História Io ti aspettero - Capítulo 17


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Exibições 4
Palavras 3.567
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Romance e Novela
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Sexo
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas da Autora


Oi leitores lindos do meu <3 sinto dizer, mas a fanfic vai ficar um tempo sem atualizar porque vou fazer uma prova e tenho que estudar. Depois da prova eu volto a postar com tudo!!! Espero que gostem do capítulo e ele foi inspirado na música do Roxette "Listen to your heart". Bjos e até logo!!!

Capítulo 17 - Asculta Io Tuo Cuore


Pov Ártemis

 

Meu primeiro pensamento ao acordar foi “estou encrencada”, mas percebo que não fiz nada de errado e meu amigo precisava de mim e então eu vim até a casa dele sem pensar duas vezes e agora estou aqui no quarto de hóspedes dele vestida com a camisa dele. Uma batida na porta me acorda de meus pensamentos e Giane entra no quarto.

Ele não parece se importar como estou e me dá um bom dia animado, gosto de ver como ele parece animado, mas fico apreensiva por ele criar falsas esperanças, sei que Atena ainda o ama e também sei que ela gosta de Lúcio. Isso vai ser interessante, Giane senta ao meu lado e diz:

- E então bela adormecida, dormiu bem?

- Sim, muito bem! Peguei uma camisa tua pra dormir, desculpa?

- Não precisa se desculpar, tá tudo bem. Você vai falar com a Atena logo? Não temos muito tempo Art.

De uma coisa eu tinha certeza, eles precisavam conversar e logo! Eu gosto de Lúcio e o bem que ele fez a minha irmã, a paciência que ele está tendo para esperar por ela é admirável, mas eu sei que quem ela ama de verdade é o Giane e por isso vou ajudá-los.

Giane foi fazer o café para nós e eu aproveitei para ligar para Atena, que Deus me ajude nesse encontro:

- Bom dia sorella!

- Bom dia dona Art! Onde a senhorita dormiu?

- Uma colega da faculdade me ligou ontem à noite pedindo ajuda em um projeto e como acabou tarde eu dormi na casa dela, mas já estou indo pra casa.

- Sei. Você não está aprontando nada Art? Você está noiva do amor da sua vida não faça nenhuma besteira que vá se arrepender depois.

- Jamais Atena! Eu amo o Nazio e nunca faria nada para magoar ele. Vamos sair hoje? Quero comprar uns presentes para você levar para nossas primas no Brasil.

- Ah... Não queria sair hoje... Mas tudo bem, por você eu faço qualquer coisa.

- Certo, daqui a pouco estou em casa. Beijo.

- Beijo sorella.

A parte fácil já foi agora vem a mais difícil, convencer Atena a falar com Giane quando o ver, isso sim é que vai ser difícil. Arrumo-me e vou encontrar Giane na cozinha para tomarmos café, ele me pergunta ansioso:

- E então? Falou com ela?

- Sim, ela acha que vamos sair juntas. Onde você quer falar com ela?

- Pode ser no meu restaurante, você leva Atena até lá e deixa o resto comigo.

- Aí Dio... Como se fosse fácil enganar a minha irmã, mas o que eu não faço por vocês que eu amo tanto?

Depois do café fui correndo para casa e logo quando cheguei Nazio me liga com uma voz meio estranha:

- Buongiorno amore mio! Come stai?

- Buongiorno amore! Bem e tu?

- Preocupado contigo, ontem à noite te liguei várias vezes e seu celular estava desligado, liguei para sua casa e a Dite me falou que você ainda não tinha chegado e já passava das onze! Onde você estava amore?

Conseguia sentir o exaspero na voz de Inazzio e cada palavra era dita de forma abafada, eu conhecia muito bem esse tom na voz dele, era ciúme contido é só Deus sabe o quanto ele estava se controlando para não surtar. Respondi com a maior calma que existe em mim:

- Eu dormi na casa do Giane ontem.

Direta e verdadeira, ele que aguente seus ciúmes bobos.

- Você o que? Ártemis Antonella Merlinni Petrakis você está querendo me enlouquecer?

Eita! Quando ele diz meu nome assim já sei que ele está muito bravo comigo, tento me explicar melhor:

- Calma! Deixa eu explicar?

- Tô ouvindo.

- Ontem o Giane me mandou uma mensagem dizendo que precisava de uma amiga, de brigadeiro e uma boa conversa. Então eu fui até a casa dele, nós conversamos tanto que ficou tarde e eu não gosto de dirigir tão tarde pelas ruas de Roma, então Giane me pediu para dormir lá no quarto de hóspedes e eu aceitei porque não tem nada demais nisso.

- Claro que não! Normal demais...

- Senti a ironia daqui Inazzio Marchetti! Você conhece o seu amigo e outra ele AMA A ATENA! Quantas vezes eu tenho que repetir isso mesmo?

Ele ficou em silêncio e eu continuei:

- Ele descobriu as armações que fizeram pra ele e Atena e me pediu ajuda para resolver e eu vou fazer isso hoje. Satisfeito?

- Amore...

- Nada de amore nesse tom doce para mim Nazio, mais uma vez você tira conclusões precipitadas de mim e me julga sem saber. Até quando vai ser assim? Você precisa confiar em mim assim como eu confio em você.

- Amore mio... Scusa per favore?

- Tudo bem Nazio, depois nos falamos. Ciao.

Entrei em meu quarto tão irritada com Inazzio, como podia meu Deus caber tanto ciúme em uma só pessoa? Às vezes me pergunto se quando nos casarmos vai melhorar ou piorar. Ele é tão irracional por ter ciúmes do Giane, nem quando não estávamos juntos eu não quis nada com ele e não seria agora que eu teria.

Me arrumo o mais rápido que posso e Atena vem ao meu encontro para irmos dar “aquela” volta, ela está tão linda em seu jeans casual e uma camiseta fofa com estampa de gatinho. Ela me olha de um jeito que só ela consegue e está tentando ler a minha alma, sou uma péssima mentirosa e Atena sabe disso.

A loirinha me pergunta quando entramos no carro:

- Onde vamos?

- Ao shopping e depois almoçar no restaurante dos meninos. Afonso reservou a parte discreta para nós duas.

Ela hesitou um pouco sobre o lugar, mas depois disse:

- Tudo bem. Vamos chamar a Dite!

- Eu chamei, mas ela está ocupada no trabalho e não vai conseguir sair para almoçar.

- Ok. Quando os amores de vocês chegam?

- Semana que vem, eles estão curtindo a família. Nazio não quer desgrudar nenhum pouco da sobrinha, Nina e Matt que estão gostando porque conseguem mais tempo para namorar e Nazio e dona Elisa ficam babando com a Sofia.

Atena sorri e fica pensativa, de repente a lembrança do nascimento de Sofia vem à memória e foi um dia tão feliz para todos nós, ela nasceu em Messina como sua mãe e o tio. Fui para lá um dia antes e fiquei ao lado de Nina o tempo todo, Nazio estava no fim da turnê e não pode ir.

Quando Sofia nasceu em uma perfeita misturinha de Matt e Nina todos se apaixonaram por ela e as mesmas covinhas que Inazzio e Nina tinham ela também tem, foi amor a primeira vista. E quando Nina estava no quarto do hospital e Matt embalando a pequenina eles me convidaram para ser a madrinha junto com Inazzio.

Aceitei na hora chorando que nem uma boba! Vamos batizá-la assim que Nazio vier a Roma, na mesma igreja onde Matt e Naty foram batizados, não consigo deixar de sorrir e pensar que poderíamos ter outro bebê conosco e seria tão linda como a Sofia.

Atena vê minha mudança de humor e pergunta:

- O que foi? Por que esses olhinhos marejados?

Não tocamos nesse assunto com ela desde que revelou aos nossos pais o que aconteceu, todos choramos e ficamos tristes, mas Atena não, se mostrou forte e disse que sua bebê era uma anjinha agora no céu e todos entenderam. O que me surpreendeu foi que ela não nos contou a parte que a mãe do Giane fez com que ela terminasse com ele.

Minha sorella era boa demais para entregar qualquer um e ela preferiu manter em segredo todo esse tempo e eu ainda a culpei por tantas coisas, uma lágrima cai teimosa e eu enxugo rapidinho. Respondo com toda a minha habilidade de mentir:

- Estou com saudade do meu amore, só isso.

- Tudo bem.

Chegamos ao shopping e fomos às compras, Lúcio ligou umas três vezes e Atena já estava impaciente com ele, talvez ele estivesse sentindo que algo ia acontecer. Não me sinto bem com isso, mas Atena e Giane precisam se resolver e se acertar ou seguir em frente. Depois de algum tempo no shopping chegamos ao restaurante e Afonso sempre simpático nos recebeu.

 

POV Autora

 

Ártemis pediu a Afonso um bom vinho e massa para almoçar e de sobremesa bolo de chocolate, o pedido de sempre e ele se retirou, o gerente do restaurante só atendia os meninos, a família deles e as trigêmeas porque ele se afeiçoou a elas. Giane já estava no restaurante e mandou uma mensagem para Ártemis.

Ela muito esperta disse a Atena que iria ao banheiro e já voltaria, quando Art saiu deu de cara com Giane e ele disse:

- Será que ela vai querer me ouvir?

- Claro que vai Giane! Fica tranquilo e vai, vou estar logo aqui na entrada esperando. Boa sorte.

Eles se abraçaram, Giane respirou fundo e entrou. Quando Atena o viu ela entendeu tudo e ficou muito brava com a irmã, só que ela sabia que Art não faria isso se realmente não fosse importante. Giane entrou e fechou a porta devagar, depois chegou perto de Atena e a cumprimentou:

- Oi!

Giane não conseguia articular as palavras diante de sua amada, foi tanto tempo longe que a saudade transbordava em seus olhos e ele queria dizer tantas coisas, principalmente tocá-la, mas ele sabia que não podia. Por outro lado Atena tinha uma expressão séria e misteriosa, indecifrável e ele teve medo da rejeição mais uma vez.

- Oi Giane! Como você está?

Atena estava chocada com a aparência de seu ex-namorado, muito mais magro e pálido não era nem a sombra do que foi quando estavam juntos. Ele vestia um jeans e camisa pólo azul, sempre despojado e sexy, mesmo alguns quilos mais magro.

- Eu preciso te dizer uma coisa...

- Por favor, Giane! Nós já conversamos tudo o que tinha...

- Não! Nem tudo Atena, eu seu o que minha mãe fez e não foi nada bom... Você devia ter conversado comigo.

- Não sei do que você tá falando...

- Sabe sim, antes do casamento da Nina ela te procurou e mandou você me deixar e ir para a Inglaterra não foi? Eu já sei de tudo, não minta mais para mim.

- Você não tem o direito de me julgar ou me acusar! Sua mãe foi bem persuasiva e eu sabia o quanto você é ligado na família, não queria causar brigas entre vocês. Ela nunca me aceitaria! Eu fiz o que achei melhor para nós dois.

- E foi? O que resultou disso?

- Eu sei que não saiu como o planejado, mas agora você precisa seguir em frente, eu tenho o alguém e não quero magoar ele. Você também vai encontrar...

- Eu quero você! Só você Atena! Não vai haver outra mulher em minha vida, nunca mais.

Atena não sabia como reagir a isso, tinha guardado a sete chaves seus sentimentos por Giane. Porém, vê-lo ali tão perto, tão apaixonado era demais para seu coração. Suas defesas estavam caindo e ela sabia que sempre amaria aquele que foi seu primeiro amor, pensar que Lúcio estava em sua vida também é que tem sido tão paciente com seu medo de ir além só fazia com que a culpa fosse maior.

Mas não admitiria tão fácil que o queria, não era assim que as coisas funcionavam e ele precisava saber disso, no entanto, antes que ela dissesse qualquer coisa ele a surpreendeu mais uma vez:

- Briguei com minha mãe e saí de casa definitivamente, estou disposto a lutar por você e reconquistá-la Atena, eu sei que ainda me ama e sei que no fim vamos ficar juntos, porque estamos destinados a nos pertencer não importa o tempo e a distância eu sempre serei seu e você sempre será minha! Tente negar isso e eu desisto de tudo, apenas negue o que eu disse.

- Eu... Eu... Você não sabe o que eu passei...

- Viu? Você não nega, porque não consegue, porque me ama tanto quanto eu te amo.

Giane sentiu a respiração de Atena ficar descompassada e ela desviar o olhar, ele se aproximou ficando frente a frente com sua amada e a abraçou delicadamente como se seu mundo coubesse ali em seus braços e realmente cabia. Acariciou os cabelos que ele tanto amava nela e disse:

- Você tem o tempo que precisar, eu vou te esperar. Eu te esperei a minha vida toda, posso esperar mais um pouco. Eu te amo tanto Atena! Quando você se decidir me liga, eu vou esperar.

- Giane...

Ele beijou sua testa e saiu deixando apenas seu perfume na sala, alguns segundos depois Ártemis entrou e viu a irmã chocada e encarando o vazio, ela conhecia muito bem essa expressão, era de dúvida e ansiedade, Giane a deixou com o que pensar e ela odiava tomar decisões. Atena pensou em brigar com a irmã, mas precisava mais do que tudo dela.

- Eu preciso de um abraço agora.

- Todos os abraços do mundo pra você!

Ainda ficaram ali e almoçaram juntas em silêncio depois quando chegaram a casa Atena se trancou no quarto e não falou com ninguém até a noite, Afrodite que estranhou o comportamento da irmã foi até o quarto de Ártemis para conversar:

- Sorella o que aconteceu nessa saída sua com a Atena? Ela voltou estranha e está no quarto não sai mais e até com o Lúcio ela não falou.

- Senta aqui Dite que eu vou te contar tudo.

Ártemis contou tudo à irmã desde o motivo do término de Atena e Giane até o encontro no restaurante, Afrodite ficou chocada com tantas revelações e entendeu porque a irmã não quis falar com ninguém.

- Ela está pensando Art. Atena ainda ama o Giane com todas as forças dela, mas não quer magoar o Lúcio porque ele tem sido bom para ela.

- Eles não têm química e você sabe disso.

- Sei por isso ela demorou um tempão para aceitar namorar ele. Gostaria de poder ajudá-la nessa decisão...

- Mas não podemos, nosso raio de sol vai ter que escolher por si mesma e nós a apoiaremos em qualquer decisão.

- Sempre!

No outro dia após o café dona Giordana estava escolhendo o cardápio do almoço quando certa loira chegou perto a abraçando e sorrindo, ela conhecia aquele olhar tão bem, Atena precisava de conselho. Como ela ficou ali quietinha no abraço da mãe dona Giordana falou:

- Minha linda loirinha, o que se passa nessa cabecinha cheia de ideias maravilhosas?

- A senhora me conhece só de olhar não é mãe?

- Como não conheceria? Eu conheço você desde que era um bebezinho e você era a mais ousada das três. Foi a primeira a andar, a falar e, a saber, o que queria da vida.

- Eu sempre tive os pais mais maravilhosos do mundo para ajudar.

- E agora você precisa da minha ajuda também não é?

- Sim mamma.

Sentaram a mesa e Atena parecia triste e confusa, ela perguntou a mãe:

- Entre o amor verdadeiro e o carinho você escolheria qual?

- Você se refere ao Giane e ao Lúcio, certo?

Ela apenas concordou com a cabeça.

- O amor verdadeiro só acontece uma vez e é raro alguém encontrá-lo hoje em dia, carinho você sente pela família e amigos, você ama o Lúcio?

- Eu gosto dele, mas amar... Não.

- Querida, eu sei o que você passou por ter de deixar o Giane, mas eu sei também o quanto você o ama e ele não é indiferente. O olhar que vocês trocam me mostra o quanto vocês se amam. Perdoe a quem te magoou, seja grata por quem te ajudou, mas pense em você primeiro antes de qualquer decisão. O que te faz bem, o que te faz feliz, o que te causa paixão e te faz sentir viva é o que você deve ter na sua vida.

Atena contou a mãe tudo o que aconteceu e o motivo para deixar Giane e a mãe generosa como sempre não sentiu raiva da senhora Basili, entendeu e a perdoou. E agora tentava ajudar a filha a se encontrar, mas decidir era com ela e somente ela poderia escolher seu futuro.

- Falando é tão fácil mãe... Em meu coração eu já sei o que quero, mas minha razão fala outra coisa. Eu tô com medo de tomar uma decisão e magoar a pessoa errada.

- Amar é correr riscos e se aventurar. Mas você tem que se sentir feliz acima de tudo. Não pense tanto nos outros agora, pense em você e esse é o momento querida.

- Obrigada mãe. Por tudo, eu te amo.

- Eu também te amo meu amor e sempre você pode contar comigo.

Atena ainda pensava quando ligou para Lúcio e pediu para ele vir a sua casa, ele que já estava preocupado aceitou e em meia hora estava na casa de Atena. Lúcio encontrou a loira sentada no jardim encarando as orquídeas de dona Giordana, ele se aproximou devagar e seu coração dizia que algo não estava bem.

Foi tão difícil conquistar aquela moça triste e quieta que era Atena quando ele a encontrou, ele a amou no primeiro olhar, mas sempre soube que o amor dela pertencia a outro e mesmo assim quis tentar, quis fazer ela o amar. Estavam namorando e finalmente teriam um tempo a sós, ele estava enlouquecendo de desejo, no entanto ela sempre o afastava com um pedido doce de paciência e ele cedia.

Convencê-la a viajar foi mais difícil ainda e ele conseguiu, porém, com a chegada de Giane Basili em Roma ele sabia que poderia perdê-la, apesar de Atena ser sempre honesta e gostar da sua companhia Lúcio sabia que não havia amor da parte dela e já estava sofrendo por antecipação.

Lucio sabia de toda a história dela com o jovem cantor e do bebê que perdeu, Atena confiava tanto nele que só contou a ele que a culpa de seu sofrimento foi da mãe do Giane. Por isso ele tinha tanto medo de perdê-la, se Giane descobrisse isso certamente ele a procuraria e tudo se acertaria e talvez eles voltassem.

O doutor era maduro o suficiente para aceitar as escolhas de Atena, mas ele a amava tanto que chegava a doer, não queria perder sua amada e não desistiria fácil, se Giane a queria de volta teria que encará-lo e ele não facilitaria nada para o cantor.

Ele se aproximou devagar querendo prolongar o momento e ela lhe sorriu tão docemente que ele diria sim a tudo que ela pedisse, sentou-se ao lado dela e disse:

- Oi amor! Tá tudo bem? Você está tão pálida...

- Oi! Tá tudo bem sim, ontem eu tive um mal estar, mas já estou bem, não se preocupe.

Ficaram em silêncio e ele segurou a mão dela que estava tão fria, disse com o coração pesado:

- Você tem algo a me dizer amor?

Atena olhou bem fundo em seus olhos e suspirou, estava tirando forças de sua alma para dizer o que se passa em seu coração:

- Você sabe o quanto sou grata por ter você na minha vida? Por ter conhecido o homem maravilhoso que você é? Você sabe não é?

- Sei, também sou grato por ter você.

- Não vamos mais viajar juntos Lúcio.

Curta e fria. O coração do homem perdeu uma batida e ele sabia o que vinha mais a frente, soltou as mãos de Atena e encarou seus olhos azuis com um tom de dúvida e acusação.

- Por quê?

-Por que estou terminando com você Lúcio.

O mundo estava desabando e ele não queria ouvir mais nada, levantou e colocou as mãos na cabeça, de novo estava perdendo alguém que amava e isso lhe tirava o chão.

- Você falou com ele! Decidiu voltar pra ele não foi?

- Você está certo em uma coisa, sim, eu falei com Giane.

- Eu sabia! Você não pode fazer isso comigo! Eu te amo tanto Atena...

- Lúcio... Por favor... Eu estou tão confusa agora que não seria uma boa pessoa para você, me perdoa? Talvez possamos ser amigos...

Lúcio queria gritar com Atena e implorar por mais uma chance, mas tudo o que fez foi aceitar e tentar entender seus motivos. Ele sorriu triste e disse:

- Eu não vou dificultar para você, sei que não está sendo fácil lidar com tudo isso, mas não se preocupe comigo, eu vou viajar sozinho e quando eu voltar podemos conversar e tentar ser amigos se é o que você quer. Tudo o que eu quero é que você seja feliz e se o Giane te magoar eu juro que o quebro com minhas próprias mãos.

Atena sorriu compreensiva e o abraçou dizendo:

- Obrigada, por tudo. Você merece ser muito amado e feliz! Quando chegar me liga?

- Claro. Fica bem?

- Sim e você também.

Despediram-se no portão e Atena respirou fundo certa de que fez a escolha certa e tudo o que precisava agora era de tempo para se preparar para contar ao Giane o que aconteceu enquanto estavam separados.


Notas Finais


Aguardo comentários!!! E eu amo vcs leitores lindos que deixam comentários fofos nos incentivando a continuar, meu muito obrigada!!!
bjs


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...