História I've Had The Time of My Life - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Personagens Cora (Mills), Daniel, David Nolan (Príncipe Encantado), Fa Mulan, Lacey (Belle), Mary Margaret Blanchard (Branca de Neve), Princesa Aurora, Príncipe James, Regina Mills (Rainha Malvada), Robin Hood, Sr. Gold (Rumplestiltskin), Zelena (Bruxa Má do Oeste)
Tags Outlaw Queen, Snowing
Visualizações 13
Palavras 1.546
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Drogas, Insinuação de sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Aproveitando a onda súbita de coragem resolvi aproveitar e publicar também minha primeiríssima fanfic para ver no que dá kkkk. Espero que vocês aproveitem, e caso gostem tentarei atualizar ao menos uma vez por semana, os primeiros capítulos já estão até escritos, então comentem e digam o que acharam caso seja do desejo de vocês.

Capítulo 1 - O último primeiro dia


P.O.V de Mary Margaret

Los Angeles, Califórnia.

03 de Setembro de 1996

 

   Querido Diário, hoje é o meu primeiro dia do terceiro ano no colégio onde estudo, o Colégio Storybrook, e estou muito animada, mal posso esperar para rever a minha turma. Claro que por ser o ano da formatura os professores e o resto do mundo vão puxar nosso saco sobre como devemos dar duro e escolher logo uma faculdade. O que me conforta é saber que ao menos ainda restam alguns meses e que todas as minhas amigas com exceção da Belle (que sabe desde criança que quer fazer literatura) assim como eu mesma, também estão incertas sobre o futuro.

   Como é que eu, uma garota de apenas 16 anos e oito meses saberei o que quero fazer pelo resto da minha vida? E se escolher errado e acabar ficando presa em um emprego chato por todos os meus dias? Ou pior se virar uma daquelas garotas que mudam de emprego a cada semana? Ou se acabar sem emprego nenhum? E se não for inteligente o suficiente para entrar em uma boa faculdade e orgulhar meu pai?

  Bom, o meu despertador acabou de tocar diário, mas estou acordada há horas, ansiosa para variar, e é melhor eu correr para o banho logo. Só temos um banheiro no segundo andar e o de baixo saí uma água tão fria que se me contassem que vinha da Antártida eu acreditaria. Nunca fui grande fã de coisas frias pela manhã.

  Caso não me apresse é bem capaz de minha madrasta chegar antes de mim e do jeito que ela demora no banho acabarei me atrasando ou pior sendo obrigada a banhar no banheiro de baixo. Mas, falaremos mais sobre minha família em outra ocasião eu prometo (acabei de ouvir o barulho da porta do quarto dela abrir).

Beijos,

Mary Margaret Blancher Swan

 

P.O.V de David

  Levantei da cama devagar, ainda ligeiramente zonzo, o despertador tocou pontualmente às 7h e tudo que sentia além do sono era uma dor de cabeça latejante. A noite anterior havia sido péssima, eu estava começando a pensar que jamais me acostumaria com o novo fuso horário. Abri a janela para ver o clima como eu fazia diariamente em minha antiga casa, quanta estupidez! Quase fiquei cego!

  L.A era uma cidade ensolarada e inacreditavelmente quente, um ótimo local para se passar as férias de verão, mas para morar mesmo prefiro mil vezes o meu velho interior na Virginia, onde o clima é úmido e aconchegante, e onde eu sempre podia comer os deliciosos biscoitos da minha mãe. Ok. Eu admito, isso soou muito infantil.

 Que loucura! Nem ao menos me apresentei, meu nome é David Nolan, e como é obvio acabei de chegar na cidade. Meus pais se divorciaram quando eu e meu irmão gêmeo erámos apenas bebês, meu pai além de ter feito a estupidez de trair e agredir minha mãe, a mulher mais doce nesse planeta, ainda teve a coragem de deixa-la sem um centavo após o divórcio e a separar do primogênito, o meu irmão James. Ele cresceu aqui na Califórnia e é estranho pensar que não há muito tempo o quarto onde estou vivendo assim como quase todas as coisas em minha volta eram dele.

  Ele cresceu aqui sobre os mimos de meu pai, e o maior sonho do Sr. Nolan era que James assumisse um dia a chefia da firma de advogados de nossa família. Não o via muito, só em algumas semanas em um ou outro verão quando meu pai permitia que visitasse a fazenda onde por tantos anos estive com minha mãe. Ficava há uns cem quilômetros de Richmond, afastado de quase tudo, e é sempre um bom lugar para passar o tempo. Cercado de plantas e animais e de uma pequena mata onde sempre ia me aventurar quando estava triste ou simplesmente quando queria pensar.

  Tenho de admitir que nunca me dei muito bem com meu irmão, no pouco tempo que estávamos juntos ele me lembrava da arrogância do meu pai em cada palavra que dizia, além de se mostrar frio e calculista e sempre apontava defeitos em nossa mãe e criticava tudo que fazia, como se fosse a sua empregada particular. O que me dava vontade de lhe dar uns bons tapas no rosto, sempre impedidos pela minha mãe que me dizia que isso não me faria ser melhor do que ele.

  Apesar de tudo tomei um susto quando em certa manhã encontrei minha mãe aos prantos e só depois de vários copos de água com açúcar em soluços ela conseguiu me contar que meu pai havia telefonado. Já sabia que era coisa ruim, o papai nunca ligava, a não ser para avisar que o James estava vindo passar umas semanas conosco, mas ainda estava bem longe das férias ou de qualquer outro feriado. Ela explicou que meu irmão foi diagnosticado com insuficiência renal há algum tempo e que os tratamentos não estavam surtindo efeito, ele precisava de um transplante e como meu pai não possuía o mesmo tipo sanguíneo que James precisávamos chegar em Los Angeles para realizar alguns exames, e que partiríamos na manhã seguinte.

  Foi a primeira vez que viajei de avião ou mesmo que saí da Virginia, e nem pude ficar empolgado com a cidade do sol e do cinema, nem ao mesmo quando vi o letreiro de Hollywood pequeno, pela janelinha do avião. Nem tivemos tempo de trocar de roupa do aeroporto fomos direto para o hospital realizarmos uma série de exames.

  Alguns dias depois já com os resultados os médicos de James disseram que tinham concluído que seria a melhor opção para doador, eu já esperava, afinal eram gêmeos. E como ele era meu irmão apesar de todos os defeitos coloquei todas as nossas diferenças de lado e aceitei ser o doador do rim. Eles me explicaram que teria de me cuidar pelo resto da vida e todos os riscos do procedimento, aceitei mesmo assim e o transplante foi realizado.

 72 horas depois da cirurgia o inesperado aconteceu James que parecia estar reagindo muito bem até o momento rejeitou o órgão e morreu horas depois de falência múltipla dos órgãos, não havia nada que os médicos pudessem fazer para evitar a tragédia, todos entraram em luto, bom mais ou menos, tinha o meu pai..

   Ele ficou arrasado, mas não por perder um filho e sim um herdeiro, o herdeiro da sua firma que tinha gastado tantos e tantos anos preparando e o educando. Mas, se a sua obra prima estivesse sido levada por uma enchente o rascunho mal feito servia então, ou seja. Eu.

  Não tinha nem um semana passado desde a morte do meu irmão quando com os bons contatos que tinha entrou na justiça com o pedido de minha guarda alegando que minha mãe não tinha condições financeiras de me dar uma boa educação. O pai que odiava e contava nos dedos as vezes que vira agora tinha decidido que minha mãe não servia para mim. Perfeito! Mas, não vou mentir o argumento do meu pai não era digamos totalmente mentira, eu nunca tinha ido à escola, mas isso não me fazia um burro analfabeto, eu era educado em casa, não posso dizer que aprendi tudo que um garoto de minha idade deveria nem que tinha chances em entrar em Yale por exemplo, mas para um garoto do interior até que era bem inteligente.

  Ele ganhou o processo e agora estou aqui, só posso ver minha mãe nas férias e realmente não estou nada ansioso para começar essa minha nova vida. Na cidade do James, na casa do James, no quarto do James, repleto de coisa dos James. Nada aqui pertence a mim, ao David. Nada mesmo. E de uma coisa tinha certeza: nada me faria gostar dessa droga de cidade.

  Uma das empregadas do meu pai acaba de entrar com um carrinho cheio de comida para o meu café da manhã, tudo aquilo era um desperdício daria para uma semana lá em casa, sem falar que tomar café no quarto é desnecessário não é esforço nenhum eu caminhar até a cozinha ou sala de jantar ou qualquer lugar com uma mesa ou uma cadeira nessa casa. Segundo meu pai,  Jéssica, a empregada que está em meu quarto nesse momento não está autorizada a falar comigo e vice-versa, a menos que seja para que lhe dê uma ordem, assim como qualquer funcionário ou funcionária deste local. Mesmo assim não resisto e lhe dou um “bom dia” nem que seja para arrancar um único sorriso de seus lábios, eu não queria estar na pele dela, se o Sr. Nolan já é um péssimo pai imagine que patrão deve ser.

 Apresso-me e começo a comer uma fruta do carrinho, daqui a pouco terei de estar na minha nova e primeira escola, um colégio de nome bem gozado, o Colégio Storybrooke. Já ouviu falar? Se mora em L.A é possível, ele tem uma excelente reputação e era claro onde meu irmão estudava outra coisa que não pertence ao meu mundo para variar. Espero ao menos fazer algum amigo por lá e nada mais, só quero que o verão chegue novamente para eu voltar para minha boa de velha Virgiria e para os bons e deliciosos biscoitos da minha mãe.


Notas Finais


Oi! Obrigada pela leitura, queria antes de tudo esclarecer os nomes de personagens que mudei que aparecerão já no próximo capítulo provavelmente:
Ariel = Arianne (ela vai ter um apelido, vocês preferem que seja Aria ou Anne?)
Mulan = Megan
Para quem não se lembra o nome da Cinderela em Storybrooke é Ashley e do príncipe dela é Sean
Rumple = Raphael
Aurora e Philip vão ter os mesmos nomes mesmo e acho que é só, se esqueci de algum acrescento nas notas finais ou inicias do próximo capítulo. Eu também criei eu mesma alguns personagens e espero que gostem, nem a Emma nem o Hook vão aparecer por agoraa infelizmente, mas tenham paciência eles aparecerão conforme a história for seguindo já que pretendo fazer uma grande passagem do tempo e a Regina será bem desenvolvida nesse tempo também.
Opiniões?


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...