História "Intense" - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias IKON
Personagens Bobby, Jinhwan, Junhoe
Tags Ikon, Jinhwan, Junhoe, Junhwan, Junjin
Exibições 280
Palavras 4.113
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Lemon, Romance e Novela, Shonen-Ai, Yaoi
Avisos: Cross-dresser, Homossexualidade, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


VOLTEIIII :3

Primeiro quero agradecer aos favoritos das minhas fics anteriores <3 amo vocês <3 obrigado por lerem ^^

Então, já devem saber que adoro detalhes, principalmente na hora do lemon, então não pulem ^^

Boa leitura, apreciem esse otp maravilhoso <3

Capítulo 1 - "Just mine"


Fanfic / Fanfiction "Intense" - Capítulo 1 - "Just mine"

O tempo estava bom, nem sol, nem chuva, um clima agradável, o vento soprava as folhas das arvores que observava através do vidro do carro, era outono, via as folhas avermelhadas e em tons alaranjados caírem ao chão, adorava esse clima, era perfeito para estar ao lado dele, sentir o seu calor corporal, se deliciar de todas as sensações que era estar com ele.

Olhou para o relógio do carro que marcavam 18:20, suspirou, assim chegaria atrasado.

Seu amigo que estava dirigindo percebeu sua frustação.

“Fique calmo Jinhwannie, estamos quase chegando”.

“Já teríamos chegado se você dirigisse mais rápido, Bobby”. Falou tirando seu pirulito de morango da boca dando um sorrisinho.

“A culpa é sua baixinho, que se arruma demais pra ele”. Bobby falou observando o pequeno ao seu lado.

Sim, Jinhwan fazia questão de se arrumar pra ele, estava com seu amado suéter branco que deixava seu ombro um pouca a mostra, em baixo vestia uma saia rosa clara rodada expondo suas coxas branquinhas, sim, gostava de usar saias, e por fim uma meia 7/8. Bobby suspirou.

“Mas Jinhwannie, eu não entendo, por que ele? Tipo, tem muitas pessoas melhores, olha eu, sou um bom exemplo”. Falou parando no sinal vermelho, Jinhwan o olhou ainda chupando seu pirulito, cruzou as pernas fazendo com que a saia levantasse um pouco e mostrasse mais suas coxas.

“Ah é mesmo? Senhor convencido”. Bobby o ficou olhando, maldita hora que foi aceitar lhe dar carona todas as vezes, aquilo era tortura, graças aos céus que era uma vez por semana. Despertou quando ouviu uma buzina atrás de si, voltou ao seu caminho.

“Por que é toda quinta-feira? E por que só quinta-feira?”. Jinhwan revirou os olhos, por que Bobby tinha que perguntar tanto? Na verdade nem ele sabia.

Fazia 2 meses que aquilo se repetia, 2 meses que tinha conhecido ele, na festa de confraternização da empresa que bobby trabalhava, foi convidado por seu amigo, e foi lá que o viu, em seu terno bem costurado, calças que caiam perfeitamente em suas pernas longas, segurando um copo de whisky, era o presidente, dono da empresa, exalava arrogância, audacioso, sedutor, quando se deu por si, já o observava fissurado, e como um bom observador que aquele homem era, não demorou para que notasse os olhares nada castos do pequeno em si, sorriu, aquele sorriso sedutor, lembrava-se de quando o viu vindo em sua direção, lhe pedindo por sua companhia, aceitou claro.

Naquela noite foram apenas beijos e alguns toques, mas o bastante para se viciar, lhe pediu seu número e o baixinho deu de bom grado, se encontraram novamente, Jinhwan se entregou a ele, aos toques de suas mãos quentes, lhe disse para vir todas as quintas-feiras, e ele ia, ansioso para encontra-lo.

Despertou de suas lembranças quando sentiu o carro parar, ficou observando o prédio de alta classe.

“É melhor se apressar, seu namorado deve estar esperando”. Jinhwan o olhou e ergueu a sobrancelha.

“Ele não é meu namorado”. Falou, mas Bobby pôde sentir uma pontada de tristeza na frase. Se aproximou e acariciou os cachinhos loiros do baixinho.

“Não fique triste por isso, e se ele pensar em te magoar eu mesmo venho aqui dar uma bela surra nele”. Fez Jinhwan rir. “E então você pode correr para meus braços”. Falou alegre, Jinhwan revirou os olhos e saiu do carro deixando seu amigo no vácuo, Bobby saiu também chegando primeiro que Jinhwan e abriu a porta de vidro da recepção do prédio.

“Obrigado”. Jinhwan deu seu sorriso sarcástico para Bobby que sorriu travesso.

“Quando terminar é só chamar”. Falou e antes de Jinhwan entrar ergueu um pouco a saia do pequeno e deu um tapa em sua bunda, Jinhwan bufou e lhe mostrou o dedo do meio enquanto caminhava para dentro ouvindo a risada de seu amigo atrás.

Apertou o botão do elevador que abriu na hora, entrou, pressionou o andar 33, era a cobertura, não importava quantas vezes viesse, sempre se impressionaria com o lugar, não gostaria nem de imaginar quanto custava para se morar ali.

O elevador parou, sentiu um aperto no peito, nervoso, ansioso, respirou fundo, se aproximou e tocou a campainha, alguns segundos se passaram até ele abrir a porta, se escorou nela observando o pequeno ser em sua frente.

“Boa noite, Jinhwan”. Falou em seu tom grave e rouco.

“Boa noite, Koo”. Falou com um sorriso, o observou, estava impecável como sempre, uma blusa social branca com as mangas dobradas até os cotovelos e uma calça preta. Passou por baixo de seus braços entrando no apartamento, o mais alto sorriu de canto, adorava o jeito atrevido do menor. Fechou a porta.

“Já falei para me chamar pelo nome, Jinhwan”. Falou vendo o baixinho sentar no sofá.

“Gosto de pronunciar seu sobrenome, é sexy”. Falou sorrindo e cruzou as pernas. Junhoe se aproximou e sentou em uma poltrona em frente ao sofá.

“Adoro o jeito que se veste, te deixa com um ar de inocente, o que eu sei que não é”. Jinhwan riu baixinho.

“Achou que eu fosse inocente quando me viu pela primeira vez, koo?”.

“Com o jeito que você estava me olhando, definitivamente não”. Sorriu de canto observando Jinhwan tirar outro pirulito do bolso de seu suéter, desenrolar e colocar na boca, Junhoe pegou a garrafa de whisky que estava na mesinha ao seu lado, colocou no copo e levou a boca bebericando, ambos em silencio, trocando olhares intensos um com o outro, Jinhwan chupava seu pirulito com maestria, lambia, sugava, colocava por inteiro na boca, sem tirar os olhos de Koo.

“Você gosta de me provocar, não é, Jinhwan?”. Falou depositando seu copo sobre a mesinha.

“Adoro”. Sorriu.

Koo se levantou calmamente parando em frente ao pequeno, estendeu sua mão, Jinhwan o observou logo pegando na mão do maior que o puxou de leve fazendo-o levantar do sofá, houve mais uma troca de olhares, Junhoe apreciava os traços delicado do menor, levou a mão e acariciou seu rosto lentamente, Jinhwan arrepiou com o toque, podia se fazer de forte na frente de Koo mas no momento em que sente suas mãos quentes o tocando derrete na hora, esse era o poder que o grandão tinha sobre si.

Junhoe retirou devagar o pirulito de sua boca e passou sobre os lábios do menor, melecando-os com o doce, se aproximou mais do loirinho e ergueu seu queixo e sugou seu lábio inferior, selou seus lábios nos dele com calma esfregando-os, Jinhwan estava com os olhos fechados, já sentia seu corpo se esquentar, Junhoe fazia todo esse processo olhando o menor, adorava o ver entregue a si.

Não demorou muito para iniciarem um beijo de língua, ainda calmo, o gosto amargo do whisky se misturando com o doce, as línguas dançavam lentamente, era suave, ambos apreciando o gosto do beijo, Junhoe passou seu braço forte em torno da cintura de Jinhwan colando mais os corpos, o baixinho depositou suas mãos no peito do maior arranhado por cima de sua blusa, Junhoe rosnou baixo e separou o beijo puxando de leve seu inferior, passou a esfregar a ponta do nariz no vão do pescoço do pequeno, sentindo seu cheiro doce inebriante.

“Seu cheiro me enlouquece, eu quero você, agora”. Falou o olhando intensamente.

“Então me tenha, Junhoe”. Falou seu nome em um sussurro perto do ouvido do mais alto que sorriu.

“Hoje nossa noite vai ser inesquecível”. Falou lhe olhando com desejo

“Todas elas são”. Jinhwan falou e caminhou em direção ao quarto na frente de Koo.

Entrou no quarto do maior, era grande, com certeza dava metade de seu apartamento, andou até a cama king size passado os dedos pelos lençóis de seda de um tom escarlate, não sabia se um dia iria se acostumar com tanto luxo.

Sentiu os braços de Koo enlaçar sua cintura por traz, deu um sorriso de canto, como adorava estar com ele, já esteve em relacionamentos antes mas nunca teve essas sensações, se sentia quente, arrepiava a qualquer toque, suspirava com os olhares que o maior dava a si, mas tinha medo, medo de se envolver demais e no final sair de coração partido.

“Está pensando em que?”. Sussurrou em seu ouvido lhe despertando. Se virou e depositou seus braços no ombro do mais alto e lhe deu um sorriso.

“Estava pensando em como você me faz delirar”. Junhoe Sorriu.

“Engraçado, estava pensando a mesma coisa”. Falou se abaixando um pouco até colar seus lábios nos do menor, dessa vez o beijo foi mais necessitado, ardente, Junhoe apertou o baixinho em seus braços como se quisesse juntar os corpos em só um, Jinhwan gemeu entre o beijo sentindo o aperto forte em sua cintura, Junhoe e suas mãos grandes e quentes era sua perdição.

Junhoe o ergueu um pouco caminhando até uma mesa fazendo o menor sentar-se ali, ficou entre as pernas de Jinhwan que por conta da mesa ser um pouco alta tinha que abaixar o olhar um pouco, encontrando os olhos negros cheios de desejo do maior.

Junhoe abaixou o suéter do menor e deu uma leve mordida em sua clavícula, logo subindo para seu pescoço, sugando cada pedacinho, Jinhwan pendeu a cabeça para traz para dar mais espaço para Junhoe lhe marcar, subiu os beijos até o queixo do menor que abaixou a cabeça e entreabriu a boca ansiando pelos lábios carnudos do mais alto, mas junhoe apenas se afastou sorrindo de canto, observando como o pequeno em sua frente estava necessitado.

Junhoe então pegou em suas pernas de repente e as levantou fazendo com que o baixinho perdesse o equilíbrio e deitasse na mesa, passou a mão em suas coxas sentindo a macies da mesma, subiu com a mão até seu íntimo por baixo na saia e sorriu, Jinhwan estava com uma calcinha com rendas, olhou para o mesmo deitado na mesa com a pernas parcialmente abertas, com o dedo na boca e o olhando travesso, sentiu uma fisgada em seu membro com essa cena.

“Que garotinho mau, está querendo me fazer perder o controle”. Falou com um sorriso e deu um tapa estalado em sua coxa fazendo o pequeno gemer em deleite.

“Quero você sem controle, Koo”. Falou e levantou sua perna passando os dedos de seu pé pelo peito do mais alto, descendo até seu membro já marcado pela calça, pressionou, Junhoe gemeu e pegou rápido em seu tornozelo.

“Hum, está tão duro, te excito tanto assim?”. Junhoe sorriu de canto com a fala atrevida do baixinho, pegou em sua cintura com força girando-o, fazendo o menor ficar de quatro com o rosto colado na mesa.

Se aproximou de seu ouvido e sussurrou rouco.

“Se você me excita?”. Riu. “Você me deixa louco, Jinhwan, me faz cometer loucuras, me deixa ao ponto de implorar para te ter em minha cama, poderia ficar de joelhos se você pedisse”. Jinhwan delirava com cada palavra que lhe era sussurrada em seu ouvido, Junhoe roçou seu membro em sua bunda ainda coberta pela saia, o menor gemeu manhoso.

“Mas sei que não preciso fazer isso, sabe por que Jinhwan?”. Perguntou com sua voz sedutora, levou a mão até sua calcinha e a tirou de vagar deixando-a cair no chão. “Porque você está no mesmo estado que eu, me diga Jinhwan, você quer que eu te foda com força agora, não é? Quer sentir meu pau ir fundo em você?”.

Junhoe levou sua mão por baixo da saia do baixinho e enfiou seu dedo na entrada do menor que gemeu em surpresa, Jinhwan adorava quando o maior usava de suas palavras sujas durante o sexo, fazia tudo ficar mais excitante, seu membro já doía, latejava e chamava por atenção, sentiu Junhoe mexer seu dedo dentro de si, gemeu em deleite, sentiu o pré gozo escorrer de seu membro.

“A-ah, Junhoe, e-eu quero, p-por favor, me foda”. Junhoe sorriu puxando o baixinho em seu encontro colando suas bocas novamente, Jinhwan querendo se livrar logo dos panos que impediam o contato das peles, abriu a camisa de Junhoe com tudo fazendo os botões voarem, o mais alto sorriu entre o beijo levantando e tirando o suéter do menor, agarrou sua cintura fina e macia, o levantou indo a até a cama e jogou o menor ali, ficou o observando de cima, tirou seu cinto com rapidez e desabotoou sua calça, Jinhwan sentou na cama e ajudou Junhoe a tirar a calça, abaixou a boxer vendo o membro teso do maior pular pra fora, apreciou a visão, era tão grande e grosso, com certeza era melhor do que seu pirulito que chupava mais cedo.

Sem perder tempo abocanhou aquele pedaço de mal caminho fazendo Junhoe gemer rouco ao sentir sua língua quentinha, Jinhwan sugava forte, lambia cada pedacinho sentindo o gosto do maior, como era bom, passava a língua e sentia suas veias latejando.

Junhoe pegou em seus cachos o afastando e jogando-o de volta na cama agora de barriga para baixo, subiu em cima do menor e distribuiu beijos por toda extensão de suas costas, fazendo o baixinho se arrepiar, desceu por sua coluna, abaixou o zíper de sua saia e a tirou o deixando apenas com as meias, deu beijinhos em suas nádegas, apertando, dava leves mordidas, Jinhwan mordia o lençol se contendo, empinou um pouco sua bunda como um pedido mudo para que Junhoe fizesse logo o que ele queria, e foi isso que fez, Jinhwan sentiu o hálito quente do maior perto de sua entrada que se contraiu, até que sentiu sua língua dentro de si, não se conteve mais e gemeu manhoso, aquela com certeza era uma das especialidades de Junhoe, se sentia em outro mundo quando se tratava da língua do maior o penetrando.

Jinhwan estava tão necessitado que chegava a tremer, precisava de alivio, levou as mãozinhas até seu membro mas Junhoe rapidamente as tirou, prendendo-as atrás da costas, deu uma mordida na bunda do baixinho como castigo.

“Ah J-junhoe, por favor me toque”. O menor falou em um sussurro sofrido.

“Você quer gozar bebê?”. Perguntou ficando de joelhos novamente na cama mas ainda prendendo os braços do baixinho. Jinhwan fez que sim com a cabeça. “Eu também quero, sabe o quanto estou excitado te vendo nessa posição tão submisso e pedindo por mais?”. Perguntou em um tom grave, aproximou seu membro teso e passou toda sua extensão na entrada do menor, esfregando. “Consegue sentir o quão meu pau está duro?”.

Jinhwan o olhou por cima do ombro com os olhos semicerrados.

“S-sim, Junhoe, eu quero que seu pau duro entre em mim agora, por favor”. Junhoe sorriu de canto com as palavras do baixinho e sem aviso prévio enfiou a cabeça de seu membro, o que fez Jinhwan gritar em surpresa sentindo uma pontada de dor e prazer.

“Ah, como sempre, não importa quantas vezes eu te foda, você continua apertado”. Falou arrastado enfiando de vagar todo seu membro o sentindo ser esmagado deliciosamente pelo interior quentinho do menor.

Jinhwan se sentia preenchido, seu membro pingava, queria toca-lo, tentou se desvencilhar do aperto de junhoe em seus pulsos, em vão, Junhoe os segurou mais forte o puxando para trás com rapidez dando uma forte estocada.

“A-ah, junhoe, não enrola, v-vai rápido”.

“Está tão necessitado bebê, também quero te foder com forca até não poder andar mais, mas primeiro, quero ver seu corpo tremer de prazer pequeno, quero ver seu olhos suplicando por mais”. Abaixou até o ouvido do menor. “É a melhor visão do mundo”. Retirou seu membro por completo e o enfiou novamente devagar. “Está sentindo Jinhwan? Meu pau deslizando lentamente dentro de você?”.

Jinhwan o olhou novamente por cima dos ombros, seus olhos marejados, um fio de lagrima desceu por seu rostinho.

“J-junnie...”. Falou quase em um sussurro inaudível.

Junhoe sorriu, adorava quando o menor o chamava assim, começou a aumentar o ritmo das estocadas fazendo o menor suspirar de alivio. Junhoe era preciso em suas investidas, dava estocadas brutas acertando o ponto doce de Jinhwan várias vezes seguidas.

Jinhwan gemia sem pudor, era melodia para os ouvidos do maior, Junhoe soltou os pulsos do menor, se retirou de seu interior deitando na cama e puxando o baixinho para seu colo.

“Cavalga em mim bebê”. Ditou

Jinhwan com o corpo mole se posicionou, encaixando de uma só vez o membro pulsante de Junhoe dentro de si, o que fez ambos gemerem.

Junhoe agarrou com firmeza sua cintura ditando os movimento para cima e para baixo, Jinhwan espalmou suas mãos no peito do maior para se apoiar melhor.

“Ah Junnie, i-isso é tão gostoso”. Jinhwan gemeu arrastado rebolando com maestria em cima do maior.

“É-e sim, Jinhwan, não sabe o quanto você é gostoso”. Desceu suas mãos grandes encaixando-as nas nádegas no baixinho, apertou com força deixando a marca de seus dedos e logo depois deu tapa estalado. Jinhwan gemeu agudo. Sorriu.

“Quero te deixar marcado pequeno, quero que lembre toda noite esse nosso momento, quem te fez gemer alto, me diga Jinhwan, quem te faz gemer de prazer? Quem te fode gostoso até não conseguir andar mais?”. Junhoe levantou o tronco agarrando os fios do menor os puxando para trás. “Me diga bebê”.

“A-ah Junnie, v-você”. Falou arrastado e arranhou o peitoral do maior. “Me marque Junnie”.

Junhoe rosnou e o puxou pelos cabelos colando os corpos e começou a dar chupões por toda extensão de seu pescoço, que logo ficou com as marcas roxas, sorriu satisfeito, apertou a cintura do menor o fazendo cavalgar mais rápido, o baixinho arranhava suas costas descontando ali seu prazer, seu membro se friccionava entre o abdômen de ambos, gemia alto perto do ouvido de Junhoe, o mais alto dava baforadas de ar intensas, não aguentaria por muito tempo, levou sua mão até o peito lisinho do menor e acariciou seus mamilos estimulando-os, Jinhwan era sensível naquela área, mordeu o ombro do maior contendo seu grito de prazer, Junhoe puxou seus cabelos o trazendo para um beijo afoito, chupou sua língua, o menor mordeu seu inferior o puxando e logo encaixando sua bocas novamente.

“Ah, J-junnie, Junhoe, m-mais, Ah”.

Uma estocada mais profunda e um gemido rouco anunciou o orgasmo de Junhoe que veio com força, preenchendo o baixinho por inteiro.

“Ah, porra”. Soltou Junhoe, extasiado com a sensação de dormência.

Jinhwan sentiu o liquido quentinho dentro de si e se desfez sujando o abdômen dos dois, beijou o mais alto com delicadeza sentindo as lufadas de ar em sua boca, Junhoe relaxou, soltou a cintura do menor vendo a marca que ficou ali, sentiu o corpinho sobre si tremer e sorriu, acariciou os cachinhos, analisou seu rosto corado, uma camada fina e brilhante de suor, ofegante, era lindo.

“J-junnie....e-eu não consigo me mexer”. Falou manhoso com um bico nos lábios, o que fez Junhoe rir.

“N-não ria, idiota, você acabou comigo”. Falou com os olhinhos marejados, sempre era assim, agia como uma criança manhosa depois de um orgasmo intenso.

Junhoe deu uma selo no biquinho irresistível do menor.

“Não vai me dizer que não gostou, pelo seus gemidos devo dizer que foi o orgasmo mais intenso que teve, que tivemos”. Sorriu e Jinhwan o acompanhou.

“Sim, Junhoe, você é muito bom de cama não posso negar”. Falou tentando manter um semblante sério.

“Hum, isso não me convenceu”. Jinhwan soltou uma risada e pousou sua mão no rosto de Junhoe.

“Você é incrível Junnie, você me afeta de um jeito que nem sei descrever, acho que meu corpo já está dependente de você”.

“Só seu corpo é?”. Jinhwan o olhou por alguns segundos desviando o olhar logo depois.

“Não...”. Falou baixinho.

Minha alma, minha mente, meu tudo.

Pensou.

“Hum, que bom que não é só seu corpo”. Sorriu. “Vem, vou te levar até o banheiro para tomar um banho refrescante, vou descer pra preparar algo para comermos”

Pegou em sua cintura os desencaixando, Jinhwan o sentiu deslizar para fora e gemeu.

“Se você continuar gemendo eu não vou aguentar e vou te ter pra mim novamente”. Falou e deu um beijo na testa do baixinho que inflou as bochechas.

O pegou no colo e seguiu até o banheiro, quando entraram, Jinhwan viu a banheira cheia com pétalas de rosas, sorriu.

“Já tinha tudo planejado não é senhor Koo”.

“Com certeza, meu garotinho”. Falou o depositando na banheira.

Meu.

Se encolheu dentro da agua, deixando apenas o nariz e olhos para fora. Junhoe acariciou seus cabelos e saiu.

Ficou ali brincando com cada pétala vermelha que havia, perdido em pensamentos e nas sensações que acabara de ter, não podia deixar de sorrir, Junhoe era o homem de seus sonhos, mas e ele? Era o que de Junhoe? Quanto tempo aquilo duraria? Suspirou, formando bolhas na agua. Ficou mais alguns minutos e saiu, se enxugou e colocou um roupão de seda que havia ali.

Caminhou dentro do quarto enorme, foi em direção a parede que tinha uma cortina longa que a cobria por inteiro, puxou seu fio e a abriu lentamente, logo se maravilhando pelo que via, uma enorme janela de vidro que cobria toda extensão da parede, dando uma bela vista da cidade iluminada na escuridão da noite, nunca havia visto aquilo, tão lindo, apoiou a testa no vidro vendo o mesmo ficar embaçado por conta de seu hálito.

Sentiu braços lhe rodeando por trás, Junhoe apoiou seu queixo no ombro do baixinho, cheirando seu pescoço, inebriado com sua essência. Jinhwan sorriu.

“Nunca me contou que tinha isso”.

“Vejo que descobriu sozinho, gostou?”

“Se eu gostei? Nossa isso é incrível, poderia ficar horas olhando essa paisagem”.

Junhoe sorriu singelo, acariciou sua cintura a agarrando, encostou seu peitoral nas costas do baixinho, ergueu sua mão fechada na frente do menor e a abriu, revelando ali uma pequena caixinha carmesim de veludo, Jinhwan a olhou espantado, ainda atrás do baixinho, Junhoe levou sua outra mão abrindo a pequena caixa, vendo ali dentro dois anéis prateados, Jinhwan colocou a mão não boca desacreditado, se virou olhando Junhoe com os olhos marejados.

“Junhoe.. você...”. Sussurrou baixinho.

“Então, Jinhwan, quer observar essa vista ao meu lado todas as noites, para sempre?” Ditou lentamente, Jinhwan não se aguentou e começou a chorar, logo envolvendo Junhoe num abraço apertado.

“Sim, Junnie, eu quero, para sempre, e-eu te amo”. Falou entrecortado por causa do choro, Junhoe pegou em seu queixo erguendo sua cabeça.

“Eu também te amo, meu pequeno”. Falou sorrindo.

“M-mentira, n-não minta pra mim”.

“Por que eu mentiria? Jinhwan, você foi a melhor coisa que poderia ter me acontecido, tudo em você me encantou, o seu jeito atrevido e ao mesmo tempo manhoso, sua personalidade cativante, o seu cheiro, Deus, o seu cheiro me enlouquece”. Confessou, o que fez Jinhwan desmontar, pegou a mão de Junhoe que ainda segurava a caixinha e observou os anéis.

“S-são lindos”. Pegou o maior deles. “Deixa eu colocar em você?”.

Junhoe estendeu sua mão deixando Jinhwan colocar em si, pegou o outro anel e encaixou no anelar de sua mãozinha. Entrelaçou seus dedos no do menor o puxando para sala de jantar.

“Fiz uma sopa, prove”. Puxou a cadeira pro menor sentar. Jinhwan deu a primeira colherada.

“Hum, nossa, não sabia que fazia uma sopa tão boa, Junhoe”.

“Está boa não é”. Falou convencido fazendo Jinhwan rir.

Ficaram se deliciando da sopa, Junhoe repetiu 3 vezes e o baixinho ficou se perguntando pra onde foi tudo isso.

Junhoe ficou na cozinha limpando tudo enquanto Jinhwan voltou para o quarto. Terminou de lavar a louça e arrumar a mesa e caminhou para onde o menor estava, chegando lá viu o mesmo já com sua saia, colocando a meia até sua coxa.

“Onde o senhor pensa que vai?” Jinhwan se assustou.

“E-eu ia pra casa”.

“Falou certo, ia, vai dormir aqui, tem que se acostumar já que somos namorados”. Falou num tom galanteador se aproximando do menor pegando em sua cintura, Jinhwan corou, Junhoe passou a mão por sua saia.

“Não use essas roupas por ai”.

“Quer que eu pare de usar?”.

“Não, quero que as vista só para mim, não quero que outros te vejam desse jeito, é muito irresistível”. Falou e deu um beijinho na ponta de seu nariz, Jinhwan pôs as ambas as mãos nas bochechas escondendo seu rubor.

“Tudo bem então, vou ficar irresistível só para você, Koo”. Sorriu passando seu braços em volta do pescoço do maior lhe dando um selinho.

Junhoe lhe entregou o roupão de volta para vestir e o puxou para cama aninhando o pequeno corpo em seus braços.

E finalmente, iriam dormir com o calor que emanava de ambos os corpos, sentido o cheiro e fazendo cafune nos cabelos, sem mais se enrolar em lençóis frios e passar horas tentando dormir imaginando um ao lado do outro, por que agora, agora sim, era real.


Notas Finais


Fim?
nãoo, quero fazer um bônus ^^ que a preguiça permita kkk
Bjãooo <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...