História Into The New World - Capítulo 10


Escrita por: ~

Postado
Categorias Naruto
Personagens Gaara do Deserto (Sabaku no Gaara), Hinata Hyuuga, Ino Yamanaka, Naruto Uzumaki, Sakura Haruno, Sasuke Uchiha
Tags Gaaino, Naruhina, Sasusaku
Visualizações 33
Palavras 3.111
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Festa, Hentai, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Depois de tanto tempo eu voltei !!! Com um capitulo grande para recompensar vocês por terem esperado por tanto tempo.
Eu gostaria de saber se preferem capítulos mais longos ou curtos, os próximos capítulos vão ser longos, mas se preferirem posso dividir em duas partes.
Esse é inteiro dos pensamentos da Ino e do Gaara, o próximo vai ser da Sakura e do Sasuke, acho que assim dá para vocês entenderem melhor o que cada um pensa e sente, claro que nem todas as cenas vão o ponto de vista de cada um porque se não ficaria muito repetitivo
Enfim, espero que gostem

Capítulo 10 - Wedding Part II - Talk


Namikaze Ino

-O que exatamente você quer? - fitei as orbes verdes do ruivo que me encaravam.

-Só queria evitar uma briga desnecessária entre irmãos em um casamento.- fala calmamente, revirei os olhos e decidi dar por encerrado a conversa, ele parecia ser o tipo de pessoa que não dava para discutir ou argumentar, o que de certa forma é bom, e eu também não queria ficar perto do Naruto mesmo.

Meus pensamentos foram cessados quando a noiva entrou, a Tenten era muito bonita e hoje chegava até ser radiante, por mais que não gostei de saber que ela só usou a Hina, ou que eles excluíram ela do altar, tinha que admitir que o casamento estava impecável. A cerimônia ocorreu normalmente e fomos para o salão de festas, eu estava ao lado da Sakura, deixa-la sozinha com o Sasuke era um risco que não podíamos correr, alguém ia morrer com certeza. Avistei o Naruto conversando com a Hina, sabia que ela ia se machucar, mas também sabia que não adiantava nada tentar convence-la que o ele não presta, está se aproveitando da inocência dela e ela se deixando levar com palavras vazias e clichês. Já perdi as contas de quantas meninas foram usadas por ele, quando vi eles saindo do salão fui em direção a eles, me esqueci completamente da Sakura, tenho que fazer alguma coisa, a Hinata não merece isso.

-Você sabe que não vai adiantar. - Falou o ruivo recostado em uma das pilastras do grande salão, com uma bebida na mão.

-Eu sei mas tenho que...

-Tentar? Ela quer ser enganada, a única coisa que você está fazendo é deixa-la insegura e pensando que não é o suficiente para o seu irmão. – Gaara falou me cortando olhando para um ponto qualquer do salão- Daqui a pouco ela vai perceber que só foi uma foda sem importância para ele. – Enquanto falava mantinha o mesmo semblante desinteresse e até mesmo com uma leve irritação, como se nada fosse o suficiente para ele prestar atenção, isso me irritava, ele tinha uma um ar superior, era quase nítido o quanto não queria estar aqui. Diferentemente do Sasuke que esbanjava arrogância, ele esbanjava apenas desinteresse.

-Então - falei olhando-o, vendo o Naruto e a Hinata saírem lentamente do meu campo de visão- O que sugere que eu faça? – Perguntei como uma sobrancelha levemente arqueada, já era tarde demais para impedir mesmo.

-Não sei. – Levou o liquido do copo até a sua boca- A amiga e o irmão são seus.- Deu os ombros olhando uma última vez para mim antes de se retirar. Eu não acredito que ele me deixou falando sozinha.

Depois dessa conversa, se é que posso chamar isso de conversa, me sentei ao lado de Sakura que estava visivelmente entediada enquanto jogava um joguinho qualquer em seu celular.

-Muito tédio? – Perguntei por fim, chamando a sua atenção para mim

-Já fui em festas melhores. – Disse rindo, bloqueando a tela do celular – Aqui é tudo muito mecânico, as falas, os sorrisos, as risadas. Rico não sabe o que é espontaneidade? – Falou em tom de brincadeira.

-Adultos não são espontâneos- disse por fim, bebendo um pouco do suco dela que estava em cima da mesa – Aparência vem sempre em primeiro lugar. – Disse olhando tudo em volta, chagava a ser triste pensar por esse lado.

- Já cumprimentou todos os convidados? – Disse Sasuke sentando-se ao meu lado, acho que ele acabou ouvindo a conversa, estava tão ocupada observando as pessoas que nem notei a sua presença.

- Sim. – Dei um meio sorriso – Já respondeu que estava bem e que todos da sua família também estavam? – Perguntei olhando-o.

-Claro. – Falou brincando- Só vim por que minha família eram os padrinhos, é sempre tudo tão chato.- disse dando os ombros.

-Sabe, eu sempre tive curiosidade de saber como eram essas festas, mas agora que eu estou em uma, preferia ficar em casa. – Disse Sakura para descontrair, o Sasuke até deu um meio sorriso.

-Esse é o bom de não ser nada. – Falou revirando os olhos, mas por incrível que parece, até pareceu uma brincadeira, tanto que a ela nem pareceu ligar só deu os ombros e voltou a encarar o salão lotado. Não demorou muito para o clima ficar silenciosamente incomodo.

- Vão para o jardim dos fundos- Falou Sasuke se levantando fazendo com que eu e Sakura olhássemos para ele.- Tem um coreto lá, fiquem nele e me esperem, eu já vou para lá. – Disse por fim saindo, eu e Sakura trocamos olhares nos levantamos e fomos para o lugar, a música alta da mini orquestra já estava começando a me deixar com dor de cabeça.

Ao chegarmos no jardim que tinha atrás da igreja e do salão de festas, já avistamos o pequeno coreto branco, de paredes de vidro e iluminado por algumas pequenas luzes de LED, ele está ali mais para decoração do que qualquer outra coisa, mas era bonito e limpo, não demorou para nos sentarmos no chão do mesmo, ficar muito tempo de salto acaba cm a suas pernas. Depois de uns cinco minutos o Sasuke apareceu com uma garrafa de whisky e três copos.

-Finalmente majestade. – Disse Sakura o encarando- Seu plano é nos embebedar? – Perguntou arqueando uma sobrancelha, cruzando os braços.

-Não vou forçar ninguém a nada- disse a provocando- Só estou oferecendo, vocês aceitam se quiserem. – Rimos.

- E como podemos ter certeza que não colocou alguma droga ou veneno. – Entrei na brincadeira da Saky também cruzando os braços e arqueando uma sobrancelha, ele riu e se sentou na nossa frente, meio que formando uma pequena rodinha.

-Assim vocês me ofendem- falou fingindo indignação- Se desconfiam tanto de mim, eu posso beber tudo sozinho.- falou provocativo olhando diretamente para a Sakura, como se fosse um desafio.

-Não, não. Vamos te dar um voto de confiança. – Disse Sakura no mesmo tom provocativo dele, nós apenas rimos.

Ele deu um copo para cada um e já ia nos servindo, depois daquela primeira conversa, cada um bebeu silenciosamente, e isso estava me incomodando, cada um parecia pensar em seus próprios problemas, se eu não parasse de pensar no Naruto e na Hinata ia acabar enlouquecendo, a essa altura, tudo o que eu não queria que acontecesse já aconteceu, agora e só esperar o resultado amanhã.

-Por que você veio? - Perguntei olhando para a Sakura – Por que veio para o colégio? Já que odeia tanto. – Já estava curiosa para saber o motivo e como já estávamos alegrinhos achei que era uma boa oportunidade para perguntar, caso ao contrário ela não responderia.

- Minha mãe me obrigou. – Falou simplesmente, mas disso eu já sabia, queria saber a história completa por isso continuei olhando- a, esperando a resposta – Porque eu quase fugi para a China para morar com o meu namorado- disse por fim.

-Como assim? – Perguntou o Sasuke olhando-a também.

-O pai dele conseguiu um emprego na China e eles tiveram que se mudar, como nós tínhamos acabado de ganhar na loteria, eu tinha dinheiro para comprar uma passagem e ir vê-lo, ou até mesmo morar lá. Mas a minha mão não gostou dessa história e me proibiu de ir, mas a passagem já estava comprada e eu fui mesmo assim- disse olhando para o Sasuke- Foi vergonhoso ser barrada no aeroporto- Riu sem humor desviando os olhos dele e se servindo mais um copo.

-Por que você veio com o Naruto? - Perguntou o Sasuke olhando para mim- Pelo o que eu saiba, foi ele que aprontou.

-Meu pai achou melhor eu vir para tentar impedi-lo de aprontar de novo, e também para nos aproximarmos mais. – disse olhando para o chão e depois de alguns segundos completei- Mas como você percebeu, nada do que ele quer está acontecendo. – Falei quase em um sussurro, ele sabia do que eu estava falando, a Sakura ficou me olhando perdida, mas não queria falar sobre isso hoje, ela vai descobrir tudo amanhã mesmo, desistiu de conseguir mais informações e voltou a colocar mais bebida em seu copo, esse dois vão ficar bêbados daqui a pouco, se é que já não estão.

-Graças a Deus não tenho irmãos. – falou rindo, para quebrar o clima.

-Vou indo! - Disse levantando- Quer dormir na minha casa hoje Saky? Acho que sua mãe não vai gostar de saber que bebeu.

-Quero sim Ino, minha mãe é muito chata.- disse virando todo o liquido do seu copo de uma vez só, e tentou se levantar, sem muito sucesso.

-Vou lá dentro pegar nossas coisas e chamar o motorista.- estávamos tão curiosas em saber o que o Sasuke queria no jardim que até esquecemos as nossas bolsas.

Sai deixando os dois lá, a Sakura não ia conseguir se levantar mesmo, e bom, até agora nenhum dos dois morreram, então acho que não teria problema em deixá-los sozinhos. Ao entrar no salão percebi que a festa não estava mais tão lotada, tinha apenas alguns convidados que esperavam seus respectivos motoristas e os noivos já haviam ido para a lua de mel, acho que passamos mais tempo no jardim que imaginávamos. Peguei a minha bolsa e a da Saky e estava voltando para o jardim, quando esbarrei com o ruivo.

-Caralho! Não olha por onde anda não, merda! - Disse alterado. Ele vai me xingar só por um esbarrão? Esse cara é doente?

-Vai para o inferno, caralho! - Não vou deixar ele falar de qualquer jeito comigo.

-Escuta aqui sua puta! - Falou mais alterado ainda, apertando meu antebraço com força, mas que merda é essa? Ele é louco!

-Me solta seu doente! - Falei puxando seu braço na tentativa que ele soltasse o meu, mas só fez com que ele apertasse mais. – O que deu em você? – Falei olhando-o pela primeira vez, suas pupilas estavam mais dilatadas que o normal, e ele estava muito ofegante, com uma respiração tão pesada que até dava para ver suas narinas abrindo e fechando, e a sua face quase inexpressiva estava visivelmente nervosa, seus lábios estavam tão contraídos que chegavam a estar brancos e sua sobrancelha estava quase se tornando uma. Ele realmente não estava bem.

-Vai para o inferno! – Disse por fim me soltando bruscamente fazendo com que eu desequilibre e quase caia, virando as costas e indo embora.

Que merda foi essa? Foi só um esbarrão, não é como se eu tivesse feito alguma coisa de ruim para ele, não consigo entender. Ele é um psicopata, louco e bipolar, só pode. Já estava me virando quando sem querer chutei alguma coisa, me abaixei para pegar uma caixinha de metal no chão. “Ou só mais um drogado mesmo”, pensei comigo mesma ao perceber o que tinha dentro.

Sabaku no Gaara

Quando a vi nem parecia real, Namikaze Ino com certeza era uma garota que não dá para ignorar, ela faz todos a sua volta olha-la, mesmo não querendo, mesmo por um motivo negativo. Que era o meu caso, não queria, mas evita-la era quase impossível. Aquela garota é estressada demais, falante demais, barulhenta demais e não faz nenhum pouco meu tipo, mesmo assim era impossível não quere ficar perto daquela loira, por isso, e também para evitar uma discussão chata de família que eu não queria escutar, chamei ela para se sentar do meu lado.

-O que exatamente você quer? - Falou me encarando nos olhos pela primeira vez naquela noite, mais uma coisa que eu não gosto nela, confiante demais.

-Só queria evitar uma briga desnecessária entre irmãos em um casamento. – Falei calmamente, e ela se contentou com a resposta, com certeza estava pensando em outra coisa. Distraída demais.

A cerimônia foi aquela chatice de sempre, pessoas aplaudindo uma união ridícula, a falsa felicidade dos “amigos”, principalmente os da noiva que estavam com mais inveja do que alegria, a falsa emoção da família que pensava no lucro que iam ter com esse casamento e os falsos sorrisos dos convidados que só estão interessados no efeito que a união de duas pessoas com famílias importantes vai causar. A mesma merda de sempre.

Quando tudo acabou fomos para o salão de festas, e logo a loira foi ficar com a sua amiga rosa. Deixa perfeita para eu me retirar, sem saco para ouvir conversas de meninas, ou ouvir o Sasuke falando quantas meninas ele vai pegar hoje, e pior, aguentar a inconveniência da Karin depois de mais um fora. Fui pegar uma bebida para espairecer um pouco e fiquei observando as pessoas ao meu redor e sua incrível capacidade de querer sempre agradar o outro, mesmo que com mentiras. Percebi a Ino encarando o Naruto com a Hinata visivelmente preocupada, então ele quer fuder com a filha mais velha dos Hyuuga’s? Isso vai dar merda e eu quero estar na primeira fila quando acontecer. A loira foi em direção aos dois, sabia que ela queria atrapalhar o plano do Naruto, mas ao ver o comportamento e principalmente os olhares apaixonados da Hyuuga para o Namikaze, tenho certeza que isso só vai causar discussão, e eu realmente não quero ouvir gritos hoje.

-Você sabe que não vai adiantar. – Falei como se fosse obvio, ela é observadora demais, e isso é mais uma coisa que me desagrada nela.

-Eu sei mas tenho que...- Ela tentou inutilmente se justificar, não havia mais nada que ela pudesse fazer.

-Tentar? Ela quer ser enganada, a única coisa que você está fazendo é deixa-la insegura e pensando que não é o suficiente para o seu irmão. – Cortei sua fala olhando para o salão - Daqui a pouco ela vai perceber que só foi uma foda sem importância para ele. – Ela já havia decidido que queria ficar com ele, era inútil tentar convence-la do contrário. Se tem uma coisa que eu odeio são conversas inúteis, pessoas inúteis, ações inúteis...

-Então – falou olhando ainda para os dois - O que sugere que eu faça? – Perguntou em forma provocativa. Apenas ri internamente, quem essa garota pensa que é?

-Não sei. – Tomei mais um gole do meu whisky- A amiga e o irmão são seus.- Dei os ombros olhando uma última vez para ela e fui em direção a Temari. Ri internamente com a cara que ela deve ter feito após deixa-la falando sozinha, ninguém me provoca, e agora ela também sabe isso. Ao chegar perto de Temari percebi que o Kankuro também estava por perto junto com o meu pai, ótimo, era só o que faltava, mas preferi fingir que eles não estavam, me sentei ao lado da Tema sem olha-los, isso fez com que Kankuro bufasse de raiva, tão barulhento.

-Ainda está sóbrio irmãozinho? – Perguntou o Kankuro me encarando com um sorriso debochado, só reviro os olhos.

-Para com isso! Não perturba o Gaara, ele está na dele! - Falou a Tema como sempre me defendendo, não acredito que ela ainda perde tempo com isso.

-Respeita o seu irmão mais velho Temari! Principalmente por causa dessa coisa ai! - Falou Rasa, em seu costumeiro tom rígido e inexpressão, o que fez Kankuro dar um largo sorriso como se um pai repreender a filha que estava certa fosse motivo de orgulho, eles me davam nojo. Só sai daquela pequena “reunião” familiar silenciosamente e fui para o banheiro. Consegui ouvir a Temari ao fundo me chamando, mas eu não estava com cabeça para falar com ela agora.

Não sei porque, mas hoje em não estava conseguindo me controlar, normalmente eu ignoro tudo o que eles falam, mas hoje precisava aliviar as tensões. Não era viciado tinha completo domínio do que estava fazendo, fazia isso apenas para relaxar e extravasar. Não é errado fazer isso, tem gente que chora, come, grita, se corta, eu apenas uso outros métodos. Olhei para a pequena quantidade de pó branco sobre a pia inalando o mesmo, passou algum tempo e aquela sensação de euforia não estava me relaxado, além de estar muito fraca, isso já estava acontecendo a um tempo então decidi aumentar a quantidade até ficar saciado, o que foi muito mais eu o dobro do que eu estou acostumado a usar, mas não tinha problema porque eu sempre estou no controle. Ao sair do banheiro, percebi que tinha alguém me observando. Será que sabem do que eu fiz? Como ele conseguiu me seguir até aqui? Ele sempre está me seguindo, será que ele é um paparazzi? Ou alguém que o Rasa contratou? Ou o Kankuro? Era melhor sair logo antes que eu fosse pego, estava andado tão rapidamente e olhando sempre para trás que nem percebi que esbarrei na loira.

-Caralho! Não olha por onde anda não, merda! – Falei para a mesma, ela tinha que aparecer para me atrapalhar, espero que ela não perceba nada.

 -Vai para o inferno, caralho! – Uma onda de raiva me atingiu, essa puta ia falar de qualquer forma comigo? Ela era louca? Que ela pensa que é? Não tenho tempo para lidar com garotinhas agora.

-Escuta aqui sua puta! – Falei segurando em seu braço, ela estava me deixando com muita raiva e para piorar a pessoa que estava me seguindo continuava a me encarar.

-Me solta seu doente! – Falou puxando seu braço, tentando fazer com que ela se solte, nem percebi que estava fazendo força, percebi que ele estava se aproximando, se eu for pego a culpa é dele, a apertei ainda mais forte na tentando me concentrar. – O que deu em você? – Falou olhando em meus olhos pela primeira vez, eu a encarei de volta e só depois de ver aqueles olhos azuis me olhando com medo que entendi o que estava acontecendo, estava perdendo o controle, ele estava me fazendo perder o controle.

-Vai para o inferno! – Disse por fim soltando-a e saindo andando, não podia perder mais tempo com ela ou ele ia me pegar. Não acredito que tinha perdido o controle em público, isso nunca aconteceu, tenho que descobrir o que ele querer e por que está sempre me seguindo. Não podia deixa-lo controlar a minha vida ou me deixar irritado como estava fazendo. Não sentia medo ele não podia fazer nada comigo? Ou podia? Não, claro que não, eu sou Sabuku no Gaara, ele não pode me fazer mal algum. Tenho que descobrir quem é ele, mas sempre que chego perto ele desaparece como mágica, nunca consegui ver seu rosto, ele está sempre mascarado. Será que é paranoia minha? Não, não pode ser, o Rasa ou o Kankuro contrataram ele para me seguir, só pode ser isso. Um simples pozinho não pode me fazer ficar desse jeito, com certeza era um plano maldito daqueles dois para me enlouquecer, mas eu nunca ia perder o controle como eles pensam, hoje foi só um erro que nunca mais vai se repetir. Segunda dou um jeito de calar a Namikaze.


Notas Finais


Obrigada por chegarem até aqui
Por favor comentem e me falem o que acham, isso me ajuda muito a continuar a fic
Até o próximo capítulo
Bye~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...