História Inversion - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Personagens Originais
Tags Desaparecida, Harry, Ídolo, Obsessão, Policial, Sequestro
Exibições 192
Palavras 1.192
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Ficção, Mistério, Policial, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Ei amorexxx
Nem demorei dessa vez, né?
Então, queria desabafar um pouco com vocês, sabe. Eu tenho demorado para postar porque não consigo mais escrever como antes. O motivo é por conta de um problema pessoal, mas também é por culpa minha. Não vou mentir, eu tenho estado com uma mania feia de me comparar a outras autoras aqui do site e até de outros sites. Me sinto frustada lendo outras histórias pensando que não sou boa o bastante pra fazer um enrendo tão bom quanto o das outras, e até fico de olho nos comentários de outras fanfics populares aqui no site. E isso me deixa com muita raiva de mim mesma, porque, poxa, eu sempre escrevi por amor, não por causa de números de comentários!

Agora estou me policiando melhor e tentando dar um jeito no que me bloqueia. Eu prometo.

Capítulo 8 - Drunk in love




— Angelina, não! 


Minha voz voltara a soar mais imponente. Eu ainda não sabia se estava fazendo o que era certo afastando-a daquela maneira, justamente no momento em que eu tinha tudo o que mais queria ali, ao meu alcance. Meu campo de visão se resumia nela, em Angie, como sempre tudo era focado nela. Seu rosto angelical, com traços infantis, seus olhos azuis como a imensidão do mar, o nariz pequeno, encostando-se em minha exitação.

Eu respirava fundo ao foca-la debruçada sobre meu colo. Aquilo era como uma miragem para mim. Ter angelina de joelhos diante de meu membro, pronta para abocanha-lo e me dar prazer. Visualizar a luxuria florescer e subistituir toda aquela pureza que ela trazia consigo.


Era muito autocontrole.


Infelizmente não tinha tido tempo de calcular a força que eu havia usado quando a empurrei para longe. Angelina acabou caindo para trás, seu grito de dor me fez querer socar a minha própria cara. Me inclinei em sua direção enquanto ouvia seu choro.


— Me deixe em paz! — Exclamava com a voz entrecortada, se encolhia próxima a mesa de centro. Suas mãos trêmulas tocavam a bota ortopédica, mas ela não sabia o que fazer, apenas gemia de dor.


Ignorei seus protestos e relevei seus tapas, afinal, eu os merecia por ser tão bruto com alguém tão frágil como ela. A peguei em meus braços e a levei de volta para seu quarto. Eu temia que os vizinhos mais próximos a ouvissem gritar.


— Não! Não tira! V-Vai doer! — Angelina suplicava já em cima da cama. Suspirei encarando seu rosto vermelho e molhado por lágrimas e continuei a puxar a bota. Eu tinha que ver se havia piorado sua situação.


— Calma! Eu vou tirar devagar. — ela continuava a se debater tentando me impedir. Angelina nunca iria confiar em mim. Acreditar nas minhas palavras, e aquilo me deixava irado. — Olhe pra mim! — peguei seu rosto forçando-a. — Eu não quero te machucar, apenas fique quieta. — Angelina encarou-me desconfiada mas, por hora, resolveu cooperar me obedecendo.


Retirava a bota ortopédica lentamente, suas mãos apertavam minha camisa, amassando o tecido todo por onde passavam. Sorri ao sentir seu rosto enterrado na curva de meu pescoço. Angie molhava a região com lágrimas, preocupando-me. Pensei em ligar para Ian, mas desisti assim que vi que seu tornozelo apenas estava inchado. 


Nada que um pouco de gelo não minimizasse. Além do mais, eu não o queria perto de Angie. Éramos amigos de infância, mas mesmo assim, não a confiaria nas mãos de outro. 


— Vou buscar gelo para colocar em cima.


— Não! — Sua voz me impediu quando fiz menção de levantar. — Não me deixe aqui sozinha! Eu estou cansada de ficar aqui, tão só. — Seu hálito batia em meu rosto fazendo-me sentir o cheiro forte do whisky.


Me lembrava do dia em que fomos todos comemorar um prêmio importante, na After party, havíamos feito um brinde a nós. Brindávamos com aquela mesma bebida, Liam, Niall, Louis, Zayn, nossas famílias, Sophia e Eleanor. Eu olhava para todos presentes e sentia a falta de alguém ali.


Angie ficaria linda desfilando em qualquer red carpet, vermelho sempre combinou tanto com seu tom de pele. Tinha vontade de leva-la para onde quer que eu fosse, assim como Payne e Tomlinson faziam com suas respectivas namoradas. Leva-la para conhecer o mundo, mostrar para ela tudo o que lhe tinha sido privado, fazê-la se sentir incrível em qualquer peça de roupa, experimentar milhões de posições em lugares inimagináveis, fazê-la saber o quanto o que é proibido é gostoso. 


Mas era impossível! Eu nunca poderia assumi-la, mostrar para o mundo todo quem era a garota que me enlouquecia sem ao menos se mover. Angelina era minha mais linda fantasia, algo que eu pretendia manter em segredo. 


Eu tinha consciência do quão insano era aquilo. Ela era uma adolescente de dezessete anos! O que eu poderia ver de interessante numa garota tão normal e tão nova? Logo eu que gostava de ficar com mulheres mais velhas? 


Nem eu saberia responder tudo aquilo. Mas, quando eu a vi pela primeira vez, todo aquele questionamento desapareceu como se nunca tivesse algum dia existido. Angie mexia tanto com minha cabeça que foi capaz de me fazer jogar minha sanidade para os ares e mandar alguém traze-la até mim.


E agora ela estava ali, bêbada, com os braços envoltos em meus ombros e as pernas em meu colo. Aproveitei seu rosto caído sobre meu ombro e lhe beijei o pescoço, inalei mais uma vez o cheiro do whisky, passei a ponta de minha língua por ali, sentindo o gosto daquela bebida tão saborosa, observei seus pêlos se eriçarem por completo. Experimentei mais uma vez o gosto da vitoria. E aquele era o brinde perfeito, a melhor comemoração de toda minha vida, afinal, eu finalmente a tinha ao meu lado, somente minha.


Busquei sua boca e tomei seus lábios finos a beijando-a avidamente enquanto minhas mãos invadiam seu vestido e se aventuravam por suas coxas. Ah, e que coxas maravilhosas. Minha mão parou em sua calcinha, com o indicador senti o tecido fino molhado e sorri contra seus lábios. 


Parece que alguém ficou exitada.



Angelina point of view.


Meu corpo estava em chamas, pelo menos era o que eu sentia, ali, de olhos ainda fechados. A verdade é que eu não sabia ao certo o que estava havendo ali. Só sabia que eu estava completamente extasiada.


Meus dedos finos puxavam os fios sedosos do cabelo que pertencia ao homem que eu mantinha preso entre minhas pernas. Abri meus olhos encarando Harry, que estava ocupado demais para me dar alguma atenção. Enquanto ele massageava meu seio esquerdo, apertando-o em sua mão grande e quente, tinha o outro em sua boca, sugando-o. Meus olhos se retiravam de tanto prazer.


Eu jamais saberia que os seios fossem um ponto que, se estimulado, poderiam fazer uma mulher subir pelas paredes. Mas, eu suspeitava que em qualquer lugar que aqueles lábios tocassem me faria gritar pelo seu nome.


Não sabia o que havia me levado até ali, o motivo de eu estar tão entregue à Styles, como um alimento servido numa bandeja mais do que pronto para o seu consumo. Eu não estava afastando seu corpo suado do meu, muito menos me recordava de protestar quando ele havia me deixado apenas de calcinha sobre a cama. 


Eu o queria tanto naquele momento que chegava até a cogitar a possibilidade de eu mesma ter me despido para ele. Harry juntava nossos corpos com urgência e eu ficava cada vez mais em êxtase quando sentia meus seios colidirem contra seu peito. O contraste de minha pele pálida e suas tatuagens era maravilhoso. 


Deitada, o observei ajoelhar sobre a cama. Ele não sorria, apenas me olhava com uma intensidade absurdamente sexy. Suas mãos deixaram meus seios de lado e desceram lentamente até minha barriga e cintura, delineando meu corpo. Eu já me contorcia de prazer só de imaginar o que viria a seguir, estava praticamente implorando para que Harry se livrasse daquela boxer preta me penetrasse logo. Esfregava uma perna na outra, tentando conter minha excitação. Recebi um tapa na coxa e quase tive um orgasmo ao ouvir sua voz.


— Angelina.




 


Notas Finais


Ficou curtinho, mas volto logo, viu?
All the love


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...