História It's just a game? - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Rap Monster, Suga, V
Tags Babygirl, Daddy, Daddy Kink, Sexo, Sexting, Texting
Exibições 70
Palavras 2.455
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Escolar, Festa, Hentai, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Olá, vocês estão bem?

Eu espere que sim, por que eu estou, bem um pouco nervosa mais estou bem.

Esse tipo de fanfic não é novo pra mim, é um assunto que já li sobre, pesquisei e li algumas fanfics relacionada.

Porém quando você escreve, é diferente, sei lá.

Bom, tenha muita paciência comigo, por que sou nova como escritora, tenha paciência com a fanfic, talvez não te agrade de cara, mas eu ainda nem comecei.

Não a fanfic não vai girar em torno de Sexting e Texting, eu gosto desse tipo de coisa, porém não é o suficiente pra mim, e creio que nem pra vocês.

Capítulo curto sim, mas prometo que vou tentar fazer os outros maiores.

É só isso mesmo, me deem muito amor, e paciência.

Boa leitura 🌚☕

Capítulo 1 - Game accepted (Jogo aceito)



••••••••♡••••••••••♧•••••••••••••♡••••••

❄ Pov's Mi-Cha​❄

 ​​​"Maybe my innocence is harmful, and I end up falling into a trap"

•••••••••♡••••••••••••♧•••••••••♡•••••••

[Quarta-feira - 06:00]

Acordei com meu despertador.

Eu queria falar que era um despertador comun, como aqueles que despertam na hora marcada. Mas o meu despertandor era a Sun Hee, minha melhor amiga, que todas as manhãs não perdia o péssimo habito de se jogar em cima de mim, e me acorda aos gritos.

_Acorda Mi. - tinha empolgação em sua voz.

Quem acorda empolgada, em plena manhã de quarta-feira?

Fuso horário é terrível.

Eu e a Hee parecemos macacas pulando  de  galo  em  galo. Coréia, Brasil, Brasil, Coréia.

Somos coreanas, mas  temos  muitos parentes brasileiros.

E as vezes viajamos para fazer uma visita, e isso começou desde de que tínhamos cinco anos de idade, desde de tão novas já viajando tanto. E  assim fica difícil de se acostumar com os horarios diferentes,mas  parace que  pra  Hee  isso  não atrapalha em nada.

_Tenho novidades... Acorda. - fez voz  manhosa  me  sacudindo. _E  temos  que  ir  pra escola.

Bufei derrota meu plano de fingir  está dormindo não daria certo.

_Chataaaaaa. -murmurei. _Sai de  cima de mim.

Abri  os  olhos  e  vi a  bonita já   com  uniforme  posto.

Dei um empurrão de leve e ela saiu de cima de mim e se  sentou ao meu lado.

_Conta logo praga. - me levantei e  fui em direção ao meu banheiro  sendo  seguida  por  ela.

_Lembra  daquele  meu  amigo? - ela  pergunto, sentando  na  tampa  da  privada.

_Você tem  tantos  amigos. - revirei  os  olhos  entrando no  box  e  fechando  a  porta. 

Hee  era  muito sociável, vivia  chorando  pelos  cantos, por que onde  ia  arrumava  amigos, e  sempre os  perdia. Sempre foi  assim, ela fez amizade  com as  ajudantes da  padaria, lembro  que  quando  uma  se  demitiu por   problemas pessoais, ela  chorou  horrores.

Graça a Deus  não sou  assim! Ela  é minha única melhor  amiga, a  única que  vale  a  pena chorar. O  resto  são colegas.

Somos  amigas  desde  de  que  me  entendo por  gente, nosso  pais  são  muito  amigos, principalmente nossas mães, elas  são mais melosas  que  a  gente.

A gente dividia o mesmo  apartamento, morávamos longe da faculdade e  decidimos  alugamos  um apartamento para  ficar  mais  fácil  a locomoção.

Os gasto do apartamento, é  dividido por  nós duas, todo  mês recebermos nossa  mesada  mensal dos  nossos  pais, tivemos  que  criar  responsabilidade para administrar  todos  nossos  gasto.

A  Hee  tinha 20 anos  era  maior  de  idade, as  coisas  eram  mais  fácil pra  ela. Eu acabará de  completar 18 anos  era  mais  difícil, dependia  dela  para  algumas coisas.

Me  despir dentro  do  box, e abri um  pouco  a  porta, colocando  a  mão pra  fora  com  a  minha  roupa, senti  a  roupa  ser  retirada  da  minha  mão e  fechei  a  porta  novamente.

_O  meu amigo  Mark. Da  faculdade.

_Ah , o  Mark? Sim  sei, oque  tem?

Perguntei  abrindo  o  chuveiro, sentido  a  água morna  em  minha  pele, suspirei  alto  com a  sensação.

_Ele  vai  da  uma  festa  no  final de  semana, e  nos  convidou. - ela  falou, realmente estava  empolgada.

Desliguei  o  chuveiro, e  comecei a  ensaboar meu  corpo.

_Que  legal. - eu  não estava  interessada. Eu  não gosto  de  muitas  festa  mesmo, sem  contar  que  ela  ia  sair  fazendo amigos  e  eu  ia  ficar  isolada. _Fique  sabendo que  eu  não irei.

Abri  o  chuveiro  novamente mas  ainda  assim  ouvi  seu  suspiro  de  raiva.

_Sacanagem  né, Mi? A  gente é convidada pra festa  de  um  gato  daqueles e  a  gente  não vai  só por  que  você é cheia de  frescura? - indagou.

Respirei  fundo, Fechei o  chuveiro, abri um pouco o box e  estendi  a  mão pedindo  toalha.

_Eu  não disse  que  não vamos. - ela  me  deu  a  toalha me  enrolei e  sai  do  box. Vendo  ela  sentada com  cara  de  quem  queria  me  bater._Eu  disse  que  eu  não irei.

Peguei minha  escova e pasta de  dente  no  armário, fui  até a  pia  e  escovei os  dentes.

_Que  saco! Não acredito  que  fará eu  ir  sozinha. - ela  fez voz  de  quem  está chateada.

Limpei  a  boca  quando  acabei, e  depois  a  sequei.

Sai  do  banheiro, e  fui  seguida  por  ela.

_Como  se  você nunca  tivesse  indo  em  uma  festa sem  mim. - rolei  os  olhos.

Fui até meu armário  e  peguei meu  uniforme, vi ela se jogar na minha cama, ela  ficou  em  silêncio, então voltei  pro  banheiro, e  retornei já com  o  uniforme posto, e  os cabelos  penteados.

_Não vai  falar  nada?- perguntei  estranhado ela  não ter  tentando me  convencer.

_Não. - respirou fundo  e  se  levantou  da  minha  cama. _Você não vai  mudar  de  ideia mesmo. - ela  pegou  sua  mochila, e  sairmos do  quarto.

Chegamos  na  cozinha, e  sorri  em  ver  tudo  em  ordem.

_Estou  com  medo  de  sair  sem  sombrinha. - falei  indo  na  geladeira e  pegando uma  maçã verde.

_Por  que? - ela me  perguntou.

_Ontem  você arrumou  o  apartamento, é capaz de  chover  hoje. - brinquei.

_Ha  ha  ha... Que  engraçadinha. Vamos  logo, atrasada. - ela disse  me  empurrando. Literalmente me  expulsando do  apartamento, deu  tempo  só de  eu  pegar  minha  mochila  no  sofá que ja estava arrumada.

Chegamos onde  ficava  o  elevadores, chamei um  e  não demorou  muito  a  chegar.

Saimos  no  elevador, e  caminhamos até a  garagem  do apartamento, onde  ficava  estacionado vários carro  de outros  moradores.

Fiquei esperando a Hee, ir pegar o  carro.

Vi uma van se aproximar de mim, com  alguns  garotos  dentro  do  veículo. Quando  a  van  parou alguns  passos  de  mim, vi  que  já tinha  visto alguns deles  na  faculdade, nunca percebi que morávamos no mesmo edifício, tudo bem, era minha terceira semana na faculdade. A propósito, o que estava dirigindo era muito bonito.

Fiquei  olhando  curiosa para  dentro do  veículo, eles pareciam está esperado alguém.

Cometi  meu  vício de  morder  os  lábios, anciosa  por  causa  da  demora  de  Hee.

Um  garoto  se  aproximou  da  van  e  entrou, deu  pra ouvir algumas  reclamações dos  outros  pela  demora  do  garoto.

A  van arrancou passando por  mim, fazendo  meus  cabelos balançarem  com  o  vento.

Acompanhei a van com  olhar, e  pensei ter  visto um  deles  me  olhando  pelo  vidro  traseiro da  van.

O som  da  buzina do  carro  de  Hee  me  fez  despertar e  desviar  o  olhar, para  ela  parada do  meu  lado  no  carro.

A  maior se inclinou e abriu a  porta  pra mim,e  eu  entrei, fechando  a  porta  e colocando  o  sinto.

_Deu  de  dormi  em  pé? - perguntou se  ajeitando no  acento.

_Não...Unnie, você sabia  que  mora  uns  meninos  aqui  da  nossa  faculdade?

_Está falando dos sete? - não esperou minha resposta. _Se for eles, o apê deles é do  lado  do  nosso, nunca  havia percebido? - ela  falou  girando  a  chave.

_Não...

_Mas  por  que  a  pergunta?

_Não nada, eu  realmente não percebi, e  fiquei curiosa. - mordi  o  canto  da  boca.

Ela  acentiu  e  pisou  fundo no acelerador.

[…]

[Quarta-feira ás 07:29]

Chegamos  na  faculdade e  graças a  Deus, estavamos no horário, me  despedi da Hee e  cada  uma  foi  em  direção a  sua  sala.

As aulas se passará tranquila.

A  professora de português  passou  um  trabalho, uma redação de no  mínimo 30 páginas.

Serio, eu não consigo escrever uma  frase quem dirá 30 páginas.

No  caminho de  volta  Hee  não parava de  reclamar  do  seu  professor de  matemática. Ele  havia expulsado ela  da aula  dele.

_Isso  é  o  cumulo. - ingou  com  raiva, batendo no  volante enquanto estavamos esperando  o  sinal  abrir._Ele  perguntou  oque  eu  tava  conversando, eu  respondi  e  ele  me  expulsa  da  sala?

_Você precisava dizer, que  estava  falando  o  quanto  ele  é insuportável? - perguntei  me  afundando no  banco.

_Logicamente, era  isso  que  eu  estava falando mesmo. - bufo.

Rolei  os  olhos, e  vi  o  sinal  ser  abrir, e os carros continuarem aos seus destinos. Ela  arrancou com  força. Eu  estava com  medo do  carro  bater, sinceramente ela  estava  indo  tão rápido.

[…]

[Quarta-feira às 13:27]

_Pensei que  estava  em  uma  corrida  de  fórmula um. - falei  assim  que  desci do  carro  e  bati  a  porta. _Não sei  como  te deram  carteira de  motorista.

Ela estacionou o  carro, e  travou o  mesmo  com  a  chave.

_Me  deram por  que  sou  maior  de  idade, e  passei  no  teste. - debochou  ficando do  meu  lado.

_Não sei  como....

Eu  não tinha  comprado um  carro  ainda, eu  acabará de fazer 18 anos, ela  sempre  joga isso  na  minha  cara.

Caminhamos  até o  elevador, e  não demorou  muito  para  chegamos  ao  nosso  apartamento.

Abri  a  porta, jogando minha  mochila no sofá e a  chave  na  mesa  do  centro.

Vou direto pra  cozinha abro  a  geladeira e  tiro  de  lá uma  jarra de  suco  de  laranja.

Fui  no  armário onde  ficava  os  copos  e  tirei  minha  caneca, despejei o  líquido na  mesma, e  bebi  em  um  so  gole.

Repiti  esse  processo mais  uma  vez, e  suspirei  fundo.

Voltei pra sala  e  Hee  estava  jogada  no sofá  assistindo televisão.

_Vou tirar um cochilo, eu tenho  uma  redação de 30 páginas pra fazer. - falei  e  ela  pareceu escutar.

Peguei minha  mochila, sobi  as  escadas, fui  em  direção ao  meu  quarto, adentrando no  mesmo  e  fechando  a  porta  atrás de  mim.

Peguei  um  roupa  confortável, e  tomei  uma  banho  relaxante, vestindo a  mesma.

Assim que acabei me joguei  na  cama, afim  de  acorda só mais  tarde, porém ouvi barulho de mensagem vindo do meu celular  que  estava  na  no criado mudo quando  ele vibro, andou  um  pouco  e  por  pouco  não caiu.

Estiquei o  braço até alcançar o  aparelho, desloquei o  celular  e  fui  nas  minhas  caixas  de  mensagem.

[14:03] - Número desconhecido : Mi-Cha?

Meu celular não  reconheceu o  número, não era  um  engano  a  pessoa  sabia  meu  nome. Logicamente eu quero  saber  quem  é, seria  um  parente ou  alguma  amiga  que  eu  esqueci de  salvar  o  número?

[14:05] - Mi-Cha : Oi

[14:05] - Mi-Cha : Quem  é  você?

[14:06] - Número desconhecido : Não posso  dizer... Não agora.

[14:06] - Mi-Cha : Então sinto  muito, irei  lhe bloquear.

[14:07] - Número desconhecido : Não você não irá.

[14:07] - Mi-Cha : Como você conseguiu meu número?

[14:07] - Mi-Cha : A  gente se  conhece?

[14:08] - Número desconhecido : Eu  conheço você, mas você não me  conhece. Eu tenho qualquer tipo de rede social tua.

Eu  já estava ficando  com  medo, quem  será que  era? Oque  queria  de  mim? É  um  assassino? Um  estrupador?

[14:11] - Número desconhecido : Não pare  de  responder!

[14:13] - Mi-Cha : Eu  não estou  gostando nada  disso.

[14:13] - Mi-Cha : Por  favor, se  for  um  tipo  de  brincadeira  parem agora.

[14:14] - Número desconhecido : Não precisa se  assustar, baby.

[14:14] - Mi-Cha : Não me  chame  de baby, eu  não sou  uma  criancinha.

[14:15] - Número desconhecido : Me  prove.

[14:15] - Mi-Cha : Eu  não tenho que  provar  nada  a  você.

[14:15] - Mi-Cha : Isso está ficando chato.

[14:15] - Mi-Cha : Vamos  parando.

[14:16] - Número desconhecido : Quem  decide a  hora  de  parar  sou  eu.

[14:16] - Número desconhecido : Se  você não quis me provar, é por  que  sim  é  uma  criança.

[14:17] - Mi-Cha : Tô  nem  ai  pra  você. Só me  deixe  em  paz.

[14:17] - Número desconhecido : Não posso  deixar  a  minha  BabyGirl, um  bom Daddy  cuida  bem  da  sua  garota.

[14:19] - Mi-Cha : Oi?

[14:19] - Mi-Cha : Do  que  você está falando?

[14:19] - Mi-Cha : Você tem  sérios problemas.

Eu  já ouvi  falar  de  BabyGirl  and  Daddy. É onde  a  menina  se  faz  de  criança e  o  cara  de papai dela  durante o  sexo. Apenas isso  né?

[14:21] - Número desconhecido : Tenho  uma  proposta pra  te  fazer. Seja uma boa e obediente BabyGirl  para  mim, que  eu  serei um  Daddy maravilhoso. Te farei  sentir  coisas  que  nunca  sentiu  antes, te arrepiarei da cabeças aos  pés, te fazerei gemer até ficar sem voz.

Um  arrepio  me  percorreu lendo  sua  mensagem.

[14:23] - Mi-Cha : Como  eu  vou  saber  que  você  não é um  velho pedófilo de 50 anos querendo  se  aproveitar de  mim?

[14:23] - Mi-Cha : Ou  então um  assassino querendo  me  matar  a  mando de  alguém.

[14:23] - Número desconhecido : Se  te  deixa  mais  despreocupada, eu  tenho 20 anos. Não sou assasino, se  for  morrer  vai  se  de  tanto eu  te  foder  baby.

[14:23] - Número desconhecido : Eu  estou sempre  por  perto.

[14:24] - Número desconhecido : enviou  três fotos.

Abri  os  arquivos  e  era  três fotos  minhas. Uma eu  estava  na  garagem  do  apartamento esperando a  Hee. Outra  eu  estava  no  refeitório da  faculdade, e  outra  era  eu  e  Hee  chegando  da  faculdade.

Pelo  amor  de  Deus, como  ele  tem  essas  fotos, eu  não percebi  ninguém tirando  foto  de  mim  em  nenhum  desses  momentos.

[14:24] - Mi-Cha : Eu  acho  melhor você me  deixar  em  paz.

[14:25] - Mi-Cha : Nem sei quem  você é.

[14:25] - Número desconhecido : Você é tão bonita, baby. Seu corpo é tão admirável, você nem parace ser daqui. Eu estava te observando o tempo todo, seu jeito de morder os lábios é tão excitante. Você deveria parar com isso, eu sinto meu corpo estremecer. Não vou te deixar em paz. Você aceita  jogar  um  jogo?

[14:25] - Mi-Cha : Que  jogo?

[14:26] - Número desconhecido : Um  jogo  que  eu  saio  vencedor em  todas  as  partidas.

Convencido esse dai.

[14:28] - Número desconhecido : Lembrando, o  jogo  é  meu, as  regras são minhas, e  é  jogado  do  jeito, na  hora, como  e  onde  eu  quero.

Mordi  meus  lábios.

Eu  tava com  medo, curiosa, nervosa  e  tudo  isso  fazia  meu  habito de  morder os  lábios involuntariamente  atacar.

[14:30] - Número desconhecido : Baby?

[14:31] - Mi-Cha : Se  o jogo  virar?

[14:31] - Mi-Cha : Ser  controlado por  mim.

Da onde eu tirei coragem para  isso? Eu  estou ficando  louca.

[14:31] - Número desconhecido : Isso  não vai  acontecer, baby.

[14:31] - Número desconhecido : Então baby?

[14:35] - Mi-Cha : Eu aceito.

Não sei  oque  meu  deu, eu  queria  provar pra mim  mesma  que  eu  não era  a  criança que  todas  falavam. No  mínimo ele vai  querer  algumas  fotos, alguns  vídeos, uma  possível transa. Nada mais! E isso  eu  poderia  fazer.

[14:35] - Número desconhecido: Você se  arrependerá por  isso  baby, uma  vez  aceito, não pode  voltar  atrás a  não ser  que  eu  queira.

[14:37] - Número desconhecido : A  primeira coisa  que  acontece quando o meu  jogo é  aceito, é  fazer  o  que  eu  mandar. Como ditador do  jogo, você agora  passa  a  ser  minha  BabyGirl, e  eu  tenho  total  controle sobre  você.

[14:39] - Número desconhecido : Ficarei  no  anônimo até achar  necessário. Lembrando  que  você não foi  obrigada, e  pode  usar  a  palavra-chave quando  não quiser mais, mas  garanto  que  não vai  usa-la.

Eu  lia  cada mensagem  sua  tentando  entender  o  seu  jogo  e  me  perguntando se  fiz  a  coisa  certa, eu  apenas  aceitei  jogar  o  jogo, pensei que  seria  algo  mais  irrelevante, mas  pelo  oque  ele  tá falando, tem  algo  a  mais  ai.

[14:42] - Número desconhecido : Você aceitou  meu jogo, e  terá que jogá-lo conforme eu quiser. Está ciente disso?

[14:42] - Mi-Cha : Estou...

Estava?

[14:43] - Número desconhecido : Boa  garota.

[14:43] - Número desconhecido : Até mais  tarde  BabyGirl. Seja  obediente com  seu  Daddy, suponho que  não vai  querer  ser  punida.


Notas Finais


Hi hi hi hi hi

Ai gente mals, mas realmente foi isso que eu escrevi.
Eu sei, não está a melhor coisa do mundo, mas foi o que saiu dessa cabecinha.

Bom, espero que vocês acompanhem essa fanfic, e gostem bastante de mim.

Aigooo!

Eu aceito sugestões e opiniãos também. Muito de vocês devem já saber quem é o Daddy pela capa, falando em capa não liguem se eu trocar, talvez eu faça isso.
Eu não citei ele na mensagem por que não quero que a BabyGirl saiba, não ainda.

Aaah, só sei dizer que to cheia de idéia pra essa fanfic.

Eae, mereço vocês por aqui?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...