História Interativa - A seleção - A Herdeira - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias A Seleção, Originais
Personagens Personagens Originais
Tags A Herdeira, A Seleção, Castelo, Competição, Concurso, Interativa, Kiera Cass, Palacio, Princesa, Principe, Rainha, Realeza, Rei, Reino, Selecao
Visualizações 74
Palavras 1.295
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Olá meus docinhos, vou deixar para falar tudo o que tenho para dizer nas notas finais! Boa leitura! :*

Capítulo 4 - Insatisfação pública


Quando finalmente resolvi sair dos meus aposentos reais, já era hora do almoço. Seria indiscreto de minha parte almoçar no quarto de novo, já que havia feito isso no café-da-manhã. Resolvi chamar Mary para me ajudar com as roupas e descer para almoçar com a minha “nova família”. Eu precisava ficar de olho naquela mulher, ela poderia fazer qualquer coisa com o meu pai na primeira oportunidade que tivesse. Será que somente eu conseguia ver que aquele ser não passava de uma interesseira na coroa e não tinha nenhum amor pelo rei? Este, por sua vez, parecia estar perdidamente apaixonado por ela.

Quando adentrei a sala de jantar, todas estavam lá, exceto meu pai. Sarah exigia em um tom exaltado a um mordomo outro tipo de comida, com um nome que não sei nem pronunciar direito, enquanto este lhe explicara que não havia os ingredientes em Illéa e provavelmente demoraria dias para chegar quando pedissem. Enquanto as gêmeas pareciam animadas com as comidas que lhes disponibilizaram, pois estavam com a boca quase explodindo de farofa de bacon e falavam sem se importar se os outros viriam as suas mastigações.

– Se comportem e comam direito! – Sarah repreendia as meninas – Nem parece que moram em um palácio!

Elas tentaram obedecer a mais velha, sem sucesso, eu ainda conseguia ver as comidas balançando em suas bocas. Que nojo! Ninguém tinha notado a minha presença até que pigarreei. Parece que isso foi suficiente para elas ajustarem as posturas e se comportarem como damas de verdade.

– Foi indelicado de sua parte, recusar o café-da-manhã com sua família – Sarah começou me repreendendo.

– A senhora deveria saber o motivo! – Respondi, fixando o olhar em Clarisse e Emanuelle, que ainda estavam com minhas tiaras e meus vestidos.

Ao invés de retrucar a minha resposta, percebi um olhar de satisfação em sua face. Sentei em uma das pontas da mesa e logo após pedir uma limonada suíça ao mordomo, meu pai entrou acompanhado com seu guarda-costas que ficou na porta de entrada.

– Bom dia belas damas! – Ele disse feliz, beijando a testa da sua nova esposa e me cumprimentando com a cabeça.

Antes que eu fosse a primeira a reponde-lo, Sarah se adiantou:

– Bom dia meu amor! Estávamos esperando por você.

Só eu conseguia ver a falsidade no “amor” que ela pronunciara? Não conversamos muito, apenas o suficiente. Durante a refeição, meu pai perguntou se eu estava melhor e disse que não tinha problema de não ter descido naquela manhã, além de afirmar que passaria a tarde comigo.

– Mas eu tinha umas coisas para resolver com você hoje! – Sarah retrucou.

– Cancele os compromissos! – Meu pai disse – Preciso dar um tempo para a minha princesinha.

Sarah ficou emburrada, enquanto era notória a minha cara de satisfação. Desta vez o jogo virou. Eu mal podia esperar para ter a atenção do meu pai só para mim...

 

______X______

 

Me divertir bastante com o meu pai ao ar livre (Praticamos hipismo, tomamos sorvete e fizemos alguns desejos na fonte dos desejos, além de conversamos e rimos bastante). Passamos a tarde inteira juntos e no crepúsculo da tarde ele precisou de minha presença em seu escritório pessoal, como uma futura rainha não poderia deixar de lado as obrigações e os trabalhos de praxe. Apesar de minha vida as vezes ser um sonho, tenho coisas tediosas e obrigatórias a cumprir.

 

______X______

(Alguns meses depois...)

 

Na noite de Outubro eu pude perceber que a situação de Illéa não estava nada fácil. Ainda que ficasse sempre de olho nos noticiários, nas revistas e jornais, não tinha me dado conta que era tão complicado a insatisfação do povo com relação ao governo do país.

A grande maioria do povo odiava o meu pai por motivos que não eram culpa dele. A divisão por castas era uma de suas insatisfações, e como esta forma de divisão já tinha sido implementada há cerca de nove ou dez gerações era praticamente impossível de retirarmos e pensarmos em outra forma de hierarquia ou coisa semelhante. O único meio que eu conseguia pensar juntamente com o papai era apenas a implantação das políticas públicas, mas parecia não obter resultados. O povo continuava insatisfeito e as castas baixas sofrendo na mão de pessoas de castas superiores.

Além desta insatisfação havia ataques rebeldes para todo lado, tanto contra o povo, quanto contra o próprio palácio e família real. Nós tínhamos de fazer treinamentos constantemente no castelo para conseguirmos escapar de futuros ataques no qual não fazíamos ideia de quando iriam acontecer novamente. Após a morte da minha mãe e do meu irmão, os treinamentos foram intensificados e nenhum dos ataques posteriores causaram grandes estragos. Embora os mesmos estejam cada vez mais constantes e agressivos.

Para não causar pânico na população Illeana, nós abafamos a maioria dos casos de ataques e escodemos como um segredo. O que na minha opinião não é certo, pois assim como nós estamos sempre precavidos o povo também deveria estar e se preparar para tal. Escodemos os ataques por muito tempo e apenas anunciamos os mais violentos no intuito de alertar as províncias que estavam no alvo dos rebeldes, mas agora a situação está cada vez pior, os ataques incontroláveis estão tomando conta das províncias e não dá para esconder do povo o perigo e o medo de uma guerra começar.

Apesar de investimos bastante capital para tentar ajudar as castas inferiores, a pobreza em Illéa é crescente, tudo que pensamos até agora parece não ter um resultado satisfatório. Descobri naquela noite então, que o mundo fora do palácio estava um caos, assim como a minha vida e que o foco de toda a população eram os problemas.

– O povo precisa de uma distração! – Meu pai falou.

– O que o senhor sugere? Já tentamos de tudo, o Jornal Oficial tenta focar em entretenimento, mas os ataques estão agravando cada vez mais e o povo se rebelando... – Respondi!

 – Mais políticas públicas! – Ele retrucou.

– Pai! Já tentamos isso várias vezes e o senhor mais do que ninguém sabe que não dará certo.

–Já deu certo antes...

– Isso foi há aproximadamente 7 anos atrás.

– Não custa nada tentarmos novamente...

– Acho que sei o que fazer! – Finalmente tive uma grande ideia – Faremos uma seleção! Assim como o senhor encontrou a mamãe e o povo se tranquilizou.

– Annelise, não é uma boa ideia, até agora só tivemos seleção feminina, imagine este castelo cheio de homens com más intenções?

– Assim como há homens, há mulheres com más intenções, o senhor também se arriscou e eu preciso fazer isso pelo nosso povo! Eu sou a futura rainha de Illéa e não quero que este país esteja um caos quando assumir esta posição.

Papai pareceu orgulhoso e preocupado ao mesmo tempo, ainda assim continuei:

– Por Illéa e pelo futuro reinado da Rainha Annelise – Levantei a mão em saudação – Faremos uma seleção, a primeira da história a ser masculina – Abaixei a mão e pisquei para o meu pai – Dará tudo certo, confie em mim.

– Reforçarei a segurança. Realmente esta parece uma boa solução para conter o povo. Você realmente cresceu Anne, estou orgulhoso de você e já te vejo uma grande Rainha. Você encontrará um ótimo companheiro para governar o povo, assim como eu encontrei a sua mãe. Estarei aqui, aplaudindo de pé a sua vitória – Ele me abraçou com ternura.

Logo escrevi com letras douradas um convite para fazer cópias e enviar para toda casa que contivesse membros masculinos nas idades necessárias:

"A realeza informa 

Qualquer moço entre 18 e 24 anos, de todas as províncias de Illéa 
pode candidatar-se para a Seleção. Com o intuito de tornar-se o futuro Rei do país. 
Além de ter a oportunidade de honrar a nossa grande nação. 
A princesa Annelise Windemberg, deseja conhecê-lo. 
Filhos de Illéa, a ficha para a inscrição está em anexo ao convite. 
Boa-sorte!"


Notas Finais


Cá estamos nós, finalmente no início da seleção! Obrigada por estarem enviando as suas fichas, sério gente! Estou honrada de ler cada palavrinha de vocês.
Quero pedir desculpas por demorar a postar este capítulo, espero que entendam, os próximos sairão semanalmente se tudo correr bem!
O prazo final para a entrega das fichas será dia 16/08, assim dará tempo a lista dos selecionados sair daqui a oito ou quinze dias... Qualquer dúvida deixa aqui nos comentários ou me manda uma MP...
Amo vocês! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...