História It Would Be Love - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Selena Gomez
Tags Criminal, Hot, Jelena, Justin Bieber, Máfia, Romance, Selena Gomez, Sexo, Trafico
Visualizações 107
Palavras 2.826
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Mistério, Policial, Romance e Novela, Suspense, Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olha só quem chegou com um capítulo novíssimo para vocês!💓

Eu espero de verdade que vocês aprovem o capítulo.... Bom, chega de enrolar.

Boa leitura 📖💜

Ps: NÃO me matem e leiam as notas finais!

Capítulo 3 - Feliz ano novo, ou não...


Fanfic / Fanfiction It Would Be Love - Capítulo 3 - Feliz ano novo, ou não...

 

 

                                      Véspera de ano-novo

                   Duas horas antes da virada do ano 

                                                Casa dos Taylor's

                                            POV'S Selena Gomez

 

O carro é estacionado próximo à casa de Taylor. Ficamos uns cinco minutos em silêncio absoluto, sendo possível de se escutar somente o som de nossas respirações. Nervosismo? Com certeza. O motivo? Bom, o da Lindy é fácil de se imaginar. Garotos. Já o meu, eu não tenho a menor ideia. Talvez seja o fato de ser o meu primeiro ano novo longe da minha mãe. Desde que meus pais se separaram sempre foi apenas minha mãe e eu. Respiro fundo e encaro minha amiga, que agora retoca sua maquiagem.

— Preparada? - Pergunto e ela me encara com uma expressão debochada.

— Meu nome é Lindsay Monroe, já nasci preparada. - Reviro os olhos por sua fala e sorrio brevemente.

— Você é muito convencida. - Digo enquanto saio do carro.

— Eu sei. - Diz na maior naturalidade. Cara de pau. 

A rua se encontrava um tanto quanto movimentada. Pessoas chegavam com seus grupinhos e conversavam animadamente sem se importarem com o barulho que estavam fazendo. Claro, é uma data comemorativa, o certo é se divertirem. O local em que estávamos ficava na parte mais isolada de New York, distante dos prédios. Fomos caminhando até parar em frente à casa, ou melhor, à mansão de Taylor, que mesmo do lado de fora, já dava para escutar o barulho alto da música que tocava. Eu não sabia que Taylor era tão rico assim...

— Lindsay Monroe e Selena Gomez. - Minha amiga diz ao segurança que controlava a entrada dos jovens na festa. Ele olha a prancheta em sua mão e assente liberando nossa passagem. Lindy me encara e faz uma dancinha animada, me arrancando uma breve gargalhada. Ela é louca. 

Ao pisarmos no jardim da casa, avistei de longe alguns colegas da escola. A maioria já estavam bêbados. Fracos. Rio de meus pensamentos e balanço a cabeça em negação. O interior da casa estava não estava tão diferente do lado de fora, também estava lotado de jovens que dançavam sem se importarem com nada.

— Selena! - Alguns de meus amigos me cumprimentavam de longe, eu por outro lado, apenas dava um breve aceno com a cabeça. Não, eu não sou aquela garota pulular e líder de torcida, mas também não sou a nerd que senta no fundo da classe. Eu sou apenas eu, Selena Gomez, a garota normal que trata todos com gentileza. Talvez seja por isso que a maioria lembra de mim. Ignoro meus pensamentos idiotas e sigo minha amiga, que no momento está me puxando para uma direção qualquer. 

— Ai meu Deus! Jackson está aqui. Como eu estou? - A doidinha, vulgo minha amiga, me olha desesperada enquanto arruma seus cabelos que já estavam arrumados. Confuso? Talvez. 

— Lindy, respira. - Peço e ela faz. — Você está linda, não se preocupe. - Digo e ela assente o encarando. Rio da mesma. Ela não é assim, sinceramente ela nunca foi assim, insegura. — Por que você não vai falar com ele? - Pergunto em seu ouvido devido à altura da música. Ela me encara com uma expressão apavorada e eu gargalho.

— Está maluca? Eu não vou fazer isso. - Diz cruzando os braços e o encarando novamente.

— Se não der certo, o máximo que irá acontecer é você ganhar um não. - Ela me encara neutra. — Vai lá, ele não seria idiota de te recusar. Você é maravilhosa, lembra? - Digo e ela arruma brevemente seu vestido lilás.

— Tem razão, eu sou maravilhosa. - Ela diz e eu gargalho. — Me deseje sorte. - Antes que eu a responda, ela pega um copo de bebida da mão de alguém e caminha até Jackson, que está sentado nos sofás junto com os amigos. Ela é maluca, só pode. Rio dela chagando nele, sempre direta.

— Está rindo do quê, poderosa? - Me assusto com a chegada repentina de Liam. — Desculpa, não queria ter te assustado. - Ele diz e me abraça bem forte. — Achei que eu estivesse alucinando ao ver você em uma festa cheia de líderes de torcida e pessoas fúteis, é novidade. - Ele sussurra no meio do abraço e eu gargalho. Nem é exagerado. 

— Lindy me obrigou. - Digo ao me soltar dele. — Mas e aí, cadê o Mike? - Pergunto curiosa por não vê-lo ao seu lado. Digamos que eles são carne e unha.

— Brigamos, mas você sabe, daqui a pouco fazemos as pazes. - Ele diz com uma expressão maliciosa e eu faço uma expressão de nojo.

— Poupe-me dos detalhes entre você e seu namorado. - Ele gargalha e me abraça de lado. 

— Você precisa beber, rainha. É uma festa, não um culto. - Ele diz e eu reviro os olhos.

— Eu acabei de chegar, o que você esperava? - Pergunto mas ele não me responde, apenas me puxa em direção à mesa das bebidas. Ele me entrega uma bebida, que pelo cheiro eu julgo como vodka, e eu bebo de uma vez, já pegando mais um copo. 

— Vamos dançar. - Liam me puxa pra pista de dança improvisada antes que eu fale alguma coisa. 

A música 'Work' começa a tocar, e muitas pessoas se juntam na pista para dançar ao ritmo do som. Liam solta um gritinho animado, é sua música favorita. Sim, ele e Lindy tem essa mania irritante de gritar em meu ouvido toda hora. Só pode ser implicância. 

Não posso negar, a música é contagiante. Antes mesmo dela chegar ao fim, meu corpo é virado, e um selinho é depositado em meus lábios. Eu iria bater no cara que fez isso, mas assim que vejo Brandon me encarando com um sorriso de tirar o fôlego, me jogo em seus braços em um abraço apertado. 

— Idiota, eu pensei que era um estranho, quase te bati. - Digo o encarando um pouco irritada, mas ele sabe que é brincadeira.

— Só faço isso porque eu te adoro ver irritadinha. - Ele diz me dando outro selinho. Acabo sorrindo quando ele me puxa para um beijo de verdade. Droga, ele é maravilhoso. Paramos de nos beijar com a voz de Liam nos chamando atenção.

— Vocês me enjoam. Vou atrás do meu namorado que eu ganho mais. - Ele diz e sai, fazendo com que Bran e eu ríssemos antes de nos beijarmos novamente. 

— Estava com saudades. - Ele murmura perto do meu ouvido, onde deposita uma mordidinha que me faz arrepiar. A não, ponto fraco não vale. 

— Eu também, Bran. - Sussurro e o beijo novamente. Nick Minaj começou a tocar, e eu o puxei para dançar ao som de 'Hey Mama'. Não, nós não somos namorados. Apenas temos uma amizade colorida. Ele pega quem ele quer e eu faço o mesmo. Claro que ele já me pediu em namoro, mas eu só o vejo como um amigo, e como sentimos atração um pelo outro, decidimos fazer esse 'acordo': pegar e não se apegar. Já faz três anos que estamos nessa e gostamos assim. 

Dançamos uma música atrás da outra, estava realmente divertido. Algumas pessoas já se encontravam ainda mais alteradas, o que de certa forma era engraçado de ver.  

 

                                     (...)

 

                        7 minutos antes da virada do ano

 

A casa se encontra em um perfeito caos, não no sentido ruim, mas sim devido a movimentação das pessoas circulando por ela. 

Faltam apenas alguns minutos para a meia noite, consequentemente para o ano-novo, e todos estão indo em direção ao imenso jardim da casa para observar os fogos de artifício que serão estourados dentro de alguns minutos.

No momento, eu não tenho a menor ideia de onde meus amigos mais próximos foram parar, provavelmente devem estar com seus acompanhantes. Dou de ombros e sigo na mesma direção que todos estão: o jardim. 

A música é parada pelo Dj, mas ninguém reclama, sabem que é o anúncio da virada do ano novo.

— Todo mundo se animando porque faltam exatamente um minuto para a meia noite! - Ele diz e arranca gritos animados de todos, inclusive meu. 

As pessoas conversavam e sorriam bem animadas, estavam se divertindo com suas companhias. Eu queria estar me divertindo desta forma, mas meus amigos me abandonaram para ficarem com seus ficantes, até mesmo Brandon. Reviro os olhos, às vezes eu consigo ser bem dramática quando quero. Culpem a Lindy. 

— Vamos começar a contagem. - O Dj diz chamando a atenção de todos. — 10, 9, 8... - Todos começaram a fazer a contagem praticamente saltando de alegria, e eu apenas encarava o céu estrelado o observando e aguardando o show de fogos. — 7, 6, 5... - Eu só quero que nesse novo ano tudo ocorra bem. Amizades, minha relação com minha mãe e até mesmo com meu pai, que eu quase não tenho contato. Enfim, eu só quero ser feliz. Eu sei que é apenas mais um ano, mas não custa nada sonhar, certo? Abro um sorriso largo e volto para a contagem. — 4, 3, 2, 1. FELIZ ANO NOVO!!! - O Dj diz e a animação se espalha ainda mais. As pessoas desejam um feliz ano-novo para todos ao redor. 

— Feliz ano-novo, gatinha. - Brandon chega do nada me dando um selinho e me abraçando de lado. 

— Feliz ano-novo, Bran. - Encarei o céu o vendo colorido devido aos fogos. Eu adoro essa imagem, mesmo que para alguns não tenha nenhum significado, o que de fato é verdade, mas eu simplesmente adoro encarar o céu todo colorido.

Olho ao redor e vejo Lindy correndo com dificuldade devido ao salto em minha direção. Assim que ela está próxima o suficiente, é impossível não segurar a risada, sua boca está toda borrada pelo batom.

— Feliz ano-novo para a melhor amiga do mundo. - Ela diz me abraçando.

— Feliz ano-novo, Lindy. Espero que você seja ainda mais vadia. - Digo e ela me da um tapa no braço rindo logo em seguida.

— E eu espero que você pegue herpes. - Ela diz e eu gargalho. Essa ruiva é louca, só pode. Ela encara Brandon e o deseja um feliz ano-novo, que retribui da mesma forma.

 Nós três ficamos um ao lado do outro, sendo que eu fiquei no meio. Encarávamos o céu estrelado e barulhento, no momento só faltavam duas pessoas para ficar perfeito, a minha mãe e o...

— Poderosa!! - Liam. Me viro e o abraço fortemente, ele é um dos meus melhores amigos desde o fundamental. — Feliz ano-novo, poderosa, que você fique com muitos gatinhos. - Ele diz e eu gargalho. Qual é a desse povo? 

— Feliz ano-novo pra você também, espero que você se acerte com o seu namorado. - Digo e ele encara por cima de meus ombros.

— Já nos acertamos. - Diz malicioso e eu gargalho. Ele está bastante safadinho pro meu gosto. Sorrio de meus pensamentos e o abraço o levando para perto dos meus amigos. Agora sim, está quase completo.

Voltamos para dentro da casa quando o show de fogos já tinha acabado. Sorrio desejando um feliz ano-novo a todos que passam por mim.

— Vamos beber! - Liam diz e sai pra pegar bebida para todos nós. Eu, claro, não recusei. Dessa vez decidimos ficar todos juntos, pelo menos por agora.

— Eu volto daqui a pouco. - Digo mas ninguém me responde, então eu apenas saio e sigo em direção ao banheiro. 

Assim que eu tranco a porta do banheiro, pego meu celular que estava guardado na minha bolsa e ligo para a minha mãe. 

Uma, duas, três... na quarta chamada ela me atende.

 

~Ligação On~

— Feliz ano-novo, mãe! - Digo com um largo sorriso no rosto. Escuto ela fungar antes de me responder.

— Feliz ano-novo, meu amor. Eu te amo muito. - Ela diz e eu franzo o cenho.

— Está tudo bem? - Pergunto preocupada e escuto novamente ela fungar.

— Sim, deve ser gripe, não se preocupe. - Suspira. — Meu bem, eu terei que desligar agora. Se divirta bastante. Eu te amo muito. - Dito isso ela desliga sem ao menos deixar com que eu me despeça. 

~Ligação Off~

 

Eu não sou burra, sei que minha mãe não está gripada. Reviro os olhos saindo do banheiro, deve ter sido mais uma briga com o idiota do Rick. Já disse que não gosto dele, né? 

A festa agora parece ainda mais animada, sorrio ao ver meus amigos dançando e bebendo como se essa fosse a última noite de suas vidas. Me junto a eles dançando sem me importar com mais nada.

Sinto mãos em minha cintura e beijos sendo depositados em meu pescoço. Dessa vez eu não afasto a pessoa, sei que é Brandon. Me viro e confirmo minhas suspeitas abrindo um largo sorriso. Iniciamos um beijo caloroso e com pegadas. 

— Vão pra um lugar privado. - Liam diz com nojo e eu gargalho em meio ao beijo.

— Como se você não fizesse coisa pior, né princesa? - Pergunto o encarando enquanto ele me mostra o dedo do meio. Gargalho e puxo Brandon para outro beijo. Suas mãos me seguram com firmeza e eu seguro um gemido. — Não vamos passar disso, Bran. - Digo sabendo suas intenções. Ele me encara arqueando sua sobrancelha.

— Eu não ia fazer nada. - Ele diz e eu o encaro debochada.

— Te conheço muito bem, Jones. - Ele ri e me beija novamente. Por isso eu gosto tanto de Brandon, ele nunca me cobrou nada, e eu prefiro assim. 

 

[...]

                                                         Hora 2:13 Am 

 

Aceno para o táxi que passava pela rua, fazendo com que o mesmo parasse logo em seguida. Perigoso? Talvez, mas eu não me importo, só quero ir pra casa e descansar. Dei o endereço para o motorista e encostei minha cabeça na janela apenas observando as ruas nova-iorquinas ainda movimentadas pelas festas de ano-novo que estavam acontecendo por aí.

A noite para mim já tinha chegado ao fim. Eu me diverti bastante, confesso que foi até melhor do que eu esperava, mas eu já estava exausta. Liam e Mike entraram em um dos quartos da casa e não voltaram mais, acho melhor nem falar nada. Brandon sumiu com Nicolle, também deve ter ido para um dos quartos, mas como eu disse, não sinto nada por ele além de amizade, então não vi problema algum com isso. Ah, Lindy conseguiu pegar o Jackson. Foi bem hilário o jeito que ela me contou enquanto estávamos no banheiro, acho que ela já estava mais alterada do que o normal. E eu, apesar de ter outros amigos, resolvo dar um fim à minha noite e me juntar a minha mãe. Esse vestido já está me incomodando, nem vou falar sobre os saltos.

— Obrigada, feliz ano-novo. - Digo ao terminar de pagar o taxista.

— Pra você também, senhorita. - Sorrio de leve e caminho em direção à entrada do meu prédio. 

A recepção estava um pouco movimentada, então apenas passei direto indo em direção ao elevador, que por sorte, já estava no térreo. Apertei o botão do meu andar e encostei nas paredes de metal do elevador escutando aquela musiquinha que me irritava profundamente. Dizem que essa música serve para acalmar, mas para mim, ela só piora a situação. Sim, sou claustrofóbica, mas isso não importa. 

Finalmente a caixa de metal se abre, liberando a minha saída daquele local minúsculo. Ando em direção à porta do apartamento, pegando as chaves que estavam em minha bolsa, liberando a entrada logo em seguida. Franzi o cenho, nenhuma luz estava acessa, o que era estranho já que minha mãe tem mania de deixar a cozinha acessa. Respirei fundo e tranquei a porta assim que a mesma já estava fechada novamente.

— Mãe? - Perguntei mas não escutei nenhuma resposta. Dei de ombros, provavelmente ela já estava dormindo. Tiro os malditos saltos que tanto apertavam meus pés soltando um suspiro aliviado. Aleluia me livrei desse peso.

Em passos lentos caminho até a cozinha, abrindo o armário em que ficavam os copos. Senti um cheiro forte adentrar em minhas narinas, mas novamente dei de ombros, deve ser o feito da bebida em meu organismo. Antes mesmo de chegar até a geladeira para pegar a água, meus pés ficam em algo que faz com que eu recue rapidamente. É grudento e pegajoso. Ando rapidamente até a entrada/saída da cozinha e acendo à luz. O copo que antes estava em minhas mãos, agora se encontrava espatifado no chão. Um grito alto e rouco sai por entre a minha garganta. Incontáveis lágrimas desciam pelo meu rosto sem o menor controle. Merda, mil vezes merda.

— MAMÃE! - Caminho rapidamente até o corpo ensanguentado de minha mãe. Pego em sua mão checando sua pulsação. Nada. Eu não tinha mais controles sobre minhas lágrimas e meus soluços. É uma situação desesperadora. Olho em volta e arregalo os olhos ao ver Rick com uma arma na mão também morto. Filho da puta desgraçado. — Não me deixa, mamãe. Eu preciso de você... - Seguro em sua cabeça a colocando em meu colo. — Eu preciso de você, eu preciso de você... - Murmuro entre as lágrimas que saiam descontroladamente. Não ligo, nada mais importa. Ela está morta. 

 

                                 

 

                                                  

 


Notas Finais


Wow, que capítulo foi esse?

Adivinhei aonde eu estou: no Shawn! Alguém mais se encontra desse jeito?

Eu espero de verdade que vocês não me matem pela morte da tia Mandy e nem a do Rick, mas vai ser um passo MEGA importante para a continuação da estória.

Sobre o capítulo só direi uma coisa: Nem tudo é o que parece ser. Quem entendeu parabéns, quem ainda não entendeu, irá entender daqui pra frente.

No próximo capítulo eu esclarecerei tudo sobre o que aconteceu nesse final. E por falar nele, eu já comecei a escrever, então não deixem de comentar e deixar a opinião de vocês. Tentarei ser rápida para postar o próximo.

Fiquem com Deus 🙏🏻

Boa semana e beijos de luz 💫

Ps: comentem please🌹


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...