História Irresistível... - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Sou Luna
Personagens Ámbar Benson, Delfina, Gaston, Luna Valente, Matteo, Miguel, Monica, Nico, Nina, Rey, Sharon, Simón, Tamara, Yam
Tags Gastina, Lutteo, Ruggarol
Exibições 365
Palavras 1.204
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Voltei cedo porque talvez demore um pouco pra postar o próximo então aproveitem esse capítulo com uma deliciosa cena Lutteo *-*

Capítulo 6 - Capítulo 6


Tenso. Era a melhor palavra para descrever o clima entre os três do lado oposto aos pais dos dois homens ali presente. Simón não entendia por que a presença de seu irmão deixara Luna tão nervosa. Matteo ainda estava intrigado por saber que a mulher que ele desejava a meses namorava seu irmão. E Luna? Estava se sentindo entre a cruz e a espada, querendo fugir daquela armadilha que o destino resolveu preparar pra ela.

—Então? Como vocês se conheceram? -Perguntou a mãe de Simón olhando para Luna. Ela coçou a garganta com uma tosse baixinha e se pôs a explicar.

—Foi através de um trabalho da escola. Era bem difícil e ele me ajudou. Depois disso s gente foi se conhecendo melhor e hoje estamos aqui... -Luna sentiu um leve rubor em seu rosto. Conhecera seu namorado por causa do seu professor irritante que na verdade era irmão dele. Estranho, mas verdade.

—Então, acho que vocês deviam me agradecer... -Luna e Simón olharam instantaneamente para ele, e viram um sorriso zombeteiro no canto da boca dele. Bom, ao menos Luna viu, já que foi ali que seu olhar parou. Ele percebeu o olhar da morena e como que para provocar, passou a língua no lábio inferior lentamente. Ela sentiu novamente aquele calor perigoso e abaixou a cabeça. Merda, seu namorado estava bem ali! Por que não tirava esse homem da sua cabeça? -Foi graças a mim que se conheceram! Afinal, os piores trabalhos são sempre os meus. Sou conhecido como o professor malvado! -Simón já não olhava mais para seu irmão, que mantinha o olhar vidrado em Luna. A conversa fluiu normalmente durante o jantar, até que de repente Luna sente uma mão em sua coxa e se assusta, chamando atenção de Simón.

—O que houve, Luna? -Ele perguntou baixinho enquanto seus pais riam de uma piada.

—Mosquito. -Foi só o que ela conseguiu dizer. Não entregou Matteo simplesmente porque não queria que ele parasse. E ele não parou. Sua mão atrevida apertou s coxa da morena ao seu lado com um pouco mais de força enquanto que a outra mão segurava a taça que levava à boca. Diminuiu o aperto e começou a acariciar ali. Luna se continha para não esboçar nenhum tipo de reação, mas já sentia o calor se espalhar por seu corpo e se concentrar em uma parte bem íntima. Num movimento involuntário afastou um pouco a perna uma da outra. Queria se livrar do calor que ele lhe dava, mas não queria de forma alguma que aquela carícia terminasse.

—Luna, tudo bem? -Perguntou Rey, o pai de Simón. Ele não era pai de Matteo, mas Luna não sabia disso, ainda.

—Sim, por quê? -Ela perguntou no tom mais natural possível.

—Bom, você ta um pouco vermelha, pode ser febre. Por acaso está com frio? -Perguntou Sharon. Logo Luna sentiu-se ficar mais vermelha. Estava bem longe de sentir frio, mesmo que a mão de Matteo já tenha saído de seu corpo.

—Eu não costumo beber essas bebidas que contém álcool, fico assim muito fácil... -Ela disfarçou, mas era verdade, era realmente fraca para bebidas. Uma risada em grupo aliviou o clima e afastou o assunto. Logo estavam todos na sobremesa. E por fim, acabou o jantar.

—Amor, vou levar meus pais pro quarto de hóspedes, ok? -Disse Simón beijando a testa da namorada e guiando seus pais escada acima. Luna sentiu a tensão se espalhar por seu corpo ao notar que havia sido deixada sozinha com seu professor. Ia subir junto com Simón quando sentiu uma mão apertar seu pulso.

—Fugindo de mim, Luna? -Ele perguntou a virando de frente para ele. Seus olhos pareciam a queimar por dentro. Que efeito era esse que ele tinha sobre ela?

—N...Não. só estou com sono. -Ela disse, odiando-se por gaguejar. Tentou puxar sua mão do aperto mais foi em vão. Num movimento rápido, Matteo a pressionou contra a parede mais próxima e sussurrou.

—Tem algo em você que me enlouquece, menina. Sempre que eu te vejo penso em como seria bom sentir meu pênis entrando e saindo de dentro de você. Torcendo para que seja tão apertada quando eu imagino... -Aquelas palavras tiveram o poder de deixar Luna estática e completamente molhada. Como alguém conseguia lhe excitar tanto apenas com palavras? Mas pelo que sentia roçar em sua pele, não era apenas ela que estava excitada. -Passei boa parte da noite imaginando esse corpo lindo numa roupa mais justa e... -Nesse instante ouviram passos descendo as escoadas e ele se afastou logo de Luna, indo para a geladeira. Ela ficou ali, encostada na parede olhando pro nada. Sentia que se tentasse andar, desmontaria.

—Quer dormir agora? -Perguntou uma voz a trazendo de volta. Ela olhou e viu Simón de pé em sua frente. Apenas assentiu positivamente e sentiu a mão de Simón pegar a guiar escada acima, mas antes, os dois puderam ouvir a voz de Matteo falando.

—Essa semana vai ser muito proveitosa! -Simón resolveu o ignorar e foi para o quarto junto com Luna. Quando chegaram, a morena foi direto tomar uma ducha fria, sem molhar os cabelos. Precisava eliminar o calor de seu corpo. Viu que estava ainda muito excitada e quando deu por si já estava se tocando ali mesmo, no banheiro do namorado, mordendo os lábios a cada toque, para não ser ouvida.

Fechou os olhos e tudo que viu foi Matteo. Sua mão apertava seu corpo, seus lábios chupavam seus seios e sua outra mão alcançava a fenda molhada de Luna logo abaixo. Ela intensificou o vai e vem que fazia com seus dedos em sua vagina, enquanto apertava seu clitóris com força. Queria gozar logo. Mais uma vez a imagem de Matteo a tocando invadiu sua mente e sua vagina logo se contraiu com o pensamento de Luna em Matteo a tocando daquela forma. Seu corpo inteiro foi relaxando a medida que um líquido quente escorria por seus dedos. Seus lábios sagraram com a força que ela os mordeu para evitar o gemido que o orgasmo lhe proporcionara. Ainda os movimentou um pouco, antes de os tirar de lá de dentro. Sorriu enquanto se lavava. Foda-se se havia imaginado o irmão do seu namorado ali, a masturbando daquele jeito. Queria gozar e gozou. Ponto final. Não se lamentaria por isso. Não era pecado se masturbar, certo?

Saiu do banho vestindo um robe que havia encontrado no banheiro, e viu Simón deitado sem camisa. Queria muito ficar excitada com aquilo. Afinal, o irmão dele a havia excitado completamente vestido. Por que ele não a excita estando sem camisa, tendo um corpo bonito como o dele?

Afastou esses pensamentos e pegou uma roupa de dormir que havia levado. Voltou ao banheiro se vestiu e saiu. Sorriu para Simón enquanto se deitava no canto oposto ao dele. Ele ficou a fitando curioso. Tinha medo de tentar algo e ser repudiado, por isso, deixaria para o próximo dia. Por hora, resolveu a puxar contra si para que dormissem de conchinha.

—Boa noite, Belita. -Ele disse lhe beijando o pescoço. Luna se arrepiou com o beijo, afinal, ali era um terrível ponto fraco que tinha. Mas foi só isso. Um curto arrepio. Pra Simón uma vitória. Pra Luna... Nada!


Notas Finais


Comentem, favoritem, deixem suas opiniões!!
Até breve! ~^^~


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...