História International Love History (Long Imagine Jimin) - Capítulo 46


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Chim Chim, Jimin, Love, Park Jimin, Romance
Visualizações 642
Palavras 5.942
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Heterossexualidade, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Ayo, meus mochi's!
Só queria avisar que deixarei um questionamento no final (e espero ter a resposta de todos)
:)

Capítulo 46 - Agora todos já sabem


Fanfic / Fanfiction International Love History (Long Imagine Jimin) - Capítulo 46 - Agora todos já sabem

    
"Flocos de neve caindo lentamente
E se distanciando com o tempo
Eu sinto sua falta...
Eu sinto sua falta.
Quanto tempo mais terei que esperar?
E quantas noites mais, terei que passar?
Pra poder te ver...
Pra poder te encontrar."

♫ Spring Day - Bangtan Boys

Ainda deitada na cama, eu estiquei-me, puxei meu notebook para perto e o liguei. Assim que iniciou, fui direto na pasta com o ícone em formato de globo terrestre e logo dei dois cliques para abri-la. Posicionei a seta em cima do vídeo de número três e logo ele começou.

      – Oi, jagi. – Ele parecia triste. – Não estranhe o fato de eu estar com a mesma roupa nos vídeos, é que... É que eu me programei para fazer todos no mesmo dia. Sei que prometi falar sobre cada um dos nossos meses de namoro nos vídeos, porém... Me desculpe, mas nesse eu mudarei o foco.

      Jimin estava cabisbaixo naquele vídeo e chegou a ficar totalmente em silêncio e de cabeça baixa por alguns momentos.

      – Queria fazer vídeos alegres pra você, porém... Ao pensar no que eu deveria falar no vídeo, eu fiquei totalmente pra baixo. Você tem se afastado de mim por esses dias e eu não estou aqui para julgá-la, porém só queria que soubesse que... Eu jamais iria querer me afastar de você, meu amor... Sim, eu terei que ir embora, porém não é por vontade própria. – Deu uma pausa. – Pensando nisso, eu apenas queria dizer nesse vídeo algumas coisas que façam você ter certeza de meus sentimentos. – Lamentou. – Eu a amo, jagi... A amo com todas as minhas forças e sempre continuarei amando. Não pense que eu estou feliz em ter que partir, não pense que eu animado em fazer isso tudo. Eu simplesmente não tive escolha e... Enfim, eu só queria deixar isso muito claro. Eu te amo, te amo por demais... Você é o meu único amor, a única que eu amo e eu jamais esquecerei você. Passe o tempo que passar, eu jamais esquecerei de tudo que vivemos juntos. Você é a melhor coisa que me aconteceu, você foi a pessoa que mais me apoiou e me amou... Só tenho a agradecer por ter te conhecido... Talvez isso tudo demore, torço para que não, mas pode acabar demorando. Sei que com o passar do tempo você pode ter dúvidas, mas por favor... Sempre que tiver, assista a esse vídeo. Assista a esse vídeo, escute bem o que eu digo e por favor, mude seu pensamento. Não estou te abandonando... Eu jamais faria isso, meu amor... Eu voltarei assim como eu lhe prometi, voltarei pra cá e voltarei pra você primeiramente. Será doloroso passar esse tempo tão longe, porém essa dor acabará. Só espero que seja em breve... Eu te amo, minha salva vidas. E sempre amarei. Se cuida e cuida do nosso filhinho. – Sorriu brevemente.

      Ao dizer ‘nosso filhinho’, Jimin sorriu e eu arregalei os olhos.

      – Ele está aqui comigo, mas em breve ele só terá você ao seu lado. – Ele mostrou Mochin.

      Jimin falava mesmo era do ursinho que ele tinha me dado. Ele não sabia que eu estava grávida e é claro que ele não falou aquilo intencionalmente. Porém, só de ouvi-lo falar daquele jeito, eu simplesmente tive mais certeza ainda de que eu deveria fazer de tudo para cuidar do meu bebê sozinha enquanto ele estivesse longe.

      E se Jimin falava assim tão carinhosamente ao se referir a um ursinho... Imagine como não reagiria ao saber que tínhamos um bebê de verdade.

      – Logo logo eu estarei aqui com vocês dois. Cuide dele, e cuide de si mesma enquanto eu não terei condições de fazer isso... Eu te amo, meu bem... Te amo demais. – Lamentou. – Desculpe por ser o motivo de seu sofrimento neste momento, mas eu prometo... Prometo que um dia, eu ainda voltarei a ser o motivo de sua felicidade. Espero vê-la em breve, jagi. Um beijo. – Despediu-se.

      O que Jimin disse ali serviu totalmente para a situação que eu estava vivendo naquele momento. Eu me sentia fraca, abandonada e totalmente perdida. Porém, ao ouvir ele dizendo novamente que me amava... Fez com que eu me sentisse confiante novamente com a sua volta.

      E o que dizer sobre o que Jimin disse referindo-se a Mochin? Se ele era carinhoso e cuidadoso assim com um pequeno urso inanimado, como seria quando visse e tivesse que lidar com nosso pequeno bebezinho? Qual seria sua reação? O que ele sentiria?

      O que Jimin disse referindo-se a Mochin serviu totalmente pra mim naquele momento. Pediu que cuidasse de nosso filho, pediu que eu cuidasse de mim mesma e prometeu que logo estaria de volta para matar a saudade de nós dois. Sim, era isso que eu queria, porém... Quando voltasse descobriria que tinha dois filhos, Mochin e nosso bebê recém nascido.

      Se eu chorei vendo aquele vídeo? Sim, porém eu sorri ao mesmo tempo. Mesmo vendo Jimin triste? Mesmo vendo Jimin triste. Sorri ao imaginar sua reação ao saber que realmente teríamos um filho, e que ele não seria um mero ursinho peludo.

      Acariciei seu rosto quando ele aproximou-se da câmera do notebook e mais uma vez, eu senti saudades dele. Aquele seu cabelinho, aquela sua voz... “Eu te amo jagi, posso estar sendo o motivo de sua tristeza agora, mas prometo que um dia voltarei a ser o motivo de sua felicidade” Puxa vida, como eu poderia não me sentir bem ouvindo isso?

      Jimin era realmente o amor da minha vida, a coisa mais linda que eu pude ter junto a mim um dia. Sim, eu praguejei contra ele quando surtei naquele dia. Praguejei, esperneei quando pensei que ele teria seguido sua vida sem mim e realmente fiquei magoada ao pensar que ele não voltaria. Porém, ao ver aquele vídeo... Fiquei totalmente esperançosa.

      Sequei meu rosto aos poucos vendo seu vídeo novamente e depois disso, eu abri a câmera do notebook para gravar um meu. Ao descobrir que eu estava grávida, Dr. Hopkins me aconselhou a contar ao pai aquela notícia tão boa. Eu estava confusa e ele disse que aquilo era o melhor a fazer naquele momento. Então, eu resolvi seguir seu conselho.

     Peguei os exames, os testes que comprei na farmácia, posicionei-me em frente da câmera e logo pressionei o botão para começar a gravar.

      – Oi, amor. – Eu disse. – Acabei de assistir ao seu terceiro vídeo e, queria dizer que ele me fez feliz... Ouvir suas palavras e ver você junto com Mochin me deixou totalmente sorridente, mesmo estando em lágrimas ao mesmo tempo. – Sorri e sequei os olhos. – Queria me desculpar por ter afastado-me de você naquele tempo... Eu não sei onde eu estava com a cabeça quando fiz aquilo, mas... Só o que eu conseguia pensar era que você estava indo embora e parecia totalmente tranquilo. Só agora eu entendi que você se manteve tranquilo apenas para me impedir de surtar com aquilo tudo... Peço desculpas pela minha atitude e espero que me perdoe um dia... Eu realmente sinto muito.

      Naquele momento eu confessaria diante daquela câmera que eu estava grávida, porém eu estava tão confusa que sequer sabia como começar aquela confissão. Olhando pro lado ainda durante o vídeo, eu vi Mochin em cima da cama e foi aí que eu tive uma ideia.

      – Sobre o nosso filhote aqui... – Eu peguei Mochin e lhe exibi na câmera. – Eu estou cuidado dele. Não se preocupe, eu sempre o levo comigo para todos os lugares e eu sempre lhe dou atenção, principalmente na hora de dormir quando eu o coloco ao meu lado. – Sorri. – E falando nisso, eu... Queria apenas lhe dizer que esse vídeo aqui não é só uma resposta minha para o seu terceiro vídeo. Eu tenho algo para te dizer e... Puxa vida, por que isso aqui não é uma transmissão em tempo real ao invés de um vídeo? – Lamentei. – Não sei se você um dia terá a oportunidade de ver esses pequenos vídeos que estarei fazendo, e mesmo se ver... Muitas pessoas já estarão sabendo, mas queria deixar claro que muitas pessoas saberão antes de você porque você está longe. Mas saiba que... Você está sendo o primeiro que eu estou admitindo isso... – Fiquei nervosa. – Foi uma surpresa pra mim também e ao descobrir, eu estava sozinha na consulta médica e surtei totalmente por não estar esperando esse tipo de notícia. Sim, eu surtei, mas agora estou melhor, não se preocupe. – Sorri ainda em lágrimas emocionadas. – Sei que não planejamos isso pra agora, quer dizer, sequer planejamos isso... Mas nada acontece como a gente quer, então... Só o que podemos fazer é aceitar e ter que lidar com o que nos acontece. Queria dizer que eu estou feliz com essa notícia, assustada e ainda surpresa, porém muito feliz e é assim que eu quero que você fique ao saber. Eu estou... – Sorri em lagrimas. – Eu estou grávida.

      Nesse momento eu comecei a chorar, e perdi o foco do vídeo. Fiquei sem palavras e só o que eu fiz foi ficar em silêncio e de cabeça baixa. Levantei a cabeça depois de algum tempo e sorri ao ter controlado-me.

      – Pois é, você será papai. – Sorri enquanto sequei os olhos. – Estou com quase dois meses de gestação... Sei que ficará surpreso ao descobrir isso assim como eu fiquei, porém... Espero que fique feliz. Lembro-me que no dia que tivemos nossa única conversa sobre filhos você me confessou que gostaria de uma menina, e eu, confessei que queria um menino primeiro. Agora só resta a dúvida. – Sorri. – Sim, só há dúvidas quanto ao sexo, porque a confirmação da gravidez eu tenho aqui em mãos. – Amostrei os exames e os testes de farmácia. – A gravidez foi acusada pela taxa de hormônios em meu exame de sangue, aí depois eu resolvi fazer esses testes e confirmei mais três vezes. – Amostrei os três testes. – Teremos um bebê, Chim Chim. – Sorri ainda em lágrimas. – Será que virá parecido comigo ou com você? Será que terá seus olhinhos? Ou os meus? – Sorri imaginando. – Isso eu não sei, só o que eu sei é que eu estou muito ansiosa para conhecer nosso bebezinho. Com quem vai parecer não importa, só quero que tenha saúde e que tudo ocorra bem... – Sorri secando os olhos. – Bom, isso é tudo, meu amor... Você não será o primeiro a saber, porém será o primeiro para quem eu confessei isso. Eu te amo, lembre-se sempre disso... E saiba que, a partir de agora eu começarei a gravar sobre todas as novidades da gravidez para que você possa ver um dia. – Sorri e logo levantei minha blusa amostrando minha pequena barriga. – Ainda está pequena, pois estou no início da gestação, mas logo ela irá ficar grande e eu começarei a sentir o bebê se mexendo. – Sorri enquanto acariciei minha barriga. – Isso é tudo, meu amor. Espero que esteja feliz com a notícia... – Sorri novamente. – Um beijo, e até logo.

      Pausei o vídeo, o salvei na mesma pasta onde estavam os vídeos de Jimin e ao fechar o notebook... Apenas sorri por ter ficado tão aliviada. Jimin não estava ali me assistindo naquele momento, mas só de fazer aquele vídeo dedicado a ele... Senti-me feliz por ter desabafado.

      Depois disso pensei que era a hora de começar a agir. Eu iria para Nova Jersey na manhã seguinte e lá passaria o final de semana, então pensei em arrumar tudo logo para sair logo depois do café da manhã sem precisar arrumar tudo correndo.

*

      Dez da manhã foi o horário que eu saí de casa no sábado. Levei pouca coisa, até porque eu tinha planos de voltar no domingo de manhã para chegar em casa logo e arrumar minhas coisas da faculdade, então não necessitaria de muito.

      Minhas amigas não sabiam que eu estava a caminho de Nova Jersey, e assim continuariam por um tempo. Passei a noite planejando tudo e esses planos foram os seguintes: Eu contaria aos meus pais assim que chegasse se possível, marcaria com minhas amigas de nos encontrarmos em qualquer lugar naquela noite, no domingo eu voltaria depois do café da manhã, adiantaria minhas coisas em casa e depois, naquela noite eu tentaria ir até a república contar a todos.

      O trânsito até que estava bom naquele dia, e eu cheguei em minha casa pouco depois de uma hora na estrada.

      Não, eu não sabia como contar aos meus pais essa novidade. Se fosse antigamente, eu já teria surtado só de pensar nessa ideia, porém... Desde que Jimin e eu contamos sobre nosso relacionamento, meus pais me surpreenderam positivamente com suas atitudes e reações.

      Falando sobre meu namoro, eles aceitaram conhecer Jimin. No dia de conhecer, minha mãe o adorou e nos apoiou de cara. Meu pai demorou mais um pouco, porém um tempo depois ele e Jimin viraram bons amigos. Meus pais sabiam que Jimin ficava em minha casa quase todos os dias – e todas as noites – então já poderiam imaginar que teríamos feito algo naquele tempo.

      Não, eles jamais imaginariam que eu estava grávida. Eu tinha certeza que ao dizer para minha mãe que precisaríamos conversar, ela não teria pensado em gravidez. Porém, mesmo não pensando, eu tinha certeza que meus pais já teriam desconfiado que eu não era mais uma menininha, e sim, uma mulher.

      Quando Jimin partiu, sim, meus pais me apoiaram e isso também me surpreendeu. Ele era apenas meu namorado há alguns meses e eu me escandalizei com sua ida repentina. Para qualquer outro pai, eu não teria motivos para ficar tão mal. Porém, meus pais sabiam que nos amávamos por demais e que fazíamos de tudo um pelo outro. Então, ao ficar sem Jimin eles realmente se sensibilizaram por mim, e me apoiaram novamente.

      Tudo bem, nada disso se comparava a ser mãe aos dezenove. Porém, aqueles eram meus pais, as únicas pessoas que eu tinha e eram as mais importantes em minha vida. Eu precisava sim do apoio deles, porém decidi que mesmo se não me apoiassem, eu iria me virar sozinha para cuidar do meu filho.

      Assim que cheguei fui recebida por eles, e quando viram o meu sorrisinho ao chegar, ficaram felizes. Sim, na última vez que nos vimos eu estava completamente triste e pra baixo, então ao me verem com uma expressão não tão chateada... Tenho certeza que se sentiram bem.

      Depois de arrumar minhas coisas no quarto e ter pedido aos meus pais que me esperassem na sala, eu fui até lá e quando sentei-me no sofá de frente para eles...

      – Primeiramente eu gostaria de dizer que eu espero do fundo do meu coração que vocês me escutem até o final, e se não for pedir demais, eu gostaria muito que me apoiassem e que estivessem juntos comigo nessa. – Eu disse.

      – Falando assim você me deixa mais curiosa ainda. – Disse minha mãe, quando sorriu.

      – É algo sério? – Perguntou meu pai preocupado.

      – Sim, mas quero que encarem isso da melhor forma possível. Por favor, apenas me escutem até o final antes de falar algo.

      Meus pais assentiram enquanto olharam pra mim desconfiados. Respirei fundo, fiquei nervosa e automaticamente eu fiquei sem saber o que dizer. Pensei e pensei, até que resolvi começar a falar o pouco que eu havia conseguido pensar.

      – Primeiramente, eu queria dizer que sim, eu surtei ao ficar sabendo disso. Porém, mesmo sendo uma ‘criança’ de dezenove anos, eu não posso fugir de minhas responsabilidades. Não, eu não saberia lidar com isso tudo, mas precisarei aprender porque será necessário. – Fiquei com uma expressão séria por estar nervosa. – A minha intenção nunca seria essa, ou ao menos não por agora, mas aconteceu e num momento totalmente inesperado e difícil. Voltando a parte que eu falei que eu surtei, sim, de fato eu enlouqueci. Fiquei desesperada e com muito medo. Sim, com medo estou até agora porque não sei muita coisa sobre esse assunto e como lidar com isso. Então resolvi procurar vocês o quanto antes porque vocês são meus pais, são a minha base e são as pessoas que eu mais amo na vida. Do fundo do meu coração eu espero que me apóiem e me acolham porque eu estou totalmente perdida. Se não me apoiarem, será uma pena, mas lhes digo que seguirei com esses planos mesmo sem seu apoio. – Respirei fundo. – Fazendo os exames que você me aconselhou a fazer, mãe... Pela quantidade elevada de hormônios acusado no exame de sangue e de acordo com os testes que eu fiz sozinha em casa, eu descobri que... – Minhas mãos tremeram e minha voz falhou. – Estou grávida, e acabo de completar dois meses de gestação. – Falei de uma vez.

      Meu pai arregalou os olhos e minha mãe levou as mãos até sua boca tampando-a. A princípio nenhum dos dois disse nada. Acredito que ficaram tão chocados quanto eu quando descobri, e ao notar que estavam totalmente estáticos... Resolvi voltar a falar.

      – Sei que não era isso que vocês queriam para mim agora e para o meu futuro. Sei que sou nova, porém aconteceu e eu não tenho como fugir desta responsabilidade. Sinto muito se estou decepcionando vocês ao contar essa novidade... Ah, e antes que perguntem... Sim, Jimin é o pai. Essa é a parte mais difícil pra mim, porque ele foi embora sem ao menos saber da existência dessa gravidez. E sim, não sabemos se ele voltará de fato. Porém, o bebê está comigo. Eu estou gerando-o e essa é a minha decisão. Com Jimin ou não. Com o apoio de vocês ou não... Eu terei o meu bebê. Não sei como conseguirei fazer tudo sozinha, mas é na necessidade que aprendemos tudo, então que assim seja. Novamente peço desculpas. Sei que isso muda todo o curso da minha vida, principalmente por agora. Sei que terei que dar uma pausa na faculdade e assim terei minha formação atrasada. Sim, eu sei que não era a hora. Porém, aconteceu e agora é tarde para lamentações. Sim, estarei disposta a ouvir todas as sugestões de vocês sobre isso, porém, só quero ressaltar que... Necessito do apoio de vocês. Peço desculpas por isso, mas mesmo se não me apoiarem, eu seguirei em frente. Não estou sozinha agora. Agora sou eu e o meu bebê. Ele depende totalmente de mim, e eu precisarei ser forte pra ele. E eu comecei a mostrar minha força a partir desse momento. – Olhei pra eles. – Isso é tudo que eu gostaria de lhes dizer, agora... Estou aqui para ouvir o que tem para me dizer.

      Ainda fitando eles, fiquei mais nervosa ainda. Meus pais estavam completamente pasmos e em silêncio. Eu não sabia mais o que falar, a única coisa que eu fiz foi tentar secar meus olhos que se umedeceram depois de tudo. E foi nesse momento que...

      – Dois meses? – Minha mãe perguntou.

      – Sim. – Abaixei a cabeça e chorei. – Acabei de entrar na oitava semana.

      Quando comecei a chorar sozinha sentada no sofá de dois lugares, simplesmente enterrei meu rosto na palma das minhas mãos. Eu estava nervosa, estava em pânico na verdade. Meus pais estavam em silêncio e aquilo estava me enlouquecendo.

      – Calma, meu amor, não chore... – Minha mãe sentou-se ao meu lado e me abraçou.

      – Me desculpem por ter deixado isso acontecer. – Lamentei.

      – Como você disse, agora já aconteceu e de nada adianta lamentar, não é mesmo? – Ela perguntou tentando secar minhas lágrimas enquanto eu assenti. – Então, agora só o que resta fazer é seguir em frente.

      – Preciso de vocês ao meu lado. – Lamentei chorando.

      – Mas estaremos com você, princesa. – Meu pai sentou-se ao meu lado e beijou-me na testa. – Você é tudo que temos, como podemos virar as costas pra você agora?

      – Prometo que irei me esforçar na faculdade para me formar no tempo que eu prometi a vocês, prometo que não irei abandonar os estudos e... – Eu disse, preocupada.

      – Esqueça a faculdade por agora, querida... Você precisa se cuidar e se dedicar a sua gestação para que tudo dê certo. – Disse minha mãe, secando meu rosto.

      – Não... Eu, eu posso continuar. Eu posso fazer esse período ainda. – Disse eu.

      – Não, não! Você ficará aqui, pois precisa de cuidados. Sozinha você não se cuida, não come, é uma luta pra que você faça exames... – Minha mãe disse.

      – Eu prometo. – Disse eu. – Prometo que irei me cuidar!

      – Nada disso! Você ficará aqui com a gente durante a gestação, precisamos ter certeza de que tudo ficará bem com você e com o bebê. – Disse ela.

      – Estou no final... Falta pouco para terminar, mãe! Não posso trancar agora... O período terá cinco meses agora que já começou. Eu ainda estarei bem daqui a cinco meses e poderei comparecer as aulas.

      – Você irá se comprometer com isso? – Perguntou meu pai. – Vai realmente se cuidar? Vai fazer acompanhamento médico e vai mudar todo esse mal habito na alimentação que você está tendo?

      – Sim, eu prometo. Eu também estou preocupada com a saúde do meu bebe e com o seu desenvolvimento. Eu vou me cuidar e vou cuidar dele também. Eu me comprometo com isso, acreditem em mim! – Eu disse, secando o rosto.

      – Depois vemos isso. – Disse minha mãe.

      – Obrigada por não terem me ameaçado de morte. – Sorri, porém ainda em lágrimas.

      – Puxa vida, você nos deu um grande susto! Pensei que estava com uma séria doença... Você falou do médico e de exames... – Minha mãe respirou aliviada.

      – Desculpe-me pelo susto. – Eu disse. – Eu realmente temia que vocês fossem rejeitar isso tudo, eu tive medo e...      

      – Fica calma, estaremos juntos com você nisso tudo. – Meu pai beijou-me na testa.

      – Obrigada, eu... Eu amo muito você. Muito obrigada por me apoiarem! – Chorei emocionada e me abracei com ele.

      – Puxa vida, eu serei vovô! – Meu pai sorriu.       

      – Oh, mas agora que você se deu conta disso? – Minha mãe riu.

      – Sim! – Comemorou.

      – Cadê a barriguinha? – Perguntou minha mãe.

      – Ainda está pequena. – Levantei a blusa.

      – Imagine quando estiver grandinha, vai ficar linda. – Minha mãe sorriu.

      – Eu ainda não acredito que vocês não estão brigando comigo. – Sorri confusa.

      – O que passou, passou! – Meu pai disse.

      – Agora vamos focar no futuro do bebê. – Sorriu minha mãe.

      Os abracei mais uma vez, e ainda incrédula eu sorri ao ter ficado com tanto medo, e depois ter visto que meus pais aceitaram numa boa. Bom, aceitar ou não, não era a opção – pois eu disse que seguiria com meus planos mesmo se fosse sozinha – o caso mesmo era sobre o apoio que eu necessitaria. E sem pensar duas vezes, eles me deram aquele apoio de bandeja.

      Ainda incrédula, continuei ali sentada no sofá junto aos meus pais e por muito tempo ficamos conversando sobre essa novidade. Conversamos sobre o meu rumo na faculdade também, e quanto a isso... Meus pais finalmente decidiram deixar-me continuar estudando. Prometi que me cuidaria, que compareceria às consultas e tomaria conta da minha saúde.

      Eu estaria com quase sete meses ao final do período, então depois disso eu trancaria minha matrícula, e quando meu bebê estivesse um pouco mais crescido, eu poderia voltar para o último período e terminaria finalmente o meu curso. Depois de tanto tempo, eu me formaria finalmente.

      Assim foi decidido e eu gostei. Meus pais me apoiaram e confiaram em mim quando prometi ficar bem sozinha. Concordamos que eu continuaria naquele período até o final, e então, quando estivesse perto de ter o meu bebê, eu iria passar algumas semanas em Nova Jersey.

      Conversamos sobre tudo isso naquela tarde, e até chegamos a falar de Jimin. Sim, eu me entristeci por ele não estar ali conosco falando sobre o nosso bebezinho, porém... Ficar triste de nada adiantaria – infelizmente. Então, para não me entristecer, foquei na novidade de minha maternidade, e tentei por um sorriso no rosto naquele mesmo instante.

      Depois de muito conversar e de ouvir muitos conselhos de meus pais, resolvi ligar para minhas amigas. Primeiro foi para Victoria e depois, para Atlantis. Temi que elas estivessem ocupadas ou que tivessem compromisso para aquele horário, porém elas estavam livres. As convidei para virem para a minha casa às oito da noite e prometi que compraria pizza. Atlantis foi a primeira a se animar – ainda mais depois que eu disse sobre ter uma novidade para contar.

      Tentei adiantar alguns exercícios da faculdade pelo notebook no tempo que tive livre e logo depois resolvi me arrumar. Eu planejava contar pra elas ali mesmo em minha casa, porém pensei em ir até a pizzaria ao invés de pedir para entregar. Então, já me arrumei e apenas as esperei.

      No horário marcado as duas chegaram e logo pularam em cima de mim devido ao tempo que estávamos sem nos ver. Elas também se animaram ao ver como eu estava diferente da última vez que nos vimos e assim que chegaram, comentaram sobre como eu estava ‘pra cima’.

      Fomos até o meu quarto e enquanto subimos as escadas para o terceiro andar, Atlantis já começou a tentar adivinhar o que era que eu planejava contar.

      – Vai voltar a morar aqui? – Perguntou.

     Nesse momento, confesso que eu sorri por ela ter quase acertado. Na verdade eu voltaria pra Nova Jersey sim, porém não naquele momento.

      – Não. – Respondi.

      – Já vai se formar na faculdade? – Victoria também tentou adivinhar.

      – Ainda não. – Respondi enquanto entramos no quarto.

     – Arrumou um emprego? – Disse Atlantis.

      – Quem me dera. – Sorri.

      – Dá uma dica!

      – Era pra eu contar e não pra vocês tentarem adivinhar. – Sorri.

      – Ai, então conta logo! – Disse Atlantis.

     – Primeiramente eu queria dizer que...

      – Que primeiramente o que! Conta logo! Sem historinhas! – Atlantis reclamou e Victoria riu.

      – É coisa boa? – Perguntou.

      – Sim. – Sorri.

      – Então diga logo! – Disse Victoria.

      – Vocês ganharão...

      – O quê? – As duas se animaram.

      – Um sobrinho. – Eu disse, alisando minha barriga na frente delas. – Ou sobrinha.

      – Você está grávida? – Atlantis berrou.

      – Sim. – Dei risadas. – E depois desse grito todo mundo já deve estar sabendo.

      – Do Min Min? – Perguntou Victoria.

      – Do Min Min. – Respondi.

      – Meu! Deus! Você está falando sério? – Perguntou Atlantis.

      – Sim. – Eu disse. – Não foi o que planejei, mas aconteceu então o que eu posso fazer, não é?

      – Você só pode estar brincando! – Atlantis riu.

      Peguei meu celular nesse momento e amostrei a ela as fotos que eu tinha tirado com os três testes de farmácia.

      – (s/n), você é louca! – Ficou surpresa.

      – Louca de amor pelo meu filhotinho, isso sim! – Sorri.

     – Ah, mas que amoooor! – Disseram elas. – Que fofo! – Quantos meses? – Perguntou Atlantis.

      – Quase dois. – Respondi.

      – Já dá para saber o sexo? – Perguntou Victoria.

      – Ainda não. – Respondi.

      – Tive uma ideia! Por que você não faz aqueles ‘chá revelação’? – Disse Atlantis.

      – É mesmo! Assim o chá de bebê será mais legal! – Sugeriu Victoria.

      – Ainda está muito cedo para pensar nisso. – Sorri.

      – Mas e quando chegar a hora?

      – Sim, pode ser que seja uma boa ideia. – Sorri.

      Depois de ter aceitado a ideia delas, comemoramos juntas. Confesso que minhas amigas ainda ficaram incrédulas ao terem escutado aquela notícia. Claro, era algo que ninguém estava esperando – nem eu. Mas agora era uma realidade, então eu tinha que seguir em frente e agora com novos planos para o futuro.

      Depois de muita conversa e depois de muito escândalo de Atlantis, resolvemos ir até a pizzaria. Lá conversamos mais ainda aproveitando o tempo que tínhamos juntas e já na hora de ir embora, quando chegamos ao estacionamento, minha amigas me sugeriram algo que me deixou feliz.

      – Selfie com a barriguinha. – Atlantis parou ao meu lado, abaixou-se e esticou o celular.

      – Me espera que eu vou entrar nessa também! – Victoria ficou do outro lado.

      Uma de cada lado, elas beijaram minha pequena barriga e logo tiraram algumas fotos. Sim, eu fiquei apaixonada por elas, pois ficaram lindas quando eu vi. Pedi que Atlantis me enviasse e quando ela enviou, fiquei segundos apenas admirando... Aquela foi a minha primeira foto grávida.

      Tiramos mais outras fotos ali naquele lugar e logo fomos embora. As deixei em casa e logo que cheguei na minha, tomei um banho antes de arrumar minhas coisas para ir embora na manhã seguinte. E ali mesmo no banheiro, de frente ao espelho enorme que tinha lá, eu levantei a blusa e tirei uma foto com a mão na barriga.

      Aos poucos ela estava crescendo, e só então eu estava começando a ficar orgulhosa por tudo estar indo tão bem. Arrumei tudo e quando fui dormir... Peguei Mochin na minha bolsa.

      – Você deveria se chamar Jiminzinho. – Eu disse, arrumando seu bonezinho preto. – E falando em Jimin... – Sorri, porém lamentei. – Quando estaremos todos juntos novamente, hein?

      Lamentei, cobri-me e logo coloquei Mochin ao meu lado. Não, ele não tinha mais o perfume de Jimin consigo. Porém, não era por isso que eu ia deixar de tê-lo ao meu lado.

      Ainda sorrindo pelas reações maravilhosas dos meus pais e de minhas amigas, eu pensei em Jimin. Puxa vida, seria tão lindo se ele tivesse comigo naqueles momentos... Como reagiria ao saber que seria papai? Será que iria gostar? Ou será que ele desmaiaria?

      – Que saudade, meu amor... – Eu disse, vendo sua foto em meu celular. – Volta logo... Volta pra gente... – Lamentei.

      Senti meus olhos ficando úmidos nesse momento, e foi aí que eu decidi apenas ligar o despertador pra acordar cedo na manhã seguinte e decidi ir dormir. Abracei Mochin, fechei os olhos e sorrindo, eu dormi desejando Jimin mais e mais.

*

      E assim como eu tinha planejado, acordei cedo e depois do café da manhã eu já estava de saída. Novamente recebi carinho dos meus pais, e muitas recomendações também. Minha mãe me recomendou que eu logo começasse o meu pré natal, e foi o que eu prometi que iria fazer.

      Despedi-me deles e logo saí. No primeiro posto que parei para abastecer, resolvi ligar para Kristie, porém não consegui falar com ela. Nesse momento, tentei ligar para Maya, porém também não consegui. Tentei falar com Kate e seu celular deu desligado. Então, depois de tantas ligações, liguei para Milan.

      – Apareceu a sumida! – Ele riu.

      – Olá. – Sorri.

      – E aí, como vão as coisas? – Perguntou. – Se sente melhor?

      – Sim, na medida do possível. – Respondi. – Antes que eu esqueça, deixe-me perguntar uma coisa: Vocês estarão em casa hoje à noite?

      – Eu estarei na casa da Kristie, mas os outros talvez estejam em casa sim. – Ele disse.

      – Você se incomodaria em levar Kristie para sua casa ao invés de ir até a casa dela essa noite?

      – Você vai lá hoje? – Perguntou.

      – Pretendia. – Eu disse. – Preciso falar com vocês algo importante, porém quero falar com todos juntos.

      – Certo. – Ele disse. – Pode deixar, eu aviso a todos e se todos confirmarem eu te ligo de volta para avisar.

      – Ótimo, então estarei esperando. – Sorri.

      – Certo! Até mais tarde! – Ele despediu-se e eu logo desliguei.

      Entrei no carro e dessa vez eu fui para casa sem parar em nenhum outro lugar. Chegando em casa, logo continuei meus trabalhos da universidade que eu teria que entregar em breve, e logo mais tarde, meu celular tocou.

      – Sim. – Atendi Milan.

      – Você poderá vir essa noite. Já avisei a todos e todos estarão por aqui mais tarde.

      – Ótimo, muito obrigada! – Sorri.

      – Que horas você pretende vim?

      – As oito, ou talvez um pouco depois. – Respondi.

      – Certo, então até mais tarde!

      – Até mais tarde!

      Desliguei a ligação e voltei a fazer minhas tarefas. A hora passou voando e antes que eu terminasse de fazer tudo, me convenci de que era a hora de ir me arrumar. Escolhi uma roupa de frio qualquer, e logo me aprontei. Saí de carro exatamente as oito, e cheguei à república quinze minutos depois.

      Bati na porta e dessa vez quem me atendeu foi Derek.

      – Ei, quanto tempo! – Abraçou-me.

      – Vocês podem ir me visitar, sabia? Até onde eu sei vocês têm o meu endereço. – Sorri e confesso que Derek pareceu aliviado por eu aparentar uma melhora.

      – Vamos providenciar essa visita. – Ele sorriu.

      – Cadê todo mundo?

      – Estão na cozinha, as meninas nos colocaram pra fazer o jantar de hoje.

      – Jantar? – Sorri.

      – Especialmente porque você viria. – Sorriu enquanto fomos andando até lá. – Teremos lasanha essa noite, você gosta?

      – Muito. – Sorri.

      Chegando à cozinha, todos ficaram felizes ao me ver. Cumprimentei a todos e logo dei risadas ao ver, Derek, Milan e Brian de avental seguindo as ordens das meninas. Ficamos todos juntos ali enquanto a lasanha era feita, e depois que ela foi ao forno, fomos todos para a sala e logo me cobraram sobre o que eu tinha ido falar.

      – Eu vou cortar o papo porque eu não gosto de fazer suspense. Porém antes de falar, eu preciso dizer uma coisa. Lembro-me bem do que Jimin pediu a vocês no aeroporto... Lembro que ele pediu a vocês que tomassem conta de mim e logo depois disso, vocês me contaram que dias antes ele já tinha feito vocês prometerem que não me deixariam sozinha, não é mesmo? – Perguntei e logo eles assentiram. – É sobre isso que eu vim falar. Vocês prometeram a ele e as meninas prometeram a mim que não me deixariam sozinha, então eu... Eu tenho uma notícia pra lhes contar. – Dei uma pausa. – Vocês consideravam Jimin como irmão?

      – Sim. – Eles responderam. – Nosso irmãozinho coreano. – Brian sorriu.

      – Pois então. – Sorri. – Eu vim aqui para lhes dizer que... Como vocês o consideravam como um irmão...

      – Oh, mas que suspense! – Derek ficou risonho.

      – Só queria dizer que... Dentro de alguns meses vocês serão... Titios. – Sorri.

      – Que?! – Derek fez escândalo assim como Atlantis.

      – Eu estou grávida. – Sorri sem jeito.

      – Meus parabéns! – Disse Maya.

      – Mas que notícia maravilhosa! – Kristie aproximou-se de mim e me abraçou junto com Kate.

      – Eu não estou acreditando nisso! – Milan abraçou-me. – Parabéns!

      – Oh, eu acho que vou desmaiar... – Brincou Brian.

      – É por isso que eu voltei ao assunto do que prometeram a Jimin... Prometeram cuidar de mim, porém agora terão que cuidar... De nós dois. – Sorri e acariciei minha barriga.

      – Mas que coisa maravilhosa! Um bebezinho! – Disse Derek, comemorando com seus amigos.

      – Quantos meses? – Perguntou Kate, toda sorridente.

      – Praticamente dois. – Respondi.

      – Nem preciso dizer que estaremos aqui para ajudá-la no que precisar, não é mesmo? – Sorriu Kristie.

      – Obrigada, eu... – Fiquei feliz. – Eu realmente conto com o apoio de vocês.

      – E poderá contar sempre! – Me abraçaram.

      – Será menino ou menina? – Perguntaram.

      – Eu quero um garotinho, e quero que seja igualzinho ao meu Jimin.

      – Ownn! – Eles riram.

      – Porém ele sempre quis uma menina... Já tínhamos conversado sobre isso e ele disse que queria uma garotinha. Bom, tínhamos conversado, porém não era nada para agora. – Dei risadas. – Mas aconteceu, e é isso aí.

      – Estou no time dos meninos também. – Sorriu Brian. – Já pensou vem um bebê idêntico a Jimin? Teremos dois bebezinhos aqui em casa quando ele voltar.

      – Só espero que ele volte logo... A tempo de ver o nascimento do bebê. – Sorri enquanto lamentei.

      – Ele vai voltar sim, não se preocupe. – As meninas sorriram.

     Nesse instante, ouvimos o timer do fogão disparar. A lasanha estava pronta e depois de ter conversado sobre a novidade por mais um tempo, resolvemos ir até a cozinha para degustar aquele jantar feito pelos meninos. E olha que ficou melhor do que todas nós esperávamos.

    Assim como minhas amigas fizeram, o pessoal da república juntaram-se comigo na sala e juntos, tiramos mais uma foto amostrando minha barriguinha. Eu já estava feliz com a reação dos meus pais, minhas amigas também adoraram e agora... Ao receber tanto carinho dos futuros titios e titias que estavam ali... Eu me senti mais feliz ainda.

      Continuei ali com eles, porém mais tarde resolvi ir embora. Despedi-me de todos ao ver aqueles sorrisos tão sinceros de felicidade, e logo fui para casa. Chegando lá, depois de terminar correndo os meus afazeres da faculdade, deitei-me para dormir mais cedo do que eu costumava.

     E foi nesse momento que eu decidi procurar minha ginecologista no primeiro dia livre que eu teria naquela semana. Meu pré natal teria que ser iniciado, e era isso que eu iria correr atrás para conseguir o mais rápido possível. 


Notas Finais


FANFIC DO RAP MONSTER TERÁ ATUALIZAÇÃO AMANHA!! (DOMINGO)
VAMOS APOIAR! E SE NÃO CONHECE, VENHA CONHECER A HISTÓRIA! ^^

https://spiritfanfics.com/historia/inferiority-complex-shortfic-rap-monster-9829184


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...