História It's hard to find... love - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Amor Doce
Personagens Alexy, Ambre, Armin, Castiel, Dakota, Debrah, Iris, Kentin, Kim, Leigh, Lysandre, Melody, Nathaniel, Peggy, Priya, Professor Faraize, Professora Delanay, Rosalya, Violette
Tags Ação, Amor Doce, Drama, Revelaçoes, Romance
Visualizações 8
Palavras 4.580
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Romance e Novela, Violência
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo, Spoilers, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


OLAAAAAAAAAAAA antes de tudo!

Quero pedir vos um montão de desculpa pelo meu GRANDE atraso em postar um novo capitulo, a minha vida não está sendo muito fácil ultimamente para escrever qualquer coisa que seja, mas whatever. Então para TENTAR recompensar vocês do tempo de espera trouxe um capítulo bem maiorzinho que qualquer um.

há e mais uma coisinha! eu vou fazer umas mudanças na história ( tipo a sinopse e o nome dela, pois a ideia da minha cabecinha, diz que como eu não sabia ou certo o que iria ser desta história, não tinha assim um título que eu gostasse, mas agora que já sei o que vou escrever ao certo, eu vou mudar o nome, e para vocês não estranharem ao verem outro título) então acho que é tudo por agora.

Boa leitura! ^U^

Capítulo 9 - Insecurities


Fanfic / Fanfiction It's hard to find... love - Capítulo 9 - Insecurities

 

Desde que nos sentámos os dois, não trocamos nenhuma palavra, sinceramente, também não saberia o que havia de dizer. Queria falar com ele mas não sabia bem como, parecia tão calmo e pensativo através do seu reflexo que a janela emitia, podia ficar aprecia-lo a viagem toda… o que eu estou para aqui a pensar, ele pode reparar! Ok vamos esquecer isto tentar dormir.

 

                                                                P.O.V. ROSA

A viagem já tinha acabado e o castiel só ressonava, ainda bem que ele não acordou, se não haveria bronca. Bom mas agora que já podemos nos levantar vou ver como estão eles. Levantei me e fui até ao lugar deles onde me deparei com eles enconstadinhos um ao outro, não resisti e tirei lhes uma foto, para eles poderem verem que ficam muito bem juntos, não sei se devo acorda-los… nah prefiro que sejam eles mesmos.

                                                           P.O.V. LYS                        

Acordei com uma dor de pescoço, e pelo que me parece acho que não serei o único a tê-la, ela dormia profundamente encostada a mim, ela estava tão bonita e serena… Até me custa acordá-la, mas ganhei coragem cutucando no ombro dela

-Yuki acorda! – Murmurei, baixo, mas parece que não alterou nada – Já chegámos – disse desta vez com um volume mais alto

Yuki – hum, só mais cinco minutos- resmungou, aconchegando-se melhor em mim, dando por mim a corar.

– B-bom, se te levantares agora podes dormir melhor na tua tenda – Ao concluir a frase a sua cabeça direciona se para onde esta a minha, estávamos tão próximos que ela só se apercebeu disso quando finalmente os seus olhos se encontraram com os meus, e num só movimento ela dá um pulo, e cai para cima da janela, abri a boca para falar mas ela foi mais rápida a faze-lo

Yuki- Desculpa ter adormecido em cima de ti – disse ela num jeito desajeitado, passando a sua mão nos seus cabelos. Sorri com a preocupação dela

- Não tens de pedir desculpas, pois eu também adormeci em cima de ti – disse num sussurro, fazendo a rir num tom abafado – Bom, vamos?- ela assentiu, e saímos de seguida do autocarro.

                                                                 P.O.V YUKI

Quando saímos estava uma multidão de pessoas a tentar apanhar cada seu pertence. Até todos os terem, o professor Fraize pôs se em cima de uma rocha, chamando a atenção de todos, preparando a sua voz num tom alto.

Prof. - Bom, como todos sabem não á tendas para uma só pessoa, por isso eu fiquei encarregado de fazer os grupos de quem fica com quem. Então, a Iris, a Violette e a Kim são um grupo. A Ambre, a Charlotte e a Li outro, a Rosalya o Alexy e o Armin… - O professor continuou a dizer quem ficava com quem, e quando ele acabou reparei que não tinha ficado em nenhum, assim que ele saiu de cima da rocha eu fui ter com ele.

- Humm, professor? – Perguntei, assim que ele se tinha virado para a minha direção – Eu queria dizer que o professor não me colocou em nenhum grupo.- Ele pega no seu bloco onde provavelmente tinha apontado os grupos.

Prof. – Yuki, certo? - Assenti que sim, ele vasculhou um pouco fazendo uma expressão de negação – Bom menina yuki… tem razão, não lhe pus em nenhum lado, e enfim, só há mais um grupo onde ainda há dois alunos.

- E quem são?

Prof - …  o Lysandre e o Castiel – eu devo estar a ficar maluca, ou eu ouvi o que me parece que eu ouvi.

- Haha, o professor deve estar brincar certo, é que… - ele interrompeu me não me deixando acabar a frase.

Prof. – Desculpe Yuki, mas é o único lugar disponível, e não, não posso fazer trocas. Então vou só falar com os seus colegas – Fiquei simplesmente paralisada com tudo o que ele disse… ok Yuki não pode ser tão mau, tu só vais dormir na mesma tenda que eles, nada demais! De repente senti ser agarrada pelos ombros, a minha inquietação desapareceu quando vejo uns fios de cabelo azul, e de seguida de uns platinados.

Alexy – Então miúda, com quem é que tu ficaste?

- Haha, engraçado tu perguntares isso… - murmurei

Rosa- Ki?

- Bom, vocês vão achar piada se eu vos contar – disse, num tom sarcástico. Dei um suspiro antes de começar – eu fiquei na… tenda do Lysandre e do Castiel… - conclui, olhando sempre para o chão, então não reparei que expressão é que eles tinham neste momento, mas estou a ficar assustada por tanto sossego, então tomo coragem e olho para eles, e vejo que a Rosa estava espantada com os seus olhos amarelos arregalados, enquanto o azulinho parecia ter uma mistura de espanto com um toque de malicia nos seus lábios.

Rosa- Ahhhhhhhhh, vais ficar com o Lys-fofo! – disse saindo do transe dela

Alexy – Que sortuda! – comentou aos pulinhos

-Sortuda? Hahah, devêm estar a brincar comigo – resmunguei num tom sarcástica, mas parece que o meu comentário tinha sido completamente ignorado.

Alexy – E depois quero detalhes!

- Eu só vou dormir na mesma tenda que eles!- eles só se riam do meu desespero, até que subitamente pararam instantaneamente, sentindo seguidamente uma mão a pousar em cima do meu ombro, ao virar dou me de caras… com o Castiel e o Lysandre.

Cast- Então pensavas que escapavas – disse o ruivo

- Escapava de que? – falei franzindo uma sobrancelha

Cast- De nos ajudar a fazer a tenda! – De seguida, a Rosa e o Alexy entreolharam se, escapando um sorriso brincalhão nos dois.

Rosa- Bom, nós também vamos fazer a nossa – dito isto eles vão se embora, logo depois nós também.

Tínhamos ido para onde se encontravam todo o material para montar uma tenda. Foi tudo um bocado difícil uma vez que, sempre que punha o suporte que segurava a tenda, ele sempre caia em cima de mim, e após isso cair, o Castiel sempre dava uma pequena gargalhada, enquanto o Lysandre ajudava a tira los de cima de mim. Depois de um bom tempo, acabamos de monta la.

Cast – Estava a ver que não íamos sair disto hoje! – Comentou sarcástico

- Se calhar se não reclamasses tanto, talvez nos tivéssemos despachado mais rapidamente! – Retoquei no mesmo tom que ele fez.

Cast-  Se calhar, se não tivesse reclamado, talvez não te despachavas!

Lys – Mas vocês vão parar de discutir quando! A tenda já esta montada, agora parem os dois! – Logo após de o Lysandre acabar com a nossa discussão, o professor entrega-nos um panfleto, mais concretamente, foi entregue nas mãos do ruivinho.

-O que diz o panfleto? - Perguntei curiosa

Cast – Coisas – disse, numa tentativa de continuar a irritar-me, ok desta vez não vou continuar no joguinho dele.

- Pois claro, coisas que não sabes explicar, porque se calhar também não sabes ler – abordei numa forma serena com um sorriso sarcástico estampado na cara.

Lys- Mas vocês os dois estão insuportáveis! – Dito isto o Lysandre tira-lhe das mãos o panfleto. – Bom simplesmente diz o horário de cada atividade que vamos fazer estes dias, e hoje vamos caminhar um bocado por isso devíamos de vestir algo mais confortável…

Esqueci me completamente que me vestia também na tenda… Agora sim é um problema. Bem basta só fechar a tenda e pedir para eles não entrarem, certo?

Lys- queres ir tu primeiro Yuki? – Disse num to calmo.

- N- não, podem ir vocês primeiro

Cast – Como tu quiseres princesa - murmurou sarcástico, e fingi que não tinha ouvido, se não iria se iniciar outra discussão. Ao saírem, entrei logo de seguida, ela até era bem espaçosa, felizmente não vou dormir em cima de ninguém. Pus o meu saco cama bem para um canto, afastado das coisas deles, e sem demora vesti uma camisola branca das adidas, uns calções cinzentos ligeiramente largos e os meus ténis all star brancos. Logo a seguir já estava tudo pronto para começar a caminhada.

- Bom rapazes eu vou ter com a Rosa, espero que não se importem – disse, recebendo um sorriso do Lysandre

Cast- Vai e não voltes – comentou sempre irónico

- Sempre tão amável! – Disse, revirando os olhos.

O dia baseou-se em explorar todos os recantos da floresta, e basicamente em que frutos eram ou não venenosos para podermos colher, se tivéssemos necessidade de comer, e também que sítios não devíamos de “examinar” para talvez não incomodar certos animais. Mas depois de tanto andarmos parámos perto de uma cachoeira para podermos almoçar. Aquilo era simplesmente fascinante, a maneira de como a água cristalina bem azul caía e formava se assim um pequeno lago, e ao redor dela prevalecia o verde que árvores e o musgo transmitiam. Sentei-me numa rocha perto da água, e ao meu lado estava a Rosa e o Alexy, pareciam intrigados por algo, até tinha medo de lhes perguntar. Mas ficamos a falar sobre coisas aleatórias até acabarmos de comer. Estávamos prontos para prosseguir a nossa viagem a outros lugares da floresta, quando de repente alguém embate em mim, fazendo com que eu caísse e sentisse algo a arranhar o meu pescoço.

- Ei! Olha para onde andas! – Quando vi quem era a pessoa, imaginei que podia ter dito coisas piores que não havia problema nenhum. Era simplesmente a estupida da loira oxigenada, e lá estava com a sua cara de parva e com o seu sorrisinho. E saiu dali como se não tivesse acontecido nada, felizmente para a minha sorte ninguém viu a cena que tinha acabado de acontecer, por isso levantei me e segui o resto das pessoas.

Passamos o resto do dia na floresta, e quando estava a começar a escurecer, voltamos de seguida para ao nosso “acampamento”. Enquanto os rapazes forma buscar lenha para fazer a fogueira, a maior parte das raparigas foi se vestir, ao entrar na minha tenda apercebo me de que alguém tinha entrado também.

???- Não pensavas que escapavas de mim, pois não – comentou ela

- Escapar? – Indaguei

Rosa- sim, tu vais vestir o pijama que eu escolhi!

- Mas Rosa, ela é um pouco indiscreto, e eu odeio ser o centro das atenções! – Resmunguei

Rosa – Não faças fitas, vais ver que não te vais arrepender, e ele é escuro por isso não chama muito a atenção – enquanto ela falava comigo ela vasculhava na minha mochila o meu pijama, até que o encontrou. Ela estendeu até mim e saiu da tenda para o vestir. Ele era basicamente, uma camisola preta de alças finas, com renda na parte do decote, enquanto os calções eram simples e pretos- Fica te muito bem! – Disse ela ao entrar na tenda- Mas agora é a minha vez!- ela simplesmente gesticulou com as mãos para saída da tenda.

 Ao sair da tenda meto as mão ao pescoço no sitio onde me tinha aleijado de manhã, e ao pôr as mãos vejo que lá não se encontrava nada, a não ser um ardor, e ai a minha preocupação começa a surgir que o meu colar deve estar perdido para perto da cascata, estou tão habituada a ele, que nem dei por nada a ele cair, tenho que voltar lá nesta noite, se não eu vou-me passar, a única lembrança dos meus pais e eu perdia pelo bosque. Ok vou ter calma deixar toda a gente ir dormir, mas como hoje até está abafado, acho que posso até dar um mergulho, então tenho é só tirar a Rosa da tenda para vestir o meu fato de banho. De seguida a Rosa sai, e a maior parte dos rapazes aparece com lenha, então tenho que ser rápida agora, antes que o Lysandre e o Castiel apareçam. Entrei rapidamente, e vesti o meu fato de banho preto em que tinha um decote em forma de “V” que dava até a uns poucos centímetros acima do meu umbigo, mas coberto por um fio que dava um efeito de cruzes, eu sou uma pessoa um pouco reservada, mas como vou sozinha, ninguém me verá com este fato de banho. Mas antes de sair levei um casaco leve comigo, pois ainda achava que era um pouco indiscreto o pijama. E finalmente já estava pronta em questão de segundos. E ao sair, dei de caras com os meus colegas de tenda.

Castiel – és inacreditável, saímos há um monte de tempo atrás, e só agora é que acabaste de te vestir! – Comentou sarcástico

- E depois, despachei me a tempo de vocês chegarem, por isso não reclames – sai dali sem dar mais importância ao que o ruivo iria dizer a seguir, simplesmente apercebi-me que o Lysandre se riam num tom baixo do Castiel.

Passado algum tempo as pessoas juntavam se para fazer uma roda á volta da fogueira, e cada um sentava se com o seu grupinho de tenda, menos eu, sentei me ao lado da Rosa, que estava com o Alexy e o Armin.

Rosa- Olha só quem decidiu aparecer – disse ela ao virar se para mim. E antes que pudesse dizer alguma coisa, ela já estava a falar – Yuki! O que é isso que tu tens em ti! – eu olhei rapidamente em mim para ver se tinha algo de errado, e reparei que ela apontava para o meu casaco.

-Estás a falar do meu casaco?

Rosa- Claro que estou, tira isso! – Resmungou exaltada

- N-não , eu tenho…

Alexy – Frio, deixa te de tretas esta abafado aqui. – Comentou

- Mas estou bem assim… Porque queres tanto que eu o tire?

Rosa- É que tens um grande potencial! E esse pijama fica te muito bem! – Disse exaltada, gesticulando para mim.

- P-potencial ? – Falei meio incrédula

Alexy- O que a Rosa está a tentar dizer é que tu és bem formada, mas que te escondes disso tudo. – só sentia as minhas bochechas esquentarem, e ainda por cima estavam a falar disso ao pé do Armin. Mas pelos vistos ele não parecia estar muito incomodado com o tema de conversa que tinha surgido, pelo contrário ele ria se discretamente da situação, mas pelos vistos ele decidiu se intervir

Armin- B-bom, vamos comer é que a minha barriga já não aguenta mais – disse, tentando se acalmar

- É… eu também tenho, vamos comer –falei ríspida, e levantei me com o Armin num salto e eles não tiveram nem tempo para questionar mais nada.

- Achas engraçado, hã! – Falei num tom ironizado

Armin-  Bom sim, é que é giro ver eles os dois a chatearem outra pessoa a não ser eu.

- Eles também te chateiam com o teu corpo? – Indaguei com uma sobrancelha franzida

Armin- Hahaha, não propriamente, é mais com os meus hábitos e com as minhas roupas.

- Mas não tem comparação comigo – Bufei chateada

Armin- Boa sorte então – disse ele bagunçando os meus cabelos com um sorriso estampado na cara

-Engraçadinho –falei sendo sarcástica

 Tínhamos comido umas sandes e de seguida voltámos para ao pé deles, e os sorrisos maliciosos apareceram em suas caras, já estava assustada pelo que eles diriam com aquele sorrisinho estampado nas caras deles.

Rosa – Eu acho que já estou a ficar com sono

Alexy  - É, também eu- disse finalizando com um grande bocejo

- Mas vocês nem sequer comeram…

Rosa- Nós já comemos á pouco, quando tinhas ido outra vez para a tenda, por isso não te preocupes connosco.

Alexy- Sim não te preocupes, então nós vamos andando. Bom anda também Armin! – Levantou  se e segurou o irmão pelo o braço tentando puxá-lo para dentro tenda.

Armin- Porque haveria eu de ir, não mandas em mim – respondeu mal-humorado, soltando se dele. Mas antes de o Alexy responder a professora apareceu logo de seguida acompanhada com o prof. Fraize, chamou a atenção de todos.

Prof. Delanay – Bom alunos- começou levantando a voz- Amanhã iremos levantar-nos cedo, pois como hoje não estava programado para ir, amanhã ao alvorecer, para podermos depois aproveitar o resto dia com outras coisas, iremos dar um mergulho na cascata, por isso peço vos que vão para as vossas tendas, e é só isso.

Alexy- Pelos vistos agora tens mesmo que vir – gabou-se animado, tendo como resposta do Armin um suspiro pesado.

Rosa- Também devias de ir ki- segredou me perto do meu ouvido – Ah! E… aproveitas para mostrar melhor o teu pijama aos teus colegas de tenda- não pude comentar qualquer coisa do que ela tinha dito, pois como ela já tinha saído para a sua tenda aos sorrisinhos, também com um comentário daqueles não me tinha surgido em pensamento para retrocar na mesma moeda.

Entrei na tenda calmamente tentando não fazer barulho nenhum caso eles já estivessem deitados, e felizmente eles já estavam metidos nos seus sacos cama, estavam sossegados, mas não tinha a certeza de que eles já estavam a dormir, por isso deitei me por uns minutos, e num momento levantei me delicadamente sem fazer barulho, peguei na minha tolha e na minha lanterna e segui caminho para a cascata. Quando cheguei ao meu destino, reparei que o ambiente de dia era completamente diferente de noite, só se ouvia o barulho dos grilhos e a água cristalina que caia da cascata, e do belo reflexo da lua cheia na água, aquilo era simplesmente esplêndido. E para poder aproveitar isto tudo devo começar a procurar o meu colar. Comecei a minha busca no sítio onde tinha caído, quer dizer, onde tinha sido empurrada, mas depois de algum tempo eu não encontrava nada a não ser areia e rochinhas, já estava andar comigo em aflita, quando ouço um som de galhos secos a serem partidos, agora sim estava mesmo nervosa e assustada do que poderia estar ali, mas não sei porquê fiquei mais calma quando uma voz masculina e rouca saiu de perto de umas árvores.

??- Por acaso é isto que procuras? – o sujeito não se tinha movido mais, apenas esticou o braço onde na mão dele se encontrava um colar mas como estava afastado não percebia se aquilo era meu. Respirei fundo levantei me e tentei ganhar coragem para falar.

- Se te aproximasses era mais fácil de saber – ouvi um suspiro pesado do rapaz, ele deu só alguns paços até onde se encontrava a luz da lua, e não me surpreendeu a pessoa, era apenas o Castiel. Simplesmente dei alguns passos até ele para ver se era realmente o meu colar, e felizmente era ele, e a pérola estava felizmente intacta.

-Mas como é que tens o meu colar – indaguei pensativa

Cast – Bom, depois de teres esbarrado com a loirinha oxigenada vi que tinhas deixado algo cair

- Mas porque não me devolveste o logo! – falei irritada

Cast – Porque assim não tinha piada – ele disse isso com o maior sorrisinho

- Seu estupido! – de repente dou lhe uma tapa no ombro – Tu não fazes a mínima desesperada eu estava procura dele!

Cast- Mas o que este colar tem de tão especial que te fez perder a cabeça? – indagou, olhando para ele fixamente

- Nada que a tua cabecinha intenda – disse de uma forma ríspida, tirando o colar das mãos dele

Cast- Humm, deixa me adivinhar, é uma recordação da tua avozinha – arriscou ele sarcástico

- Não é da minha “avozinha”- Hesitei – mas não interessa… -ele não comentou mais nada, e eu simplesmente tentava por o colar, mas um nervosismo que permanecia em mim não desaparecia, e acho que o ruivinho se tinha apercebido disso, pois no momento para o outro ele já estava atrás de mim. – O que estás a fazer! Eu não te pedi ajuda?

Cast- Mas porque é que reclamas de tudo – bufou ele – Devias de estar agradecida, porque eu não costumo fazer este tipo de coisas. – não insisti mais, acho que só estou a fazer um bocado de birra a mais com ele, e é verdade  que ele não é muito de fazer este tipo de “coisas”, mais vale aproveitar. Ele afastou o meu cabelo para o lado tocando nas minhas costas nuas, sentindo cada toque gentil dele, fazendo-me arrepiar por completo, o que favoreceu com que a minha lanterna cai-se ao chão, ele soltou um riso abafado deixando me mais constrangida por ele ter-se apercebido dos meus arrepios. Quando ele acabou de me por o colar ele agachou-se para apanhar a lanterna, mas do nada só sinto que estava a ser molhada.

- Seu idiota! Molhaste os meus calções! – Vais ver do que eu sou capaz Castiel! Num movimento rápido enquanto ele permanecia agachado, empurrei-lhe para água, pois estávamos mesmo á beirinha da lagoazinha que formava a cascata, mas ele tinha um ar surpreso pela minha atitude pensava que ele depois disto ele gritaria comigo, mas nada disso aconteceu, apareceu em seus lábios um sorriso brincalhão mas como uma pitada de malicioso, e de um momento para o outro ele já estava em pé.

Cast- Se queres brincar, então é brincadeira que vais ter - OK esta é a minha deixa para eu fugir.

Eu corria de um lado para o outro para que ele não me apanha-se, mas o imprevisto aconteceu e tropeço caio no chão.

Cast- Tu estás bem!? – Ele agacha-se ao meu lado tentado ver se me tinha machucado.

- Sim estou ótima, eu já estou habituada de tanto a cair, por isso não foi nada de especial – o ar de preocupada que tinha desapareceu e iluminou-se com o maior sorriso de safado, daqui já não me vem coisa boa…

Cast- Ótimo, assim podemos continuar a nossa brincadeira – nem tive tempo de argumentar nada que já estava nos braços dele como se fosse uma pena porque ele não fazia nenhum esforço para me carregar, isso me irrita de ser tão leve pois por muito que eu me debatesse era inútil e ele só se ria de mim, e num certo momento ele entra na “lagoazinha”, e pára quando a água já lhe batia pelos joelhos.

Cast- Então, cá se fazem cá se pagam – e no momento que ele acaba de falar ele larga-me na água e só se ria de mim, o meu pijama já estava todo colado a mim, mas eu não deixaria a brincadeira acabar assim.

- Sabes Castiel, não deverias rir tanto, porque, humm deixa me pensar melhor, quem Ri por ultimo ri MELHOR –e ao acabar a minha frase atiro-lhe água, e como esperado gerou-se uma luta de água, salpicávamos um no outro como se fossemos duas criancinhas, e quando já estava cansada fugi dele para debaixo da cascata onde  ficava rodeada da água a escorrer, passado algum tempo ele não aparecia, supostamente ele deveria me crer assustar, comecei a nadar as voltas mas não o via.

-Desiste Castiel, tu não me vais conseguir assustar! – argh, onde será que aquele idiota se meteu! Voltei para dentro da cascata quando sinto a ser puxada pelo meu pé tentei-me debater mas felizmente estava perto do chão, mas antes que eu me elevasse para cima eu já tinha sido puxada…

- Seu estupido, não voltes a fazer uma coisa dessas!

Cast- Para quem disse que eu não te conseguia assustar estava bem enganada- gabou se, e como reposta dei-lhe o meu maior olhar frustrado, mas quando deparei com a situação ele agarrava-me pela cintura enquanto nadávamos para ficarmos á tona, estávamos tão perto um do outro e vi que atração que ele trazia nos seus olhos hipnotizantes me deixava vulnerável e num movimento rápido ele tinha encostado os seus lábios aos meus, era um beijo quente e molhado, completamente selvagem, da maneira como as nossas línguas brincavam uma com a outra, simplesmente nunca me tinha sentido assim, foi tudo tão repentino… era inexplicável como de repente a minha mente se tinha apagado por completo não controlado qualquer movimento, deixando o movimento fluir, mas algo de muito errado aconteceu, parece que a minha cabeça voltou ao seu devido lugar, e quando isso aconteceu eu recebi uma data de carga das memórias negativas que me assombraram por tanto tempo, como se uma bola de neve a descer de uma montanha, e quanto ela mais rolava, maior ela ficava até que atingisse o seu limite e arrebentasse com tudo. Foi o que me Aconteu, quando todas as memórias apareceram todas elas explodiram em forma de lágrimas, não queria que ele me visse neste estado, por isso empurrei-o de forma a me soltar e nadei o mais rápido dali para fora. Agarrei todas as minhas coisas e enrosquei-me rapidamente na minha toalha, pensei que já tinha superado isso tudo, mas parece que errei por completo… Quando comecei o trajeto de volta, fui obrigada a parar porque tinha chocado com algo… ou com alguém. Eu não fazia a mínima de como reagir nem conseguia olhá-lo nos olhos, mas felizmente já me tinha acalmado um pouco de tanto chorar. Eu tentei passar por debaixo do braço dele, mas ele logo apercebeu-se e tapou me a passagem.

Cast- Onde é que pensavas que ias- disse ele, num tom que me fez arrepiar a espinha, o que me fez sentir pior… aquelas palavras faziam me rodar a cabeça de tanto pensar naquilo… - Yuki !- Falou num tom mais severo, ele aproximou-se lentamente de mim, mas eu tive finalmente uma reação pois não queria encara-lo, então virei me de costas para ele e caminhei alguns passos para a frente.

-Deixa-me só em paz… por favor- tinha dito num tom mais calmo que tinha, pois já não tinha quase forças para sequer pensar. – E-eu quero ficar sozinha.

Pensei que nunca mais esse pensamento viria á tona, essas memórias… pensei que elas nunca mais me abalariam, mas… ele tocou-me na zona mais sensível. Senti novamente que já não poderia fechar a barragem a tempo, e só sei que comecei a chorar descontroladamente… de novo… as minhas mão taparam a minha cara num gesto, e sabia que se eu um dia eu voltasse a pensar, iria desabar, e era o que estava a acontecer, já estava de joelhos caída a chorar. Eu já nem fazia a mínima se o Castiel se tinha ido embora, ou se estava a assistir a cena toda. Mas apostava mais na segunda opção, quando sinto algo a meu redor, ele estava a minha frente a abraçar-me… sentia me tão confortável, tão… segura, que só me dava vontade de chorar ali para sempre no seu peito molhado, mas sabia que não podia ficar mais assim, apesar de não querer sair… alguma vez teria que dizer alguma coisa, mas eu-eu não tenho coragem ou vontade…     Tenho que me controlar melhor as minhas emoções, como pude deixar com que isso tudo acontece-se… Agora vou respirar, e tentar fingir que não aconteceu nada, acho que é o melhor a se fazer… então empurrei-lhe com gentileza, isto vai ser mais difícil do que parece, ao tentar fingir que não aconteceu nada… levantei de seguida e ele fez o mesmo, ficámos calados por um momento, enquanto eu tentava não encará-lo ele fazia o contrário, talvez á espera que eu me explica-se tudo o que aconteceu. Eu procurava palavras, enquanto remexia as minhas mão nevosas mas, mesmo assim não encontrava nada para dizer, ele estava esperançoso que eu disse-se algo mas reparou que eu não iria conseguir… Então um olhar sem ânimo apareceu na sua cara e saiu de ao pé de mim em direção ao caminho para a tenda. Sentei me cansada numa rocha, pensando no infinito, mas durou pouco tempo. Levantei me e segui caminho para a minha tenda. Felizmente quando eu cheguei estavam os dois a dormir, e deitei me de rastos no meu saco cama, ainda ligeiramente molhada mas mesmo assim não me preocupei em mudar pois os meus olhos já pesavam e não me lembro de pensar em mais nada e adormeci… 


Notas Finais


Espero que tenham gostado!

Até ao próximo capitulo ^.^


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...