História Irmão da minha namorada - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens Jimin, Jungkook, Personagens Originais, Suga, V
Tags Gêmeos Park, Jikook, Menção Taegi
Visualizações 270
Palavras 4.870
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


AI MEU DEUS DO CÉU, EU CONSEGUI POSTAR HOJE AMÉM!

1° Vocês viram que estamos de capa nova? QUE COISA MAIS LINDA?
E AINDA POR CIMA TEMOS BANNER! E, NÃO SATISFEITA, SÃO DOIS! Dêem uma olhada depois nos cap anteriores pra apreciar a beleza que estão esses banner's e a capa, céus, estou amando. <3
Tudo graças a LINDA e MARAVILHOSA da ~_bullshit senpai que eu amo demais! Obrigada de novo. <3

2° O QUE? 153? EU NÃO CONSIGO ACREDITAR!
Sério, a todos vocês que favoritam, que comentam e até aqueles que lêem escondidinhos de mim, eu quero agradecer muito vocês, de verdade. Vocês fazem meu dia feliz! s2
A aqueles que me seguem também, EU AMO VOCÊS, SÉRIO.

3° O cap, né! Eu estava ansiosa para postar esse cap e espero que gostem tanto quanto eu gosto, tá? Dêem muito amor a essa belezura. <3

PS: Desculpa pela nota inicial grande, mas se você leu tudo, comenta "bolinho" u_u
PSS: recomendo ler ao som de Bless Me - 6LACK.

Boa leitura bolinhos. <3

Capítulo 4 - Verdade ou desafio?


Fanfic / Fanfiction Irmão da minha namorada - Capítulo 4 - Verdade ou desafio?

Cerca de um mês havia se passado desde que Jimin e eu saímos aquele domingo. Desde então, nossa relação realmente seguiu em frente; nos falávamos todos os dias e sempre que dava nos encontrávamos para tomar ao menos um café.

Estranhamente, também nesse um mês, Minji e eu havíamos nos afastado um pouco. Claro, ainda conversávamos e saíamos quando dava, mas a relação parecia mais distante. Ela dizia que estava atolada com trabalhos e o estágio, e, claro, eu a entendia perfeitamente.

Eu me encontrava em minha cama ainda, a preguiça me dominava. Não havia ido a aula hoje por pura falta de vontade mesmo. A semana de provas havia acabado de passar, eu precisava de um descanso, por isso aproveitei para tirar o dia e ficar apenas na cama, ignorando o fato de que no dia seguinte era feriado e não teria aula de qualquer jeito.

Me espreguicei na cama, totalmente entregue à preguiça, até que ouvi meu celular apitar em algum lugar entre as cobertas. Tateei a cama até achá-lo, vendo uma nova mensagem brilhar na tela.

Park Jiminnie
Você vai hoje comigo, certo? 

Jeon Jeongguk
É claro, eu disse que iria. ;)

Park Jiminnie
Ótimo, passo aí mais tarde.

Hoje era aniversário de um amigo de Jimin e ele havia me pedido para ir com ele, afinal, no outro dia era feriado então não teria problema em beber um pouco. Como Minji havia dito que ficaria colocando seus trabalhos e tarefas da faculdade em dia, decidi que acompanharia o mais velho.

Pelo que ele havia explicado, não seria nada grande ou demais, apenas os amigos mais chegados na casa do aniversariante, algumas cervejas e conversa fiada. Eu conhecia Yoongi já, tinha o visto umas duas vezes acompanhado do Park, por isso não teve problemas em eu ir junto. Eu havia chamado Taehyung para ir também, mas ele disse que tinha um compromisso, algo relacionado a “ir na casa do carinha que ele está pegando”. Não prestei muito atenção no que ele havia dito depois disso, apenas dei de ombros.

Com o celular ainda em mãos, vi que o horário marcava quase 11h da manhã, não faltaria muito para o almoço de Minji. Pensei por um momento, me levantando e decidindo que faria uma surpresa a mais velha, apareceria para almoçar com ela.

Tomei uma ducha rápida, vesti uma calça jeans, camisa e tênis e saí do apartamento, seguindo em meu carro até a universidade em que Minji estudava e fiquei esperando-a na saída do bloco em que ela cursava.

Não demorou muito para que eu a achasse entre os alunos que saíam para o almoço, ela conversava com um garoto animadamente. No momento em que seu olhar se prendeu em mim, dei um sorriso e ela estancou no lugar, surpresa. Disse algo para o garoto ao lado que assentiu e começou a caminhar em minha direção, o semblante ainda confuso.

— Oi amor, o que está fazendo aqui? – ela perguntou assim que estava perto o suficiente. Antes de responder qualquer coisa, me aproximei da mesma, selando seus lábios carinhosamente, mas estranhando sua face ainda séria.

— Ahn, surpresa? – digo um tanto confuso — Não fui para a aula hoje, decidi fazer uma surpresa, ia te levar para almoçar, já que não vamos nos ver amanhã… – disse, minha animação sumindo ao constatar que nenhum sorriso se abriu no rosto da mais velha — Eu deveria ter avisado? Desculpe, amor… – digo em um muxoxo, o olhar cabisbaixo.

— Aish. – ela suspira — Não é isso, bebê. – ela passa a mão por meu rosto — Mas eu já estava seguindo para a biblioteca, tenho tanto trabalho pra fazer. – se explica, um tom de voz cansado, o olhar em mim.

— Tudo bem. – respondo baixo — Mas quem é aquele com você? – faço uma careta, meu olhar seguindo ao garoto que ainda se encontrava parado esperando por Minji. A garota olha na mesma direção, voltando o olhar para o meu em seguida, parecendo um tanto nervosa.

— Ahh! É o Baekhyun, amor, meu colega em um dos trabalhos. – deu um pequeno sorriso não muito convincente. — Não se preocupe, sim? Eu te ligo mais tarde. Desculpe pelo almoço. – ela se aproxima, me dando um beijo rápido, finalizando com alguns selinhos antes de se afastar de vez. — Divirta-se hoje com Jimin, sim? Me conte depois. – ela então dá um daqueles sorrisos  que eu tanto gostava, se afastando de mim e acenando.

— Tchau… – respondo em um tom baixo assim que a mais velha se afastava, observando seu corpo seguindo até o garoto e ambos começarem a andar novamente, perdendo-se entre a multidão.

 

Fico parado por mais alguns minutos, uma careta confusa ainda presente em meu rosto. “O que raios acabou de acontecer?” eu me perguntava enquanto seguia até onde havia estacionado meu carro. Assim que adentrei o veículo, saquei meu celular do bolso e disquei para Tae.

— Tae?

— Oi Jeon, porque não foi na aula? – eu podia sentir seu tom repreendedor.

— Ah, estava com preguiça. O que está fazendo?

— Cheguei em casa agora. Por quê?

— Bora sair pra almoçar. Me encontra no shopping daqui 10mn. – e eu desliguei a ligação sem esperar uma resposta, sabia que ele iria, no final das contas.

·

×

.

— Muito bem, você já pode começar a falar. – meu amigo, que estava sentado em minha frente pegando sua colherzinha de plástico para, em seguida, começar a comer sua batata recheada, disse.

— Hm? Do que você está falando? – questiono, a boca cheia de hambúrguer.

— Qual é, Jeon, eu conheço você há séculos, sei que você não me ligou chamando para um almoço apenas por estar com saudade de meu rostinho bonito. – Tae debochou, me olhando com sua sobrancelha direita arqueada, enchendo a boca de frango e catupiry logo em seguida.

— Aish. – dou um suspiro, deixando meu lanche de lado momentaneamente. — Eu não sei, sinceramente. Nesse último mês eu e Minji meio que nos afastamos, sabe?

— Uhum.  – o mais velho respondeu enquanto mastigava, a cabeça acenando positivamente.

— Eu apareci na faculdade dela hoje, ia leva-la para almoçar e ela simplesmente me dispensou para fazer trabalho! – digo exasperado — E, ainda por cima, acompanhado de um garoto. – uma pequena careta se forma em meu semblante. — Acha que ela me trairia assim, na cara dura? – meu olhar se torna levemente desesperado.

— Que? Não, claro que não, desencana, mano. – respondeu após terminar de engolir a comida, voltando a falar antes de comer mais um pouco — Mas, me diga você, seria capaz de trair ela com seu cunhadinho? – repentinamente seu olhar se tornou malicioso, um pequeno sorriso aberto em minha direção, me fazendo olhá-lo descrente.

— Mas que merda você está falando, hyung?! É claro que não! – eu estava me sentindo ofendido.

— Ah, qual é! Você mesmo me contou que vocês andam mais próximos ultimamente, vivem saindo juntos. E, qual é, ele é gostoso pra caralho, admita. – mais uma colherada que o mais velho levou até a boca, esperando por minha resposta.

Engulo em seco, nervoso. Sim, eu sabia o quão gostoso o Park era e isso me atormentava sempre, a lembrança de vê-lo apenas de toalha voltando a minha mente na hora, me fazendo ficar desconcertado por alguns segundos, até que escuto a risada do Kim Idiota Taehyung, me fazendo voltar a mim.

— Viu só? Aposto que estava imaginando em como aquela barriguinha deve ser ótima para deixar umas boas marcas. – o tom malicioso jamais fugindo de suas palavras.

— Você não sabe o quanto... – acabo dizendo baixo, sem perceber, a lembrança ainda fresca em minha mente. Taehyung me olhou na hora, as sobrancelhas arqueadas, seu semblante interessado, o olhar que me questionava mudamente “O que você acabou de dizer?” — Hã? Que? Nada, nada. Eu não disse nada. – suspirei, passando as mãos pelos cabelos em puro nervosismo. — Sim, ele é gato pra caralho, sim ele é gostoso, sim, eu sei disso, ok? Vamos só mudar de assunto. Me fale sobre o carinha que você está pegando aí. – desconversei do assunto, voltando a comer meu sanduíche, tentando demonstrar que aqueles fatos não me abalavam em nada.

— Ah! Sim. – meu amigo sorriu, largando a colher de plástico para dar total atenção aquele assunto — Então, o aniversário dele é hoje. Vamos comemorar na casa dele, alguns poucos amigos e bebida, nada de mais. – Tae tinha um sorriso estampado nos lábios, porém suas palavras me arrancaram uma careta; aquilo me parecia familiar de mais.

— Qual o nome dele? – perguntei, pegando meu refrigerante em seguida, dando um gole no mesmo.

— Min Yoongi. – respondeu animado enquanto eu engasguei na mesma hora com o líquido, o olhando com as orbes arregaladas — O que?

— Min Yoongi é o amigo do Jimin! Que vou na festa hoje!

— Porra, sério? – perguntou igualmente surpreso — Que coincidência do caralho. Que bom, vai poder me dar carona assim. – e então ele se encostou na cadeira, relaxado, terminando de comer sua batata recheada com um pequeno sorriso nos lábios.

— Onde vocês se conheceram? – pergunto após me recuperar, voltando a comer meu lanche normalmente, estava quase no fim.

— Ah, sabe como é, em uma balada por aí. Ambos estávamos desacompanhados, muito álcool no sangue, um xavecando o outro até estarmos fodendo deliciosamente no carro dele.  – respondeu de forma casual.

— Ok, ok. – dei uma risada, limpando minha boca em um guardanapo — Muitos detalhes.

Após isso, apenas terminamos de comer nosso suposto almoço e dei uma carona ao mais velho até a casa dele, alegando que o buscaria às 20h. Assim que cheguei em casa, apenas me joguei em meu sofá e liguei a tevê em algum canal qualquer, decidido a ficar ali até a hora da festa. Não tinha o que fazer, no final das contas.

Acabei por pegar no sono, acordando apenas com meu celular tocando e vibrando loucamente em meu bolso, me fazendo sentar no sofá assustado. A casa inteiramente escura, demonstrando que já havia anoitecido. Meu celular volta a tocar, me chamando atenção e fazendo buscá-lo afoito no bolso, atendendo rapidamente.

— Até que enfim, meu deus! – escutei a voz levemente irritada de Jimin soar do outro lado da linha. Você estava dormindo, não estava? – perguntou, dando um suspiro em seguida. Era incrível como em tão pouco tempo ele já parecia me conhecer perfeitamente bem.

— Sim, eu dormi, desculpe. Estamos atrasados? – respondi em um tom baixo, um tanto sonolento, enquanto levantava cambaleante e seguia até a parede, tateando a mesma atrás do interruptor e ligando a luz, fechando os olhos instantaneamente enquanto praguejava baixinho.

— Bem, eu já estou arrumado, bonito e cheiroso, e você? – perguntou em deboche, eu sabia que ele estava revirando os olhos nesse momento.

— Bem, ainda não... – respondi enquanto seguia para meu quarto, ligando a luz de cada cômodo pelo qual eu passava.

— Então estamos atrasados.  – suspirou — Eu estou indo aí e, quando chegar, quero ouvir o barulho do seu chuveiro ligado, está me entendendo? – perguntou e eu respondi um “sim” baixo, a ligação se encerrando em seguida.

Cheguei em meu quarto já tirando a camisa e jogando de qualquer jeito pelo chão, fazendo o mesmo com a calça, seguindo apenas de cueca até o banheiro, fechando a porta do cômodo e terminando de me despir, caminhando até o chuveiro e ligando o mesmo na água fria a fim de despertar melhor. Havia dormido a tarde toda.

Depois de estar devidamente limpo e cheiroso, desligo o chuveiro e me enrolo na toalha, secando-me e seguindo para meu quarto, levando um pequeno – grande – susto ao ver Jimin no cômodo, separando algumas roupas e deixando em cima de minha cama.

— Ah, que bom, já saiu do banho. – ele se virou pra mim, sorrindo e logo mordendo o lábio inferior ao mirar minha imagem semi nua. — Vou esperar na sala enquanto você se veste... – sua voz saiu em um tom mais baixo, quase sensual, que me fez estremecer por inteiro, Jimin passou os olhos por meu corpo uma última vez antes de sair do quarto definitivamente.

O mais velho estava extremamente bonito, usava uma calça de couro extremamente colada, delineando muito bem suas coxas torneadas e a bunda redondinha e perfeitamente empinada; a camisa preta levemente maior que o recomendado que ele usava parecia feita perfeitamente para si, deixando-o com um ar extremamente sexy e, como se para finalizar tudo com chave de ouro, usava alguns anéis, uma corrente de prata e algumas pulseiras, o deixando o próprio pecado.

Arfei assim que o mesmo fechou a porta do quarto, respirando fundo, sentindo o rastro de sua colônia pelo cômodo, fechando os olhos enquanto passava as mãos pelos cabelos; deus, eu iria surtar assim. Eu tinha certeza que ele fazia por pura provocação, não é possível.

Segui então até minha cama, vestindo uma cueca antes de colocar a calça preta que o mais velho havia separado, juntamente com uma camisa de botões na cor branca, na qual deixei com três primeiros botões abertos. Arrumei meu cabelo de forma despojada, deixando o mesmo caindo um pouco sobre meus olhos, coloquei um tênis preto, passei perfume e peguei meu celular, saindo do quarto em seguida.

Assim que cheguei na sala, avistei Jimin que estava encostado na parte de trás do sofá enquanto digitava no celular. Assim que sentiu minha presença, seu olhar se focou em mim, um sorriso maroto abrindo em seus lábios enquanto me analisava dos pés a cabeça.

— Eu sabia que você ia ficar, huh, lindo com essa roupa. – ele voltou o olhar para meu rosto, o sorriso ainda presente em sua face enquanto ele se afastava do sofá e seguia até a porta. — Vamos? Taehyung mandou uma mensagem dizendo que não precisa mais buscar ele. – explicou enquanto seguíamos para fora do apartamento, indo até o elevador.

— Você tem o número do Tae? – pergunto, uma careta se formando.

— É claro. – deu uma risadinha.

— E você sabia que ele estava ficando com Yoongi? – o olhei acusador, o cenho franzido.

— E você não?  – perguntou com um ar debochado, a sobrancelha direita arqueada. Neguei com a cabeça, um pouco envergonhado enquanto escutava sua risada melodiosa ecoar pelo ambiente metálico do elevador.

Seguimos conversando sobre o dia do mais velho durante o caminho. A casa de Min era apenas à algumas quadras, e como iríamos beber, preferimos não ir de carro – este que eu usaria apenas se fosse buscar o Kim. Assim que chegamos em frente a sua casa, Jimin deu duas batidas na porta, abrindo a mesma em seguida e entrando no cômodo, comigo em seu encalço.

Já havia alguns amigos de Yoongi por lá, Taehyung inclusive, este que veio falar comigo prontamente.

— Até que enfim! Achei que tinham arrumado coisa melhor pra fazer já... – disse, eu pude sentir a malícia em suas palavras, revirando os olhos com isso.

— Não, Tae, que isso. –  Jimin riu da suposta brincadeira — Seu amigo aqui que é um preguiçoso mesmo.

— Ah, mas isso vai mudar é já. – e então o moreno me puxou para a cozinha, abrindo uma cerveja e entregando em minhas mãos, pegando uma para si em seguida.

Voltamos para a sala e começamos a conversar com todos ali, parabenizei Yoongi e logo me juntei a conversa, tinha cerca de 20 pessoas ali – apenas os mais próximos, huh?

Tae passou a maior parte do tempo colado em Yoongi, rindo e conversando. Acabei por conhecer alguns de seus amigos, conseguindo me achar facilmente entre seus assuntos, sempre com uma bebida em mãos.

Cerca de algumas horas depois, éramos apenas 7 que sobraram na casa do platinado; ele mesmo, Taehyung, Jimin, Hoseok, Jin, Namjoon – amigos do mais velho – e eu, obviamente. Todos estávamos, no mínimo, alterados; uns piores do que os outros – lê-se Taehyung e Hoseok.

— Ei, que tal brincarmos de verdade ou desafio?  – Tae clamou, animado, dando um último gole na garrafa de cerveja e a erguendo.

— Acho uma ótima ideia. – respondeu Hoseok, entrando na onda de Tae, já sentando-se no chão. — Vem gente, vamos.

Como nenhum de nós ali estava sóbrio o suficiente para pensar nas consequências que aquilo poderia causar, não demorou mais de dois minutos para estarmos os sete sentados em roda com a garrafa no meio.

— Ok, cada um tem direito a apenas duas verdades, entendido? – Jin, o mais velho de todos ali, disse e logo assentimos. — Muito bem, vou começar. – e então ele se esticou um pouco, girando a garrafa. Todos ficamos em silêncio enquanto o objeto girava, girava e girava, até parar em Hoseok e Yoongi.

— Verdade ou desafio? – Hobi perguntou, claramente animado.

— Verdade. – o platinado respondeu, um sorriso se abrindo em seus lábios após ver o bico se formar em Hoseok, arrancando uma risada de todas.

— É verdade que você tentou dar a bunda uma vez mas o cara era tão ruim que não conseguiu nem enfiar o pau em você? – todos olhamos para Hoseok surpresos com a pergunta totalmente sem vergonha do outro, demonstrando o quão não estávamos sóbrios.

— Claro que não, de onde tirou isso? – Min fez uma careta desgostosa, arrancando uma risada escandalosa do outro enquanto se esticava para poder girar a garrafa.

O jogo seguiu assim por um tempo, as perguntas e desafios indo desse nível para pior, mas ninguém de fato ligando por estarmos todos bêbados. Jin estava sem camisa, Tae havia sido desafiado a tirar a cueca e ficar com ela na cabeça até o fim do jogo – realmente hilário se tirasse o fato da cueca dele ser, por incrível que pareça, rendada. Aparentemente, ele tinha uma bela surpresa para o aniversariante assim que estivessem a sós.

Jimin fora desafiado a dançar Bless me de 6LACK e, eu tenho que admitir que foi extremamente difícil não olhar ele e desejar aquele homen... Eu tinha certeza que, enquanto o mesmo movimentava seu corpo sensualmente no ritmo da música, aquele pensamento  percorreu por todos no cômodo; até mesmo Taehyung o olhava com certo desejo a cada rebolada que o mais velho dava, realmente de tirar o fôlego. É claro que eu estava usando esses pensamentos como desculpas para aceitar que eu não era o único que não conseguia desviar o olhar do loiro ali. Respirei fundo, tentando me acalmar assim que a música acabou; o jogo estava sendo tranquilo até o momento, eu não havia tido nenhum desafio ainda e nada do tipo, estava tudo bem, os cosmos estavam ao meu favor.

Bem, era isso que eu pensava, até Jimin ser desafiado novamente.

— Jimin, Jimin…  – Yoongi olhava de forma maquiavélica para o amigo, que mantinha um sorriso e postura relaxados. — Eu te desafio a dar um selinho na pessoa que mais te atrai aqui na roda, a pessoa que você mais quer beijar. – o olhar do Min era sádico, como se estivesse esperando para fazer esse desafio ao amigo a algum tempo.

— Muito bem, todos vocês fechem os olhos. – Jimin respondeu enquanto se levantava, esperando que fizéssemos o que disse. Antes de fechar os olhos, as orbes escuras do aniversariante caíram sobre mim, o sorriso ainda presente em seus lábios. O retribuo um tanto confuso, mas sem poder questionar, pois logo o mesmo fechara os olhos para o amigo cumprir o desafio, acabei por fazer o mesmo.

A sala então caiu em silêncio, apenas nossa respirações eram ouvidas. Eu permanecia calado, tentando ouvir os passos de Park para saber quem ele iria beijar. O que eu não esperava, é claro, era sentir um peso a mais sobre minhas pernas, mãos apoiarem em meus ombros e, então, o perfume inebriante de Park invadir minhas narinas.

Meu corpo tencionou no mesmo instante, não era o que eu estava pensando, era? Ele não iria me beijar… Iria?

Minhas perguntas foram sanadas após sentir a respiração quente de Jimin bater contra minha boca, me fazendo prender a minha própria, sentindo os lábios carnudos e macios encostarem nos meus em seguida. Deus! O que estava acontecendo? Ele não poderia estar fazendo isso, simplesmente não podia. Eu era a pessoa que mais o atraía dali? Caralho! Eu era namorado da irmã dele!

Mas por que isso não me fazia ter coragem e força o suficiente para o afastá-lo? Porque eu simplesmente não conseguia quebrar o contato com os lábios do mais velho? Soube que aquele selinho durou mais do que o necessário quando escutei as exclamações surpresas dos outros presentes ali na sala e logo em seguida o contato foi quebrado.

Quando abri meus olhos, encarei o rosto de Park tão próximo ao meu, me fazendo ofegar e direcionar meu olhar até sua boca, levando inconscientemente as mãos até sua cintura, desejando internamente poder beijá-lo de verdade. O mais velho abriu um sorriso sapeca diante das exclamações que ainda rolavam pela sala – principalmente por parte de Taehyung e Hoseok.

— Relaxa, Jeonggukie, é apenas um jogo. Eu não conto para Minji se você não contar. – ele sussurrou para mim diante do meu semblante assustado, se afastando em seguida e voltando a sentar-se em seu lugar. Por algum motivo, direcionei meu olhar até Yoongi, que retribuía o contato com um sorriso presunçoso em seus lábios finos. — Então, vamos continuar o jogo? – Park perguntou normalmente, fazendo todos dali saírem de seu estado de choque, voltando a animação de antes.

Acabei mal prestando atenção nas próximas rodadas, atônito demais com a sensação ainda presente dos lábios do mais velho em contato com os meus. “Por que ele mexe tanto comigo assim?” era o que passava por minha cabeça, além de uma vontade imensa de poder beijar aquela boca novamente, beijar de verdade. Mas, quando esse tipo de pensamento rondava por minha cabeça, minha parte lógica insistia em me trazer a realidade, me fazendo lembrar de Minji e tentando culpar essa confusão de sentimento por conta do álcool em excesso no meu organismo.

Eu estava prestes a entrar em um colapso interno, até que escuto meu nome ser chamado algumas vezes.

— Jeon? Jeon! Alô, estamos falando contigo. – vejo algumas mãos serem balançadas em minha frente, me fazendo voltar a realidade e encarar a pessoa que me chamava, era Jin. — Estava no mundo da lua, é? É a sua vez.

— Minha vez do que?  – pergunto confuso.

— Do jogo? Dã! Acorda pra vida, foi apenas um beijo, supera! – Taehyung disse, me fazendo arregalar os olhos um pouco, o olhando incrédulo. Eu teria dito alguma coisa se não reconhecesse o estado de embriaguez do meu amigo, meu olhar logo correndo até Jimin, que me fitava em silêncio, um pequeno sorriso se abriu assim que nosso olhar se conectou.

— Qual meu desafio?  – pergunto desviando o olhar, levemente desconfortável com as orbes castanhas me fitando tão intensamente, voltando a fitar Taehyung.

— Vai ter que fazer body shot em um de nós aqui. – meu amigo respondeu sapeca.

— Hum, tudo bem. – digo, arrumando minha postura. — Em quem? – ah, a inocência. Eu era tão inocente.

Cinco dos ali presente se entreolharam, logo dizendo em uníssono:

— Jimin! – e então, meu corpo gelou, meu olhar percorreu até o loiro mais uma vez, este que já se levantava e tirava a camisa.

Ele seguiu até a cozinha com Hobi e Tae e alguns minutos depois voltou, deitando-se no sofá, um pedaço de limão preso em sua boca. Tae fez uma linha – nada reta ou precisa, diga-se de passagem – pelo peitoral do mais velho, e, pra finalizar, colocou um pouco de vodka em seu umbigo.

Respirei fundo, me ajoelhando ao lado do sofá onde o mais velho se encontrava, engolindo em seco e respirando fundo enquanto analisava cada parte de seu tronco desnudo, totalmente imaculado e levemente definido. Deus, eles estavam fazendo isso de propósito, só podia ser. Que atrocidade eu havia cometido na vida passada para merecer amigos desse jeito?

Toda a sala permanecia em silêncio, os garotos ansiosos para que eu começasse logo; podia sentir o olhar de Jimin queimando em minha face. Respirei fundo, tomando a coragem necessária e, lentamente, aproximei minha boca de seu umbigo, onde algumas gotas do líquido alcoólico escorriam pela lateral de seu corpo. Antes de, de fato, encostar minha boca no corpo do mais velho, direcionei meu olhar para seu rosto, que seguia a fio cada movimento meu, mínimo que fosse.

Para acabar de vez com toda aquela tensão, encostei minha boca em sua pele, sugando todo o líquido alcoólico ali presente, subindo rapidamente por onde o sal se encontrava, passando minha língua por toda a extensão, sem deixar um grão sequer, sentindo seus poucos pelos arrepiando-se para então, finalmente, aproximar meu rosto do seu, pegando o limão de seus lábios de forma lenta, sentindo nossas bocas roçarem superficialmente.

Assim que a fruta cítrica encontrava-se em meus lábios, permaneci próximo o suficiente do mesmo, não conseguindo quebrar aquele contato visual intenso. Escuto-o arfar, tão baixo que se eu não tivesse quase pra beijá-lo, não teria ouvido, meu corpo se arrepiando com isso,  a sala parecendo momentaneamente mais quente que o normal.

Antes que eu fizesse a loucura de beijá-lo da forma que estava desejando, me afasto bruscamente, levantando do chão e tirando o limão da minha boca, vendo todos os cinco ali de olhos arregalados e, até mesmo um tanto corados.

— Caramba. Isso foi… Intenso. – Hoseok deixa escapar, o olhar ainda paralisado onde Jimin estava.

— Acho que já está na hora de irmos embora. Jimin, vista sua camisa e vamos. – digo sem sequer direcionar meu olhar ao citado, seguindo para a cozinha intencionado a jogar o limão fora.

Assim que eu volto para a sala, Park já se encontrava devidamente vestido e o clima era um tanto constrangedor. Me despeço de todos ali presente, logo seguindo para fora com o mais velho me seguindo em silêncio.

O caminho inteiro aconteceu assim, o mais pleno silêncio; apenas o som de nossos passos ecoando na calçada vazia da rua escura. Quando chegamos no prédio, segui com Jimin até seu andar, saindo do elevador e o acompanhando até a porta do apartamento que o mesmo dividia com Minji. Respirei fundo, extremamente nervoso, não sabendo o que deveria dizer exatamente.

— Olha, Jimin, eu não quero que as coisas fiquem estranhas entre nós… Eu sou o namorado da sua irmã, você não pode confundir as cois–

Sou interrompido pelo mais velho que, para meu maior espanto – e bel prazer –, me puxa pela nunca e cola nossos lábios mais uma vez naquela noite, nada mais do que um selo demorado e tão delicioso quanto o primeiro.

— Eu sei exatamente o que sinto por você, Jeon, e posso afirmar que não é nada fraternal ou de “cunhado para cunhado”.  – ele falou sério, me olhando nos olhos, me deixando tonto com tamanha intensidade.  — O único que não pode mais confundir as coisas aqui é você. – ele levou a mão até o bolso da calça, tirando de lá a chave da porta e abrindo a mesma — Boa noite. – sussurrou antes de adentrar o apartamento e me deixar estatelado naquele corredor pouco iluminado.

O que estava acontecendo comigo? Eu sabia que não amava Minji, mas o que raios está acontecendo comigo? Por que meu cunhado me faz sentir de formas que minha própria namorada não faz? Eu era, definitivamente, a pior pessoa do mundo.

Eu estava completamente seduzido, perdido e necessitado por Park Jimin, o meu cunhado.

·

×

.

 Flashback on.

— O que raios você está dizendo, Minji?! – Jimin exclamou, totalmente chocado.

 — Preciso que faça ele se apaixonar por você, Chim… Por favor. – o tom da garota era extremamente desesperado, o que assustava o irmão do outro lado da linha.

 — O que aconteceu, Minmin? – Park perguntou, tentando entender de onde aquela ideia maluca havia saído.

 — Eu… Estou apaixonada por outra pessoa, Jimin. Mas não posso simplesmente deixá-lo assim! – ela exclamou, exasperada.

 — Como não?  – bradou Jimin.

 — É complicado… Nós temos uma promessa, não posso fazer isso com ele. Não posso conviver com a ideia de ele ficar sozinho. – ela dizia em um tom choroso.

 — O que te faz pensar que esse plano sem total cabimento pode funcionar? Eu sou seu irmão! – Jimin ainda tentava convencer a irmã que aquilo era a maior loucura.

 — Ele não me ama, ok? Eu sei disso e ele também sabe. – suspirou — Mas não significa que não gosto ou me preocupo com ele…. Eu sei que você vai chamar a atenção dele, Jimi, sei disso. Você é lindo e sei que meu namorado tem uma inclinação para gostar de garotos, ele só não achou a pessoa certa…. – Minji roía as unhas, extremamente nervosa. Precisava convencer o irmão de alguma forma.

 — E o que te faz pensar que eu sou essa pessoa, em? – Jimin perguntou em um tom cansado, ainda não acreditando no que lhe era pedido.

 — Algo me diz que você também vai se interessar por ele, Jimi… Por favor… – a garota pediu mais uma vez, em um sussurro, a voz suplicante — Faça isso por mim.

 Um suspiro derrotado pode ser ouvido através da linha telefônica e, mais uma vez aquela noite, a ligação ficou em pleno silêncio.

 Flashback off.


Notas Finais


ENTÃAAAAO, foi isso <3

O que acharam? É um cap importante, eu acho. Eu gosto dele.
Comente o que acharam, me digam o que estão achando por favorzinho, eu amo os comentários de vocês.

Bem, por hoje foi isso. Tchau bolinhos (sim, aderi u-u) e até semana que vem com outro cap.
Beijinhos. :3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...