História Jargot - Love Last - Capítulo 6


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cameron Diaz, Cara Delevingne, Jared Leto, Margot Robbie, Will Smith
Personagens Cameron Diaz, Cara Delevingne, Jared Leto, Margot Robbie, Personagens Originais, Will Smith
Tags Jargot É Real!
Exibições 57
Palavras 2.064
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Romance e Novela
Avisos: Adultério, Álcool, Drogas, Incesto, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Sorry por esse hot bosta, mas hj estava sem criatividade para hot.
Talvez sem criatividade tmb haha.

Fiz uma nova fic Jargot, onde eles são adolescentes e se conhecem no colégio, e Jared conhece Candice, ela se xona nele e pede pra Margotzinha ajudar e tals, eles são apaixonados pelas mesmas coisas e etc, etc.

Espero q gostem kkkkkk Link nas notas finais.

Capítulo 6 - My Fear Has Brought Us To This Hell.


Fanfic / Fanfiction Jargot - Love Last - Capítulo 6 - My Fear Has Brought Us To This Hell.

 

Margot Robbie

 

Jared me jogou na cama, passando as mãos em meus cabelos enquanto a única coisa na qual eu pensava era em ter ele me beijando ferozmente igual um louco. – Minhas mãos ainda tremulas, passavam por todo o corpo dele arrancando a blusa larga preta que ele usava. Assim como Jar que passava suas mãos por baixo de minha blusa, deixando- me  escapar um gemido em seus ouvidos.

- Jar acaba com isso. Me fode, Jared, você sabe que quer. – Fico por cima dele, arranhando seu abdômen de cima abaixo, o que fez ele agarrar meus pulsos e arrancar minhas roupas. Quem visse, pensaria que ele estava me estuprando, pois ele era forte e parecia gostar de sexo violento.

- Margot, eu sou violento. Não sei se você agüenta. – Gargalhei de forma intensa, puxando seus lábios nos meus fazendo ele estourar meu sutiã... Uma de suas mãos passava em minha calçinha e outra em um dos meios seios o apertando forte. Doía, mas era uma dor gostosa.

- Eu.. agüento... tudo. – Dizia entre os beijos, ele bagunçava meus cabelos e sem nem ao menos pestanejar me penetrou com força e fundo, o que me fez gritar tão alto.

- caralho Margot! – Jared pegava em minha cintura e fazia movimentos de cima para baixo, cavalgava enquanto gritava de prazer, eu podia sentir que ia acontecer. Eu sentia que iria ter um orgasmo a qualquer hora.

- Mais rápido Jar...  – Pedi rindo, sentindo o líquido sair de minha intimidade e as mãos dele passarem por ali. – Espera, você tem camisinha?

- É claro que tenho né, Love. – Ele pegava em sua calça, que já se encontrava no outro lado da cama, colocando em seu membro. Ele demorava demais, eu estava aguçada e queria transar logo.

- Porra Jared, vai logo com essa porra e me fode. – Jared sempre parecia ser lento quando se tratava de estar bêbado. Parece que alguma coisa nele mudou, o mesmo pegou meu corpo e me deixou de quatro me bombeando como nunca, tinha horas que chegava a machucar de tanto que ele penetrava com toda a força que podia.

[...]

 

 Meus olhos vão abrindo aos poucos, vejo a claridade me invadir e logo fecho meus olhos. Mas que merda é essa? Minha cabeça ardia, parecia que tudo rodava. – Tento abri – los novamente e a visão que tenho é de Jared, ele estava ao meu lado totalmente nu. As marcas em meu corpo diziam que havíamos transado, e transado loucamente a noite toda. Sorri com isso e revirei os olhos, já deveria estar toda vermelha mesmo ele não estando acordado.

  O som de um aparelho celular tocando era ouvido a milhões de distâncias, e começo a procurar a todos os cantos. Pego o mesmo e percebo que era minha mãe, e não deixei escapar um sorriso alegre por conta disso.

- Que porra em Margot, é mais fácil falar com a Lady Gaga do que com você. – O temperamento dela é um tanto... Nervoso, e isso era de um certo modo engraçado, eu sempre dava altas gargalhadas como agora.

- Mamãe, sempre é ótimo falar com a senhora. – Sou irônica, ouvindo ela bufar no outro lado da linha.

- Ótimo? Então por que não atende essa merda? Tava quase enlouquecendo sem saber onde você estava. Mas enfim, como você está?

- ótima, mamãe. – Não consegui conter a alegria, ao olhar para Jared esparramado na cama, sorri suspirando enquanto ficava pensando em algumas coisas que lembrava da noite passava.

- Que sorriso abafado é esse? Você ta toda feliz, o que aconteceu, filha?

- Nada de importante, mãe. – Tento esconder aquilo dela, mas se algo é difícil é mentir para ela. Sempre arrumava um jeito de descobrir ou me pressionava quando sabia que eu estava mentindo.

- Ah é né Maggot. E você fica toda feliz porque o sol é amarelo? Sou sua mãe, e sei muito bem quando você ta de namorado novo.

- Ele não é meu namorado, é um amigo. Gosto dele, mas é complicado.

- Complicado? O que é complicado? Vocês se gostam, é transa. A+B=C. – Dizia um pouco alto, me dando uma gargalhada um tanto baixa, pelo moreno que dormia perto de mim, na grande cama do hotel.

- MÃE!

- Ah ok, ok.  Cameron te mandou um beijo! – Ela se referia a um dos meus irmãos, já que tinha três. Já deu pra imaginar o porque de minha mãe falar essas coisas, já que ela mesma adora a ação pra ter 4 filhos. Anya era a mais fofinha, assim como meu outro irmão Lachlan que era a cara do meu pai Doug.

- Manda outro pra esse retardado.

- Quero conhecer esse moço, além do mais qual o nome dele mesmo?

-  Ele vai fazer Esquadrão comigo... – Tento continuar falar, mas ela me impede. Ela não é assim, nunca foi, mas quando Cameron fica de vagabundagem ela fica nervosa e me liga, perguntando coisas aleatórias enquanto comia chocolates, isso explicava o barulho de embalagem.

-Jesus, não me fala que é o Will Smith que eu dou na sua cara.

- Não, não. Jared Leto, mãe. O Will ama a esposa dele, ta louca?

- Jared Leto? Aquele do 30 seconds to mars?  Jesus ele é um gato, isso mesmo filha, faz como a mamãe ensinou. O truque da vitrine! – Minha mãe me ensinou esse truque dês do meu primeiro namorado, primeiro você o deixa provar e depois somente o deixa querendo, desejando...

- Okay, mãe. Preciso ir agora.

- Quero conhece – lo, ok? Por que não o traz aqui para um final de semana em sei lá... Família?

- Família? Vou ver o que posso fazer.

Desligo meu telefone, olhando diretamente para Jar que sorria me vendo colocar meu shorts e uma blusa branca e larga dele, que ficava em qualquer canto desse quarto. – Me jogo em cima dele, sorrindo e passando as mãos em todo o seu corpo, vendo os arranhões e chupões que tinha feito em todo seu corpo.

- Com quem falava, Maggot? – Respirei fundo ouvindo aquele apelido dos infernos, mas apenas me deitei ao seu lado respirando fundo.

- Minha mãe, ela acha que deveríamos ter um final de semana em família... E acabou te convidando como meu acompanhante oficial.  – Jared me pareceu surpreso, ficou me encarando por longos segundo e sorriu passando as mãos em meu pescoço todo roxo.

- Eu estou honrado, Srta. Robbie, mas esse acompanhamento seria como um amigo, namorado, ficante? Como devo me apresentar ao seu pai? – Sorri carinhosamente para ele, vendo o sarcasmo em sua frase.

- Como um amigo. É isso que acham que você é.

- Amigo, Margotzinha? Não acha que somos muito mais que amigos? – Revirei os olhos, virando meu corpo para cima, virando para cima, olhando para aquele espelho que havia no teto, encarando meu rosto pálido.

- Sim, realmente somos. Mas ninguém precisa saber disso, hun? – Jared parecia ter um pouco de raiva, mas apenas se virou, percebi que ele queria dormir. Me levantei e fui diretamente para meu quarto, logo depois entrando na banheira tirando todo aquele grude e cheiro de sexo que tinha em mim.

 A cada momento a água invadia meu corpo, eu tentava respirar de forma  normal, mas meus pulmões estavam agitados assim como meu coração acelerado. – A paz que existia naquele banheiro foi embora assim que Cara entrou no banheiro com uma roupa parecendo que tinha acabado de chegar de uma transa louca. A mesma roupa que estávamos ontem, mas os cabelos todo bagunçados, com nós gigantes e a maquiagem borrada.

- Nossa em Cara, o sexo foi bom ontem. – Sorrimos, então ela se sentou no vaso, colocando as mãos na cabeça e fazendo cara de dor. Seu corpo foi ao chão após segundos, ela deveria estar tão louca que dormiria nesse chão gelado.

- Joel é bruto, nunca fui pra cama com um homem. To acabada. – Meus olhos se arregalaram, mas logo se acalmaram ao lembrar de quem se tratava. Ela é doida, adora aproveitar coisas novas, sempre ama se divertir, não duvido que ela tenha feito isso.

- E você? Essas marcas todas, transou com o Leto, né safada? – Gargalhou, apoiando sua cabeça com as mãos ficando de lado encarando meu corpo todo molhado, arranhado e chupado.

- Sim, seria a melhor noite, se eu me lembrasse de metade dela. – Respirei fundo, tendo a expressão de surpresa dela.  Realmente, foi uma das minhas melhores noites da minha vida, mas eu não conseguia lembrar de tudo.

- Então está dizendo que o Leto não é tudo isso que dizem por aí?

- Você ta louca? Ele faz sexo como um deus grego, somente as partes que me lembro me dá vontade de ter um orgasmo! Imagine se lembrasse do resto. – Ela gargalhou, enquanto me observava sair da banheira rindo, a mesma arregala os olhos ao ver nitidamente meu corpo todo arranhado, todo marcado pelos tapas que ele me deu.

- Mas tem algo de errado com você, não está feliz. Ele olhava pra você e eu tinha que agüentar o dia todo, o que aconteceu? Não usou camisinha né sua puta.

- Não, não. Usei sim. Mas a questão é que nós meio que nos desentendemos. – Ela revira os olhos, se ajeitando no chão observando o quanto eu tentava tirar aqueles chupões enormes do pescoço, mas infelizmente era impossível.

- O que você fez puta deslavada?

- Minha mãe nos convidou para um final de semana  em família. Jared me perguntou com sarcasmo de como deveria se apresentar para o meu pai e eu disse como um amigo. Depois eu praticamente disse que queria esconder nosso relacionamento.

- relacionamento? Já estão nisso? – Riu, e realmente essa palavra era muito forte para o que tínhamos. Não passava de beijos e sexo, eu não queria nada muito sério agora.

- Não, eu não sou muito de namoros, certo?-  Minto, eu realmente gosto de namorar, mas eu não sei. Sinto que devo ir devagar, eu e Jar nos conhecemos há uma semana. Não posso namorar um cara que conheci há uma semana. Seria ridículo!

- Mentirosa, sabe que aquela sua prima sempre atrai seus namorados quando você os leva pra esses jantares, mas o Jar é diferente. – Cara passa as mãos em meus cabelos, os deixando para outro lado.

- Isso também. Mas o conheço há uma semana, Cara. Não quero namorar logo de cara, me sinto presa. – Dei um beijo de leve em sua bochecha, antes de sair dali. – E você está certa, eu acho que eu e ele devemos ter algo, mas não um relacionamento.

- E leve ela a esse jantar, você é muito mais gostosa que a Catherine. Somente o Steve e Derek não viram isso!

[...]

 Entro mais uma vez no quatro dele, após anos tentando esconder essas marcas. Sem sucesso, pois minha base havia acabado ontem e meus pós somente vão piorar.  – Jared nunca foi de se amarrar numa garota, a não ser a vaca da Cameron Diaz na qual ficou noivo por dois anos, mas ele não parecia querer gostar de alguém. De um certo modo nem eu, não queria gostar e sim me divertir. Esse jantar em minha casa poderia deixar as coisas bem claras na mídia, nada na qual eu não possa esconder, esclarecer. Nossa situação é difícil, não podíamos ir rápido demais, e essa viagem é a minha certeza de que ele gosta pelo menos um pouco de mim, se aquela idiota da Catherine estiver lá provavelmente irá gostar dele e querer ele pra ela, pois vamos combinar a Margot aqui tem um bom gosto do cacete.

- Olha só quem voltou. – Disse Jar sorrindo, vindo até mim com suas roupas de rock que o deixava ainda mais gostoso. – Margot me desculpa, eu ainda deveria estar sob o efeito do álcool. Além do mais sabemos que somos amigos coloridos, certo?

- É. Eu estava preocupada, sabe. Não quero ir muito rápido, sempre termina mal. Quero que com você seja diferente.

- Eu quero você, nem que seja por uma semana, um mês, um ano. Posso ser seu amigo, além do mais eu adoro devagar. – Sorriu selando nossos lábios, beijando cada parte do meu corpo. Somente então me lembrei do que minha mãe sempre me falou, e nos separei saindo andando o deixando ali plantado sem entender nada. Grito antes de fechar a porta:

- Viajamos em uma semana!    


Notas Finais


Link >> https://spiritfanfics.com/historia/treat-you-better--jargot-7157881

Pra qm não sabe, vai rolar treta kkkkkkkkk até pq essa fic é incesto. Ou seja romance entre membros da mesma família, onde o casamento não é permitido pela lei.
Já devem imaginar do q estou falando, não?
Oq vai ser quando a Margotzinha apresentar o Jared pra família?? Imaginem mts tretas haha.

Bjs, leiam a fic pleasseeeeee meus amores.


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...