História Jargot - Love Last - Capítulo 3


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cameron Diaz, Cara Delevingne, Jared Leto, Margot Robbie, Will Smith
Personagens Cameron Diaz, Cara Delevingne, Jared Leto, Margot Robbie, Personagens Originais, Will Smith
Tags Jargot É Real!
Exibições 140
Palavras 1.771
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Incesto, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 3 - Psychosis


Margot Robbie

 

Não entendo o que acontece nessa vida, realmente eu queria muito não acordar cedo pra ir até a Flórida. – Quem no mundo além de Jared Leto consegue açodar e ser feliz? Ele estava num bom humor, sorrindo, feliz e saltitante por aí e eu estou aqui olhando pra essas nuvens idiotas com um fone de ouvido no máximo evitando todo mundo por conta do meu mau humor constante.

Sinto passos vindos até mim, pareciam de solto alto e eu sabia exatamente de quem era! Minha maluquinha Cara, na qual deveria estar numa ressaca da porra por ter brigado com a namorada dela, que descobriu absolutamente de tudo. – Cara é bissexual, e quer curtir a vida, curtir sua liberdade e as vantagens de ser famosa. O que a cantora St. Vincent não entende e acaba deixando minha maluquinha encurralada e a fazer coisas que não deve. Cara é nova e quer entender o que realmente quer pra vida, se quer homem, se quer mulher... Está descobrindo tudo e essa vaca – que ela não me ouça – não deixa ela em paz.

Cara foi a uma balada e ficou com três homens, estava bêbada e sem contar que beijou Ian, Paul e Dylan. – Ela não está certa de trair, mas a vaquinha da namorada não deixa elas terminarem e acaba virando corna.

- O excluída, por que ta com essa cara de quem comeu arroz e não curtiu? – Cara se senta ao meu lado tirando meus fones de ouvido, fazendo com que a música perfeita do Maroon5 fosse embora de minha mente.

- Estou com sono. Além do mais odeio a felicidade alheia. – Cruzo os braços esperando para que ela possa me devolver meus fones, para que eu pudesse continuar a imaginar minha vida.

- Jura?! Mentirosa, eu sei que está assim pelo o que você viu no carro!

Ah, a palhaçada do Jared com a puta da ex noiva dele. Cameron Diaz, aquela vaca mirim de esquina. Será que ela não sabe que ele não quer mais ela e que já até ta em outra? Ou pelo menos é o que eu acho, pois ele postou uma foto com uma piranha chamada Clarie... Poderia pelo menos ser uma com um nome mais bonitinho e menos frouxo que Clarie.

Cara praticamente grita a Deus e o mundo que eu estou com ciúmes, mas somente acho um exagero ele ficar conversando com a ex noiva na qual nem amigo ele é mais. Já que é meu amigo, mas ok.

- Não tem nada a ver com ele e a Cameron e nem com a Clarie!

- Tá escrito na sua testa! Eu sei que você gosta dele, mas não precisa morrer de ciúmes. Que homem não ficaria de quatro por você? – Reviro os olhos olhando pra o rosto dela que continha expectativa.

- E que pessoa não ficaria de quatro por você, né. Sério, você é muito gata! – Cara começa a ficar vermelha igual um pimentão. – Se eu não gostasse de homem, te pegava.

- Eu já te pedi uns beijo de língua, mas você nunca dá! – Minha mão passa por seus cabelos, a puxando para um beijo calmo. Mas como essa louca é afobada logo foi para um beijo um pouco mais selvagem, que acabou por conta da falta de ambas.

- Viu? Agora tem seu beijo. – Ela me olha paralisada, assim como Will e Jared que estavam babando. Will nem tanto, ele tem respeito pela sua mulher e admiro isso... Diferente de Jared que estava olhando como se visse um fantasma.

- Meu Deus, Margot Robbie me beijou de língua! – Cara começa a rir junto comigo e a todos que escutavam seus gritos, ela consegue me deixar de bom humor em segundos.

Me levanto de meu assento e vou comer algumas coisas que eram servidas ali. – Jared se encontrava encostado na mesa, assim como Will que nem se importava com o ocorrido ali. Já era algo comum, ele sabia que eu gostava de homens e que aquilo era uma brincadeirinha minha e dessa maluca, mas Jared deve estar achando o pior, o que me causa crises de riso eternas.

- Posso te fazer uma pergunta? – Os olhos dele brilhavam me vendo passar manteiga na torrada, acompanhando cada passo meu que nem se importava de ser encarada.

- Já ta fazendo uma... – Faço uma pequena pausa, olhando para seus olhos que me impediam de falar. – Mas já que estou aqui, fala.

- Você é lésbica?! Não acredito que estou interessado em um amor impossível;

- Me vê como um amor impossível?! – O questiono sem nenhuma descrição, ele parecia surpreso ao mesmo tempo, ele parecia ter duvidas.

- Isso não responde minha pergunta. – Dou um sorriso de lado, encarando o teto.

- Respondendo sua pergunta nada discreta, não... Eu não sou lésbica se é isso que te aflige. – Ele não mudou a pose, parecia não fazer diferença alguma eu gostar de mulher ou não, pelo menos foi o que pareceu, se não fosse o sorriso de orelha a orelha em seus lábios. – Está mesmo interessado em mim, Jared?!

- É Mr. J pra você, lindinha. – Suas mãos vão para meus cabelos, colocando algumas mechas para trás.

- Isso não responde minha pergunta. – Retruco com um sorriso sínico no rosto.

- Garota esperta! – Jared dá um sorrisinho de canto, se afastando de mim e me deixando ali plantada.

[...]

- Esse aplicativo é de matar... – Will e eu estávamos sem fazer nada no hotel, já que a visita na qual eu e Jared iríamos fazer aos malucos, psicóticos seria daqui uma hora. Resolvemos ensaiar algumas falas que teríamos juntos.

- Eu vou matar ele.

- Então faz isso logo, porque ele vai matar todos nós um por um. – Estico minhas pernas, jogando meu cabelo de lado enquanto esperava ele falar.

- Eu vou matar ele, a mulher da espada e mais cinco ou sete soldados. E você me ajuda.

- Sempre. Mas e essa porcaria no pescoço?

- Seu amigo quebra essa pra gente, né? – Will olha para Jared que se encontrava olhando para nós com uma cara nada boa, mas depois eu que sou a doidinha. Se ele não tava gostando disso, imagine das próximas falas.

- Você também é meu amigo. – Meu olhar vai para o de Jared, que apenas revira os olhos voltando a comer alguma coisa que tinha em suas mãos.

- Você é danadinha... Espalha pra geral. Continue má, boneca.

Will se levantou após as falas terem terminado, assim como eu que estava apenas de roupão. – Abro minha mala e coloco uma blusa escrita ‘’ Foda – se Marvel’’ assim como Jared, ela tinha metade da cara da Harley, assim também como a de Jared que possuía metade da cara de Joker.

Cara dava uma risada idiota da minha blusa, mas logo parou ao ver que estava sendo doida. – Diferente de todos eu estava um caco, fiquei altas horas lendo HQ’s de esquadrão suicida e ainda desenhos da Harley Quinn e Joker. Já tinha cenas no roteiro em que eu seria Dra. Harleen Quinzel.

- Tá brisando ai cuzona? – Jared se senta ao meu lado vendo que eu brisava demais.

- Sim, cuzão. – Ele sorriu puxando meu braço, o que indicava que teríamos que ir andando para a porcaria de entrevista com os seres malucos.

[...]

- Diga, como é mesmo seu nome, querida? – Um homem de tatuagens que se encontrava amarrado na cadeira me questiona. Ele tinha pele clara, possuía olhos pretos assim como seus cabelos, me olhava de modo estranho.

- Margot... – Jared segurava minha mão que estava um pouco suada, ele olhava pra aquele homem com raiva por ele olhar o decote da blusa que eu usava.

- Margot! Um lindo nome, assim como o seu rosto... – O homem  olhou para meus olhos, depois foram novamente para meus seios. – Adoraria mata – La, depois de abusar de você!

- Você é nojento. – Minhas mãos apertaram novamente as de Jared, que sorriu de canto para mim e logo se voltou para o outro que revirava os olhos.

- Desculpe os meus modos, mas não vejo mulher há muito tempo... Chega a ser deprimente se não fosse trágico.

- É trágico você se sentir deprimente? – Jared pergunta para ele que concorda com um sorriso nos lábios, se remexendo na cadeira.

- Quantas pessoas você matou? – Minha curiosidade aumenta, os olhos marejados pela maldade dele me encaram novamente. Sua expressão é de raiva, ele parecia ter raiva da minha pergunta

- Isso não é pergunta que se faz a um nojento como eu, moça. – Suas mãos vão para o cabelo, os jogando para trás tendo a visão da tatuagem em seu pescoço ‘’ Rotten of Damaged’’ , por que alguém escreveria em seu próprio corpo ‘’ Podre e Estragado’’. Pelo menos isso me deu uma ótima idéia, escrever Rotten e Damaged em mim e em Jared. Um conjunto.

- Então foram muitas?

- Sabe, eu tinha um amigo. Ele sempre dizia que não importa quantas pessoas você matou e sim a classe social dela. A importância dela é claro! Quem sentirá a falta de um mendigo?

- Ainda sim ele é uma pessoa. Uma vida.

- Esse é o ponto. Mas quem sentirá a falta? – Ele dá os ombros com facilidade. – A questão é, pra estarem aqui devem ser importantes... E irão sentir a falta de vocês!

- Aonde quer chegar? – Jared questiona o maluco, que revira os olhos a cada palavra dita por nós dês do começo da visita.

- Não me levem a mal, mas tenho princípios... Quero ser lembrado! – Seu corpo voou até nós, jogando – se contra mim e acertando a faca de raspão bem em meu braço já que Jared o puxou para longe.

Aquilo ardia, porém nada se comparava a preocupação que eu estava com Jared ao ver ele lutar com ele, depositando socos enquanto a policia abria desesperadamente o portão, e quando assim foi feito uma injeção foi aplicada fazendo o mesmo cair ao chão em poucos segundos e Jared vir até mim caída ao chão jorrando sangue.

- Você está bem? – Ele me segura em seus braços, me pegando no colo com facilidade esperando uma resposta minha.

- Agora sim... – Sorrimos com meu comentário, o mesmo me levava com rapidez até o carro da Warner, e a cada passo olhava pra ver como eu estava... Era lindo o ver daquele jeito.

- Prometo que vou cuidar de você, Mag. – Passo minhas mãos em sua barba mal feita, tendo o sorriso  de  canto dele, que mesmo assim continha o medo em seus olhos azuis.

- E eu vou amar ser cuidada por você, Mr. J


Notas Finais


Rotten é a tatuagem que tem no rosto da Harley
E Damaged na testa do Joker haha.
Adoro essa combinação, Pobre e Estragado.
Ou Damaged pode ser Danificado, tanto faz haha.
Espero que tenham gostado, e não liguem pros beijos da Cara e Margot haha são amiguinhas coloridas.
Juro que tentei não colocar psicose nesse capitulo, mas quem é psicopata tem q colocar essas coisas ( haha mdss)
Bjjss amores


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...