História Jack e os Winchester(Supernatural) - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Supernatural
Personagens Dean Winchester, Sam Winchester
Tags Supernatural
Visualizações 37
Palavras 1.216
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela, Sobrenatural, Suspense

Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Bom gente, aqui está mais um capítulo. Espero que gostem... Boa leitura!♡

Capítulo 3 - Conversas


P.O.V Jack Kline  

Eu estava andando em uma espécie de floresta, estava tudo muito escuro e eu não sei o que estava fazendo ali. Ouvi um barulho como se fossem passos que vinham de trás de mim, virei rápido e olhei para a direção de onde estava vindo os tais passos.

- Sam? É você?

Gritei mas ninguém respondeu e eu me esquivei para trás, por um momento eu senti um pouco de medo, eu tinha poderes, mas não sabia como usá-los já que nem um lápis eu consegui mover quando Sam me mandou o fazer.

Os passos foram ficando mais próximos, não demorou muito para que eu percebesse quem era... Olhei confuso pois era muito difícil de acreditar.

- Mãe?

Ela olhava sorrindo pra mim, eu iria falar com ela, mas logo ela sumiu e eu sentei na cama. Era tudo um sonho e eu estava no "meu" quarto no Bunker. Olhei em volta e senti meus olhos encherem de lágrimas, eu queria poder me despedir de minha mãe, mas isso nunca iria acontecer.

Levantei da cama e fui em direção onde era a sala e sentei em uma cadeira que havia ali na mesa e continuei lá por um longo tempo.

- Você deveria estar dormindo, Jack!

Alguém falou me tirando de meus pensamentos, olhei e vi que era Sam.

- Eu sonhei com a minha mãe... É tudo culpa minha, seu não tivesse nascido, ela estaria viva... Você deveria me odiar também, eu sou o culpado da sua mãe estar presa.

P.O.V Autora


Jack falava enquanto lágrimas rolavam de seus olhos, Sam ouviu tudo calado e quando o garoto parou de falar, o mesmo levou a mão até o rosto do menino secando suas lágrimas.

- Eu deveria te odiar? Jamais faria isso, Jack! Você não tem culpa de nada, sobre a minha mãe estar presa, a culpa é toda do Lucifer, você não deve se sentir culpado, ele é seu pai, mas você não tem nada dele... Sobre a sua mãe, ela estava ciente do que aconteceria, não fica assim!

Sam disse e por fim abraçou Jack que apenas apoiou sua cabeça no ombro do mais velho.

- As vezes, eu me sinto um monstro... Dean falou que vai me matar.

O garoto disse triste e Sam afastou o abraço e levou as mãos até o ombro de Jack.

- Dean não vai fazer nada, eu não vou deixar...

Sam falava e Jack o interrompeu.

- E se ele estiver certo? E se eu for um monstro como meu pai?

Sam ouvia e negava com a cabeça.

- Você não é um monstro... Nunca vai ser um, eu não vou deixar! Nunca vou deixar que o Dean esteja certo.

Sam abraçou Jack novamente e o garoto fechou os olhos ficando quieto ali.

Depois disso os dois voltaram para o quarto e Jack dormiu dessa vez sem nenhum sonho para o perturbar.

O dia amanheceu e já passavam das 10 horas da manhã e Sam estava sentado a mesa enquanto lia sobre algumas coisas e Dean apareceu.

- Acho que nós temos um caso com fantasmas em Saint Louis.

Dean falou e Sam olhou pra ele.

- Claro... Acho que você pode cuidar disso sozinho! Eu preciso ajudar o Jack com os poderes dele.

Sam falava e Dean negou com a cabeça.

- Isso é sério? Você vai mesmo ficar aqui com o Jack enquanto eu preciso de você?

Dean perguntou indignado, afinal, já estava cansando das atitudes de Sam.

- Sim, se o Jack aprender a usar os poderes dele... Ele vai poder abrir a fenda e tirar nossa mãe daquele lugar...

Dean o interrompeu e revirou os olhos.

- Ah claro com toda certeza!

Dean saiu de lá e Sam abaixou a cabeça logo soltando um suspiro. Não demorou muito e Jack apareceu e sentou em frente à Sam.

- Você não parece bem... O que houve?

Jack perguntou confuso.

- Nada demais... Coisas de adulto!

Sam sorriu fraco e Jack franziu o cenho.

- Mas eu já sou adulto.

Jack sorriu.

- Não, você não é! Mas me diz... Ainda teve algum pesadelo?

Sam perguntou ao garoto que negou.

- Okay... Tava pensando de nós treinarmos um pouco... Acho que com um pouco de prática, você pode fazer grandes coisas!

Jack negou com a cabeça, pois, maior que sua vontade de usar seus poderes, era seu medo de machucar alguém, como Sam por exemplo.

- É melhor não... Eu percebi uma coisa, talvez seja melhor eu não usar meus poderes, lembra do que você disse? Eu posso machucar alguém e eu não quero fazer isso... Eu não quero ser do mau!

Sam ouviu tudo calado e levantou de seu lugar e foi em direção ao garoto, logo sentando ao seu lado.

- Tá tudo bem... Você não vai ser uma má pessoa, ninguém nasce mau, as pessoas ficam assim com o tempo... Você não vai ser mau, eu não vou deixar. Mas também você pode ajudar muito as pessoas...

Sam falou.

- Você acha que eu posso ser como o meu pai?

Jack perguntou temendo a resposta.

- Acho, existe sempre essa possibilidade, mas você não vai ser assim...

Jack o interrompeu.

- Se eu for assim... Você e o Dean podem me matar!

O garoto disse e Sam negou com a cabeça.

- Não, ninguém vai fazer isso... Você vai ser bom, vai ser uma pessoa incrível, tenho certeza disso! Você vai ser como o Castiel, no começo nós também pensamos que ele seria do mau, mas com o tempo nós percebemos o quanto ele era bom... Você vai ser assim!

Jack sorriu, ele gostava de Sam, afinal o mesmo era o único que demonstrava gostar dele.

- Okay... Eu posso tentar fazer algo!

Sam assentiu e os dois continuaram ali.

▪▪▪▪▪

Horas se passaram e Dean chegou em Saint Louis onde encontrou com Jody que o recebeu com um abraço.

- Oi, Dean... Como vão as coisas?

A mulher perguntou ao amigo que sorriu fraco.

- Indo... Apenas indo!

Dean falou.

- E o Sam? Por que não veio?

Jody perguntou um tanto confusa, afinal, Sam e Dean não se separavam nunca.

- Está em casa servindo de babá pra uma certa criança!

Dean sorriu fraco.

- Essa certa criança seria o filho de Lucifer?

Dean assentiu.

Assim eles continuaram a conversar.

▪▪▪▪▪

Mary andava por todo aquele longo lugar onde parecia não ter fim, claro que já estava exausta e com o incômodo de ter Lucifer por perto tudo ficou ainda mais insuportável para a mesma.

- Você poderia andar mais rápido, querida!

Lucifer disse sempre com aquele tom cínico.

- Sinto muito em informar, mas eu sou humana... E os humanos costumam ficar cansados!

Mary falou e revirou os olhos.

- Claro, humanos são uns vermes, não tem uma utilidade!

Lucifer disse.

- Claro, pra você um humano só teve utilidade quando foi pra ter seu filho!

Lucifer sorriu.

- Sim, meu grande sucessor!

Mary o encarou.

- Você deveria ter me matado, assim não iria mais ter o desprazer de te aturar!

Lucifer riu.

- Infelizmente não posso fazer isso... Tenho planos que incluem você... Afinal, com toda certeza seus filhinhos devem estar com meu filho, vou fazer uma coisa justa... Te trocar pelo Jack!


Notas Finais


É isso, gostaram? Falem sobre o capítulo e o que acharam... Bjs e até o próximo.😘😘❤
Ps: Sorry por qualquer erro ortográfico.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...