História Inteligente - DESTIEL - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Abaddon, Bela Talbot, Bobby Singer, Castiel, Charlene "Charlie" Bradbury, Chuck Shurley, Crowley, Dean Winchester, Dorothy Baum, Gabriel, Jo Harvelle, John Winchester, Kevin Tran, Mary Winchester, Meg Masters, Rowena MacLeod, Ruby, Sam Winchester
Tags Destiel
Exibições 83
Palavras 1.384
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Drama (Tragédia), Escolar, Lemon, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 8 - Eu quero tanto dar um soco na sua cara agora


- Dean? Você não fez aquilo né?

Castiel disse entrando no quarto de Dean.

Dean estava deitado na cama escutando músicas.

- Fiz o que? - Dean perguntou tirando os fones de ouvido.

- Você transou com aquele cretino do Miguel? - Castiel aumentou a voz e ela saiu chorosa.

Dean, nada falou e seus olhos encheram de água  e a única coisa que saiu da boca dele foi:

- Me perdoa.

Dean falou e as lágrimas começaram a cair e ele acrescentou:

- Eu te amo Castiel. Eu não consigo  comer, dormir. Sempre que eu fecho os olhos eu vejo seu rosto e lembro o que eu fiz com você. Aquilo foi um erro. Eu amo apenas você, Cas. Eu te traí Castiel, e eu estou arrependido. por favor, me perdoe.

Castiel ficou calado até que se aproximou, de braços cruzados, e falou para Dean.

- Eu quero tanto dar um soco na sua cara agora. Eu quero tanto te odiar, mas eu não consigo, pois eu te amo.

Castiel disse e beijou Dean.

- Eu te amo Castiel. Prometo que aquela foi a primeira e a última vez.

Meia hora depois eles estavam na cama, deitados e conversando.

Castiel disse que não vai deixar barato o que aconteceu. Castiel disse que vai ter uma bela de uma conversa com Miguel.

Dean riu quando viu Castiel "tentando" bancar o malvado.

Será que Cas só está "tentando" ser?

"Dean é de menor e o Miguel de maior... achor que achei a alavanca certa para fazer aquele cretino cair." Castiel pensava.

A porta do quarto de Dean se abre e aparece Chuck com um dos braços abraçado ao pescoço de Mary e o outro estava segurando uma garrafa de Champanhe.

- A gente vai casar! - Mary exclamou.

Dean e Cas sorriram e disseram em conjunto:

- Parabéns. 

- Quando vai ser o casamento? - Castiel perguntou.

- Daqui a nove meses. - Chuck responde com um sorriso puro.

- Então quer dizer que o Cas e eu vamos morar juntos? - Dean perguntou animado.

- Sim, filho. - Mary responde e Dean diz:

- Então, por mim, o casamento está apoiado.

Todos riram.

XXX

No dia seguinte Dean e Castiel foram para o colégio juntos.

Hoje será o primeiro dia de aula desde de que Dean saiu do hospital e desde de que ele e Cas começaram a namorar.

Além dessas duas coisas hoje também será o dia em que Dean irá assumir para seus amigos que está namorando.

Chegando no colégio, eles pararam em frente ao corredor vendo os estudantes abrindo e fechando os armários.

Alguns amigos de Dean e de Castiel estavam entre eles.

- Tem certeza que está pronto? - Cas pergunta a Dean.

- Sim. 

Dean fala e segura a mão de Castiel e anda pelo corredor que antes estava uma baderna agora estava um silêncio.

Só dava para se ouvir alguns susurros.

Os amigos de Dean o olham como quem diz "Meu Deus, o que eles te deram no hospital?"

- Dean? Mas o que é isso? - Lisa berrou. ela está atrás de Dean e Castiel.

Dean se virou e disse?

- Isso, é meu namorado. - Dean falou alto e claro o que fez os sussurros aumentar.

- Eu sabia. Você é um viado de merda. - Lisa disse olhando para Dean e depois falou para Castiel:

- E você, é uma bixinha vadia, sua ladra de namorados... - Lisa estava falando e se aproximando até que Benny, um dos melhores amigos de Dean chegou com os outros amigos de Dean.

- Cala boca, Lisa. Ninguém quer saber o que você pensa, até porquê, ninguém se importa - Benny disse e Lisa se calou mas ainda estava com a cara de quem quer matar.

Castiel a encarou e disse:

- E também, pelo que eu saiba Dean nunca foi seu para que eu roubasse ele de você.

- Eu nunca fui seu namorado. - Dean falou e foi embora com Cas e seus amigos.

XXX

Nas arquibancadas do Campo de futebol, amigos de Dean faziam mil perguntas: uns perguntavam "Como é beijar um menino?" já outros "Você nasceu ou virou gay?" e essa era a pergunta que mais faziam.

- Eu nasci gay! Não. Bissexual, eu acho. - Dean dizia com segurança.

- Você já transou com algum garoto? - Benny pergunta com um sorriso que dizia curiosidade.

- Eu, ainda - Deu ênfase no "Ainda" -, não transei com nem um menino.

- Bem, Dean. - Crowley se levanta. - Eu não tenho preconceito, mas, por favor, não solte a franga perto de mim.

- Você acabou de demonstrar seu preconceito em palavras. Se eu quiser soltar a franga aqui e agora, eu solto.

Dean se levantou a começa a rebolar e os seus amigos riem.

- Ai Dean! - Charlie gritou do ultimo banco da arquibancada. - Finalmente passou para o lado colorido.

Dean apenas sorri para ela e faz legal com o polegar.

- Você é amigo dela? Já não basta namorar um perdedor também tem que ser amigo deles. - Crowley fala e Dean vai até ele e dá um soco no rosto dele.

- Nunca mais chame meu namorado de perdedor. - Dean diz iroso.

- Não acredito! Você agora é um deles. Não pode mais ser do time de futebol. Não é verdade, rapazes? - Crowley diz e os rapazes olham para ele com um olhar não muito agradável. - Vão ficar do lado desse veado?

Benny se levantou de onde estava sentado e vai até Crowley e o puxa pelo colarinho da camisa que Crowley usava e disse: - Se você chamar ele e "veado"  De novo eu arranco as sua bolas.

- Se tem alguém que precisa sair desde time é você, Crowley. - Garth fala e todos concordam.

XXX

Castiel andava pelos corredores da clinica até que encontrou a sala de consulta psicológica.

Sem bater ele entra e acaba encontrando ninguém. Ele se deitou na poltrona em que geralmente os pacientes deitam.

Depois de uns quinze minutos, a porta abre e Miguel entra por ela.

- O que está fazendo na minha sala? - Miguel pergunta nervoso ao ver que Castiel voltou.

- Você é o psicólogo, eu vim conversar. - Castiel fala. - Na verdade, eu vim de dizer umas coisas que aconteceram.

- Então diga. - Miguel fala.

- Pois bem, Dean e eu  voltamos. A sabe como isso aconteceu? Ele chorou me pedindo perdão, disse que amava somente a mim.  - Castiel se levanta e vai até Miguel e volta a falar:

- Também disse que o que aconteceu entre ele e você foi um erro.

Miguel ficou calado mas não ficou sem reagir: deu um tapa na cara de Castiel (como aqueles de novela mexicana).

XXX

- Então vai ser assim? Vão escolher ele a eu? - Crowley se faz de vítima.

- Acha mesmo que a gente iria querer você ao Dean? - Benny pergunta retoricamente fazendo e todos os garotos rir da ingenuidade de crowley. - Por favor, você é um pé no saco, Crowley.

- Então tá. Eu vou, mas isso não vai ficar assim. Eu não vou sair por baixo. - Crowley responde e sai olhando para os rapazes e em seguida para Dean.

Crowley lança um olhar malévolo acompanhado por um sorriso para Dean que, por sua vez, não se importou.

- Bem, precisamos de um novo goleiro. - Dean diz.

- Eu posso ser. - Charlie chega dizendo que ela seria a nova goleira. - Eu jogei com vocês uma vez lembra? E ganhamos de três a um.

 - Realmente ela é uma boa goleira, porém, ter uma gorota no time seria um pouco extravagante; fora do comum. - Dean falava. - Mas, adoramos coisas fora do comum, não? - Dean pergunta aos rapazes num grito e eles respondem, em grito e ergendo os punhos para o alto:

- Sim...

- Então, és aqui a nossa nova goleira... - Dean segura a mão de charlie e levanta para o alto como se ela tivesse ganhado um prêmio.

XXX 

- Um tapinha? Sério? Você é uma vergonha para à nação LGBT. - Castiel diz a em seguida dá um soco em Miguel.

- Ele pode não me amar, mas eu o amo como você nunca amará. - Miguel diz limpando o sange que saía de sua boca.

a porta se abre novamente, e entraram três polícias e um deles pergunta: 

- Miguel? 

- Eu! - Miguel responde com receio.

- Você está preso por assédio ao de menor. - O policial diz.

- Como assim? - Miguel pergunta aumentando o tom de voz.

- O Dean ainda é de menor. - Castiel diz e assiste Miguel sendo levando para da clínica para a cadeia.


Notas Finais


Desculpem os erros
Obrigado por ler.
❤❤❤❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...