História Is just another day of rain - Second Season - Capítulo 42


Escrita por: ~

Postado
Categorias Rafael "CellBit" Lange
Personagens Alan Ferreira, Felps, Thiago Elias "Calango"
Tags Alan, Alice, Angela, Aria, Calango, Cellbit, Dani, Effy, Emisu, Felps, Gab, Guaxinim, Lia, Maethe, Phoenix, Springles, Zelune
Visualizações 141
Palavras 2.283
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Luta, Mistério, Romance e Novela, Saga, Shoujo (Romântico), Suspense, Violência, Visual Novel, Yaoi, Yuri
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Cross-dresser, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi galerinha, desculpem a demora mas lá em baixo vou explicar o que aconteceu
Boa leitura <3

Capítulo 42 - Contra a parede


Fanfic / Fanfiction Is just another day of rain - Second Season - Capítulo 42 - Contra a parede

   Aria POV

   Eu estava ridícula.

   Minha autoestima não poderia estar mais baixa. Já fazia algumas semanas que havia acontecido esse incidente e eu só vinha piorando. Ângela está passando algumas noites comigo para nunca me deixar sozinha, eu adorava sua companhia mas poderia dizer que nada estava me botando para cima.

   O médico aconselhou que eu frequentasse um psicólogo pois minha mudança havia sido feita de uma forma drástica mas eu me recusei a ir. Ninguém além das meninas sabiam o real motivo pelo meu cabelo estar daquele jeito, o resto achava que eu havia cortado curto demais e me arrependido, lógico que na frente dos outros eu tentava agir normalmente.

   Eu não estava indo a faculdade pois estava com vergonha e medo, consegui um atestado que me livrasse de todo o mal de reprovar por faltas, Lia trazia um dia sim, um dia não as atividades para fazer. Ela também dormia as vezes em casa. Sou grata eternamente pelo o que essas duas vem fazendo por mim.

   Ângela alegou que deveríamos procurar a polícia mas de que adianta se nem o nome da mal feitora eu sei? Recusei mas tive que pagar um preço para isso, começaria a fazer aulas de autodefesa.

   O casamento de Gab estava cada vez mais chegando perto e nesse momento estava pegando um avião para São Paulo com Ângela e Lia para fazermos a prova do vestido. Gab insistiu que alugássemos o vestido lá pois seria mais seguro, ela tinha medo de a companhia aérea responsável pela nossa bagagem sumisse com nossos vestidos.

- Já disse que o tomara que cai é meu – Lia fala para Ângela, aperto meus cintos no avião e logo sinto o mesmo decolar. Ângela se recusa a aceitar que o tomara que caia seja de Lia. Nossos vestidos eram todos iguais mas cada um com um detalhe especial: um com alças, outro com tomara que caia, apenas uma alça e diversos outros tipos.

   Acabei pegando no sono enquanto ouvia a música em meus fones. Necessitei comprar um celular novo depois de molhar o antigo.

   Eu estava evitando conversar com Alice, não queria que ela me visse de tal modo. As meninas disseram a mesma que eu estava bem doente e não queria receber visitas, mas a mesma continuava insistindo para me ver, admiro sua insistência.

- Aria, nós chegamos – Ângela me sacode e eu me levanto arrumando a roupa amassada, calço meu crocs e ajeito a almofada de pescoço. Pegamos nossas malas e fomos para o hotel, todas as três no mesmo quarto.

- Vamos almoçar, estou com fome – digo olhando a janela do quarto.

- Vamos, mas não podemos demorar tanto se não Gab nos mata! – Lia arregala os olhos pensando na possibilidade daquela louca surtar conosco, hoje de tarde iriamos ver pela primeira vez nossos vestidos e fazer a prova para ver se seria necessário apertar ou alargar o tecido do mesmo.

   Descemos para o restaurante do hotel e pedimos o prato do dia, as duas ao meu lado conversavam animadamente sobre como o grande dia estava chegando e eu só sabia rezar para que o hotel de Rafael não fosse o mesmo que o meu. Gab garantiu que não era mas eu estava com pressentimentos nada bons.

   As primeiras apresentações da peça minha e de Lia foram adiadas por causa de meu humor, Marco disse que não era uma boa ideia e que minha saúde mental iria cada vez piorar.

   Voltamos para quarto e me deitei na cama esperando que Lia e Ângela acabassem de passar suas maquiagens.

- Você não vai passar nada? – Lia sai do banheiro e me encara encolhida na cama, nego com a cabeça.

- Qual é, um batomzinho? – Ângela aparece de trás da amiga e eu continuo negando.

- Por favor amiga, faz tanto tempo que eu não te vejo arrumada! Você era uma menina tão caprichosa, adorava se arrumar, não faz isso! – Lia se abaixa do meu lado na cama, eu forço os olhos tentando não chorar.

- Olha pra mim – eu me sento na cama – Como vocês querem que eu me sinta bonita assim? – aponto para mim mesma – Cortaram meu cabelo, minha autoestima e toda a vontade de me arrumar foram embora juntos com os fios! – choro, Ângela limpa minhas lágrimas e eu suspiro.

- Você ia ficar tão linda com um batom, tira esse crocs amiga! – Lia insiste. Ângela aparece com uma tiara de flores simples e coloca no meu cabelo, Lia passa um batom rosa em mim e ela praticamente me obrigam a colocar um vestido já que estava calor e eu só sabia andar de moletom.

- Olha só como você está bonita! – Ângela me leva para frente do espelho e eu não admito a elas mas me surpreendo com o resultado, a tempo não me sentia tão bonita quanto agora.

   Marcamos de nos encontrar todos na frente da loja e as únicas atrasadas éramos nós.

- A Gab vai comer meu cu, a Gab vai comer nosso cu! – Ângela cantarolava impaciente, logo chegamos e avistamos todos na frente da loja. Eu fui a última a descer pois paguei o taxista.

- Meu Deus – Gab murmura ao me ver descer do carro – Você está tão linda – ela se emociona me abraçando e eu agradeço, não cumprimento ninguém, exceto as irmãs de Gab e Felps que pareciam ser simpática, e não pude me esquecer de Maethe que estava morrendo de saudades. Os meninos conversavam entre si mas Rafael vez ou outra olhava para mim. Gab viera me dizer uma vez que ele não entendia porque eu havia feito aquilo com meu cabelo e eu só sabia chorar.

   Entramos na loja e os meninos ficaram no primeiro andar que era o departamento de ternos e nós fomos para o segundo onde estavam todos os vestidos de gala.

- Oi querida – a moça cumprimenta Gab que logo diz que viemos para provar os vestidos para seu casamento, a senhora se anima na hora e diz que logo volta com os vestidos.

- Você vai provar o seu hoje também? – Maethe pergunta pra Gab que assenti animada.

- Ele é o vestido mais maravilhoso que já vi! – ela sorri animada, eu estava feliz por ela.

- Aqui estão meninas – ela vem carregando alguns vestidos dentro de bolsas com cabides para não amassar.

- Eu adoro essa cor! – Ângela grita animada, eram verdes claros os vestidos.

   Todas as garotas se afobaram para pegar os vestidos e então o único que sobrou para mim foi um de alças que era todo aberto nas costas, entrei para provar e assim que sai fui aclamada.

- Você ficou tão linda! – Gab diz me fazendo dar uma voltinha.

- Aqui está o seu querida! – a senhora chega com uma bolsa maior e mais robusta e a entrega para Gab que pula de alegria.

- Esperei tanto por esse momento! – ela grita do provador e nós estávamos todas sentadas aguardando-a sair.

- Meu, Deus! – a irmã de Gab diz, ela estava simplesmente maravilhosa.

- Acho que vou chorar! – sussurro emocionada, seu vestido parecia de princesa.

- Acho que nem vai precisar de ajuste – a senhora fala para Gab enquanto ajeita o vestido da mesma em frente ao espelho, ele havia caído perfeitamente em seu corpo.

- FOGO! – alguém grita do andar de baixo e todas nos entreolhamos assustadas, o que estava acontecendo? A senhora que nos atendia desceu e nós ficamos em pânico ao ver pela janela, a fumaça subindo do lado de fora. Da escada também estava subindo uma fumaça preta que estava nos asfixiando.

- Desçam, agora! – a senhora volta e Gab fica em pânico.

- Eu tenho que tirar meu vestido, meu vestido! – ela chorava.

- Não dá tempo de tirar o vestido, vamos! – sua irmã a empurra em direção a escada, nós descemos todas correndo e tropeçando na calda do vestido uma das outras. No andar de baixo as labaredas de fogo eram enormes que chegavam a assustar, o calor e o cheiro horrível de coisa queimada predominava o local.

   Saímos todos para a rua e os meninos estavam todos de terno, elegantes como nós. Ao ver Felps, Gab chorou mais.

- Não olha para o meu vestido! – ela dizia entre soluços enquanto tentava se tampar mas era em vão, Felps não estava com uma cara contente e imagino que Gab estava pior. Todos aprendemos que o noivo não pode ver a noiva vestida antes do casamento se não dá azar.

   Fechei meus olhos com força e rezei para que aquilo tudo não passasse de uma ilusão criada pela minha mente maluca, eu odiava ver pessoas chorando e o choro escandaloso de Gab estava acabando com meu coração. Abri os olhos e fui em sua direção, abraçando-a bem forte. As meninas seguiram meus atos e logo ela se acalmou.

- Péssimo dia! – Lia diz se jogando na cama assim que pisamos no quarto do hotel. O clima depois do acontecido não havia ficado bom então decidimos cada um ir para o seu canto e esperar que as coisas ficassem mais calmas.

- Como você está? – Ângela chega ao meu lado e pergunta, eu sabia exatamente sobre quem ela estava perguntando e vocês também sabem.

- Bem – admito, o baque não havia sido grande como eu esperava depois de tanto tempo sem vê-lo.

- Acho que nosso final de semana foi pelo ralo abaixo – Lia suspira – O que vamos fazer?

- BALADINHAS! – Ângela grita.

- Nem pensar! – respondo me dirigindo ao banheiro, tomo um banho para tirar o cheiro da fumaça e coloco um pijama. A cena de Gab chorando não saia da minha cabeça de forma alguma. Mesmo que a culpa não fosse minha, eu me sentia culpada. Me sentia mal demais.

   Quando sai do banheiro Maethe estava sentada na minha cama conversando com as meninas, peguei um pijama qualquer e me joguei na cama ouvindo a conversa delas.

- Ela está arrasada – Maethe diz.

- Nós vimos – Lia responde meio cabisbaixa.

- Acha que vão adiar o casamento? – Ângela nos pergunta e eu dou de ombros.

- Talvez sim, talvez não – respondo.

   Logo no domingo fomos embora sem conseguir falar novamente com Gab, ela se recusara a conversar com qualquer uma de nós, ficava apenas trancada em seu quarto pensando naquela tarde. Na segunda eu voltei a frequenta a faculdade e decidi retornar as ligações de Alice.

   Narrador POV

   Na tardezinha de segunda, depois da aula, Aria iria se encontrar com Alice. Marcaram naquele mesmo café em que se encontraram da primeira vez sozinhas.

- Eu estava com saudades – a garota loira abraça Aria, estranhando sua falta de cabelo mas estava com medo de perguntar o que havia acontecido e acabar magoando a menina.

- Eu também – Aria corresponde, mal sabia Alice que aquele sentimento não era recíproco. Aria gostava muito de Alice não ao ponto de amar e pensar em tal pessoa boa parte de seu dia, depois de São Paulo, mesmo sem ter tanto contato com Rafael, ela só sabia pensar nele. Todas as tardes depois da faculdade a mesma stalkeava as redes sociais do casal, machucando a si mesma cada vez mais.

- Eu adorei seu corte de cabelo! – Alice brinca com o cabelo de Aria mas não deixou de perceber o quão tensa a menina havia ficado com aquele elogio, algo tinha de errado naquilo.

- Obrigada – Aria agradece sem mais delongas. As duas contam o que havia acontecido nesse tempo que estavam separadas, Aria sempre mentindo e dizendo que estava doente. Não tinha coragem de dizer na cara da garota que não queria vê-la.

   Contou-lhe sobre o acontecido em São Paulo que a fizera lamentar por Gab. As duas não se conheciam, mas Alice sabia o quanto Gab era importante para Aria, e se Gab era importante para Aria, também era para ela.

- Rafael estava lá? – Alice tenta perguntar como quem não quer nada, discretamente mexendo em seu canudo do suco, descontando ali todo o seu nervosismo por pensar na possibilidade de Aria sequer ter chegado perto do youtuber.

- Sim – Aria responde. Nesse momento o corpo de Alice estremece todo e ela fica mais nervosa – Está tudo bem? – Aria coloca a mão no ombro da garota que parecia desviada em seus pensamentos, a mesma acorda e assente rapidamente como se não pudesse deixa-la perceber que estava nervosa por saber de tal coisa.

   Naquele momento, Alice decide então afastar Aria de Cellbit indiretamente mas da pior forma que nós podemos imaginar no momento.

- Acho que você deveria ficar longe dele – Alice diz séria e Aria a olha um tanto surpresa pela coragem.

- Porque? – a garota pergunta.

- Você vai se machucar mais! – Alice começa seu discurso. Ela não iria fazer a cabeça de Aria, iria? – O que ele fez não é o suficiente para te afastar dele? – Sim, ela iria.

- Como assim?

- Aria, ele te traiu, mentiu, te trocou não só uma mas sim duas e sabe-se lá Deus quantas vezes mais. Te tratou feito um lixo, não quis fazer questão de assumir seu filho – essa parte não era verdade mas Alice estava decidida a fazer o possível e o impossível para distancia-la do garoto – Nunca te procurou, te machucou de todas as formas possivris, não tem vergonha na cara de te fazer mal e você ainda sim insiste em correr atrás dele! Eu preciso dizer mais sobre o que ele te fez? Acho que não. Você está querendo sofrer mais do que já sofreu na mão dele? Eu espero que não! Se você me disser que está pronta para correr novamente para os braços dele, eu saio por aquela porta e nunca mais iremos nos ver. Então vai ser ele ou eu! Decida-se.


Notas Finais


E AGORA?

Quem vocês querem que a Aria escolha?

Bem galerinha como vocês estão?
Novamente eu não escrevi antes porque estava sem ideias e é por esse motivo que o capitulo não saiu tão bom, desculpem pelo capitulo tão eca! O próximo as coisas vão começar a ficar legais pois vai ser o tão esperado casamento da Gab e do Felps!
E desculpem-me por queimar o vestido dela! D:


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...