História Is this love ? - Capítulo 6


Escrita por: ~ e ~Doutordonna

Postado
Categorias Fairy Tail
Tags Fairy Tail, Gale, Gruvia, Jerza, Nalu, Rolu
Exibições 78
Palavras 1.491
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Drama (Tragédia), Ecchi, Escolar, Hentai, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Universo Alternativo, Violência
Avisos: Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Demorou mas esperamos que gostem do capitulo :)

Capítulo 6 - Parece que o jogo virou


 

Por um tempo fiquei apenas olhando para os papeis, vi que suas notas eram melhores que as minhas. E olhando para as notas gerais percebi que apenas duas pessoas tinham notas tão boas quanto eu. Gray Fullbuster e a Levy. Será que essa garota tem que estar metida em tudo?

Ouvi o barulho da porta se abrindo, e imediatamente fechei o diário e fui correndo até minha carteira, fingi estar organizando meu material enquanto Juvia entrava na sala. Olhei com cuidado por cima do ombro e vi que ela tinha colocado algo no bolso da calça e indo em direção a porta novamente. Me adianto a ela, chegando mais perto finjo tropeçar e caio em sua direção, e ela sem reação fica parada  e amortece minha “queda”.

- Cuidado por onde você anda – ela disse de uma forma incrivelmente calma.

- Desculpa, eu acabei tropeando – ofereci  meu melhor sorriso.

- Tudo bem, só tome cuidado da próxima vez – e assim saiu porta afora.

Sorri vitoriosa e abri minha mão lentamente até poder visualizar o papel que consegui pegar, abri e encontrei um endereço, Bake Street, edifício Tartaros, apartamento número 100. Era um pouco longe daqui, uns 20 minutos a pé, cogitei a hipótese de sair da escola, e ir até la agora mesmo, mas o sinal atrapalha meus planos. Me encaminho ate minha próxima aula, Química, sento em uma das mesas que ficam no meio, os alunos foram chegando e por sorte ninguém sentou no meu lado a professora começou a aula dizendo que íamos fazer um trabalho em dupla levantei a mão e disse:

- Professora eu não tenho dupla – falei esperando que ela me deixasse fazer sozinha, ela pareceu pensar por um breve momento estava certa de que ela deixaria, quando a porta é aberta e um ser com o cabelo rosa entra, ofegante, como se tivesse corrido uma maratona.

- Professora – ele respira – posso entrar?

- Ah claro, viu Lucy agora você tem um parceiro – ela fala dando um sorriso tímido para mim enquanto eu encaro ela com um olhar abismado.

Quando percebo Natsu já esta sentado do meu lado retirando seus materiais da mochila, suspiro e presto atenção nas instruções da professora.

- Muito bem, vou passar todos os passos de nossa experiência no quadro, e lembrem-se, tomem cuidado, alguns dos elementos são perigosos e explosivos, estão sentados em duplas para poderem se ajudar. Vocês  tem exatamente as duas aulas para realizar e me entregar. Boa sorte!

Olho para o lado  e vejo que ele já estava começando a destampar os vidros, comecei a fazer o mesmo, quando olhei de novo ele estava tentando misturar acido cético com bicarbonato de sódio.

- O que você está fazendo? Ficou louco! Se você misturar isso vai acabar sujando toda a mesa – disse tirando as duas coisas das mãos dele – E além disso em nenhum lugar a professora pediu fazer um vulcão.

Ele me fitou triste, com um biquinho fofo, por um momento fiquei tentada a devolver pra ele, mas meu lado racional venceu, então eu coloquei as duas substancia do outro lado da minha mesa, portanto, bem longe dele.

Comecei a misturar as substancias certas em um frasco enquanto o Natsu apenas me observava e me entregava algo quando eu pedia, a primeira aula já tinha passado quando estávamos no final, eu estava concentrada quando comecei a sentir um cheiro estranho olhei para o lado e vi o Natsu com um frasco com uma mistura de cor estranha, ele parecia feliz com seu experimento, pensei em deixar ele continuar mas o liquido começou a soltar uma fumaça.

- O que você colocou ai dentro?- falei com um tom preocupado.

Mas ele não pode responder por que aquilo explodiu em sua cara. O ar ao nosso redor ficou com cheiro de enxofre e eu fiquei com um gosto metálico na boca, enquanto o Natsu tossia desesperadamente sem perceber que seu cabelo pegava fogo, sem saber o que fazer peguei um copo de água da mesa ao lado e joguei em sua cabeça. Ele parou de tossir imediatamente, enquanto seu cabelo pingava água, ele se virou pra mim com um olhar mortal.

- Isso era realmente necessário fazer enquanto uma pessoa esta tendo um ataque de tosse?

- Pelo menos você parou de tossir e alem disso seu cabelo estava pegando fogo.

- COMO ASSIM PEGANDO FOGO?? – ele exclamou desesperado.

- Por que todo esse desespero eu gostei desse novo penteado – falei irônica dando uma risadinha.

Quando ele ia falar alguma coisa, bem rude pelo jeito, a professora chegou correndo e derrubou um balde de água em cima dele.

- Ufa ainda bem que cheguei a tempo – disse a professora orgulhosa de si mesma, eu comecei a rir histericamente, ele me olhou feio enquanto uma gota de água descia pelo seu nariz. Ele se virou para trás e pegou o pote de água da outra dupla e jogou em mim e começou a rir também. Não acreditei no que ele tinha feito, o encarei nervosa.

- Parece que o jogo virou – ele disse se sentindo vitorioso.

- Isso não vai ficar assim – falei encarando ele com um olhar vingativo.

- Tudo bem agora chega disso turma, e vocês dois vão para o banheiro se limparem agora.

Nos levantamos quietos, sem nos encarar e seguimos ate a porta, quando íamos abri-la alguém bate na porta e a abre.O diretor Makarov entra na sala e nos fita com uma gota na cabeça.

- Vocês dois podem se sentar, preciso dar um aviso para toda a turma.

Voltamos para nosso lugar e nos sentamos novamente. Então Makarov começou a falar.

- Como é tradição aqui na escola fazer todo ano uma semana de acampamento com os alunos de ensino médio, vim avisar vocês que semana que vem será realizado o nosso décimo quinto Acampamento Fairy Tail  e em comemoração a essa data tão especial faremos um jogo diferente. Então na próxima segunda feira veiam preparados pra muita diversão. O ônibus sai as cinco.

- DA MANHÃ?! – perguntou a turma indignada.

- É claro- respondeu o Makarov sorrindo aparentemente sem perceber o quão absurdo isso parecia – Estão dispensados – e assim ele saiu da sala.

Não demorou muito para a turma o acompanhar, todos ainda apavorados com a ideia de ter de levantar tão cedo para acampar, mas visivelmente empolgados com a ideia de ir acampar.

Pego minhas coisas e vou até o banheiro, vejo que não estou tão molhada quanto o Natsu, então só prendo meu cabelo em um rabo de cavalo e saio rapidamente da escola.

Enquanto estou indo para casa, paro, me lembrando que devia ir até aquele endereço que consegui da Juvia. Me pergunto por um momento  que deveria fazer, ir para casa e descansar ou ir até o lugar descrito no papel. Meu lado racional queria que eu escolhesse a primeira opção, mas minha curiosidade é grande demais. Decido ir logo até o lugar, fui a pé já que não tinha dinheiro para taxi. Alguns minutos depois, estava parada em frente ao edifício, minha cabeça dizia saia daí, vá embora. Mas agora que já estava ali, não ia mais voltar, entrei no edifício e subi até o quinto andar, onde se encontrava o apartamento 100.

Quando vi a porta, me subiu um arrepio pelo corpo, estava cheia de avisos de não entre e não perturbe. Tentei abrir a porta do jeito convencional, mas é obvio que não deu certo, então tive que recorrer a outros meios. Tirei um grampo que estava na minha mochila, e tentei arrombar a porta como nos filmes.

-Consegui – digo satisfeita.

Quando entrei vi o quão bizarro aquele lugar era,por um momento me arrependo de ter entrado, ate que algo me chama a atenção, me aproximo e o pego com a mão. Quando percebo o que é um arrepio sobe pelo me corpo, deixo-o escorregar de minhas mãos e cai diretamente no chão se estilhaçando em muitos pedaços. Minha respiração começa pesar e a única coisa que penso é em sair desse lugar o mais rápido possível, me esquecendo ate de meus objetivos. Já fora daquele lugar me sinto mais aliviada, neste instante meu celular começa a vibrar em meu bolso e o pego para ver quem  estava me mandando mensagem, já com uma pontada de preocupação, vejo que era apenas uma propaganda , começo a andar em direção ao final do corredor quando meu celular vibra novamente, abro a mensagem e como suspeitei começou de novo seja quem for.

            “E a pequena Lucy começa a descobrir a verdade” - 8

 

 Recuo alguns passos para trás e paro na frente da porta, olho para todos os lados, sinto que tem alguém ali me observando, mas não vejo ninguém, porem uma coisa me chama a atenção, uma placa de aluga-se no apartamento ao lado “já que cheguei ate aqui vou ate o fim disso, preciso saber o que esta acontecendo” e com esse pensamento volto para casa determinada

 

 


Notas Finais


Acido cético é a principal substancia do vinagre*
E como a maioria deve saber misturar vinagre com bicarbonato é a fórmula pra criar um vulcão!
O q vcs esperam desse acampamento?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...