fila. Como não tinha nada para fazer ficou observando os garotos a sua frente, os últimos da fila estavam conversando sobre esportes, garotas e notas enquanto os mais à frente estavam se concentrando no que iriam comprar.

Apesar de ser algo inocente, Neo acabou aprendendo como funcionava o dinheiro observando os outros garotos. Viu que funcionava por meio de trocas, cada coisa tinha um valor e o dinheiro também, assim fazia as trocas. Pensando nisso ele revirou o bolso e viu que tinha uma nota de R$10,00, parte do dinheiro que Karine tinha-lhe dado.

Chegando a sua vez, ele pediu um lanche com queijo derretido e em pouco tempo, estava pronto. Pegou o que pediu e foi até a máquina de bebidas e pegou uma garrafa de leite. Escolheu uma mesa onde ficasse longe dos outros e aproveitou a paz do lugar.

Depois de se alimentar, percebeu que não tinha nada para fazer até a festa começar, porém a curiosidade de descobrir como seria a festa estava atrapalhando Neo.

Neo lembrou que a festa aconteceria no ginásio de esportes da escola, ele nunca tinha ido lá e como sua mente estava o torturando, talvez indo lá, ele se acalmasse.

Era sábado e o time de Baseball da escola estava treinando na quadra de fora enquanto o comitê escolar arrumava o ginásio para a festa, Neo nunca tinha estado no lado "esportivo" da escola e se impressionou, era bem grande, com várias quadras poliesportiva.

Ele entrou no ginásio e viu o pessoal arrumando a decoração, sentiu um pouco de pena a princípio porque somente eles estavam arrumando tudo, enquanto o resto dos alunos estavam aproveitando o fim de semana descansando ou de outra forma. Mas, vendo que eles estavam felizes com a arrumação causou um efeito ao contrário e de curiosidade em Neo.

Um garoto que estava arrumando a faixa de boas-vindas chamou Neo:

–Hey, garoto. Preciso da sua ajuda aqui. –Disse o Garoto

Chegando mais perto, viu que o garoto era da mesma sala que a dele, porém não lembrava do nome, ele era bem encorpado e era um pouco mais baixo que Neo, cabelo curto e loiro.

–Ah, você é da minha classe, não reconheci por você estar muito longe, lembro que seu nome é Neo, acho que você não se lembra de mim direito, mas, meu nome é Richard, sou o representante da nossa classe, preciso da sua ajuda para arrumar essa faixa, pode segurar a escada para mim, enquanto eu subo?

–Sim, posso. Obrigado por se apresentar.

Enquanto Richard subia a escada e Neo a segurava, a curiosidade anterior dele se mostrou maior e ele não se segurou e acabou perguntando:

–Você não se sente mal por estar aqui arrumando tudo enquanto os outros estudantes podem fazer o que querem?

–Se sentir mal? –Richard riu de leve enquanto subia a escada e continuou falando:

–Estamos aqui porque queremos e não porque fomos obrigados, estamos fazendo um bem para todo mundo. Imagina quantas pessoas irão ver aquilo que a gente arrumou aqui, se impressionar e acima de tudo se divertir com esse espaço, é uma oportunidade que poucos tem. Depois de tudo, dá orgulho de ver as coisas organizadas e prontas. Mas, não se engane, apesar de parecer, maior parte dos alunos não estão vadiando por aí, provavelmente estavam descansando um pouco para depois fazerem coisas que só poderiam fazer com um dia de folga como o treino de baseball que você deve ter visto quando estava vindo para cá.

Richard se estendeu e colocou a faixa no lugar e enquanto descia da escada, Neo respondeu, rindo de leve:

–Entendi, então não é tão ruim assim.

–Sim, sim. Que bom que entendeu.

Quando Richard chegou ao chão, deu um longo suspiro e olhou para o trabalho que tinha feito, viu que estava muito bom e satisfeito, olhou em volta para ver o que mais precisava ser feito. Vendo seu colega de classe a sua frente parado o observando com curiosidade, mesmo com bastante trabalho ainda para fazer decidiu que o lugar dele não era ali e disse:

–Nós não precisamos de ajuda, você só vai atrapalhar se ficar por aqui, por que não vai para outro lugar?

–Acho que você está se achando demais. –Neo virou de costas com um sorriso e saiu do ginásio, enquanto Richard pensava em como ele estava certo.

Neo não tinha nada para fazer e queria muito ajudar o pessoal do comitê, porém Richard por alguma razão não iria deixar e enquanto se afastava do ginásio chegava perto do time de Baseball e novamente foi chamado por mais um garoto:

–Hey, você! Garoto, qual seu nome?

O Garoto tinha a mesma altura que Neo e tinha o cabelo curto preto e um olhar que demonstrava sua imensa determinação, sem qualquer receio acabou respondendo:

–Meu nome é Neo e o seu?

–Takeshi. Quer dar uma "tacada"? –Disse o garoto segurando uma bola de baseball.

–O que é uma "tacada"? –Perguntou Neo sério.

-Ué, acertar a bola com o bastão.–Respondeu Takeshi ainda com o mesmo olhar.

–Nunca fiz isso antes. –Afirmou Neo.

–A pergunta não foi essa. Quer tentar? –Perguntou Takeshi.

Neo agiu por impulso e acabou dizendo:

–Quero.

Ele sorriu e disse para os amigos que estavam observando Neo com curiosidade e o mesmo sorriso de Takeshi:

–Shio pegue "aquele" taco...

Neo olhou com curiosidade enquanto o outro garoto um pouco mais baixo que ele e cabelo curto e ruivo pegava um taco de basebol azul em uma bolsa que estava no chão, Takeshi pegou o objeto e deu para Neo que olhando mais de perto pode perceber um colante com uma seta escrito "Raio Azul", ele balançou um pouco e era leve ao mesmo tempo que pesado. Sentiu uma sensação nostálgica ao sentir o movimento e logo o taco havia se tornado parte dele, Neo estranhou aquilo que estava sentindo, porém foi interrompido por Takeshi que disse apontando para o taco:

–Agora que já se acostumou com ele, está preparado?

Neo não sabia o que fazer e ficou simplesmente olhando para a cara do garoto, foi quando caiu a ficha:

–Ah é... Esqueci que você não sabe bem o que fazer, olha vou te explicar apontou para uma das pontas do desenho que estava no chão que havia uma rede atrás dele e disse - primeiro vá para lá e fique atrás da "base".

Assim como Takeshi disse, ele fez. Depois continuou:

–Shio, vai arremessar.

Shio olhou preocupado e disse:

–Tem certeza? O garoto mal sabe o que fazer.

–Sim e quero que não se segure. Arremesse como sempre.

Shio ficou surpreso e disse:

–Tudo bem então. Depois não reclame se o garoto nem conseguir ver a bola.

–Não devia subestima-lo.

Shio sorriu e não disse nada, apenas foi para a sua posição, enquanto Neo se ajeitava, foi quando Takeshi deu a próxima instrução:

–Agora, prepare-se para rebater, se concentre em mandar a bola para longe assim que Shio arremessar.

Takeshi se afastou e Neo ficou sério e tudo ao seu redor começou a sumir lentamente, sua respiração começou a ficar mais pesada, todo barulho que estava a seu redor foi começando a ficar abafado até o ponto de sumir completamente. Por fim só conseguia ouvir a sua respiração e as batidas do coração, era só ele e a bola que precisava acertar, não sentia mais o braço e o bastão se tornou parte o seu corpo. Foi quando Takeshi deu a ordem à Shio de lançar. A bola e tudo estava indo lentamente, seu corpo se movia junto e a bola ia girando, porém, sem perceber seu corpo já estava se movimentando e no momento em que a bola chegou bem perto dele. Neo fechou os olhos.

Ouviu um baque do taco que fez com que ele abrisse os olhos, vendo que acertou a bola, com isso ele deu um sorriso e continuou o movimento que fez com que a bola saísse do "campo", fazendo assim um Home Run.

Todos ficaram abismados e Neo estava muito feliz com o que fez, apesar de estar se sentindo mal por ter perdido a bola daquelas pessoas que foram muito legais com ele e disse:

–Desculpem galera, acabei perdendo a bola de vocês.

Todos ficaram impressionados, menos Takeshi que parecia já estar esperando por isso, foi quando depois de um pequeno silencio, ele tomou a palavra:

–Isso foi impressionante Neo, relaxe, nós temos várias outras para caso o rebatedor faça um home run.

–Obrigado.–Neo sorrindo.

Takeshi sorriu também e estendeu a mão para ele que apertaram as mãos e chacoalharam de leve e disse:

–Prazer em conhece-lo, Neo. –Apertou um pouco mais forte, olhando nos olhos dele.

–Prazer também –Correspondeu.

Eles soltaram as mãos e Takeshi virou de costas e disse para o pessoal dele:

–Bem pessoal, vamos encerrar os treinos hoje, tenho certeza que todos estão morrendo de fome

E todos concordaram e foram embora, deixando Neo sozinho. Foi quando Takeshi se lembrou e convidou:

–Neo, quer almoçar com a gente? Eu pago seu almoço.

–Sim!! –Neo disse sorrindo

Eles estavam indo porém Takeshi se lembrou de mais uma coisa e disse:

–Preciso te apresentar os outros, esse baixinho aqui que arremessou a bola se chama Shio

Shio ficou irritado com o que Takeshi disse e respondeu:

–Não me chame de baixinho, você que é muito alto.

Neo riu de leve, olhou para ele e disse:

–Prazer em conhece-lo

E ele respondeu:

–Prazer

Foi quando Takeshi continuou, esse aqui é meu irmão, Tadashi. Neo observou e viu que os dois eram muito parecidos, porém Tadashi era bem mais calmo e sério e Neo disse:

–Prazer em conhece-lo

Tadashi somente acenou para ele enquanto Takeshi continuou:

–Esse aqui é o Shike.

Shike era o mais novo do time e bem mais animado que os outros, era um pouco mais baixo que Neo e antes que Neo dissesse alguma coisa, ele foi e apertou a mão dele e disse:

–Muito prazer

Neo respondeu:

–Prazer em conhece-lo

Takeshi foi apresentar o outro, porém ele já estava do lado de Neo e disse:

–Sou Maeda

O garoto era um pouco mais baixo que Shike e parecia ser atrapalhado, cabelo curto castanho claro e Neo também disse o mesmo que disse para os outros:

–Prazer em conhece-lo

E por fim Takeshi apresentou o último:

–E esse é o Pietro

Pietro era um pouco mais alto que Shio e olhos dele pareciam de gavião, provavelmente ele era bem preciso em suas jogadas, seu cabelo era curto e preto e ele disse:

–Prazer em conhece-lo Neo

E Neo respondeu:

–Prazer.

Terminado de apresentar todos os presentes ali, Takeshi disse:

–Bem, falta dois, Lenner está saindo com a namorada dele e Nagoya deve estar ajudando a sua avó a cuidar da loja, você conhecerá os dois mais tarde.

–Tudo bem, vou esperar -Neo respondeu.

–Vamos indo então galera? Estou morrendo de fome –Apressou Maeda.

–Vamos. –Concordou Shike.

O time de Baseball e Neo foram até um centro de comércio chamado Shibuya Center's que ficava ali perto com várias lojas e maior parte delas era restaurantes e lanchonetes, eles foram conversando durante o caminho sobre os jogos que teriam naquela temporada e principalmente sobre o campeonato que teria aquele ano, foi quando Neo ficou curioso e perguntou:

–Na opinião de vocês, qual o melhor time?

Foi quando uns olharam para os outros e Takeshi tomou novamente a palavra:

–O melhor time não só do campeonato como do mundo, é o Lightning Vortex.

–Só que eles tiveram uma perda muito triste... –Disse Maeda em um tom mais sério.

–Sim, verdade. Uma pena –Disse Shike sentindo o peso da perda.

–Mas, o que aconteceu? –Perguntou Neo.

–Eles perderam o melhor jogador do time dele, um rebatedor. -Respondeu Tadashi;

–Perderam co...

Neo ia perguntar, mas, foi interrompido por Takeshi que respondeu seco e frio:

–Ele desapareceu.

Neo se assustou com a forma como ele disse, um calafrio subiu a espinha, porém Takeshi parecia mal e todos ficaram em silêncio.

Depois de um tempo andando daquela forma, Neo estava se culpando achando que eles ficariam assim o resto do dia, porém foi quando o próprio Takeshi que quebrou o gelo:

–Chegamos!! –Disse alto e sorrindo.

Foi quando Neo olhou para o lugar em que eles estavam parados e era bem iluminado com cores vermelhas e amarelas que acabou cegando ele temporariamente, fazendo com que não conseguisse ler em que lugar foi entrando, mas logo dentro ele descobriu com o cozinheiro falando alto:

–Bem-vindos ao Shibuya's Lamen, o melhor Lamen de Claws!!

Da mesma forma como todos ficaram frios com rapidez, o calor do Lamen esquentou os corações de todos no local e todos começaram a sorrir, foi quando Maeda disse com toda satisfação:

–Eu amo esse lugar!

E rapidamente ele pegou um lugar no balcão, enquanto os outros lentamente iam se ajeitando.

Takeshi reservou um lugar do lado dele para que Neo sentasse, foi quando ele perguntou:

–Você já comeu lamen alguma vez?

–Não, nunca.

–E já sabe qual vai escolher?

–Não.–Neo riu de leve.

–Então, eu escolho por você, tudo bem? –Disse compressivo.

–Tudo. –Aceitou.

–Hey Tio, me vê dois Lamens a base de shoyu! –Gritou Takeshi.

–Ok! –Respondeu ele.

E então, Takeshi ficou sério e disse:

–Neo, posso te perguntar uma coisa?

Neo percebeu que ele estava diferente e respondeu:

–Sim, diga.

–Você é muito ocupado?

–Não, por que?

Foi quando Takeshi respirou fundo e perguntou:

–Você quer entrar para o time de baseball?

Neo ficou surpreso pelo pedido dele, mas não sabia o que dizer, achou que não era bom o bastante para entrar. Além de não saber nada sobre baseball, achou melhor recusar:

–Não sei, acho que vou acabar atrapalhando, nem sei como jogar...

–Eu confio em você, o jeito como você rebateu a bola hoje foi incrível tenho certeza de que você vai se dar muito bem, as regras nós podemos ensinar depois...

Mas, ainda assim Neo não confiava nele mesmo e disse:

–Não sei...

–Tudo bem, eu entendo. Não vou força-lo a jogar -Disse Takeshi compreensivo e com uma cara triste e continuou - Só que eu queria te dar um presente então, tenho certeza de que você algum dia irá entrar, talvez depois de aprender como jogar baseball ou sei lá -Disse ele com uma cara esperançosa, além de rir baixo.

Takeshi revirou a bolsa que o time de baseball levava com eles e tirou uma bolsa menor no formato retangular azul escura com uma estampa bem grande escrito "Blue Lightning" e na hora Neo percebeu que se tratava do taco havia usado antes e logo ele quis recusar, entretanto Takeshi disse com a bolsa nas mãos entregando a Neo:

–Ele é muito importante para mim, acho que ninguém melhor para ficar com ele do que você, cuide bem dele.

Neo ficou se sentindo mal por aceitar depois que Takeshi disse que era muito importante, porém como ele disse que não tinha ninguém melhor para ficar com o taco, decidiu aceitar, afinal se cuidasse bem do objeto depois poderia devolver sem nenhum problema.

Com o objeto em mãos, ainda assim Neo sentiu uma sensação nostálgica, mas, deixou para lá, Takeshi sorriu como nunca tinha feito até aquele momento e o Lamen que todos estavam esperando havia chegado e com ele o tio dele também e falou:

–Olha só, se não é o time inteiro reunido aqui outra vez, fico feliz que gostem tanto daqui, bem vou continuar trabalhando.

Então, Neo olhando para o Lamen, provou um pouco do caldo e era quente, mas, bem condimentado, o liquido com um gosto salgado agradável desceu pela sua garganta e deixou sua barriga quente, provou do "macarrão" e era bem grosso, mas tudo era realmente muito bom como todos diziam. Ele estava muito feliz pelas amizades que tinha feito e por aquele dia que estava sendo o máximo, porém não tinha acabado ainda e se lembrou disso quando finalmente tinha acabado com a tigela de lamen e foi o último a terminar, enquanto os outros conversavam.

Depois de rir e conversar bastante todos tinham compromisso depois dali e se despediram de Neo, com abraços e apertos de mão era uma energia contagiante que ele nunca havia antes sentido e antes de ir embora, Takeshi disse:

–Cuide bem do nosso Raio Azul –E deu uma leve piscada com o olho direito.

No fim, todos foram embora e deixaram Neo sozinho que decidiu voltar para o dormitório e esperar até que desse a hora da festa, no caso 18:00, mas, ainda era muito cedo, chegando ao seu quarto viu que era 14:00 ainda, deixou o taco na cama de baixo e pensou o que faria até o tempo passar?

Não conseguia pensar em nada e deitou na sua cama para descansar um pouco. Ele só ia descansar um pouco, mas acabou dormindo e tendo alguns sonhos estranhos com baseball, foi quando lembrou que tinha que ir para festa e acordou desesperado e quando olhou para o relógio viu que era 18:10 e estava atrasado.

Foi quando começou a correria, ele foi para o banheiro tomou um banho bem rápido e se ajeitou da melhor forma possível com sua roupa habitual que achou que estava ótimo para o que eles chamavam de "formal" e se dirigiu para local da festa.

As ruas estavam escuras e com pouca iluminação, porém o ginásio da escola estava realmente muito iluminado e fazia diferença em meio a escuridão. Neo começou a sentir um frio na barriga conforme foi se aproximando do local e não demorou muito para o nervosismo tomar conta dele. Ele olhou para as portas-duplas e ficou com medo de entrar fazendo-o ficar parado no lugar onde estava, porém não podia assim o resto da noite, ali parado.

Foi-se aproximando da porta. Então, respirou fundo e empurrou de leve a porta que abriu devagar e ele pode entrar lentamente.

Quando estava dentro pode observar todos os garotos de terno e as garotas de vestido longo, olhou para suas roupas e finalmente entendeu o que o convite queria dizer com roupa formal, se sentiu envergonhado por estar vestido daquele jeito principalmente porque as pessoas olhavam para ele e ficavam cochichando coisas que ele não conseguia ouvir por estar longe.

Foi quando o colar dele começou a brilhar e Neo resolveu ir ao banheiro para ver o que era aquilo.

Apertou o botão na parte de cima e quando o painel se abriu, um botão extra embaixo dos outros dois que já estavam ali apareceu escrito copiar e como ele era curioso, apertou o botão e um conjunto extra de traje formal apareceu na tela de menu igual de um daqueles garotos que estavam no salão, com isso Neo percebeu que o colar podia copiar roupas completas de outras pessoas. Então vestiu o traje e estava bem confortável e voltou para a festa.

Agora com a roupa certa, as pessoas pararam de agir como antes e mal perceberam a presença dele fazendo-o sorrir porque era assim que ele preferia.

Neo estava impressionado com o trabalho do conselho, o ginásio estava muito bem decorado e bonito, tinha uma mesa de comidas e bebidas, além de uma música de fundo suave e calma que dava um toque a mais a festa. Richard percebeu que ele estava parado observando o resultado final de seu trabalho e dos colegas e foi falar com ele:

–O que achou do resultado final?

–Está incrível, o lugar está muito bonito e bem arrumado.

–Fico feliz, é isso que faz o nosso trabalho valer a pena. A faixa ficou bem no centro. Agora aproveite a festa.

Neo sorriu por causa do elogio de Richard enquanto ele virava de costas e ia para o outro canto do salão, isso significava que a ajuda dele foi importante, só que ele não sabia como aproveitar uma festa, mas estava com fome e por isso decidiu ir na mesa de comidas e bebidas, para ver se tinha alguma coisa que pudesse saciar sua fome.

Na mesa tinha várias coisas, só que aquilo que mais chamou atenção dele foi um lanche de pão puma com queijo derretido "feito a mão" que ele pegou dois e um refrigerante para tomar enquanto comia e claro que dentre aqueles que tinha ali, escolheu guaraná, é claro.

Enquanto as outras pessoas estavam de pé conversando, rindo e se divertindo. Neo procurou um lugar para sentar e achou um banco por ali perto.

O lanche que estava comendo não era uma das melhores comidas que já tinha comido e nem se comparava com o lamen que tinha comido naquele dia, porém servia para acabar com a fome.

Depois de comer, estava satisfeito e não tinha mais nada para fazer novamente, por isso ele pensou que fazia sentido algumas pessoas irem nas festas só para comer e depois ir embora, mas, Neo ficou ali sentado simplesmente observando as outras pessoas.

Como eram estranhos aqueles seres humanos e conseguiam se divertir consigo mesmos enquanto ele estava ali completamente entediado. Foi daí que começou a pensar que queria ser como eles, feliz como aquelas pessoas, mas ele não era, era um gato solitário e triste e nunca poderia ser como os outros que tinham nascido assim.

Neo não percebeu, mas estava ficando triste e recluso. Ele começou a olhar para o chão e sua respiração foi ficando cada vez mais pesada, seus olhos ardiam um pouco. Em meio a risadas das outras pessoas, o garoto estava perto de chorar. Foi quando uma mão na cabeça dele bagunçando seu cabelo e uma voz interrompeu seus pensamentos e o seu choro:

–Ei, bobo, está tudo bem?

A voz era suave e o coração de Neo começou a bater mais forte, ele já sabia quem era a pessoa a sua frente, mas precisava ter certeza e por isso levantou a cabeça devagar.

Conforme foi levantando a cabeça, viu o tecido branco de um vestido longo e mais um pouco conseguiu ver além da luva da mesma cor do vestido, um sorriso encantador que tinha e os olhos azuis como mar que de perto pareciam galáxias que se olhasse por muito tempo fazia qualquer um viajar e por fim os cabelos dourados que brilhavam com a luz, à primeira vista ele não conseguiu reconhece-la, pois ela estava com o cabelo preso só que seu coração já sabia que era Saya que estava a sua frente.

A tristeza dele foi embora e tudo que fez foi ficar observando os olhos da amável Saya a sua frente e por um instante tudo parou e parecia um sonho, foi quando ela perguntou:

–O que foi? –Fez uma cara como se estivesse confusa em relação as atitudes dele.

E ele só conseguiu responder:

–Seus olhos são tão lindos. –Com uma cara de hipnotizado

Tudo que a garota conseguiu fazer foi colocar a mão no rosto e olhar para o lado, Neo pode ver o rosto dela melhor e a garota que tinha pele branquíssima e macia usava um batom vermelho em um tom bem forte, o rosto dela começou a ficar vermelho como o batom que ela usava.

Maior parte das luzes se apagaram e o local ficou com pouco iluminação e uma música lenta que poderia ser chamada de romântica começou a tocar, quebrando o clima entre os dois.

Foi quando a reação de Saya mudou e a garota estendeu a mão para Neo e disse:

–Quer dançar? –Sorriu de leve

Ele não acreditava no que estava vendo, porém lembrou-se que não sabia dançar e olhou pro lado triste, foi quando Saya percebendo perguntou:

–O que foi?

Neo ficou com receio de contar a ela, mas, achou melhor falar do que dar uma desculpa ruim:

–É que.... Eu não sei dançar...

Saya riu de leve e pegou a mão de Neo forçando a levantar e ir para o meio da pista, a mão dela era macia e quente e fez com que a tristeza dele fosse embora.

No meio da pista, as coisas eram diferentes para Neo, ele não se sentia excluído e sim parte das pessoas que estavam ali em pé dançando, foi quando Saya tomou a iniciativa e o abraçou fazendo os dois ficarem juntinhos e enquanto a música tocava o coração dele batia mais forte, o que ele não percebeu é que naturalmente estava dançando como se já tivesse dançado daquele jeito algumas vezes, foi quando Saya vendo a "performance" dele, riu de leve e disse:

–Tá vendo, não é tão difícil assim, você está indo ótimo pra alguém que disse que não sabia dançar –Disse Saya

–Realmente –E Neo riu junto, feliz por estar indo bem.

Foi quando algo veio à cabeça dele e ele resolveu tirar sua dúvida:

–Saya, posso te perguntar uma coisa?

–Hm, o que seria? –Perguntou ela meio curiosa com certas desconfianças de qual seria a pergunta dele.

–Roupa formal e essa dança não são coisas para ocasiões especiais? Acho tudo isso tão especial que não imagino que seja usado para algo comum.

–Então, achei que você soubesse, mas diferente das outras cidades e lugares do mundo, Claws é uma cidade que valoriza valsa e roupa formal, além de outras coisas assim. Por isso desde pequenos somos ensinados a usar esse tipo de roupa e dançar também.

–Entendi...

–Eu acho realmente incrível isso, parece que somos princesas e você seria, o meu príncipe. -Saya riu de leve e Neo ficou envergonhado com o que ela disse.

Depois que as perguntas foram respondidas, ele não tinha nada a dizer e nem muito menos ela, simplesmente aproveitar do momento que estavam passando juntos e com isso a garota o abraçou mais forte e fechou os olhos enquanto escutavam a música que tocava e dançavam.

A festa havia acabado e os dois ficaram deprimidos, pois aquele momento que havia passado estava gravado na memória deles e como queriam que durasse para sempre. E com esse desejo, Neo fez uma pergunta a Saya:

–O que você vai fazer agora?

Saya compreendeu o porquê da pergunta, pois sentia o mesmo que ele e respondeu:

–Vou para minha casa agora. Por quê?

E Neo olhou para os lados tentando achar uma desculpa para o que ele realmente queria, ficar com ela por mais um tempo, foi quando ele teve a brilhante ideia e disse:

–Está tarde e é perigoso andar por aí sozinha, se quiser eu posso acompanhar você até a sua casa para que nada aconteça com você.–Disse ele de uma forma que ele achou que seria convincente.

Saya riu de leve e disse:

–Pode sim, meu cavaleiro de armadura que irá me proteger de todo o mal.

Ele não entendeu direito, mas, achou melhor não dizer nada, pois ele tinha conseguido o que queria.

Saya era uma das únicas estudantes que não morava em dormitórios como os outros, por morar próximo a escola como Karine tinha dito a Neo e por isso não demorou muito para eles chegarem até a casa dela, durante o caminho ela foi falando sobre as matérias da escola e como ela estava preocupada em estudar.

Na frente da casa dela, Saya não queria entrar e ele pode perceber isso e ela disse com uma cara triste:

–Bem, infelizmente preciso ir.

–Eu entendo.–Disse Neo também em um tom triste.

Ficou uma atmosfera depressiva no ar, foi quando Saya ficou feliz e disse:

–Obrigada por hoje Neo, nos vemos amanhã.

E deu um abraço e depois o beijou no rosto e por fim entrou na casa dela.

Neo ficou paralisado e não sabia como reagir, mas, de repente sentiu uma enorme felicidade dentro dele, algo inexplicável. Ele queria gritar bem alto, mas, não podia e simplesmente foi quieto para os dormitórios.

Como ele estava feliz chegou muito rápido e subiu para o seu quarto, porém teve uma surpresa quando abriu a porta, algo que o fez assustar e ficar surpreso ao mesmo tempo.

Seu irmão estava lá sentado no sofá e com uma expressão séria como ele nunca havia visto antes, foi quando Leo disse:

–Irmão, entre. Precisamos conversar



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...