História Instintos - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Personagens Originais
Tags Miraculous Ladybug
Visualizações 400
Palavras 1.366
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drabble, Hentai, Lemon, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aproveitem!

Capítulo 1 - Capítulo único.


Fanfic / Fanfiction Instintos - Capítulo 1 - Capítulo único.

O alvorecer se ia. A noite vinha sobre a cidade. As estrelas brincavam de pontilhar o céu de pouco em pouco.

Marinette estava sentada, largada confortavelmente no chão de sua sacada apenas olhando para as estrelas pensativa, buscando inspiração. 

Sua mente vagou pelas ultimas semanas passadas, tornando-a pensativa, porém parada ali naquela noite, talvez pudesse esvaiar-se um pouco...

               

                   °°°°°°°

      [Duas semanas atrás]


Finalmente deu o horário da ronda.

Se transformou em Ladybug, indo de encontro ao local marcado de sempre. A cada prédio que pulava, sentia o vento acariciando seu rosto alvo.


Há poucas semanas atrás, por um descuido de ambos, acabaram descobrindo suas verdadeiras identidades. O que os meteu em uma situação embaraçosa durante alguns dias. Tiveram uma conversa, onde exclaresseram tudo um com o outro.


Adrien percebeu que Marinette o amava apenas como civil, e Marinette percebeu que ele a amava apenas como Ladybug. 


Mesmo depois da conversa, os sentimentos não se dissiparam. 

Era dificil se verem todos os dias e não estarem juntos de fato.

Mas precisavam ser profissionais no que faziam. 


Marinette, ao chegar na torre, viu o gatuno apoiado em uma das barras de ferro, observando tudo na cidade. 

A joaninha apenas fez o mesmo.


-Há algo diferente?  


-Até agora nada..


Após isso, não disseram mais nada. Ficaram em um silêncio tentador durante um bom tempo. 

Este silêncio era suficientemente necessário para incitar o vazio dentro de ambos. Foi quando Chat decidiu quebra-lo


-Então...como estão as coisas? 


Ladybug apenas o olhou, logo desviando o olhar em seguida, ficando de costas para as barras da torre olhando para o céu. 


-Ah, nada muito interessante...e você? 


-Também. Nada demais...


E mais uma vez o silêncio pairou sobre os dois. 

Ladybug deu um menimo riso abafado, que chamou a atenção do heroi ao lado.


-O que foi?


-Nada, é que...é estranho não ouvi-lo me chamar mais de 'my Lady'


Ele apenas a olhou meio corado, porém sorrindo em seguida. 

Se aproximou, apoiando os braços ma barra de ferro da torre.


-É estranho que não nos falamos mais como antes. Tanto como herois quanto como civis.


-Como herois pode fazer diferença, mas como civis, eu mal conseguia formular uma frase se quer pra falar com você.- Dizia ela rindo fraco. 


Ele apenas riu também, olhando para baixo. 


-É confuso pensar que, a garota por quem eu era apaixonado também me amava, só que sem a máscara. 


Sorriu minino, igualmente abafado. 

Mais uma vez, o silêncio se fez presente. 

Era agoniante vê-los com tanta vontade de ter um ao outro para si, mas relutando contra uma barreira boba imposta por eles mesmo, que os prendia sem motivo da liberdade de se amarem.


-Eu ainda te amo, Chat Noir. 


Ouvir aquelas palavras causou uma bagunça dentro de si, porém uma bagunça boa.


Olhou bem no fundo dos olhos da heroina, que magicamente diziam as mesmas coisas que os dele.

Foram lentamente se aproximando, loucos para quebrarem essa barreira um do outro finalmente.


Chat rodeou a cintura da menina com uma mão, enquanto a outra lhe tocou o rosto. 

Olhou bem mais para a imensidão azul que eram as janelas de sua alma, se permitindo dizer sem medo. 


-Eu também te amo. 


Nada mais foi dito. Beijaram-se ternamente, matando a saudade um do outro. Suas mãos passeavam por entre os corpos, como numa necessidade de se terem ainda mais. 


Um bip fora ouvido do brinco da menina, 

O outro do anel de menino. Eles não se importaram, já sabiam a verdade, só queriam mais um pouco de tempo juntos. 


Mais dois bips foram ouvidos. Os dois separaram-se por seus pulmões reclamarem. Respiravam com dificuldade, e as testas coladas, sorrindo feito bobos. 


-Vamos nos destransformar em alguns minutos.-Dizia ela, levemente corada.


-Eu não ligo, não tenho mais o que esconder.


-Não é isso, é que..aqui em cima é perigoso. Podemos ir a outro lugar. 


-E pra onde vamos? 


A menina apenas olhou na direção de sua casa. Logo o gato entendeu, soltando a mesma, se posicionando junto a ela pra sairem la de cima.


Voaram até o terraço da casa. Logo suas transformações se desfizeram. 

Os kwamis apenas voaram para um outro canto, lhes deixando confortável. 

Agora estavam em suas formas civis. 

Adrien puxou-a para si outra vez, dando início a outra beijo.

Desta vez, era algo voraz, com um desejo assaz acumulado em ambos os corações. 

A azulada parou o beijo, o puxando pelo braço, fazendo-os entrar em seu quarto. 

Cambalearam até o divã. Adrien sentou-se, puxando as nadegas da menina fazendo-a sentar-se sobre ele.


-Estava com saudades. -Dizia ele entre os beijos, não contendo o sorriso.- Tem certeza do que quer?


-Adrien...me faça sua. 


Foi o suficiente para Adrien entender que ela estava pronta para se tornar só dele.

Desceu levemente seus beijos por entre o pescoço e a clavícula da menina. 


Massageava os seios rijos da garota por cima de sua costumeira blusa florida, logo descendo seus beijos até eles.

Rerirou primeiro a blusa dela, surpreendendo-se por a mesma não está de sutiã e agradecendo internamente por isso. 

Retirou sua propria blusa, com a ajuda a azulada, logo depois abocanhando seus seios, que arfava com a sensação. Chupava e mordiscava um enquanto tinha o outro em mãos. 

Deitou-a na cama, descendo seus beijos indo de encontro ao baixo ventre da mesma, que se contorcia levemente com a sensação se prazer. Retirou sua calça, logo depois a calcinha. 

A penetrou com dois dedos, seguido pelo terceiro, vendo a garota arquear as costas, mordendo o labio inferior para conter um gemido. 

Ele subiu, e disse algo em seu ouvido.


-Não precisa conter, quero gravar cada gemido, cada detalhe seu em mim..


Desceu novamente, agora trabalhando com a boca. Marinette dessa vez não se conteve. 

Adrien, quando percebeu que a menina chegaria ao seu ápice parou, lhe arrancando uma careta que o fez rir.


-Calma princesa, não posso acabar com a festa agora. 


-E-está se divertindo, é..? 


-Digamos que eu provoque nas pessoas seus instintos mais primitivos. 


Eles sorriram, voltando aos beijos. 

Com a ajuda de Marinette, Adrien retirou sua calça, deixando seu menbro a amostra.

Foi então, que Marinette sentiu ser penetrada por ele, lhe causando um pequeno ardor que logo fora preenchido pelo prazer. 

Manteram-se estáveis para se acostumarem a situação, dando início aos movimentos lentamente.

Após alguns segundos, subiam e desciam com maestria, o som de seus corpos se chocando lhe causavam leves espasmos. 

Embriagaram-se em meio a sensação de prazer que emanavam, murmurando palavras abstratas. Se quer conseguiam formular frases.

Ele afundou o rosto no pescoço da menina, sentindo seu doce cheiro, enquanto a mesma mordia de o seu ombro, dando leves arranhões em suas costas. Adrien tornou a beija-la na região do pescoço dando chupões que ficariam marcado. 

Eles gemiam, arfavam, chamavam um pelo outro como se quisessem mais.

Adrien passou a acariciar o clitóris da menina em meio ao ato, arrancando mais gemidos altos da mesma, que passou a beija-lo avidamente.  

Depois de alguns minutos, finalmente seu topor havia chegado, porém o loiro não. Moveu-se mais um pouco, logo em seguida alcançando o êxtase. 

Tombaram sobre a cama, sem controle de suas respirações. Ambos sussuravam coisas como "Eu te amo", ou "senti sua falta"

Viraram-se um para o outro, logo sorrindo. Adrien aninhou Marinette em seus braços, transmitindo seu calor para a mesma, que se aconchegou no peito do rapaz ouvindo sua respiração.

E assim ficaram, até que adormeceram. 


                    °°°°°°°°


E la estava ela, sentindo o vento de outono sobre si daquela noite. 

Estava tão distraída com seus esboços e desenhos sentada meio largada no chão distraida, que mal notou a presença do gato em cima da grade. 


-Sera que tenho que fazer Meaw para a princesa notar minha presença? -Ele disse num tom dengoso, chamando a atenção da azulada lara si.

Assim que ela o viu, levantou-se do chão indo ao seu encontro.


-Nem é dramático você em, Sr. Chat Noir.-Dizia ela, envolvendo o pescoço do menino, fazendo envolve-la igualmente na cintura. 


-Está tão linda está noite, My Lady.


-Fazer o que. Eu provoco nas pessoas seus instintos mais primitivos e blá blá blá...


Os dois riram, logo ele tomando seus labios com castidade, em um beijo leve e carinhoso. 

Mais uma noite de carinho e cumplicidade, se estavam juntos pouco importava o resto. 

Eles não se completavam, simplesmente se transbordavam.

O que antes era inimaginável, passou a ser algo grandioso de suma importância: Cuidar um do outro com todo o amor que sentiam. 













Notas Finais


Espero que tenham gostado!

Eu não sei escrever hentai muito bem, mas quem sabe eu não aprenda com o tempo, huh? Kkkkk

Até a próxima!!! ^^^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...