História Invisual - Capítulo 2


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, V
Tags Bangtan Boys, Bts, Jeongguk, Jikook, Jimin, Jk!uke, Jungkook, Jungkook!uke, Kookmin, Kpop, K-pop, Lemon, Namjin, Top!jimin, Vhope, Vmin, Yaoi
Visualizações 329
Palavras 1.681
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Alô alô, turubom com vocês?
Sim, PELA PRIMEIRA VEZ NA VIDA ESTOU CUMPRINDO COM MEUS PRAZOS KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
é meio horrível eu me sentir bem com isso, porque eu deveria ser assim com todas as fics, né? Podem me apedrejar, eu deixo.

Mas enfim, mais um capítulozinho pra vocês <3 Espero que gostem.
Tenham uma boa curta leitura~

Capítulo 2 - Primeiro


16 de Junho, 2006

Era aniversário de Jeongguk, estava fazendo oito anos e Taehyung e eu estávamos combinando de fazer uma pequena festinha para ele. Jeongguk pareceu estar um tanto quanto inquieto o dia inteiro, me pedia para levá-lo para todos os lugares do orfanato e lhe contar diferentes tipos de histórias. Me pedia também para brincar com ele, apesar de que eu estava largando os costumes de ser criança para poder encarar minha pequena vida de adolescente.

Assim como Kim Taehyung, eu já estava com quatorze anos de idade. A maioria dos jovens com quatorze anos de idade que ficavam em um orfanato não eram adotados, pois a maioria dos casais preferiam crianças menores para criar e cuidar. O Kim e eu temos a máxima consciência de que era mais que certo que ficaríamos até os dezoito anos vivendo naquele lugar e então seríamos mandados para um apartamento provisório com ajuda da prefeitura até que arrumássemos um emprego e seguíssemos com as nossas vidas fora daqui. Tudo isso já havia nos sido explicado antes.

— Minnie, o dia está bem agradável hoje, não acha? — Jeongguk perguntou.

Neste momento Jungkook e eu estávamos sentados na grama do jardim do orfanato, Jungkook estava com as mãos agarrando a grama, arrancando algumas e as sentindo em seus dedos.

— Está bonito. — falei olhando para o céu. — O céu está bem azul, há poucas nuvens e os passarinhos estão voando livremente… Você consegue ouvi-los cantar, não é?

Jeongguk deu um sorriso e então assentiu.

— Sim, eu ouço o lindo som que eles produzem. — disse sorrindo. — E a grama? Ela está bonita e saudável como eu estou sentindo que está? — perguntou enquanto espremia mais as folhas da grama em suas mãos.

— Sim, a grama não está muito bem aparada… Porém está bem verde e bonita.

Jeongguk sorriu novamente e então se deitou, mexendo seus braços na grama e sentido-a pinicar sua pele.

— Hoje o dia está perfeito, então está tudo bem… — falou e então redirecionou seu rosto para mim. — Jimin, você sabe que dia é hoje?

Olhei para Jungkook e então ri baixo, não iria lhe dar feliz aniversário agora.

— Claro, é dia dezesseis. — Falei e então notei um sorriso brotar nos lábios de Jeongguk. — Sexta-Feira, dia de hambúrguer no almoço. — falei e então notei o seu sorriso morrer.

Jeongguk suspirou e então sentou-se novamente na grama.

— Me leva pra cantina? Estou com fome mesmo. — disse, aparentando estar um pouco cabisbaixo.

Sorri um pouco maquiavélico e então me levantei, pegando em seu braço e o ajudando a levantar e o guiando pelo caminho. Caminhei em passos lentos até a cantina, onde por sinal seria a tal festinha que estavam preparando durante o dia inteiro. Vi que Taehyung estava na parte de fora do local e, assim que nos avistou, saiu correndo para dentro da cantina provavelmente mandando o pessoal se calar pois o aniversariante estava vindo.

Ainda agarrado no braço de Jeongguk, comecei a lhe guiar até a porta da cantina em passos um pouco mais rápidos, fazendo com que o garoto sentisse certo medo de acabar caindo e começasse a usar sua outra mão para tentar tatear ao redor e ver se não iria bater em nada.

Assim que chegamos até a porta, eu a abri devagar e então todo mundo gritou.

— Surpresa! — Os garotos e as freiras falavam em uníssono.

Jeongguk pôs as mãos na boca e então fez uma expressão de surpresa.

— O q-que é isso Jimin? — ele perguntou com a sua voz um pouco embargada.

— Feliz aniversário, Kookie! — disse e então o abracei, logo notando Tae e outros garotos vindo o abraçar também.

Me afastei um pouco enquanto observava as pessoas lhe dando felicitação e então notei uma lágrima rolar pelo rosto de Jungkook, o que me surpreendeu bastante. Por algum motivo eu não sabia que cegos podiam chorar. Pode parecer bobo, já que a única coisa diferente entre mim e um cara cego é simplesmente que ele não enxerga. Mas eu nunca havia visto Jeongguk chorar, então eu realmente pensei que ele não conseguia fazer isso.

Me aproximei devagar do menor assim que todos saíram de cima dele e então o levei até a mesa onde estava o bolo. Jeongguk manteve o sorriso no rosto o tempo inteiro, mostrando seus dentes de leite bem branquinhos o tempo inteiro e exalando muita alegria. Coloquei o garoto atrás da mesa, junto ao bolo de aniversário e então me ajeitei ao seu lado.

— Nós vamos tirar uma foto agora, ok? — falei enquanto colocava meu braço sobre seus ombros e o trazia para mais perto de mim. — Sorria!

Sorri e logo percebi que Jungkook havia sorrido também, a freira que estava com a câmera em mãos disparou e então pude ver o flash em meus olhos. Tirei o braço dos ombros de Jungkook e então sussurrei um "Fique parado e sorria" em seu ouvido, logo fazendo um sinal para que as outras crianças pudessem tirar uma foto com ele também.

Assim que todos tiraram suas fotos com o aniversariante, vi Taehyung ir até o centro e chamar a atenção de todos.

— Agora vamos cantar o parabéns e depois podemos comer, pessoal! — ele disse sorrindo.

Todos ali presentes fizeram uma espécie de roda em volta da mesa onde estava Jungkook, o bolo e os salgados e docinhos arrumados ali. Começamos a bater palmas e então cantamos a típica música de parabenização.


 

"saengil chukhahamnida 

saengil chukhahamnida 

sarangha-neun Jungkook 

saengil chukhahamnida" 

 

Fui até Jeongguk novamente e peguei o cortador de bolo, logo cortando uma fatia e a pondo em um pratinho, olho para Jungkook e então sorrio.

— Então Kookie, pra quem vai o primeiro pedaço de bolo? — perguntei.

Jeongguk fez uma cara confusa e parou um tempo, pensando em pra quem daria aquela fatia de bolo. Pensou, pensou e então suspirou pesado. Antes de escolher alguém, ele sussurrou no meu ouvido perguntando se podia escolher a ele mesmo, mas eu neguei seriamente a aquela proposta.

— Então eu dou para você, Jimin-hyung… — disse um pouco envergonhado.

Sorri largo e então beijei a sua testa como agradecimento, espetei um garfinho no bolo e então coloquei o pedaço em frente a Jeongguk, logo pegando em sua mão e lhe mostrando que havia um pratinho ali na frente.

— Mas esse não é o seu pedaço? — perguntou, estranhando a rapidez com que tinha ganhado o pedaço de bolo.

— Não se preocupa, esse é o segundo pedaço. — Menti.

Jungkook sorriu e então pegou o garfinho desengonçadamente, tirando um pedaço de bolo e então levando até a boca. Sorri por ver que o garoto estava conseguindo comer sozinho e então logo vi uma freira se aproximar e começar a cortar o bolo para distribuir entre todos ali presentes.

Me afastei vendo que a freira estava conversando com Jeongguk e fui até Taehyung, que estava com um sorriso aparentemente vitorioso nos lábios.

— Conseguimos, Minnie! — disse sorridente. — Jeongguk está muito feliz.

— Ele achou que eu tinha esquecido. — disse e então ri baixo. — E o presente dele? Onde você colocou?

— Ah, eu esqueci no quarto! — Taehyung disse e então bateu com a mão na própria testa.

Suspirei e então o puxei pela mão, caminhando em direção ao nosso quarto procurar onde havíamos guardado o presente. Caminhamos em passos não muito lentos, em vista de que Jeongguk estava rodeado de bastante gente e não precisava da gente lá com ele por agora.

Assim que chegamos ao quarto, Taehyung abaixou-se para procurar pelo pacote em baixo da cama, não vendo muita coisa por conta do escuro.

— Liga a luz pra mim, Minnie... — pediu.

Assenti e então andei até o interruptor, acendendo a luz do quarto. Sentei em minha cama enquanto o observava procurar pelo presente, até então finalmente achá-lo.

— Acha que Jungkook irá gostar? — perguntei.

— É o máximo que podemos dar a ele… — Disse segurando o pequeno envelope.

Sorri e então suspirei, largando a minha cabeça para trás e pensando no quão bom seria estar fora desse lugar no momento.

— Você está diferente ultimamente, o que houve? — ele perguntou enquanto se aproximava de mim e então sentou ao meu lado.

 

— Nós já temos quatorze anos, Tae. Ninguém mais irá nos adotar e teremos uma vida muito difícil depois que sairmos daqui… Eu quero muito poder ser livre e fazer o que quiser, como os adultos fazem nos filmes… Mas ao mesmo tempo tenho medo por não ter tido uma vida normal como os adultos dos filmes tiveram para estar lá. — desabafei.

Taehyung suspirou e então encostou sua cabeça em meu ombro.

— Eu também tenho medo, Minnie… Mas sabe de uma coisa? Nós temos a mesma idade e quase que a mesma personalidade. Assim que sairmos daqui, nós teremos uma vida maravilhosa e não vamos nos separar nunca. Ok? — respondeu confiante.

Olhei para Tae e dei mais um suspiro.

— Juntos pra sempre? — pergunto estendendo-lhe o dedo mindinho para que fizesse a promessa.

— Juntos pra sempre! — falou, porém não estendeu o dedo mindinho.

Invés de selar nossa promessa com os dedos, como fazíamos desde crianças, ele colocou seu rosto mais próximo do meu e selou nossos lábios. Sua boa encostou diretamente com a minha e aquilo havia feito meu corpo se arrepiar dos pés à cabeça. Surpreendi-me de imediato com a ação. Nunca havia beijado antes e nem se quer havia presenciado um beijo ao vivo. Tudo o que eu sabia sobre beijos era o que via nos filmes.

Porém agora estávamos ali, Taehyung e eu em nosso primeiro beijo. Fechei meus olhos e então tentei fazer como nos filmes, coloquei meus braços em sua cintura e ele em meus ombros e então adentramos a língua nas bocas ao mesmo tempo, provocando em mim uma coisa estranha, uma coisa na qual eu nunca havia sentido antes.

Era bom, mas ao mesmo tempo era muito estranho. Era como nos filmes, mas ao mesmo tempo não. Éramos dois garotos, então deveria ser algo errado, não é? Mas eu não entendia por que havia achado tão bom.

— Por que fez isso? — perguntei arqueando uma das sobrancelhas.

— Por que correspondeu? — Taehyung rebateu.

— Porque eu gostei. — Disse de maneira simples.

— E eu beijei porque sabia que iria gostar.

 


Notas Finais


E aí, o que acharam? Digam aí nos comentários.
Não esqueçam de adicionar a fanfic aos favoritos e de me seguir para me ajudar e ficarem ligados sempre que sair algum conteúdo novo meu.

Beijinhos e até a próxima~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...