História It seems that the game turned darling! - Capítulo 27


Escrita por: ~, ~BeaWirt e ~Nogitsune_BSD

Postado
Categorias TazerCraft
Tags Cellbit(rafael Lange), Cellps, Celltw, Felps, Mike, Mitw, Pac(pactw), Rezende, Tarik(pac), Tazercraft
Exibições 138
Palavras 1.957
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Hentai, Lemon, Mistério, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Suspense, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Voltaram as lendas que sumiram anos e renasceram, claro.
Esse capítulo quem escreveu foi a nova counter a Mari que também fez o capítulo passado, agora ela faz parte da nossa Fanfics.
Porque porra gente eu tô ficando com bloqueio MiTw e a partir de agora a Mari e eu vamos escrever, a Camila está offline porque é uma nojenta querida.
Então uma calorosa e boas vindas a Mari ♥

Capítulo 27 - Two children


 

P.O.V’s Tarik:

 

Eu ainda estava pensando no que havia acontecido, esse moreno está me deixando louco... Como ele consegue mexer tanto com a minha cabeça assim? Sinto uma mão no meu ombro, com certeza é ele quem está ali. Mas, por algum motivo, sinto que eu fiz algo de errado...

-Pac, sua mãe disse que é para arrumarmos nossas coisas. Nós vamos voltar para casa hoje, após o café. – Mike falou e pude ouvi-lo saindo da barraca logo em seguida.

Retirei meu rosto do travesseiro e vi que ele realmente não estava mais ali, espero que ele não tenha ficado chateado comigo. Mas por que eu estou me importando com isso?! Ele que estava agindo estranho. Mas eu poderia ter sido mais gentil com ele... PAC SE CONTROLA NÃO É NADA DISSO.

-É melhor eu arrumar as coisas... –Murmuro para mim mesmo.

Pego minha mochila no canto da barraca e coloco algumas coisas dentro, percebo que algumas roupas estavam faltando, olho para os lados procurando-as, vejo que estavam junto com as coisas do Mike. Por que ele pegou minhas roupas? Termino de colocar tudo na mochila e saio da barraca. Vejo todos sentados tomando café, me sento ao lado de Mike e ele se levanta na mesma hora, fico olhando para o mesmo que se afastava lentamente.

-Filho onde você vai? –Kath pergunta fazendo Mike parar de caminhar.

-Eu já terminei de comer, vou arrumar minhas coisas.

Ele nem olhou para nós enquanto falava, olho para minha mãe que me observava inquieta. Ela e Kath trocam olhares preocupados, eu só as ignoro começando a comer.

-Filho, aconteceu alguma coisa? –Fala minha mãe quebrando o silêncio.

-Por que a pergunta?

-O Mike parece estar estranho, vocês brigaram? –Fala Kath impedindo que minha mãe diga algo.

-Eu não sei ao certo...

-Quer que eu converse com o Mike? –Kath parecia tentar me ajudar, mas só estava me deixando constrangido.

-Acho melhor não, não é necessário. Depois eu falo com ele. –Esse idiota mesmo não estando presente consegue me deixar em cada situação.

 

 

 

[...]

 

Voltei para a barraca, quando entrei só vi duas mochilas e os cobertores dentro da barraca. Saí e ajudei minha mãe a desmontar as barracas, nenhum sinal do Mike até agora. Quando terminamos tudo, Kath me pediu para procurar o Mike, ele não apareceu neste tempo todo para ajudar, folgado.

Voltei para o lago de hoje cedo e, deitado sob uma arvore a beira do lago, lá estava ele. Andei um pouco mais rápido para ir até o mesmo, Mike me vê e revira os olhos em desagrado.

-O que você quer? –Diz ele ríspido.

-Calma, eu vim em paz. –Digo forçando um sorriso por sentir o clima tenso.

-Para de brincadeira e fala logo.

-Nossa Mikaé, que bicho te mordeu? –Digo me sentando ao lado dele.

-Nenhum. –Resmunga o moreno se sentando também, mas desviando o olhar para o lado.

-Você está bravo comigo?

-Haha! Como se você se importasse... –Fala ele sarcástico.

-Escuta, eu me importo sim! Deixa de ser idiota.

Ele me encara, seu olhar me causa um arrepio, seu rosto vai se aproximando do meu, eu não conseguia mover um músculo, tudo parecia parar naquele momento. Quando pensei que nossos lábios iriam tocar Mike, parece voltar a realidade, se afasta e olha para baixo dando uma risada fraca.

-M-Mike... –Digo corado.

-Pac, não diz nada, por favor. –Ele se levanta indo em direção ao acampamento.

-Ei, espera! –Corro até o mesmo e seguro sua mão –Não faz isso...

-Não faz isso você! Eu já enjoei de tudo isso, de me iludir. Eu já sei que é tudo culpa minha! Você ainda não está satisfeito?! –Parecia que ele iria explodir ali mesmo.

-Me conta o que está acontecendo, eu estou totalmente perdido aqui.

-QUE MERDA PAC! POR QUE VOCÊ NÃO SE LEMBRA?! –Ele grita e eu solto sua mão dando um passo para trás.

-Me lembrar do que?! Todo mundo fica me dizendo isso, mas ninguém me explica do que estão falando! Eu realmente quero entender, eu quero me lembrar... Que droga Mikhael...

Minha cabeça doía muito, coloco uma de minhas mãos em meu rosto, a dor parecia aumentar a cada segundo, Mike pareceu perceber isso. Sua expressão de raiva diminuía até se aproximar de mim, aparentemente preocupado.

-Você está bem? –Diz ele colocando sua mão em minha bochecha.

-Para com isso! –Digo tirando a mão dele do meu rosto –Você é bipolar sabia?! Quando realmente se acalmar e deixar de ser tão babaca, venha falar comigo, por hora só volte comigo antes que sua mãe tenha um ataque de preocupação.

Caminho em direção ao acampamento, minha cabeça doía me fazendo andar cambaleando um pouco para os lados, eu deveria estar parecendo um bêbado com ressaca andando. O idiota estava atrás de mim, me seguindo em silêncio. Melhor assim, ele está totalmente louco hoje.

Minha mãe estava conversando com a Kath, as duas estavam próximas ao carro, o carro do pai do Mike não estava mais ali, provavelmente já deve ter ido embora. Corri até minha mãe e ela me fez algumas perguntas por preocupação. Não contei sobre minha dor de cabeça, quando Mikhael chegou virei o rosto para não vê-lo, minha mãe percebeu e deu um suspiro. Minha mãe e Kath se sentaram no banco da frente, me sentei atrás junto com o Mike, um em cada lado do carro, fiquei olhando para o vidro o tempo todo, sem olha-lo nos olhos.

-Todos prontos? –Kath pergunta animada tentando aliviar o clima tenso presente no carro.

Ninguém responde então Kath começa a dirigir, em menos da metade do caminho começa a chover. Na verdade, parecia que o mundo estava caindo sobre nossas cabeças, Kath dirigia com cuidado pela estrada molhada ser muito perigosa. A estrada seguia subindo uma montanha, o lado da estrada em que estávamos era o lado da queda da montanha. Eu estava com um pouco de medo eu confesso, se caíssemos dali provavelmente iriamos morrer, acabei me afastando um pouco da janela do carro, colocando minha mão sobre o banco.

Alguns minutos depois posso sentir a mão de Mike sobre a minha, esse garoto realmente não perde a oportunidade, não é? Bufei e coloquei minha mão em meu colo, ele revira os olhos como se eu quem tivesse tido uma atitude infantil. O carro para de um jeito brusco, fazendo com que deslizemos um pouco na estrada deixando o carro bem na beira do barranco.

-MEU DEUS O QUE FOI ISSO?! –Digo ofegante pelo susto.

-Desculpa pessoal! Mas a gasolina acabou e acabamos derrapando! –Fala Kath assustada como todos no carro.

-E agora o que vamos fazer? Vocês não têm gasolina no porta malas, tem? –Disse Mike tentando achar uma solução.

-Não, seu pai quis levar a gasolina com ele. –Kath revirou os olhos.

-Droga! Meninos, eu tem um jeito, mas vou precisar de vocês dois pra isso. –Minha mãe pareceu achar uma solução, mas pela cara dela eu não iria gostar muito...

-O que foi? –Mike se pronuncia.

-Eu preciso que vocês dois vão ao posto de gasolina mais próximo.

-Mas onde fica isso?

-É só seguir a estrada, vocês terão que subir o resto da montanha e depois desce-la, no pé da montanha a estrada vai se dividir em duas, vocês vão pegar o lado esquerdo, algum tempo de caminhada depois vocês vão encontrar o posto de gasolina. –Minha mãe explica tentando ser a mais clara possível.

-Mas e a chuva? –Digo com o Mike.

-Minha mãe trouxe capa de chuva para nós. –Ele novamente aponta uma solução.

-Ok, vamos logo... –Digo revirando os olhos.

Minha mãe me entrega o dinheiro e vamos para fora do carro, saio pelo mesmo lado que Mike, por minha porta estar muito próxima ao barranco, abrimos o porta-malas e pegamos as capas de chuva na mochila. Minha mãe entrega a capa de chuva para Kath, ela estava dentro do carro pois se saísse e não tomasse cuidado ou escorregasse, provavelmente ela cairia. Minha mãe, Mike e eu colocamos as capas, antes de ir pegar a gasolina, vou até minha mãe e pergunto.

-O que vocês vão fazer aqui enquanto isso?

-Kath e eu vamos tentar ligar para o pai do Mike para avisarmos que vamos chegar tarde. Mas como você sabe aqui não tem um sinal muito bom, então provavelmente vamos ter que caminhar um pouco também. –Explica a mais velha.

-Eu não posso ir com vocês? –Falo fazendo bico.

-Escute, filho, eu sei que você e o Mike estão meio brigados. Mas ele não pode ir sozinho, é muito perigoso. Além do mais, você não acha que essas briguinhas de vocês dois são muito... infantis?

Reviro os olhos e cruzo os braços.

-Eu sei que vocês dois tem os motivos de vocês, mas... –Ela faz uma pausa e continua –Tenta entender o Mike, ele passou por muita coisa, um dia você vai ver o quanto as coisas mudaram pra ele... pra vocês dois.

-Mãe, você tá estranha... me diz o que tá acontecendo.

-Não é nada, vai lá com o Mike.

Suspiro e vou até o moreno, ficamos lado a lado e começamos a caminhar.

A chuva parecia aumentar a cada segundo, o vento também não ajudava em nada, mesmo com a capa de chuva eu já estava ficando encharcado, sentindo cada vez mais frio.

Depois de mais ou menos meia hora andando, chegamos no topo da montanha, saímos da estrada e descansamos sob uma árvore, eu estava tremendo de frio, minha camiseta não me ajudava muito por estar muito molhada.

Mike se aproxima um pouco, me segura pelo braço e me puxa para um abraço. Embora ele também estivesse molhado senti menos frio, tentei me separar dele algumas vezes, mas o mesmo não deixou. Depois de algumas tentativas falhas apenas permiti que ele me esquentasse. Eu não estava muito feliz com ele, mas também não queria passar frio... Ah, vou falar a verdade, não estou com raiva dele. Embora ele seja um COMPLETO IDIOTA, não consigo odiá-lo por muito tempo.

Me sinto tão bem ficando assim com ele, gosto de tê-lo por perto. Mas sinto que há algo entre nós que ainda não foi bem explicado como devia, na verdade, muita coisa. Ele sempre me irrita, mas também sempre me alegra, é complicado... Sinto sempre algo diferente e ao mesmo tempo bom. Mas eu estou namorando o Cellbit, eu não posso pensar nessas coisas... Por que eu não me sinto assim tão bem com o Cellbit? Afinal, eu namoro com ele, eu o amo. Ele sempre esteve comigo... Mas também sinto como se conhecesse o Mike a tanto tempo. Como ele consegue me deixar tão confuso?

 

P.O.V’s Mike:

 

É tão bom ter ele nos meus braços de novo, sinto falta dos abraços apertados que ele me dava, dos sorrisos e olhares que ele me lançava. Ah, como você pode esquecer de tudo isso? Se você soubesse o quanto isso me dói pequeno, a verdade é que eu nunca esqueci da nossa promessa. Por que você tinha que estar com aquela loira? Por que tinha que me esquecer tão facilmente? Se eu pudesse eu não te soltava nunca mais... Queria permanecer nesse abraço para sempre, como eu quis há anos atrás. Novamente esse medo de te soltar preenche meu peito, sinceramente, eu não sei mais o que fazer.

Ah, pequeno... Você faz tanta coisa doer em mim, eu não deveria te perdoar por isso, mas eu não consigo te odiar. Mas você realmente consegue me tirar do sério, se você não tivesse esquecido tudo pelo o que passamos, seria tudo mais fácil ou tudo mais difícil... Preciso parar de me iludir tanto com você, mas você se tornou quase um vício pra mim.

Não sei se te amo ou se odeio.


Notas Finais


Eu não sei o que dizer...
A
S

L
E
N
D
A
S

V
O
L
T
A
R
A
M

B
Y

C
E
L
L
B
I
T


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...