História Irresistible - Klaroline - Capítulo 44


Escrita por: ~

Postado
Categorias The Vampire Diaries
Personagens Caroline Forbes, Klaus Mikaelson
Tags Klaroline, Romance
Visualizações 100
Palavras 1.517
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Crossover, Esporte, Festa, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Boa leitura ♡

Capítulo 44 - Quarenta e Três


Fanfic / Fanfiction Irresistible - Klaroline - Capítulo 44 - Quarenta e Três

Havia um morro perto da casa da minha mãe, um pouco antes do caminho de entrada. Era uma subida íngreme seguida de uma descida em curva fechada. Nós aprendemos a buzinar sempre que passávamos por lá, mas, quando as pessoas dirigem ali pela primeira vez, elas nunca estão preparadas para a loucura do lugar.

Acho que deveríamos ter colocado um espelho curvado em algum ponto, mas nunca fizemos isso. Minha mãe dizia que gostava de usar apenas a buzina: ela gostava daquele momento de fé, em que conhecia a curva tão bem que nem precisava olhar o que tinha pela frente para saber que o caminho estava livre. Acontece que eu nunca soube se adorava ou odiava esse sentimento. Odiava ter que esperar para saber se podia avançar, odiava não saber o que estava por vir, mas adorava a incrível sensação da descida livre.

Caroline me fazia sentir dessa maneira. Ela era minha curva cega, minha subida misteriosa, e nunca consegui evitar a suspeita de que ela me enviaria algo na direção oposta que iria se espatifar contra mim. Mas quando eu estava com ela, perto o bastante para tocar, beijar e ouvir suas teorias malucas sobre virgindade e amor, nunca senti algo igual, como uma combinação eufórica de calma, alegria e fome. Naqueles momentos, eu não me importava com uma eventual trombada de frente.

Eu queria considerar o fora que ela me deu hoje como uma anomalia, um desvio assustador que logo se resolveria, e minha relação com ela não estava acabada antes mesmo de começar.

Talvez fosse sua juventude; tentei me lembrar de quando eu tinha vinte e quatro anos e tudo que vi foi um jovem idiota, trabalhando demais num laboratório e depois passando noite após noite com diferentes mulheres. De certa maneira, Caroline era muito mais madura do que eu fui com vinte e quatro anos; era quase como se não pertencêssemos à mesma espécie. Ela estava certa quando disse que sempre soube como ser uma adulta e agora precisava aprender a ser uma criança. Ela acabou de dar seu primeiro fora imaturo com completa falta de comunicação.

Parabéns, minha Ameixa.

Chamei um táxi para Camille e voltei para o escritório por volta das oito horas, decidido a mergulhar em algum livro e tentar fugir da minha própria cabeça por algumas horas. Mas quando passei pela sala de Enzo, enquanto seguia para a minha, vi que as luzes ainda estavam acesas e ele estava lá dentro.

– O que você ainda está fazendo aqui? – perguntei, parando debaixo da porta e me encostando no batente.

Enzo estava apoiando a cabeça nas mãos e ergueu os olhos quando entrei.

– Bonnie saiu com Katherine. Decidi trabalhar até um pouco mais tarde – ele me analisou e franziu as sobrancelhas. – E pensei que você tinha ido embora algumas horas atrás. Por que voltou? Hoje é terça-feira…

Ficamos nos encarando por um momento, com a pergunta implícita pairando sobre nós. Fazia tanto tempo que eu não passava uma terça-feira com Camille, acho que nem Enzo sabia o que estava perguntando direito.

– Encontrei a Camille hoje – admiti. – Foi um encontro rápido.

Ele fez uma careta irritada, mas eu ergui a mão e tentei explicar:

– Pedi para me encontrar com ela para tomarmos um drinque depois do trabalho e…

– É sério, Klaus, você é um completo baba…

– Para terminar com ela, seu idiota – eu disse entredentes, frustrado. – Embora eu sempre tenha deixado claro que nosso relacionamento era apenas casual, eu queria terminar oficialmente com ela. Fazia tempo que eu não a encontrava, mas ela ainda me envia mensagens todas as segundas-feiras. O fato de ainda pensar que existe alguma possibilidade me fez sentir como se estivesse traindo Caroline.

Falar seu nome em voz alta já fez meu estômago dar um nó. Nossa última conversa foi um completo desastre. Nunca a vi com o olhar tão distante, tão fechada em si mesma. Olhei para a noite escura lá fora.

Eu sabia que ela estava mentindo; apenas não sabia a razão.

A cadeira de Enzo chiou quando ele se recostou.

– Então o que você está fazendo aqui? Onde está a sua Caroline?

Olhei de volta para ele e finalmente percebi sua aparência. Ele parecia cansado, abalado e… diferente, mesmo para o final de um longo dia de trabalho.

– O que deu em você? – perguntei. – Parece que você passou por um triturador de lixo.

Ele riu, balançando a cabeça.

– Cara, você não faz ideia. Vamos chamar o Damon e tomar umas cervejas.

~~~~~~~~~~~~~~~~

Chegamos ao bar um pouco antes de Damon, mas não muito. Assim que sentamos na mesa dos fundos, perto dos jogos de dardos e da máquina de caraoquê quebrada, Damon entrou vestindo seu terno preto e com uma aparência de total exaustão. Fiquei pensando por quanto tempo ficaríamos conscientes.

– Você está me fazendo beber muito em dias da semana, Klaus – Damon murmurou enquanto se sentava.

– Então peça um refrigerante – eu disse.

Fiquei olhando para Damon, esperando seu típico discurso sobre a blasfêmia que é pedir uma Coca diet num pub inglês, mas ele apenas permaneceu quieto, encarando o cardápio e então pediu o de sempre: uma Guinness, um x-burger e batatas fritas.

Maddie anotou o resto dos nossos pedidos e desapareceu. Estávamos de volta em mais uma noite de terça-feira e, assim como antes, o bar estava quase vazio. Um estranho silêncio parecia envolver nossa mesa. Era como se nenhum de nós estivesse no clima para jogar conversa fora.

– Mas então, falando sério, o que aconteceu com você? – perguntei novamente para Enzo.

Ele sorriu para mim – mas então balançou a cabeça.

– Pergunte de novo depois que eu tomar umas duas cervejas – e sorrindo para Maddie enquanto ela servia nossas bebidas, ele piscou para ela. – Obrigado, meu amor.

– A mensagem do Enzo dizia para encontrar vocês no bar para uma noite das garotas – Damon disse, e então tomou um gole de cerveja. – Então, sobre qual garota do Klaus nós vamos falar hoje?

– Agora só tem uma garota – murmurei. – E a Caroline terminou comigo hoje mais cedo, então acho que tecnicamente não tem garota nenhuma – os dois olharam para mim, com olhos preocupados. – Ela disse essencialmente que não queria isso.

– Que merda – Damon murmurou, esfregando o rosto.

– Mas acontece que eu acho que ela está mentindo.

– Klaus…

Enzo me olhou com uma expressão de cautela.

– Não – eu disse, sentindo uma onda de alívio, como se tivesse compreendido melhor depois de pensar um pouco. Sim, ela estava brava em sua casa hoje – e eu ainda não sabia a razão –, mas me lembrei de como foi fazer amor no chão durante o fim de semana, no meio da noite, e a fome em seus olhos, como se o que sentia por mim não fosse mais apenas desejo, mas necessidade.

– Eu sei que ela também sente o mesmo que eu. Algo aconteceu entre nós no fim de semana– eu disse a eles. 

– O sexo sempre foi incrível, mas na casa dos seus pais tudo foi ainda mais intenso.

Damon tossiu.

– Desculpe. Você disse que transou na casa dos pais dela?

Escolhi acreditar que seu tom de voz ambíguo significava que estava impressionado, então continuei:

– Parecia que ela iria finalmente admitir que havia mais entre nós do que apenas sexo e amizade – levei meu copo de água até os lábios e tomei um gole. – Mas na manhã seguinte, ela se fechou. Ela está tirando a si mesma da nossa relação.

Os dois consideraram por um momento. Finalmente, Enzo perguntou:

– Vocês chegaram a conversar sobre exclusividade? Desculpe se não estou entendendo o mapa da sua relação direito. Seu histórico não é dos melhores, se é que me entende.

– Ela sabia que eu queria que fosse exclusivo, mas então concordei em manter um relacionamento aberto, porque era isso que ela queria. Para mim, ela é a única mulher que eu quero – eu disse, sem me importar se eles iriam tirar sarro de mim por ter sido enlaçado de vez. Eu até merecia, e o mais engraçado é que eu estava gostando da ideia de pertencer a Caroline. – Vocês sabiam que isso iria acontecer, e eu não tenho problemas em admitir que vocês estavam certos. Ela é engraçada e linda. Ela é sexy e muito inteligente. Quer dizer, ela é totalmente a mulher que eu quero. Tenho que pensar que hoje foi apenas um obstáculo no caminho, ou então vou sair por aí socando paredes até quebrar meus punhos.

Damon riu, erguendo seu copo para brindar com o meu.

– Então, vamos brindar a esperança de que ela volte para você.

Enzo também ergueu sua cerveja, sabendo que não tinha muito que acrescentar. Ele estremeceu um pouco, desculpando-se, como se tudo isso fosse de alguma forma culpa dele simplesmente porque desejou brincando que meu coração fosse partido apenas alguns meses atrás.

Após meu pequeno discurso, o silêncio retornou, junto com o clima estranho. Eu estava lutando para não ficar mais deprimido. É claro que eu estava preocupado com a possibilidade de não conseguir ganhar Caroline de volta. Desde a primeira vez que ela deslizou os dedos debaixo da minha camiseta no quarto daquela festa, eu estava perdido para qualquer outra garota.

Inferno, mesmo antes disso. Acho que me apaixonei no instante em que puxei seu gorro para baixo em sua adorável cabecinha de vento em nossa primeira corrida.


Notas Finais


Até mais 😘
Obrigado pelos comentários anteriores, as coisas irão mudar eu prometo à vocês, paciência rsrsrsrs 💛


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...