História (In)tocável. - Capítulo 12


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO, Red Velvet
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Irene, Kai, Kris Wu, Lay, Sehun, Seulgi, Suho, Xiumin
Tags Baekhyun, Caçadores, Chanyeol, Exo, Hetero, Morte, Park Yura, Sehun, Sobrenatural, Vampiros
Exibições 54
Palavras 2.783
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Sobrenatural, Terror e Horror, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sexo, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


OI VIADOS, NÃO TENHO NADA PRA FALAR, SÓ QUERO QUE VOCÊS LEIAM E COMENTEM! POR QUE FINALMENTE, DEMOS UM FIM A HISTÓRIA.

Capítulo 12 - Chapter Bonus.


Fanfic / Fanfiction (In)tocável. - Capítulo 12 - Chapter Bonus.

02 de Março, ano 2014.

– Escola particular de Seul, 07h30min.

 

— Mas eu não quero, Baekhyun. — Disse por fim. Aquela discussão já estava a deixando irritada, Baekhyun sabia muito bem fazer isso. — Eu não vou entrar naquela sala.

— Você não tem que querer, Yura. — Curto e grosso. Puxou o braço dela até a frente da porta e a deixou ali, lançou alguns olhares para trás se certificando de que ela entraria na sala, e sumiu no corredor. 

Se mudar para Seul não estava sendo difícil, mas também não era fácil, a escola e pessoas novas, deixava seus nervos mais nervosos do que ela, a tremedeira e o frio básico na barriga, eram apenas brindes. 

Pela vigésima vez naquele dia, ela suspirou.

Bateu na porta algumas vezes, respirou fundo, a sombra se formando atrás da porta se aproximava, um sorriso elegante e sincero a receberam. 

— Bem-vinda, senhorita.

 

♠♦♣♥

 

Park Yura já havia passado meses naquela escola, podia se dizer que foram 6 longos meses, mas foram os melhores da sua vida. 

Não que tenha algum amigo, não aquele que podia segredar, mas havia Sehun. Ele era alto e pálido, bem popular e muito bonito para o gosto de Yura.

Mas havia um em especial que ela entregaria seu coração sem pestanejar, não pensaria duas vezes em beijar aquele que possuí os cabelos mais bonitos que já havia visto, um vermelho tão tenso e brilhante. Park Chanyeol. Era esse o nome de seus sonhos.

Podia ser errado, mas na cabeça de Yura era o mais correto possível. Mesmo que ele seja dois anos mais velho, era normal para ela aquele relacionamento. Não um relacionamento de amizade ou namoro. Mas sim o que ela criou na própria mente. 

Yura era tão viciada em Chanyeol, mas ele mal sequer sabe que ela existe. Os olhos azuis do garoto a possuíam sem nem mesmo ele imaginar que a deixava molhada, Park era ingênua, mas ainda sim ficava molhada apenas por imaginar aqueles olhos apenas para si. 

— A donzela que entregou o coração pro cavaleiro errado... — Segredou a si mesma. Levantou, suspirou e arrumou a cadeira em seu lugar, voltou a andar e saiu do refeitório indo direto para seu armário. — Vejamos... Aqui está! 113. — Colocou a mão nos bolsos e acidentalmente derrubou o papel que continha a senha com a combinação. — Droga!

Felizmente, o vento e o destino estavam sorrindo para ela. O sopro forte que havia entrado pelas portas, levou o papel até um certo alguém. — Isto aqui é seu? — Perguntou baixo, abaixou o olhar até aqueles pequenos olhos castanhos e estendeu a mão de vagar com o papel. 

O coração de Park havia se esquecido de como bater, finalmente ela escutou aquela voz grossa e gostosa perto de si. E só para si naquele momento. Ele estava tão perto, estava tão lindo. 

— S-s-sim! — Estendeu a mão timidamente, sentiu o calor da mão alheia e recuou. A mão dele tinha uma temperatura gostosa. — O-o-obrigada!

Em momento algum ela o olhou, estava vermelha de mais e com muito medo. Mesmo o observando a meses, ela ainda sim tinha medo de falar com ele. Não era como conversar com Sehun, ou xinga-lo, era Park Chanyeol ali. 

— Está com medo de mim, Yura? — Sussurrou. O nome da garota soava como melodia, o timbre mais perfeito que ela já havia escutado. 

— E-eu? P-por que? — Disse, podia sentir as pernas quererem fraquejar. 

— Por que não me encara? Por acaso gosta de mim? — Retrucou. O tom de sua voz era como um alerta gritando na mente dela. Gritando várias vezes para ela correr dali. 

Ficou em silêncio por alguns minutos, não sabia o que responder. Apertou o papelzinho em suas mãos, pensou em algo coerente para mudar aquele rumo e então veio a solução.

— Como sabe meu nome? — O olhou apenas de relance, ainda não tinha criado coragem.

— Céus... — Riu, encostou no armário que ficava ao lado do de Park, cruzou os braços e a olhou sério. — Você é a irmã do Baekhyun, somos amigos.

Como ela havia esquecido disso? Era óbvio que ele sabia, eles eram do mesmo time e sempre frequentavam as mesmas festas. Tossiu algumas vezes e olhou paras os lados, se continuasse ali, aquela conversa nunca teria um fim. — Eu preciso ir, adeus. 

— Ei! Espera! — Chanyeol segurou sua mão. — Nós teremos treino hoje a tarde, por que não vai? Todos querem conhecer a irmã de Baekhyun. 

Os pequenos olhos se abriram levemente, as bochechas estavam mais vermelhas e o coração havia parado por alguns segundos. Uma pequena gota de suor escorria por sua testa, o que ele queria dizer com "todos"? Yura ligava apenas para Chanyeol. — Eu... — Relutou por alguns segundos, por que recusar? — Eu vou. — Soltou um pequeno sorriso, a mão alheia soltou seu pulso. 

— Ótimo. — Disse, satisfeito em ouvir aquela resposta. Deu as costas a pequena e acenou saindo pelas portas grandes. 

Soltou a respiração, limpou a testa que estava com aquele suor irritante, se segurou para que seus joelhos não beijassem o chão frio. Park ainda estava tentando engolir o que acabou de acontecer. — O que foi isso? — Sussurrou, graças a sua inútil memória que não serve nem para decorar a combinação do armário, Chanyeol havia trocado algumas palavras consigo, e graças a Baek, ela iria ao treino de basquete. 

 

♠♦♣♥

 

Não tinha o que vestir para ir ao treino, achou que o uniforme fosse a melhor opção e assim partiu. Estava insegura, o coração batia forte em seu peito e a garganta fechava todas as vezes que pensava em ver Chanyeol, apenas de tentar imaginar aqueles cabelos vermelhos suados, a camisa agarrada em seu corpo forte, ficava vermelha. 

Talvez Chanyeol fosse seu primeiro amor, logo, as decepções iriam vir. Park sabia disso, viu Baekhyun sofrer por seu primeiro amor a algum tempo atrás, se não fosse pela irmã de Oh Sehun, Oh Irene, Baek ainda estaria em sua fossa imaginaria. 

— Ele é só o Chanyeol, Yura. Ele nem sabe que você existe, foi apenas educado! — Concluiu, abriu as grandes portas que davam para a quadra de basquete, procurou por Baekhyun e sorriu ao encontra-lo.

— Yura! Sente-se aqui, irmãzinha. — Baek disse, um sorriso travesso estampava aqueles lindos lábios carnudinhos. 

Sentou-se, podia sentir seu corpo todo suar ao pensar em Chanyeol ali, apenas com o uniforme do time de basquete. Fora Park, havia apenas o time de basquete e alguns funcionarios que estavam ali para limpar a quadra depois, quando as grandes portas foram abertas e aquele cabelo vermelho brilhante adentrou, um sorriso enorme estampou os pequenos lábios. 

Sorriso que durou poucos segundos.

O braço esquerdo de Chanyeol estava sustentado nos ombros de uma garota morena, Park conhecia aquela garota, conhecia muito bem por sinal. Das vezes que Irene estava em sua casa, podia escutar as risadas dela e do irmão ao falarem de Wendy. Chanyeol sorria, após ter dado um selinho longo e apaixonante na namorada.

As primeiras decepções começaram a aparecer cedo, queria sair correndo dali, não queria aparecer mais na frente de Chanyeol. Como Baekhyun nunca havia dito aquilo para ela? Talvez não lhe contou para não magoar o pequeno coração. Procurou os olhos do irmão, precisava de ajuda, precisava sair dali. Se levantou, antes que pudesse ir até Baek, Chanyeol segurou seus ombros e a virou.

— Você veio! Fico feliz, agora pode ver como Baekhyun é ruim no basquete. — Riu, a garota ao seu lado lhe lançava um olhar torto, mas ainda assim, era mais bonita que ela. — Ah! Essa aqui é minha namorada, Wendy. — Apontou para a mesma que sorriu, um sorriso falso. Chanyeol afastou-se de si e lançou um sorriso brincalhão. — Não tire os olhos de mim Yura, quero te mostrar como seu irmãozinho é ruim. 

Wendy só estava ali para atrapalhar, Park estava desejando fortemente que a garota queimasse ali mesmo, não daria a mínima pra isso. Ainda mais depois da pequena meretriz ter esbarrado em seu ombro e sussurrado algo como: — Ele é meu, vadia. 

Park não estava ligando para as palavras de Chanyeol, não ligava para o modo de como ele falava de seu irmão, estava magoada, só queria sair dali. Escutou mais uma vez o barulho das grandes portas, dessa vez era Sehun, seu único amigo naquele lugar, correu até ele e o abraçou. Os olhos se esbugalharam, Yura nunca havia o abraçado, apenas o chingava. 

— Y-Yura!? O que aconteceu? Por que está chorando? — Perguntou, levantou o rosto da menina e se sentiu pequeno, onde ele estava quando sua amiga precisava de ajuda? — Foi ele, não foi? Ele está olhando. 

Quando Chanyeol decidiu se aproximar, Sehun fez um gesto para que não viesse. Entrelaçou seus dedos nos dedos dela, abriu as grandes portas e a levou para um lugar onde ninguém pudesse ver aquelas lágrimas. Sehun se sentia pequeno perto de Chanyeol, na verdade, ele queria ser Chanyeol, queria ser para ter o amor de Yura. 

— Está tudo bem? 

— Não, não está. 

Ele queria abraça-lá, mas se fizesse isto, com certeza levaria um tapa. Seu coração batia tão acelerado, se sentia especial por apenas ele poder ver as lágrimas dela, Sehun tinha necessidade de ajudar Park Yura, e por sentir essa necessidade e todo esse amor, pediu à Baekhyun que nunca contasse a ela sobre Wendy, já que a mesma sempre gostou de Chanyeol. 

— E-eu ia contar... — Começou, o olhar de Yura fez com que se calasse.

— Contar? — Riu, negou com a cabeça e limpou algumas lágrimas. — Eu sou muito burra de gostar de alguém que mal sabe da minha existencia. 

— Yura, você vai me odiar se eu te contar isso, mas... — Sehun estava com medo, o olhar antes triste estava frio agora, com certeza ele perderia Park se contasse isso. — Eu disse a ele que você já tinha namorado. 

 

♠♦♣♥

 

18 de Julho, ano 2015. 

– Escola particular de Seul, 14h30.

 

Park estava esperando Baekhyun sair do treino, segurava sua bolsa com as duas mãos, um pouco abaixo dos joelhos, cantarolava uma música boba e sorria. Já fazia mais de um ano que estudava ali, fazia um pouco de frio e suas pernas estavam arrepiadas pelo vento gelado que percorria o corredor. 

O tempo passou tão rápido, mas seu coração não havia se curado da doença chamada Park Chanyeol. Também não havia se curado da mágoa chamada Oh Sehun, era egoísta pensar em Sehun como uma mágoa e em Chanyeol como uma doença, mas Park ainda estava bem magoada com o garoto. 

— Yura? O que faz aqui? — Baekhyun apareceu atrás de si, a fazendo pular de susto e ele gargalhar. — Estava me esperando? — Perguntou, desconfiou que era apenas para ver Chanyeol. 

— Sim, eu estava estudando até agora com uma amiga. — Mentiu, Baekhyun levantou as sobrancelhas e colocou as mãos na cintura. — Tábom, eu vim ver ele. 

— Ele não veio hoje, mas pediu para te entregar isso. Ele vai mudar de escola. — Falou, deu alguns passos tomando distância da irmã. — Vem logo, Yura. 

Aos poucos ela assentiu e andou ao lado de Baek, não estava fazendo sentindo algum aquelas palavras dele. Seus olhos estavam prontos para dispejar as lágrimas, mas se segurou até que chegasse em casa.

Estava a alguns passos de Baekhyun, andava distraída na rua e seu coração fazia o possível para continuar batendo em seu peito. Logo hoje, logo nesse dia frio, ela havia tomado coragem e iria chamar Chanyeol para sair, estava ensaiando a dias, estava nervosa e tremia só de pensar na resposta dele, mas logo hoje, as folhas laranjas decidiram parar de cair. 

— Logo hoje, você não veio... — Falou, parou de andar e sentia as pessoas esbarrando em si, as lágrimas começaram a sair e ela havia soltado sua bolsa. 

Baekhyun estava falando sozinho, quando chamou o nome de Yura algumas vezes, parou e notou que ela não estava ao seu lado. Olhou a procura da garota e correu esbarrando nas pessoas, Park estava parada no meio da rua e assim que olhou o caminhão grande de entregas descendo a toda velocidade na rua, não pensou duas vezes. — YURA! Saí daí! — Gritou, ela não se mexia, correu até a irmã e a abraçou. 

 

♠♦♣♥

 

Cinco anos, Park Yura dormiu por cinco anos. Criou um mundo para fugir da dor, onde apenas ela e Chanyeol pudessem viver, mas nem no mundo onde Park havia criado, ela e Chanyeol puderam ficar juntos. Yura não entendia essa obsessão que sentia pelo garoto, mas lembrava vagamente do dia que havia sofrido o acidente. 

Lembrava aos poucos das lágrimas que derrubava, da dor que sentiu ao entrar em contado com o asfalto, da terrível pancada que sua cabeça levou ao entrar em contato com a calçada. Mas lembrava muito bem das mãos de Baekhyun a segurando, do corpo quente do irmão a abraçando, dos olhos se fechando lentamente e a voz que havia sumido ao chama-lo. 

— Park Yura? V-você é a irmã de Baekhyun? — Disse, um pouco surpreso. — Oh meu Deus, eu estava vindo para cá para visitar o seu irmão. — Falou baixo, podia enxergar a dor que os olhos de Park transmitia. — Você está bem? 

— Não. — Respondeu de imediato, fazendo Chanyeol abrir os olhos um pouco mais. — Eu acabei de acordar depois de cinco longos anos, como acha que estou? Fui diagnosticada com depressão e esquizofrenia, acha que estou bem? — Disparou, os olhos se enchiam de lágrimas novamente. 

— E-Eu... — Começou, se aproximou um pouco mais do corpo alheio. 

— Park Chanyeol, você sabe por que eu sofri esse acidente? Sabe por que Baekhyun está morto agora? — Falou um pouco desesperada, as lágrimas começaram a sair. Chanyeol negou, abaixou a cabeça esperando a resposta. — Por sua causa. Por que eu amava um estúpido que nem sequer me notava, mas eu não desisti de você Chanyeol, mesmo em coma, mesmo estando naquela cama por cinco anos, eu estava numa realidade onde você também estava. 

O maior não respondeu, fitou aqueles olhos brilhantes e suspirou. Passou as mãos grandes no cabelo e se aproximou mais do corpo alheio, abraçou a menor que se debatia e a apertou um pouco mais. — Você era tão cega naquela época, Park. — Começou, ao escutar aquele timbre grosso e calmo, apenas abaixou as mãos e aproveitou aquele abraço. — Eu sinto muito por tudo que aconteceu, mas o tempo não volta não é? Eu me mudei naquele dia, me mudei no dia que soube que meu melhor amigo havia sofrido um acidente, e junto com ele o meu amor também havia dado entrada no hospital. Você era esse amor. 

 Os olhos brilhantes se fecharam, escutar tudo aquilo doía, doía imaginar que mesmo tão perto, eles estavam distantes. — Quando você se mudou para aquela escola, eu dei graças a Deus. — Continuou. — Mas quando tentei se aproximar de você, me contaram que tinha namorado. Só depois de um tempo eu descobri que era mentira, sabe, Sehun era um cara legal. — Deu uma pausa, fitou os olhos de Park e se aproximou. — Mesmo que eu quisesse, eu estava magoado quando soube da notícia, então eu busquei a primeira garota. Mas, aquele dia do treino, eu sabia que você estava chorando por mim, de alguma forma eu já imaginava que você também correspondia o que eu guardava aqui dentro. — Apontou para o coração e sorriu.

— Chanyeol, chega... — Pediu, baixo. — No final, acabamos se encontrando de novo, não é? — Sorriu, se aproximou do rosto alheio, deu um pequeno selar e se afastou.

— Sabe quanto tempo eu esperei por isso? — Disse, um pouco baixo e tímido. — Existe uma lenda japonesa que diz que as pessoas estão ligadas umas as outras, por uma pequena linha vermelha, mas nós não podemos ver essa linha. E nesse ditado diz que, nem a morte pode separar essas pessoas. — Sorriu e pegou a mão alheia. 

— Está tentando me comprar com um ditado japonês? — Falou, riu baixinho pela expressão do outro. — Sabe, Baekhyun já havia me contado isso quando eu era pequena, por incrível que pareça, por algum tempo eu passei a acreditar que a minha linha estava ligada a você, que ligava a sua. Mas não...

— Não? — Disse, confuso.

— Não, minha linha está ligada a Baekhyun. Eu demorei anos até perceber que meu grande amor, é o meu irmão. E nem mesmo essa morte dele, vai nos separar. — Sorriu, apertou a mão do maior e o olhou nos olhos. — Espero que dessa vez, a gente faça direito. 

— Eu já prometi uma vez para o Baek, e irei prometer de novo. — Disse, Park juntou as sobrancelhas e observou Chanyeol se abaixar em frente ao túmulo do irmão. — Eu irei cuidar dela como se fosse a última barra de chocolate do mundo. 

— Barra de chocolate? Jura, Chanyeol? — Riu, sentiu a neve tocar o seu rosto e fechou os olhos, era a estação preferida de Baekhyun. Olhou para o céu e depois para Chanyeol. — Dessa vez, vai dar certo Baek. — Sussurrou. 


Notas Finais


Espero que tenham gostado! De verdade. Eu escrevi com todo o meu coração essa história, e eu consegui termina-lá depois de muito pensar em excluí-lá. @DemonhaDoYoda se não fosse por você, essa história teria ido pro lixo a muito tempo, obrigada amor, eu amo você muito.

Obrigada a todos vocês, mesmo que não comentem, sei o quanto vocês gostam. Vejo vocês numa futura história. 💙

ps: Dêem muito amor pra @DemonhaDoYoda prometo que não vão se arrepender dessa história incrível https://spiritfanfics.com/historia/atraves-do-espelho-6092104


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...