História Irmãos pelo Sangue - Capítulo 15


Escrita por: ~

Postado
Categorias Originais
Tags Alice, Kyle, Psicopatia, Revelaçoes, Romance, Sociopatia
Visualizações 4
Palavras 1.750
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Famí­lia, Ficção, Hentai, Lemon, Luta, Mistério, Orange, Poesias, Policial, Romance e Novela, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Violência, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Canibalismo, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Necrofilia, Nudez, Pansexualidade, Sadomasoquismo, Sexo, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Todos os personagens desta história são de minha propriedade intelectual.

Notas do Autor


Nada a declarar. Até lá embaixo!

Capítulo 15 - Adeus


Fanfic / Fanfiction Irmãos pelo Sangue - Capítulo 15 - Adeus

Alice estava observando o carro atentamente, quando de repente ela sente um empurrão e cai bem em cima do para-brisa do mesmo. Fazendo-a cair no chão em seguida. O motorista perde o controle batendo no meio da cerca, deixando o carro quase caindo do precipício.

 

Alice estava se contorcendo de dor no chão, ela gritava, mas por alguma estranha razão. Ela não estava chorando.

 

- V-v-você! – Dizia Alice com um ódio aparente.

 

Kyle apenas a ignorou e seguiu para onde o carro estava.

 

- Tsh, q-que m-merda foi essa? – Dizia um dos peritos.

 

- A-Atropelamos algo.

 

- Hey, moto- O perito foi interrompido quando percebe o Motorista morto.

 

- Merda, cara, que merda! Isso não era para acontecer! Esses carros não tem um sistema que protege os passageiros no embalo?

 

- N-Não importa, cara. Temos que sair daqui e procurar ajud-

 

Antes dos Peritos terminarem a frase, uma batida no vidro faz com que o mesmo quebre. Assustando os dois.

 

- Ahhhhh!!!!

 

Antes que os dois pudessem se recuperar do choque, Kyle abre a porta do carro. Os surpreendendo.

 

- Uma CRIANÇA? Como isso é possível....

 

Kyle apenas os olhou com seus olhos azuis que mais pareciam negros naquele momento. Um olhar vazio e perturbador.

 

- Garoto, você pode nos aju-

 

Antes do mesmo terminar sua frase, Kyle mete o martelo em seu crânio com toda sua força, fazendo-o cair para trás e sangrar muito.

 

O outro permaneceu em choque, ele estava tão horrorizado. Não mais pela própria cena do crime, mas por um ser com aparência de criança ter feito tal atrocidade.

 

Antes que Kyle pudesse o acertar, o Perito se protegeu com o corpo do outro, fazendo uma parede humana.

 

- Tsh, que irritante. – Dizia Kyle tentando adentrar para atacar.

 

- Sai daqui seu pirralho!

 

- Eu não morrerei!!!! - O Especialista rapidamente chuta tanto o corpo do outro, como acaba derrubando Kyle também.

 

Antes que Kyle pudesse se levantar, o Perito tira uma arma de sua bolsa.

 

- Seu fosse você, eu desistiria agora. Seu pequeno psicopata.

 

....

 

Kyle não dizia nada. Apenas olhava vagamente para o Perito apontando seu martelo.

 

- LEVANTA AS MÃOS! AGORA! EU TENHO TOTAL PERMISSÃO PARA ME PROTEGER, AUTODEFESA! – Dizia o Perito.

 

- Haha. Você realmente acha que vai funcionar? Eu sou uma criança. Todos que me conhecem estarão ao meu lado. Entretanto, ninguém testemunhará ao seu favor. Eu poderei até ser diagnosticado como doente mental e escapar da cadeira elétrica. Então melhor desistir desse seu planinho. – Dizia Kyle enquanto ria e sorria sarcasticamente.

 

- Seu pequeno monstro!

 

- E então, o que vai fazer? Vamos, sabemos quem está no controle aqui.

 

- Hahaha, o que eu tenho a perder. – Disse O Perito.

 

- VAMOS! ATIRE SEU PEDAÇO DE MERDA! – Dizia Kyle.

 

- EU, estou no controle.

 

- Realmente está? Eu posso ver pelos seus olhos, seus amigos nunca gostaram de você. Você sabe disso, eu consigo sentir, e quando você me chutou, por um momento eu vi, remédios antidepressivos na sua bolsa. QUE PATÉTICO! VOCÊ DEVERIA MORRER! TODOS ESTÃO PERFEITAMENTE BEM SEM VOCÊ! Oh, esqueci de dizer o detalhe mais importante, hehehe. Você por acaso já olhou quem está morto ali no chão? - Dizia Kyle.

 

Em um olhar de horror, o Perito vê novamente o seu companheiro morto, desabando no chão logo em seguida.

 

- O quê? Você pensou que tudo isso era um sonho? Hahaha, o pesadelo sempre foi real, o sonho que é a verdadeira ilusão.

 

O Perito mal podia controlar sua depressão, ele estava melhor. Mas o pior de tudo. Ele estava apaixonado pelo seu melhor amigo.

 

- E-e-e-ele n-nunca me aceitaria.... – Dizia o Profissional gaguejando no chão em meio a lagrimas.

 

Kyle foi se aproximando mansamente, abraçando o Perito por trás, sussurrando em seu ouvido.

 

- Shh, está tudo bem. Está tudo bem.

 

O mesmo continuava desabando em seus próprios pensamentos, lembrando dos bons momentos dos dois.

 

- É inútil, ele não te via mais do que um colega. As pessoas mentem, entende? Está tudo bem agora, não se preocupe, ok?

 

Kyle pegou a arma do Perito, colocou sobre sua cabeça. Novamente pegou a mão do mesmo e colocou segurando a arma. Incentivando-o a se suicidar.

 

- Shh, está tudo bem, consegue ouvir ele te chamar? Você vai para um lugar melhor agora.

 

Enquanto isso, Alice mesmo ferida foi em direção ao carro. Algo nela estava diferente. O jeito de ela ver as coisas.

 

No momento que ela viu o cadáver do motorista ela não sentiu nada.

 

- Apenas os fortes sobrevivem nesse mundo. Essa é a lei da selva. Então qual a razão de não ser a nossa também? – Disse a mesma pegando o frasco com cabelo.

 

Vendo os remédios antidepressivos, Alice pega a bolsa com tudo.

 

A próxima coisa que ela ouviu foi um tiro.

 

Sangue estava espalhado por toda parte, junto com miolos do Perito, apenas o corpo do mesmo estava no chão.

 

- Oh, então você pegou a amostra, que eficiente, irmã. – Disse Kyle coberto de sangue e suas roupas sujas e rasgadas.

 

- Sim, o que faremos agora?

 

- Eu realmente queria os deixar aqui, mas dessa vez eu acabei deixando algumas digitais espalhadas. – Vou queimar tudo.

 

Alice então, usando luvas, empurrou o carro, que caiu que uma altura de cinquenta metros.

 

Kyle colocou gasolina e todo o caminho. Em seguida, os dois tocaram fogo em toda a área. Queimando os três corpos que haviam sido colocados juntos. Desta vez, Alice tinha colocado uma touca para não cair seus cabelos.

 

Depois de queimado, eles evacuaram rapidamente a área. Também destruíram a bicicleta.

 

- Mas que dia, em? Não acredito que fiz tudo isso por causa de um cabelo. Vamos usar máscaras, toucas e luvas agora quando formos matar alguém. Quer dizer, nós iremos, não é? – Dizia Kyle sorrindo.

 

Alice permanecia em silêncio.

 

- Ora, não seja assim. Eu vi você colocando aqueles antidepressivos na sua roupa íntima. Cuidado para aquelas outras não verem. E não se esqueça de que vamos conhecer nossos novos pais amanhã.

 

- Sim. Estou indo agora. Até amanhã. – Dizia Alice,

 

Alice então rapidamente, tomou banho, se livrou dos últimos vestígios da “aventura” de hoje.

 

Luna percebeu a ligeira mudança de vibração e humor em Alice.

 

No dia seguinte, Alice alimentou os gêmeos que ainda estavam presos, ela não os disse nada. Apenas os deu comida e trancou a porta novamente.

 

Luna percebeu isso.

 

Enfim era hora de conhecer os possíveis novos pais.

 

- Prazer! Meu nome é Alice Verdam!

 

- Saudações. Estou honrado em conhecê-los, me chamo Kyle Verdam.

 

- Viu, mãe, pai? São estes que eu queria apresentar.

 

- Mariana gosta deles. – Dizia Mariana com um sorriso no rosto.

 

- Qual é! Não chame a si mesma de Mariana! Haha.

 

- Estou muito feliz em conhecê-los, Alice! Kyle! Se bem que o Kyle eu conhecia pela visita dos blocos. Me chamo Marco Mazzaropi, e esta é minha esposa, Morgana Mazzaropi.

 

- Morgana? Que nome fantástico! Parece de Bruxa ou feiticeira! – Dizia Alice com os olhos brilhando.

 

- Viu, mãe? Eu não disse que seu nome parecia com uma?! – Dizia Luke dando um sorriso com cara de “eu te avisei”.

 

- HAHA! – Disse Kyle dando risada.

 

- Eu sou uma bruxa! – Dizia Mariana.

 

- Claro que é, meu amor. – Disse Marco.

 

- Então, onde vocês moram? – Dizia Alice curiosa.

 

- Moramos bem perto da cidade Lumen aqui, na verdade. Mas é umas dez horas de viagem só para vir aqui. – Disse Marco.

 

- Por isso que a gente não vem com muita frequência. – Disse Morgana.

 

- Hum, entendo. – Disse Alice.

 

- Queríamos muito conhecer vocês, vão ficar para o jantar? – Dizia Kyle.

 

- Estou morrendo de fome! – Disse Marco.

 

- QUEM ESSA PUTA PENSA QUE É? – Disse Morgana dando um grito enquanto olha para o celular.

 

- Meu deus, mãe! E os modos?! – Dizia Luke constrangido.

 

- Hey, relaxa. A gente tá de boas com isso! – Disse Kyle.

 

- Desculpe por isso, Kyle. – Disse Luke corando de vergonha pela sua mãe.

 

- Ah! Vem cá! – Disse Kyle fazendo cafuné puxando os cabelos de Luke, fazendo ambos rir.

 

- Alice E Mariana disputavam uma competição de quem comia mais salgadinhos.

 

- Eu vou ganhaaarr! – Disse Mariana.

 

- Ainda não me dei por vencida!!! – Disse Alice.

 

- O que foi dessa vez? – Disse Marco.

 

- A quenga da Dolores colocou um ‘grr’ na nossa foto super-romântica de ontem. – Dizia Morgana.

 

- MEU DEUS VOCÊ POSTOU AQUELA FOTO NO CEMITÉRIO!!! E AINDA COM A LEGENDA “ENCONTRO ROMÁNTICO” AHHHH! – Dizia Marco gritando neuroticamente.

 

Me dá seu celular agora!

 

- Tem mensagens das suas psicólogas e psiquiatras aqui!!!

Whatsapp

 

Pastora Mirian: Meu Deus, Jesus Cristo Santa Maria, como você postou algo assim? Vem para a consulta agora!

 

Psicóloga Luvan: Para de dizer que meu nome parece uma luva! E você tem que vir para a consulta logo please.

 

Psiquiatra Maurício: Acho que devo ter abusado dos seus remédios, como você postou isso????!!!

 

Meu filho amado: Mãe, que porra é essa?

 

Minha princesa de fogo Mariana: Tô com fome, mãe!

 

Meu amour: Vida vem logo, TÁ TARDE! *meme do pia-pau*

 

Que tipo de contatos são esses?!!!

 

Tudo continuava perfeitamente, com o passar dos meses, toda aquela tempestade ficou para trás. Alice ainda mantinha os gêmeos presos. Mas as vezes os levava para passear na floresta.

 

A família mudou totalmente a ideologia de adotar gêmeos, e aprenderam que o que eles queriam, era alguém.

 

E finalmente Alice e Kyle conquistaram a adoção. Viveriam uma nova vida. Uma nova oportunidade de renascer.

 

Agora era hora de deixar de dar mancada e atacar os inimigos.

 

Alice então estava a fazer suas malas. Kyle liberou para ela falar com as amigas. Mas até certo ponto.

 

- PARABÉNS PARA TODAS NÓS! – Dizia Ana abraçando todas.

 

- Eu não esperava que todas fossemos adotadas. – Dizia Alice.

 

- Os novos pais da Luna são tão lindos! E os da Alice parecem muito gente boa! – Dizia Luna.

 

- Eu realmente os amo. Mas agora, chegou a hora de celebrar. Todas seremos felizes agora, mesmo longe da outra!

 

- Eu virei irmã da Wirna! – Disse Ana a abraçando.

 

Elas ainda tiveram uma conversa sobre Kyle, mas Alice disse que estava tudo sob controle.

 

Todas festejaram e se abraçaram. E também trocaram os números de telefone!

 

- Vejo vocês por aí! – Disse Ana e Wirna se despedindo.

 

- Qualquer coisa, me liga, você é especial para mim. Sério. – Disse Luna.

 

Alice então soltou os gêmeos ao ser “livre”.

 

O que seguirá agora?

 

 

 

Continua! 


Notas Finais


"Durma, minha criança. Amnhã você será uma pessoa melhor".


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...