História International Love History (Long Imagine Jimin) - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Chim Chim, Jimin, Love, Park Jimin, Romance
Visualizações 699
Palavras 4.613
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Ayo, meus mochi's!

Mais uma vez, quero avisar que tem recadinho nas notas finais, por favor não ignorem a minha pessoa e deem uma olhada :]

Capítulo 44 - "Oi, jagi"


Fanfic / Fanfiction International Love History (Long Imagine Jimin) - Capítulo 44 - "Oi, jagi"


"Quando minha hora chegar
Esqueça todos os erros que eu cometi
E me ajude a deixar para trás,
Algumas razões para ser lembrado.
Não fique ressentida comigo.
E quando sentir-se vazia,
Me mantenha em sua memória
E esqueça todo o resto"

♫ Linkin Park - Leave out all the rest 
 

E a segunda feira chegou quando eu menos esperava – e desejava. Meus horários estavam completamente mudados se comparados aos do período anterior, então... Como eu costumava ter a primeira aula as dez, fiquei um pouco desconsertada. Minha primeira aula da segunda feira começaria às oito e meia da manhã, e eu tive que acordar bem mais cedo.

      Aquele já era o início do nono de dez períodos necessários para concluir meu curso de direito. Já estava chegando ao fim, depois de quatro longos anos. O atual período marcava o início do meu ultimo ano de faculdade, e terminando... Eu já poderia seguir em frente na procura de emprego ou especializações em minha área.

      Minha grade foi totalmente alterada – é claro – e por já estar quase no final do curso, eu já tinha poucas matérias para estudar. No nono período eu teria apenas seis, e não teria que ir para a universidade em todos os dias da semana. Aulas a tarde seria apenas em alguns dias, então assim eu poderia ficar livre para procurar por estágios ou empregos de meio período.

      Acordei 7:45 da manhã naquele dia, e totalmente sem ânimo eu fui me aprontar. Meus materiais eram novos, eu teria aulas, atividades e funções totalmente novas também, porém nada disso me empolgava. Eu sequer tinha saído de casa, e já estava contando as horas para ir embora.

      Por saber me localizar muito bem na universidade, cheguei e segui até a sala da primeira aula. Porém, só de chegar naquele lugar sem Jimin, eu já me senti deslocada. Eu sempre chegava lá sorridente e em sua companhia, porém dessa vez, só quem chegou foi eu, e totalmente de cabeça baixa andando com a mochila pendurada no ombro...

      (...) E assim foi todos os dias da primeira semana de aula. Os dias eram cinza e totalmente demorados. Já no primeiro dia eu precisei ir a biblioteca e de cara, eu vi a mesa que Jimin e eu sempre ficávamos durante nossas aulas de inglês. Na hora do almoço em todos os dias, eu fiquei em nossa mesa de sempre, totalmente sozinha e relembrando das histórias que Jimin contava quando estávamos ali almoçando.

      O mesmo aconteceu quando fui jantar no John Jay. Depois da ultima vez que eu fui lá com Jimin, nunca mais voltei. E ao voltar, senti-me vazia novamente. Durante aquela semana também eu decidi voltar à Baked – a confeitaria que Jimin me apresentou, decidi voltar às margens de Hudson River e voltei ao Soul também. Sim, fui preenchida por lembranças, porém todas eram boas. E ao lembrar de tudo aquilo, eu me senti confortada.

      Mochin já estava ficando sem o cheiro de Jimin. Sim, ele parecia com Jimin e foi Jimin quem me deu aquele ursinho, porém o que mais me fazia lembrar dele era o cheiro... E até isso eu estava perdendo. Voltando para casa a cada dia depois de resolver minhas obrigações, eu não tinha com quem desabafar. Ninguém poderia me ouvir naquele momento. Os meninos da república e suas namoradas estavam dispostos a fazer isso, porém eu preferia que fosse pessoalmente e nenhum deles estava lá.

      Mesmo estando com poucas matérias e não estudando o dia inteiro em todos os dias, eu estava sentindo o peso e a pressão que aquilo estava sendo por estar chegando ao final. Faltava pouco para que eu me formasse, e toda aquela correria estava me deixando mais esgotada do que eu já estava. Porém, faltava tão pouco... Que eu decidi me empenhar para acabar logo.

      Eu chegava em casa cansada e sozinha todos os dias, não ganhava mais beijos ou carinhos, não tinha mais contato íntimo, não tinha mais companhia, não tinha mais o meu amor ali pronto para me ajudar em qualquer que fosse o meu problema.

      Por estar me dedicando inteiramente à universidade, eu me mantive ocupada na maior parte do tempo. Porém, à noite Jimin resolvia sempre aparecer em meus pensamentos. À noite, ele sempre invadia minhas lembranças como se fosse uma forma de me lembrar sobre seu amor, e como se fosse uma forma de não deixar que eu o esquecesse.

      Se era Jimin mesmo que fazia isso? Claro que não. Sempre era eu. Eu mesma pensava nele todas as noites e eu mesma fantasiava o momento de sua volta. Eu queria mantê-lo em meu coração sempre, então sem perceber, eu o fazia tomar os meus pensamentos todas as noites.

      Resolvendo uma coisa atrás da outra, eu consegui me manter firme sem chorar tanto durante aquela semana, porém... Na sexta, eu não agüentei mais me segurar. Meus pais novamente estariam em Delaware naquele final de semana para tratar de negócios, Victoria estaria com Ben e Atlantis, totalmente ocupada com os deveres de casa – até porque ela era a única que ainda estava na escola por ser a mais nova entre nós três. Então, notei que eu teria que ficar em casa no sábado e no domingo.

      Por ter chegado em casa tarde na sexta feira – justamente porque eu tinha ido até as margens de Hudson River e fui jantar no John Jay – fui tomar banho assim que cheguei e durante o banho foi quando eu desabei. Não aguentei mais evitar...

      Chorei no banho enquanto lamentei por aquilo tudo. Me questionei várias vezes sobre o motivo de aquilo estar acontecendo, porém mesmo que eu entendesse a situação, não conseguia aceitar. Depois de ter chorado e lamentando durante o banho inteiro, eu fui para o quarto me vestir, e logo depois disso, lembrei-me de uma coisa ao ver as minhas ultimas fotos com Jimin.

      No ultimo dia que estivemos juntos – há duas semanas atrás – Jimin me disse uma coisa enquanto estávamos dentro do carro, que só agora eu fui lembrar. Ele havia me dito que tinha deixado uma coisa pra mim em meu notebook e disse que eu saberia achar, saberia o que era e saberia a hora de ir procurar.

      Ainda desolada e cansada de tanto chorar, deitei-me na cama e coloquei meu notebook em meu colo. Eu não sabia onde encontrar o que quer que fosse que Jimin deixou ali pra mim, mas mesmo não sabendo, fui olhando em todos os lugares. Abri pastas, olhei imagens, abri arquivos... Até que deparei com uma pasta de ícone diferente em minha área de trabalho.

      A pasta que me chamou a atenção estava com um ícone que mostrada o desenho do globo terrestre, e o nome dela, era representado pelo símbolo do infinito. De primeira eu não maldei, porém ao não ter encontrado nada de tão curioso, eu voltei naquela pasta. Ela estava no cantinho, depois de todos os outros ícones. Meu coração acelerou, fiquei apreensiva e por fim eu cliquei.

      A pasta com o símbolo do globo terrestre foi aberta, e logo de cara eu pude ver alguns vídeos contidos ali. Eram dez ao todo, e ao ver a ‘capa’ de cada um dos vídeos, pude ver que em todos, aparecia a imagem de Jimin. Era como se ele tivesse posicionado a web cam em sua frente e tivesse gravado tudo sozinho.

      Ao ver seu rostinho ali na capa de cada um dos dez vídeos, eu já comecei a chorar. Meu coração se acelerou, senti um amargo na garganta e depois de muito olhar eu resolvi abrir o vídeo que na legenda, indicava o número 1 – assim como todos os outros, que também estavam numerados em sequencia.

      O vídeo começou, e a primeira coisa que eu vi foi o rostinho de Jimin bem perto da câmera. Ele estava arrumando e posicionando tudo ainda, então só depois de uns dez segundos, ele começou a falar.

      – Oi, jagi. – Foi com essa saudação que ele me cumprimentou no vídeo.

      Ao ouvi-lo me chamando daquele jeito mais uma vez, eu pausei o vídeo e simplesmente chorei com as mãos cobrindo o rosto. Eu não sabia o que Jimin me falaria naqueles vídeos, porém só de ouvir ele me chamando daquele jeito, eu já desabei. Chorei ali sozinha vendo sua imagem pausada, até que resolvi continuar o vídeo.

      – Primeiramente, gostaria de avisar que esse vídeo é apenas para lhe explicar porque eu estou fazendo isso. E também gostaria de dizer que não quero que chore ao ver isso. Minhas intenções foram boas quando preparei essa surpresa pra você, então espero que não chore, pois com isso eu tenho a intenção de alegrá-la. – Ele deu uma pausa.

      Jimin estava de moletom preto, jeans e boné, e por falar tão pertinho da câmera eu senti vontade de beijá-lo. Ele lamentou ali sozinho, passou a mão por seus cabelos e logo continuou a dizer o que pretendia enquanto eu chorava ao ouvir sua voz.

      – Deixei aqui pra você uma sequencia com alguns vídeos. Nesses vídeos eu irei lhe contar algumas coisas que você talvez não saiba sobre os meus sentimentos por você. Esse vídeo é explicativo e não conta, porém os outros nove, em cada um eu falarei sobre um mês de namoro. Eu sei que eu te deixava tudo muito claro, porém algumas coisas que eu sentia e pensava, você nunca soube. Então aqui irei lhe esclarecer tudo e mais uma vez, peço que não chore. Peço também que assista os vídeos em dias diferentes, por favor não os assista tudo de uma vez.

      Pausou sua fala mais uma vez, e outra vez ele lamentou sozinho. Ao ver o fundo, notei que ele estava na sala da minha casa quando gravou, e só de vê-lo ali mais uma vez, lamentei por saber que ele não estaria ali mais.

      – Isso é tudo. – Ele disse. – Assista ao próximo vídeo e deixe os próximos para os próximos dias. Espero que goste e por favor, não chore.

      Deu um sorrisinho envergonhado depois disso, e logo o vídeo acabou. Foi rápido, porém foi o suficiente para me deixar aos prantos. Mesmo estando totalmente descontrolada enquanto chorei, posicionei o cursor no vídeo de número dois e logo cliquei em cima dele.

      – Antes de falar do nosso primeiro mês de namoro, preciso dizer algumas coisas sobre o que vivemos antes disso. – Ele sorriu. – Se lembra do tempo que você começou a se afastar de mim por estar se apaixonando? Puxa vida, eu pensei que iria ficar louco a cada vez que eu a via tão distante de mim. Não sei se você sabe disso, mas... Foi ali que meus sentimentos aumentaram de vez. Eu queria estar contigo, e você sempre fugia... A minha vontade era de te beijar de uma forma que te fizesse mudar de ideia sobre aquilo tudo, porém... Você sequer olhava em minha cara. – Ele riu. – Você me fez sofrer muito, sabia? – Riu de novo. – Eu ali, louco para te beijar enquanto você, senhorita... Me fez prometer que aquilo não aconteceria. – Riu.

      Ao ver o se sorriso, eu sorri automaticamente, porém ainda em lagrimas ao ver aqueles olhinhos se esticando.

      – Pergunte a Yoora e era irá te contar sobre o bebê chorão que eu virei ao ser dispensado por você. – Riu de novo. – No dia que você me beijou em sua casa quando eu lhe pedi explicações, você não sabe o quanto eu fiquei eufórico ao ter sentido o gosto do seu beijo pela primeira vez. Sim, fiquei triste porque você me mandou sair, porém, eu fiquei totalmente gelado ao tê-la beijado. – Sorriu envergonhado. – Depois disso foi o dia que você me mordeu feito uma vampira. – Riu novamente. – Você me fazia ficar tão confuso que, mesmo dizendo que eu não queria mais nada com você, quando você foi embora eu pensei em impedi-la. – Passou a mão arrumando seu cabelo. – Depois disso ficamos numa boa, e eu... Cada vez mais morrendo de amores por você. Até que, tivemos que contar aos seus pais a verdade. Lembra-se do dia que você me deixou no shopping e foi embora sem mim? E eu, que mesmo indo embora sozinho, fui te ver naquela noite... – Sorriu. – Não se sinta triste por qualquer coisa que eu esteja relembrando aqui, estou relembrando, pois faz parte de nossa história e hoje, já que enfrentamos tudo aquilo, isso parece engraçado. – Ele riu. – Antes de falar sobre o primeiro mês, eu só queria dizer que... Você já começou a chamar minha atenção exatamente no dia que você enfrentou a nossa turma por mim e me defendeu daqueles comentários maldosos. Eu sequer entendi uma palavra, porém, naquele momento se estivéssemos em um desenho animado, teriam saído corações de meus olhos puxados. – Ele riu. – Por isso fiquei tão surpreso quando você veio falar comigo pela primeira vez. Me surpreendi por você falar o meu idioma? Sim, mas fiquei mais feliz ainda porque foi justamente você. Acho que você não sabe disso, mas foi naquele momento ali que, mesmo com receio, eu quis estar ao seu lado. Mesmo envergonhado e mesmo totalmente surpreso, eu quis sair com você. De primeira a minha intenção era de conhecer a cidade? Sim, mas logo em seguida, meu desejo era de estar com você, e para onde iríamos para mim não interessava.

      Sorriu sozinho e eu sorri junto com ele. Ainda em  lagrimas, eu fiquei em silêncio enquanto prestei atenção em tudo que ele disse.

      – E o que eu poderia falar sobre o nosso primeiro mês de namoro? E o que dizer do dia que eu conheci seus pais? Meu Deus, eu nunca fiquei tão nervoso na vida. – Sorriu. – Nosso primeiro mês de namoro foi uma maravilha. Lembro-me do dia que você me testou em seu quarto, no primeiro dia que eu fui em sua casa como seu namorado. Que eu tive vontade, olha, eu admito que sim. – Ficou envergonhado. – Porém, eu me segurei e lhe falei aquilo tudo. Não sei se você sabe, mas foi naquele momento ali que eu comecei a imaginar como seria aquilo tudo com você. Antes de dormir eu imaginava cenas, mas por favor, não me veja como um pervertido ao saber disso. – Riu. – Outra coisa que acredito que você não sabe, é o quanto eu gostei de começar a dividir todo o meu tempo contigo. Uma coisa que gostei também foi que... Exatamente no primeiro mês de namoro você dormiu comigo pela primeira vez. Acordei, e dei de cara com a coisinha mais perfeita do mundo ao meu lado. Ah, mas que coisa linda! – Sorriu. – O primeiro mês de namoro foi quando eu comecei a me sentir feliz de verdade. Você começou a me chamar de amor e... Ao ouvir isso pela primeira vez, confesso que tive vontade de beijá-la o dia inteiro. E foi no primeiro mês de namoro que eu percebi que a cada mês que eu passasse ao seu lado, seria melhor e mais feliz ainda. Foi o início de tudo, foi o primeiro. E foi ali que tudo que eu sentia por você começou a aumentar consideravelmente. – Sorriu. – E antes de terminar esse vídeo, só queria confessar uma coisa...  Foi naquele mês que eu tive a certeza de que você era o amor da minha vida. A cada dia que se passava e você me chamava de amor... Eu tinha certeza de que você era a pessoa certa pra mim. Jamais me senti assim com outra pessoa, então... Foi justamente em nosso primeiro mês que eu vi que você e eu viveríamos uma história muito bonita. – Abaixou a cabeça e lamentou. – Só de lembrar isso, eu fico com os olhos úmidos. Porém, assim como eu não quero que você chore, eu não irei chorar. Só queria te dizer nesse momento que eu a amo. Independente de quanto tempo já tenha que eu fui embora, e independente do tempo que estamos sem nos falar, tenha certeza de que todos os dias antes de dormir eu estarei lembrando de você, e contando os dias para poder vê-la de novo. Um beijo, meu amor. Estarei aqui para lhe dizer outras coisas em breve, basta você vim até aqui e abrir o próximo vídeo. Eu te amo, e até logo. – Enviou-me um beijo e o vídeo acabou.

      Eu poderia abrir o próximo logo em seguida, porém lembrei-me do que Jimin me pediu, então resolvi abrir o próximo vídeo somente quando a saudade me massacrasse outra vez. Sim, eu sentia saudades dele todos os dias, porém, resolvi esperar para ver os próximos.

      Ainda chocada com aquela surpresa, eu chorei emocionada e sorri de alegria ao ouvir tudo que ele disse. Fechei o notebook, o coloquei ao meu lado na cama e ao lembrar de tudo que eu o ouvi falar, tive voltar de chorar mais. Sim, naquele vídeo Jimin disse coisas que e não sabia, e até as coisas que eu já sabia, gostei de tê-lo ouvido falar.

      Novamente eu o vi. Novamente eu ouvi sua voz. Novamente eu o ouvi dizer que me ama enquanto me chamou de Jagi. Mais uma vez, vi aqueles olhos apertadinhos, aquelas bochechas macias e aquela boca que eu gostava tanto. Vi seu sorriso também, e mesmo estando apenas numa tela em um vídeo gravado, eu fiquei feliz ao vê-lo.

      Foi nesse momento que eu vi que aquilo aliviou minha saudade, e se Jimin pudesse fazer vídeos assim ou vídeo chamadas comigo, eu me sentiria melhor. Porém, ele não estava livre para fazer isso. Não poderíamos nos falar, eu não sabia noticias dele e sequer poderia ouvir sua voz.

      Seria menos complicado se pudéssemos nos falar ao menos. Porém, isso nem de longe seria possível... Ainda chorando, resolvi pegar novamente o notebook ao ter uma ideia. O abri, liguei a câmera e comecei o meu próprio vídeo de resposta para Jimin.

      – Oi, Chim Chim. – Eu disse, quando o vídeo começou a ser gravado. – Acabei de assistir ao primeiro vídeo que você me deixou e sei que você pediu que eu não chorasse, porém... – Voltei a chorar. – A saudade apertou e eu senti sua falta mais do que nunca. – Abaixei a cabeça. – Está tão difícil, amor... Tão difícil... – Lamentei.

      Comecei a chorar de uma forma que não consegui nem falar direito. O vídeo continuou rolando, e só então quando eu me recompus, é que voltei a olhar para a câmera.

      – Gostei do vídeo, porém eu preferia não tê-lo assistido. Isso significaria que você ainda estaria ao meu lado e é isso que eu prefiro. – Chorei. – Não paro de pensar em você todas as noites, amor. Essa semana fui ao Soul, à Baked e as margens de Hudson River, porém tudo voltou a ser tão solitário quanto era antes. As aulas na faculdade também já começaram, e agora eu estou almoçando sozinha naquela mesa. Acordo e vou dormir sem te ver, e isso está me sufocando aos poucos. – Lamentei. – Algo me diz que você nunca terá a chance de ver esse vídeo, porém mesmo assim eu estou gravando. Só queria dizer que você não sai dos meus pensamentos, e que eu te amo demais... Demais mesmo.

      Cliquei no botão vermelho e parei o vídeo. Salvei ele como ‘1’ naquela mesma pasta, e ao terminar de fazer aquilo tudo, eu fechei o notebook de vez e resolvi ir dormir. Se eu estava morrendo de saudade? Sim, porém ouvi-lo falando aquilo, ouvir a sua voz e ver seu sorriso novamente, fez-me ficar anestesiada contra toda aquela tristeza. Então, naquela noite eu consegui dormir. Com Jimin em meus pensamentos sim, porém sem chorar dessa vez.

*

      Sobrevivi àquele final de semana sozinha, e consegui me virar na semana seguinte. Sobre os vídeos de Jimin, eu não voltei a assisti-los. Jimin apenas me pediu para não ver tudo no mesmo dia, porém eu decidi esperar mais tempo para ver o próximo. Eu estava mal, aquele dia foi o pior pra mim e ao ver aquele vídeo, pode parecer contraditório, mas eu me senti melhor. Chorei e senti saudades dele, porém pude ouvi-lo dizendo coisas lindas, e isso me deu forças.

       Então, decidi fazer isso. Durante a semana eu até que não me sentia tão devastada por ter tantas coisas para fazer e resolver em pouco tempo, mas no final de semana aquilo acabava comigo. Ficar sem nada para fazer era o meu ponto fraco, e sempre que isso acontecia eu não sabia o que fazer a não ser chorar. Porém agora eu tinha uma saída para isso. Eu iria guardar os vídeos de Jimin para momentos críticos. Ele me faria sentir melhor, então eu queria guardá-los. Se eu tinha vontade de ver tudo logo? Sim, e muita. Porém, optei por não fazer isso.

      Aquela já era a terceira semana sem Jimin, e o que eu posso dizer sobre isso é que estava sendo complicado. O tempo só me deixava pior, e eu pensava que eu iria enlouquecer de saudades durante as noites. Aqueles que estavam ao meu redor, pensaram que com o tempo eu iria esquecer e começaria a me sentir melhor, porém o que aconteceu foi o contrário.

      E já falando sobre aqueles que estavam ao meu redor... Minha mãe começou a me ligar todos os dias na hora do almoço e do jantar desde o dia que nos vimos pela ultima vez. Sim, eu estava sem apetite e estava dormindo muito mal, porém eu não via mal nisso. Eu estava triste, desmotivada e totalmente desanimada com aquilo tudo. Não tinha vontade de fazer tudo que eu normalmente fazia, e isso começou a chamar a atenção de minha mãe.

      Por isso ela sempre me ligava em horários específicos. Todos os dias ela me ligava e perguntava se eu tinha almoçado algo saudável. Confesso que menti algumas vezes, disse que estava comendo algo com alto valor nutricional, quando na verdade eu estava comendo cookies na hora do almoço. Na hora do jantar eu falava sobre comida grelhada com salada, quando na verdade estava comendo macarrão instantâneo.

      Por sempre listar coisas totalmente nutritivas ao falar sobre o que eu comia, e ao relatar o quanto eu me sentia fraca, minha mãe desconfiou. Como eu poderia estar me alimentando tão bem e estar tão fraca e parecendo uma pessoa quase desnutrida? Ela desconfiou, e logo trocou sua estratégia. Começou a pedir foto de minha refeição e pedia que eu tirasse na hora. Sendo assim, fui desmascarada.

      Por algumas vezes eu até comprei a refeição, mandei a foto, guardei na geladeira e esqueci lá. Mas comecei a esquecer de mandar, e então, minha mãe começou a brigar comigo por isso. Ela sabia que eu estava mentindo, e aquilo estava virando algo muito sério. Eu realmente estava emagrecendo com rapidez, e era fácil notar.

      Depois de alguns dias, comecei a conseguir colocar meus sonos em dia, e isso também preocupou minha mãe. Ela disse que eu estava dormindo demais, e por estar tão pálida e tão magra, eu certamente estaria ficando doente – se é que já não estava.

      Confessei que por muito tempo eu não tinha dormido por uma noite inteira, então quando comecei a me sentir bem para fazer isso, voltei a dormir. Mas, de nada adiantou eu falar isso. Minha mãe continuou preocupada com minha saúde, e principalmente com minha magreza e meu sono em excesso.

      Um dia, durante uma ligação, ela foi firme comigo. E eu percebi que ela estava mais preocupada com tudo aquilo do que eu imaginava.

      – Você almoçou hoje? – Perguntou.

      – Sim. – Respondi com receio.

      – Comeu o quê?

      – Fiz qualquer coisa... Fritei batatas, requentei o arroz e comi um ovo cozido.

      – Você só pode estar brincando comigo... – Ela falou firme. – Arroz, batata e ovo?

      – Bebi suco de frutas depois disso, eu comprei algumas frutas e ao chegar em casa eu mesma f...

      – Mas isso não adianta! O almoço é a refeição que te mantém firme o dia inteiro até a hora do lanche da tarde! (s/n), você está brincando com sua saúde! Está ficando doente! Olhe só pra si mesma! Está mais magra como nunca e a palma de sua mão está mais pálida do que um algodão!

      – O que posso fazer, mãe? Não tenho vontade de comer...

      – Mas você precisa se alimentar bem! Pense em si mesma só um pouco! Sua saúde é algo que você deve se importar mais!

      – Estou voltando a minha antiga rotina aos poucos, mãe... Tem que ter calma! – Fiquei triste. – Só agora eu estou conseguindo dormir direito... Durante dois finais de semana seguidos eu fui dormir as nove da noite, e acordei as duas da tarde. E depois da hora do almoço ainda tive mais sono.

      – Sabe por que tanto sono? Você está fraca! Não se alimenta direito e então seu organismo funciona lentamente!

      – Não é pra tanto, mãe... Fique calma...

      – Você pode estar com anemia, e das mais profundas! Já pensou nisso? Já parou para pensar nisso, (s/n)? Isso é sério! Não é só uma indisposição e uma vontade de dormir o dia todo... Isso pode significar que você está doente!

      – Oh, vire essa boca pra lá! – Eu disse.

      – Me prometa que você irá ao médico. – Ela disse. – Me prometa que você irá ao médico e irá fazer exames. Você não se consulta a um tempo, já deveria ter feito um check-up geral.

      – Não é pra tanto...

      – Me prometa! – Ela disse. – E se não fizer isso sozinha eu irei marcar e irei aparecer aí para levá-la!

      – Tudo bem, tudo bem! Vou correr atrás disso! – Não gostei de sua insistência. – Está feliz agora?

      – Ficarei feliz quando já tiver ido. – Ela disse. – Vá, se consulte e se preciso, pegue um encaminhamento para um nutricionista, porque com certeza você irá precisar. Certamente precisará de vitaminas e suplementos também.

      – Tudo bem, não se preocupe... Vou ver se marco uma consulta para a semana que vem, e se for necessário eu prometo pedir um encaminhamento sim. – Concordei, e assim encerrei o assunto.

      Minha mãe realmente achou que eu não iria me consultar, porém eu fui para resolver aquilo logo. Marquei para um dia em que eu não teria aula e esse dia finalmente chegou. Contei como eu vinha me sentindo para o médico atencioso que me atendeu, e é claro, ele me pediu uma lista de exames.

      A causa de minha falta de apetite, indisposição e muito sono poderia significar muitas coisas, então... Ele pediu vários exames para comprovar o que eu realmente tinha – mesmo que ele concordasse com minha mãe ao quase afirmar que eu estava com uma anemia quase profunda.

      Peguei os pedidos de exames como: de sangue, fezes, urina, hemograma, eco cardiograma e depois daquele dia da consulta, eu contei tudo que o médico tinha me dito para minha mãe, e logo afirmei que eu iria correr atrás para fazer todos aqueles exames.

      Afirmei, e foi bem o que eu fiz. Naquela mesma semana eu marquei todos os exames para fazer no mesmo laboratório de diagnósticos, e no dia marcado, cheguei cedo, pois eu tinha aula logo depois. O final de semana estava chegando e os resultados só sairiam na segunda feira.

      Fui para Nova Jersey naquele sábado e voltei cedo no domingo. Segunda eu teria muita coisa para fazer então tinha que me programar. Segunda inclusive era o dia de pegar todos os exames, e como o médico com quem eu me consultei era perto dali, resolvi resolver tudo no mesmo dia.

      Exatamente naquela segunda, eu iria pegar os resultados e voltaria até aquele consultório – achando que eu não tinha nada, porém ainda assustada e temendo pelo pior naqueles resultados depois de tudo que ouvi minha mãe dizer.

      Nossas duvidas acabariam naquela segunda, e eu não sabia se eu queria que ela chegasse logo, ou se demorasse bastante. As noticias poderiam ser boas, mas ao mesmo tempo poderiam ser ruins, e quanto a isso, eu não estava preparada. 


Notas Finais


Já leram o primeiro capítulo da shortfic do Rap Monster?
Pra quem se interessar, aí está o link :]

https://spiritfanfics.com/historia/inferiority-complex-shortfic-rap-monster-9829184

E lembrem-se!! Primeiro capítulo da shortfic do Jin sai amanhã!!
https://spiritfanfics.com/historia/no-more-friends-shortfic-jin-9863198
#Fighting


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...