História Intratempos - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Comedia, Espadas, Fantasia, Futuro, Magia, Mago, Medieval
Visualizações 18
Palavras 718
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 16 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Aventura, Comédia, Fantasia, Ficção, Ficção Científica, Luta, Magia, Mistério, Universo Alternativo
Avisos: Linguagem Imprópria, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Eu juro me abster das normas gramaticais pra escrever essa estória aushaus :v Garanto que vão gostar. Ela é fruto de muitos remédios. (Ou da falta deles).

Capítulo 1 - As coisas ficam de cabelo em pé! Literalmente...


 

 Eu, mais uma vez, esperava meus brother em casa, porque como sempre, minha casa é o ponto de referência do mundo.

 – Ôh! – Gritou uma voz familiar – Abre o portão aí!

 Saí para fora, e encontrei a bola... Digo, meu amigo Rafael sob sua... Bicicleta.

 – Abro sim, mas não tem nenhum explosivo debaixo da banha, certo?

 – Claro que não, sou da paz, pôh! – Ele respondeu.

 Abri o portão e ele entrou. Eu temia ter que esperar quatrocentas horas pro resto do pessoal chegar, mas não demorou muito. Antes disso, tive que ficar apreciando a imensa bola de banha, digo, o Rafa, ler em voz alta outro capítulo da minha história. Talvez isso seja um fato importante: Eu sou um escritor amador.

 Tá, talvez isso não tenha importância alguma.

 – Eu vou levar o portão pra casa, hein?! – Gritou outra voz lá de fora.

 Assim que saí, me deparei com uma versão brasileira de Luke Skywalker, só que com roupas mais atléticas e um físico menos virjão. Talvez as pessoas o chamassem de Luke-Homão-da-Porra, eu, chamava apenas de Sparda.

 – E aí, men? – Cumprimentei antes de abrir o portão. Em pouco tempo, Clóvis e George chegaram também, se alguém passasse na rua, provavelmente pensaria duas coisas: Minha casa é uma borracharia ou um ponto de drogas.

 

 Duas horas foi um tempo recorde. Ficamos parados no meu quarto. Todos olhando para a parede como profundos retardados.

 – Na moral, eu tô entediado pra cacete – Sparda comentou.

 – Bora dá um rolê? – Rafa sugeriu, mas como sempre, ninguém ligou para o que ele havia dito.

 – Bora dá um rolê? – Perguntou Clóvis. O rapaz era pouco gordo também e se enquadrava mais no “Homão da Porra”, mas esse parecia mais um “Peludo da Porra”.

 – Bora – Respondemos em uníssono. Tínhamos sorte do Rafa não ligar muito com o bullying. Ou como costumo chamar: Bólem, porque bullying é uma palavra difícil pra caralho.

 Na rua, passávamos na frente de uma casa amarela quando George comentou:

 – Aqui não mora o Marquinhos?

 – O garoto alto pra cacete que cria os negócios estranhos? – Perguntei de forma retórica. – Mora sim.

 Não demorou muito para estarmos atacando a geladeira do Marquinhos. Duas coisas eram fatos inegáveis: O cara tinha comidas deliciosas, a segunda... Bom, Rafa não maneirava com a frase “sintam-se em casa”, o cara literalmente atacava a geladeira. Só consigo imaginar algo como:

 Geladeira usou: Fechar.

 Não foi nada efetivo.

 Rafa usou: Gordice Aguda.

 Foi EXTREMAMENTE efetivo.

 – Ok, além de assaltarem minha geladeira, o que fazem aqui? – Perguntou o garoto anfitrião.

 – Viemos ver você. – Clóvis explicou.

 – E atacar a geladeira! – Rafa completou.

 – Ata.

 Marquinhos nos conduziu até uma sala afastada, prometendo mostrar pra gente sua mais nova invenção: O Intertempoineitor. Ouvir esse nome me fez pensar: “Por que o Inator no fim das invenções?”.

 – Pra quê serve isso? – Perguntou Sparda analisando de longe o objeto que lembrava muito uma arma espacial. Aquilo definitivamente não caberia em nenhum coldre comum.

 – Simples! – Marquinhos explicou enquanto ajeitava uma maçã numa bandeja – Ele lança um raio poderoso cuja envolve as moléculas do alvo e o envia para o tempo-espaço!

 – Sabe que falou grego pra gente, não? – Perguntei.

 – É uma viagem no tempo. – George explicou, só então lembrei da presença dele. – Duvido que funcione.

 – É claro que funciona. – Marquinhos atirou o raio na maçã e a mesma apareceu de volta em cima da mesa onde estava.

 – Woow! – Dissemos em uníssono.

 – Me deixa ver! – Sparda tentou arrancar a arma da mão de Marquinhos, que tentava evitar.

 – Não! – Clóvis gritou – Eu quero ver! – E se atirou sobre eles tentando pegar a o Intertempoineitor.

 – Parem com isso! – George gritou – Eu mereço ver primeiro! – E se juntou à briga.

 – Parem gente! – Tentei intervir antes que tudo terminasse em algum problema. Para meu grande azar, eu era o menor de todo o grupo. A última coisa que vi antes de quase ser intoxicado pelo odor de tetas mal lavadas foi a grande sombra feita pelo Rafa, que nos abraçava enquanto dizia de forma gentil e quase doentia a palavra “Família”.

 Foi aí que tudo aconteceu. E aconteceu rápido de mais.

 O som de disparo do laser, o grito de preocupação de Marquinhos que já estava distante por precauções óbvias. Tudo que consegui ver antes de sentir o choque que me fizera desmaiar, foi o raio vermelho atingindo a droga da bandeja da maçã.


Notas Finais


Isso vai ser longo pra caraio :v


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...