História It feels like home (Larry Stylinson) - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias One Direction
Personagens Harry Styles, Louis Tomlinson, Personagens Originais
Tags Amor, Gay, Harry, Harry Styles, Harry!bottom, Harrytops, Home, Homossexual, Hot, Just Hold On, Larry, Larry Stylinson, Londres, Louis, Louis Tomlinson, Louis!tops, Louisbottom, One Direction, Originais, Sexo
Visualizações 135
Palavras 3.233
Terminada Sim
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Drama (Tragédia), Fluffy, Hentai, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Yaoi
Avisos: Adultério, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 8 - Eight


- Pela milésima vez, amanhã a empregada lava a louça. – falei, abraçando Louis por trás, apoiando meu queixo no seu ombro.

- Não adianta, não vou me acostumar a ter empregadas. – Louis falou, deitando a cabeça para o lado, quando comecei a beijar seu pescoço.

- O Freddie já dormiu. Vamos pra cama? – falei, entre os beijos. Louis se virou de frente pra mim.

- Pensei de continuarmos o que começamos aqui na cozinha, hoje a tarde. – ele falou, com uma sorriso safado nos lábios. Praticamente rosnei ao ouvir aquilo. Apertei Louis contra a pia e me inclinei para fechar a torneira. Ele podia esquecer dos pratos agora.

Levantei Louis e o coloquei sentado no balcão, onde nos beijamos naquela tarde. Sem muitas preliminares, abaixei sua calça e abocanhei seu pau.

- Apressadinho, huh? – Louis falou, rindo. Mas logo o riso se transformou em gemidos e ele segurou meus cabelos, guiando a velocidade dos meus movimentos. Eu apertava a lateral de suas coxas, conforme o chupava. – Harry, não quero gozar tão rápido assim. Tirei seu pau da minha boca e o carreguei para o sofá.

Antes que eu pudesse colocá-lo deitado, Louis me empurrou para que eu me deitasse no sofá e se colocou por cima do meu corpo, abocanhando meu pênis e colocando sua ereção próxima a minha boca. Iniciamos o melhor 69 da minha vida. Conforme Louis me chupava de maneira ritmada e deliciosa, ele começou a me penetrar com os dedos. Fiz o mesmo e senti que ele tinha espasmos a medida que eu conseguia alcançar sua próstata.

De repente, Louis se sentou sobre o meu rosto, me dando mais acesso a sua entrada. Coloquei minha língua ali, junto com meus dedos. Louis rebolava como se sua vida dependesse daquele toque. Ele começou a se masturbar, ainda ali, em cima de mim.

- Preciso de você me fudendo, agora. – Louis falou entre gemidos e se levantou do sofá. Sentei-me, agarrando seu corpo em seguida. Louis se sentou, guiando meu pau até sua entrada. Ali, ele se sentou e soltou o peso do corpo. Aos poucos encontramos um ritmo que condizia com nossos gemidos, que encheram o andar.

Louis foi se cansando de quicar sobre o meu corpo e eu nos virei, ficando por cima. Comecei a estocar Louis de maneira rápida e nenhum pouco delicada. Louis gritava e arranhava minhas costas. Agradeci, mentalmente, por não ter nenhuma sessão de fotos nos próximos dias, pois explicar tais hematomas seria bastante constrangedor.

- Amor, eu tô quase lá. – falei, alcançando seus lábios. – Por favor, diz que vamos gozar juntos.

A surra que eu estava dando em sua próstata era tamanha, que ele já não conseguia emitir sons. Sua boca ficou apenas aberta, e seus olhos se fechavam a cada estocada. Mais dois movimentos e Louis nos melou com seu gozo. Eu ainda não havia chegado ao meu ápice, por isso Louis nos virou no sofá e me abocanhou, chupando com uma velocidade inimaginável até então. Poucos segundos depois e eu estava gozando em sua boca. Louis engoliu cada gota e lambeu toda a minha extensão, garantindo que eu estivesse limpo. Feito isso, os dois estávamos ofegantes. Louis se sentou no meu colo.

- Melhor diversão. – ele falou no meu ouvido, quando nossas respirações voltaram a se normalizar. Comecei a beijar seu pescoço e ele entendeu que eu queria mais. – Não cansa, não?

- De você? – falei, olhando em seus olhos. – Nunca.

- Ainda não te experimentei, na sua cama. – ele falou no meu ouvido e se levantou. Me levantei em seguida, o puxando para colar nossos corpos e agarrei seu pau, que já estava dando sinal de vida.

- Nossa cama. – falei, tomando seus lábios em seguida. Louis gemeu e chupou minha língua. Peguei ele no colo e subi as escadas. Chegamos no quarto e o joguei na cama, me colocando por cima dele. Ficamos de lado na cama e eu agarrei seu pau, massageando lentamente.

- Tem lubrificante? – Louis perguntou, gemendo. – Tô com pressa de te sentir.

Indiquei que a gaveta do criado mudo, onde ficava o lubrificante. Louis abriu a mesma e viu um vibrador ali. Ele olhou para mim, sorrindo e eu fiquei vermelho no mesmo instante.

- Parece que alguém aqui é mais safadinho do que eu imaginava. – Louis falou, pegando o brinquedinho. – Vamos aproveitar melhor essa noite. O que acha?

Louis nos virou na cama, ligou o tal vibrador e o lambuzou de lubrificante. Ele se deitou em cima de mim e começou a me beijar com uma vontade insana. Aos poucos comecei a sentir a vibração próxima a minha entrada.

- Enfia logo. – falei entre os beijos e isso foi seguido de um grito, já que ele penetrou com toda a força. Louis começou a movimentar o vibrador dentro de mim, até que eu gritei, pois ele havia encontrado o meu ponto de prazer. Tendo achado o ponto, ele deixou o brinquedo ali, parado, vibrando constantemente, e me fazendo remexer na cama.

Louis se sentou no meu quadril e guiou meu pau para dentro dele, quicando instantaneamente. Começamos uma movimentação cadenciada na cama. Ambos gemendo alto de prazer. Nunca havia me sentido daquela forma. Estávamos sensíveis da gozada anterior, por isso não demoramos a ficar ofegantes e em seguida jorramos nossos gozo um no outro. Louis se levantou, ofegante e tirou o vibrador de dentro de mim, o desligando em seguida.

Nos sentamos na cama e ficamos nos olhando por alguns minutos, até que começamos a rir igual bobos. Aquele momento tinha sido um auge para os dois. Louis se levantou e me puxou para um banho. Não foi mais do que uma ida ao chuveiro, cheia de beijos e carícias, que não tinham condições de avançarem para algo a mais, considerando a exaustão de ambos.

Vestimos nossas boxers e Louis foi até o quarto ao lado, conferir se Freddie estava bem. Enquanto isso, eu desci para pegar a babá- eletrônica que havia sido esquecida na cozinha. Maravilha de pais tarados que essa criança tem. Subi as escadas e encontrei Louis parado na porta do quarto, me esperando.

- Algum problema? – perguntei, me aproximando.

- Só estou pensando em quando foi que eu tirei a sorte grande. – ele falou, afundando o rosto no meu peito. – Quando foi que o cara mais gostoso do mundo se tornou meu?

- No instante que ele olhou para os seus olhos. – respondi, beijando seus cabelos e nos guiando para dentro do quarto. – Naquele momento, eu sabia que nos pertencíamos.

 

O dia amanheceu e um choro encheu nosso quarto.

- Sua vez. – Louis falou, se enfiando dentro das cobertas. Ri do jeitinho dele e me levantei, indo até o quarto do Freddie.

- Bom dia, bebê. – falei e ele sorriu. – Vamos tomar café e depois o Hazza tem que ir pra academia. Aí, você vai ter que ficar com o papai. Ok?

Desci as escadas e encontrei Tracey, minha governanta, cozinheira e anjo que cuida da minha casa. Tem hora que parece que não tem ninguém em casa, mas tudo está sempre organizado. Isso é sempre culpa da Tracey. Ela estava conversando com Andy, e ambos tomavam chá, diante de uma mesa completamente posta para o café da manhã.

- Então esse é o pequeno? – Tracey falou se aproximando. – Bom dia, coisinha. – Ela falou, pegando Freddie no colo, que foi sem relutar. – Bom dia, anjo. – falou me dando um beijo no rosto.

- Freddie, Tracey. Tracey, Freddie.  – falei rindo. – Você faz a mamadeira dele?

Ela confirmou com a cabeça e eu me sentei ao lado do Andy.

- Ok, o que faremos hoje? – Andy perguntou, pegando outra torrada. – Me senti um espião quando você me mandou a mensagem ontem.

- Bom, ontem o tal do Brandon. Lembra? – Andy confirmou com a cabeça, pois sabia da história do apartamento do Louis. – Resolveu agarrar o Louis e na hora que o empurrou, com raiva, derrubou meu filho, digo... Derrubou o Freddie no chão.

- Filho da puta! – Andy falou alto e Tracey tapou os ouvidos do Freddie, e brigou com ele. – Desculpa.

- Por isso, hoje, nós vamos lá, bater um papo com o cara. – falei, sorrindo e tive o sorriso reprovado.

- Styles, não sou o Zayn. – Andy falou e eu fiz cara de “o que?” – Não vou aprovar você dar lição nas pessoas.

- Qual é, Andy? – falei, fazendo cara de pidão. – Por favor. Só vou conversar.

- Você é uma pessoa pública, não pode se envolver nessas merdas. – Andy falou. – Não vou deixar você ir até lá e bater num cara.

- Bater em quem? – Louis falou, entrando na cozinha e caminhando até Tracey e Freddie. Ele deu um beijo de bom dia no filho e se apresentou para Tracey, que o deu um beijo carinhoso no rosto. – Hein?

Andy e eu nos olhamos. Louis colocou Freddie na cadeirinha de alimentação e pôs o mingau em frente a ele.

- No Brandon, né? – Louis perguntou e eu confirmei. – Ninguém vai bater em ninguém. O Freddie não se machucou e estamos muito bem aqui.

- Mas Lou... – falei.

- Sem mas. – ele rebateu e se inclinou para me dar um selinho. – Sem brigas, Hazz.

Sorri ainda com os lábios colados com o dele.

- Só uma conversinha. – falei, tentando convencê-lo.

- Ok. – ele falou, suspirando. – Pode ir. – Sorri e Andy o olhou confuso. – Mas aí, você fica um mês sem sexo.

Minha boca formou um “o” perfeito. Andy e Tracey começaram a rir descontroladamente.

- Você não aguentaria. – falei, estreitando os olhos.

- Eu estava a quase isso sem sexo, quando te encontrei, babe. – Louis falou, voltando sua atenção ao mingau de Freddie. E eu suspirei.

- Ok. Não vou brigar com ninguém. – ergui as mãos, me dando por vencido.

- Alguém tomou um chá de pica e ficou obediente! – Andy, cantarolou e eu joguei um morango em sua direção. – Os meninos chegam hoje.

- Eu sei. – respondi. – Eles virão jantar aqui, antes de irem para casa.

Louis sorriu com a notícia e voltou a dar comida ao Freddie.

 

- Lou. – falei, enquanto fazia a barba.

- hm... – ele respondeu, ainda embaixo do chuveiro.

- Não vou atrás do Brandon, mas vou processá-lo por te agredir. – falei, parando o que estava fazendo e o olhando.

- Precisa mesmo? – Louis suspirou.

- Sim, Louis. – falei, meio exaltado. – Ele podia ter machucado feio nosso filho.

- Ok, Harry. – Louis se deu por vencido. – Não vou discutir isso, porque já vi que não vou ganhar.

Louis saiu do boxe, enrolado na toalha e me deu um beijo nas costas, antes de sair do banheiro, em direção ao closet. Terminamos de nos vestir e liberamos Tracey para ir embora. Ela havia ficado com o Freddie, enquanto nos arrumávamos.

- Ahá! – uma voz encheu a sala. – Achei que nunca veria Harry (pegador) Styles, sentado no sofá da sala, vendo Barney.

- Pro seu governo, isso é Pocoyo. – falei, me levantando. – Barney é o dinossauro roxo. Você não teve infância?

- Tive, cara. – Zayn falou, me abraçando. – Mas depois dos 17, Barney passou a ser o cara pegador de How I Met Your Mother, vulgo, minha meta de vida.

- Pode ir tirando pegador da sua meta de vida. – Liam falou, rindo. – Principalmente, porque você me namora desde os 15, babacão!

Abracei Liam, que correu para o sofá, para abraçar Louis e Freddie. Os meninos se encantaram com o pequeno, instantaneamente, como todos os demais.

Depois que jantamos e Freddie, finalmente, dormiu. Nos sentamos no sofá para tomar um vinho e conversar sobre a semana de moda. Os meninos falaram que as entrevistas deles passaram a envolver muita coisa relacionada a mim e o meu cancelamento. Além disso, eles foram fotografados nas saídas “clandestinas” deles e Jeff estava em conflito consigo,  por não ter conseguido escondê-los dos paparazzi nessas saídas. Fora isso, a semana de moda havia sido o mesmo de sempre.

Eles foram avisados sobre a contratação de Louis, já que o Jeff fora avisado que uma indicação do Andy, um de seus funcionários, havia sido um grande achado. Louis ficou feliz por ter sido reconhecido. Aproveitei que Jeff era um assunto e liguei para ele, o convidando para vir até a minha casa durante o fim de semana.

- Mas e aí? – Liam falou. – Isso aqui virou namoro mesmo, né?

- Bom, estamos sem rótulos, ainda. – Louis falou, meio sem graça. – Mas estamos bem.

- Sim, estamos ótimos. – sorri para ele.

- Nunca vi o Styles abobado desse jeito. – Zayn falou rindo. – Conheci essa coisa, ela era virgem e inocente, mas só pensava em trabalhar.

- Eu ainda amo trabalhar. – rebati.

- Mas até mês passado, trabalho era sua prioridade. – Liam falou.

- E ainda é. – Louis falou, rindo.

- O Harry antigo jamais deixaria uma semana de moda. – Liam rebateu. – E ele saiu de lá pra casar e virar pai.

- Ele não casou! – Louis falou, parecendo meio irritado.

- Mas virou pai! – Zayn falou e eu acenei para ele disfarçadamente, para ele parar. – A gente tá brincando, Louis.

- Só não quero que achem que estou atrapalhando o Harry. – Louis falou, sem graça.

- Você não tá atrapalhando em nada. – falei, me sentando ao lado dele e dando em seu ombro.

- Não mesmo. – Liam falou, puxando Zayn para o seu colo. – Nunca vimos o Harry tão feliz.

Louis olhou para mim, como se buscasse confirmação e eu apenas lhe dei um selinho. Colocamos um filme para passar e ficamos ali, os dois casais, curtindo o clima bom.

Liam e Louis pegaram no sono. Logo depois que o filme acabou, Zayn e eu fomos para a cozinha, tomar outra taça de vinho.

- E aí? – Zayn falou, se sentando perto do balcão.

- Cara, eu tô louco por ele. – Falei sorrindo, igual um idiota. – E o Freddie...

- Você sabe que o Liam e eu nos apaixonamos no nível miojo, em três minutos. – ele falou e eu coloquei a mão na boca, pra controlar a gargalhada.

- Ele pediu para ir devagar, mas eu não consigo evitar chamá-lo de amor. – falei, olhando para Louis, deitado no sofá. – Ou evitar tratar o Freddie como filho.

Zayn sorriu, entendendo que eu realmente estou envolvido naquilo até o pescoço.

- Quero conversar com você sobre uma coisa. – falei, mais sério. – Lembra do Brandon?

- O babaca que queria trocar aluguel por sexo com o Lou? – Zayn perguntou e eu confirmei.

- Bom, ele empurrou o Louis, num momento de raiva e o Louis deixou o Freddie cair no chão. – falei e pude ver a raiva surgindo nos olhos do Zayn. – O Louis disse que eu não posso bater nele, mas....

- Você não, mas conheço quem pode. – Zayn falou, me interrompendo. – Não se preocupe, que eu cuido disso.

- Certeza? – perguntei e ele confirmou com a cabeça.

- Me passa o endereço do cara e eu cuido de tudo. – Zayn falou, me entregando seu celular, para eu colocar os dados.

- O Louis não pode sonhar com isso. – falei, enquanto digitava. – E, de qualquer forma, vou processar o cara por agredir meu filho, quero dizer, o Freddie.

- Pode chamar ele de filho, H. Aliás, seu filho é lindo. – Zayn falou sorrindo. – E sobre o Louis, vai com calma. Porque é meio óbvio que ele gosta de você.

Depois de um tempo, Zayn acordou Liam para irem embora e eu não tive coragem de fazer isso com Louis. Apenas o peguei no colo e levei até a nossa cama. Quando o acomodei na cama, comecei a tirar suas peças de roupa e ele despertou, passando a mão nos meus braços.

- Espero que você não esteja planejando abusar de mim. – ele falou, se aproximando do meu ouvido. – Ou, se estiver, que faça com carinho.

- É muito mais legal se você estiver acordado. – falei, sorrindo, e terminei de despi-lo. Louis sorriu e se ajeitou na cama, para voltar a dormir.

 

Acordamos cedo e, assim que voltei da academia, decidimos ir ao mercado, já que não tinha nada em casa para preparar o almoço. O mercado é pertinho, por isso decidimos ir a pé. Liguei para Jeff e ele confirmou o horário que chegaria e ainda avisou que não haveria problema em ir a pé, já que na minha vizinhança não costumávamos ter que lidar com paparazzi.

Caminhamos calmamente, com uma das mãos dadas, já que Louis estava empurrando o carrinho com a mão livre e eu conferia a lista de ingredientes da receita que eu faria. De repente comecei a ter a impressão de que estava sendo vigiado. Não sei porque, mas eu tenho um detector para paparazzi.

- Amor... Quer dizer, Louis. – falei, tocando seu braço – Vamos ser fotografados.

- Como assim? – ele falou, olhando em volta. – Você disse que não tinha problema vir a pé.

- E não tinha. Mas eu sei quando estou sendo observado. – falei, tirando meus óculos escuros e entregando para ele. – Desculpa.

Louis suspirou e virou o carrinho de Freddie, para que seu rosto não aparecesse em fotos. Abaixamos a cabeça e apressamos o passo. De repente, um paparazzo teve a coragem de se aproximar. Depois mais um e mais um. Quando percebi 6 pessoas estavam a nossa volta. Continuamos caminhando. Faltava pouco para chegar ao mercado. Louis segurava as hastes de guia do carrinho com força. Não falei nada, apenas coloquei a mão em sua cintura e nos guiei para dentro da loja. Em Londres é proibido que eles adentrem os estabelecimentos, então estaríamos seguros, ali.

- Harry. – Louis falou apreensivo, me observando andar pelos corredores do supermercado, tranquilamente. – Como vamos embora?

- Já mandei mensagem para o Jeff, o Andy vem nos buscar pela entrada dos fundos. – respondi e ele continuou me olhando. Olhei em volta, para ver se tinha alguém por perto e estávamos sozinhos. Aproximei-me dele e o abracei.

- Desculpa. – falei, apertando seu corpo. Louis me beijou carinhosamente. – Eu realmente achei que dava pra gente vir andando.

- Não tem problema. – Louis deu de ombros. – Sei que não foi você. Só estou assustado. Não sou acostumado com isso. Como você consegue?

- Faço isso desde os 10 anos de idade, então. – foi a minha vez de dar de ombros.

Terminamos de escolher as coisas e encontramos com Andy nos fundos do supermercado. Chegamos em casa e Jeff já estava lá com a Gleene, sua namorada. Andy não entrou, apenas nos deu carona.

- Ok, preciso mudar a fechadura dessa casa. – falei, me aproximando de Gleene, para abraça-la. – Como vocês estão?

 

- Estamos ótimos. – Gleene respondeu e em seguida foi se apresentar para Louis e Freddie.

- Olha, não vou conseguir evitar que as fotos saiam. – Jeff falou nervoso. – Infelizmente.

- Tem certeza? – perguntei e Louis se aproximou. Jeff confirmou.

- Algumas já foram publicadas. – Jeff falou, arrasado e olhou para Louis. – Desculpa.

- Relaxa, Jeff. – Louis falou, dando de ombros e se encostando em mim, apoiando as costas no meu peito. – Já aceitei que estou com esse aqui.

Demos risada e Jeff parou de se importar. Ele relaxou e tivemos uma refeição bastante agradável. Depois que Jeff e Gleene foram embora, Louis e eu decidimos levar Freddie para brincar na piscina. O telefone do Louis tocou e ele saiu para atender. Ele voltou, jogando o telefone na espreguiçadeira.

- O que foi? – perguntei, de dentro da piscina.

- Era a Briana. – ele falou com lágrimas nos olhos. – Ela disse que quer o Freddie de volta.

 


Notas Finais


Desculpa pela falta de correção e por postar de madrugada. Espero que gostem. Por favor, me falem o que está bom e o que está ruim. E sim, o Niall vai ficar mais presente.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...