História (Jargot) Nem tão Joker assim - Capítulo 31


Escrita por: ~

Postado
Categorias Cara Delevingne, Esquadrão Suicida, Friends, Glee, Grey's Anatomy, Halsey, Jared Leto, Javier Hernández, Margot Robbie, Originais, Will Smith
Personagens Cara Delevingne, Derek Shepherd, Halsey, Harleen Frances Quinzel / Harley Quinn (Arlequina), Jared Leto, Javier "Chicharito" Hernández, Mercedes Jones, Noah "Puck" Puckerman, Personagens Originais, Rachel Berry, Sam Evans, Will Smith
Tags Esquadrão Suicida, Jared, Jargot, Margot, Romance, Suicide Squad, Violencia
Exibições 108
Palavras 3.014
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Famí­lia, Festa, Hentai, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Tortura, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


VOLTEI AMORES
QUE SAUDADE QUE EU TAVA DE VOCÊS! VCS NÃO IMAGINAM! NEM DEMOREI TAAAAANTO ASSIM NÉ? DESCULPA, PRECISAVA ESPAIRECER MINHAS IDEIAS E ESCREVER ALGO NO MÍNIMO ÓTIMO PARA VOCÊS.
HOJE O TOM APARECEU, NÃO ME BATAM❤️
MAS TEVE JARGOT FOFOS JUNTOS MEIGOS E TAPA NA CARA DA CARA! UHUUU
UMA PERGUNTA: VOCÊS PREFEREM CAPITULOS LONGOS QUE DEMOREM UM POUCO A SER LANCADOA OU CURTOS, TIPO 1000 PALAVRAS QUASET TODO DIA? EU PREFIRO A PRIMEIRA OPÇÃO, MAS DECIDAM AÍ É DEIXEM NOS COMENTÁRIOS
KISSUS

Capítulo 31 - Tom


Fanfic / Fanfiction (Jargot) Nem tão Joker assim - Capítulo 31 - Tom

P.o.v. Jared
O que dizer para ela?
"Nossa, Margot! Sinto muito pelo seu ex-noivo que lhe espancava ter sido morto enforcado ontem e você nem ter ido ao enterro."?
Olhei para a loira sentado no chão sentada ao meu lado. Ela não chorava, sabia que estava sofrendo um pouco por dentro. Apesar de tudo que aquele canalha fez, foi um dos maiores amores dela, chegaram a ficar noivos. O que eu posso fazer? Alguma parte dentro dela, bem no fundo, mas bem no fundo mesmo, ainda deve se...importar.
De repente, ela abre um sorriso e começa um risada nervosa, com os olhos úmidos.
-Mag?-perguntei preocupado.
-Ele morreu!-abriu os braços.-Porque eu tô me sentindo tão mal? Ele me levou ao inferno tantas vezes e mesmo assim...Parece que uma parte de mim morreu junto...-ela ficou em silêncio.-Não imaginei que agiria assim quando isso acontecesse, pensei que já estaria casada com você, com nossos filhos e de férias em uma casa, só que estaria tão preocupada com a resposta da faculdade da Gen que nem teria tempo de me sentir mal...-ela olhava fixamente para o chão.
-Eu entendo, sweet...Sei que amava ele apesar de tudo, mas agora eu estou aqui, certo?-levantei e estendi a mão para ela. A mesma levantou e me abraçou pelo pescoço.
-Você quer ir visitá-lo onde foi enterrado?-perguntei quando senti uma única lágrima molhar meu ombro.
-Não...Eu tô bem.-fungou e se afastou, secou as lágrimas com as duas mãos de uma vez.
-Mesmo?
Ela balançou a cabeça concordando.
-Vou...tomar um banho, te encontro lá cozinha daqui a pouco.-disse e subiu as escadas correndo, vestindo minha blusa.
Suspirei e peguei o jornal no chão. O enrolei e atirei pela janela da varanda, observei o papel cair no meu jardim.
Desci até a cozinha e bebi um suco de laranja. Comi um pedaço de bolo de chocolate vegano com cobertura e uma banana.
Já se passaram quase 40 minutos que Margot subiu e nada. Desliguei a TV para subir até o quarto.

P.o.v. Margot
Ah mano, ele morreu.
Puta merda! 
Eu porque eu ainda me sinto mal, eu não o amo. Não posso amá-lo e nem quero.
Cheguei no quarto ainda com as lágrimas percorrendo meu rosto.
Ele me pediu desculpas, na frente de todos que estava assistindo seu exílio!
Sentei na cama e afundei minha cabeça entre os joelhos.
-Não achei que iria se importar depois de tudo.-disse uma voz.
Olhei para cima e avistei ele. Tom.
Ele não havia sido morto? As imagens mostravam seu corpo pendurado a corda.
Arregalei os olhos e me levantei, indo para trás.
-Você não é real!-disse.-Esta morto! Eu vi a notícia e-e as fotos!
Tom estava ali, tão real quando eu, sem marcas no pescoço, inteiro e em perfeito estado. Usava uma blusa cinza lisa com uma calça preta.
-Está certa. Estou morto mesmo, mas estou aqui. Por você.-ele se aproximou.
-Isso não é possível!-ele se aproximou.-Fique longe de mim! Pode me machucar novamente!
-Não farei isso. Eu sinto tanto, Margot. Não sabe o quanto estou arrependido. Aquilo não era eu, era outra pessoa, outra coisa! Um cara drogado que não valorizava a pessoa especial que tinha ao seu lado.-falou e deu outro passo bem devagar. Deixei ele se aproximar.-Eu juro que mudei. Depois daquele dia na Austrália...eu fiquei arrasado e me dei conta do que havia feito. Parecia que alguém tinha tomado conta de mim, os outros presos disseram que estava tão cruel e sem sentido quanto...o Joker.-Joker?-Eu sinto tanto...-ele passou a mão pelo meu rosto.
Fechei os olhos e deixei me levar pela sua acaricia, continuava a mesma desde que nos conhecemos.
Acordei de meus pensamentos idiotas de que ele realmente estava ali e mudado ter mudado, dando um tapa em sua mão e sai dali para o outro canto do quarto. Ouvi o loiro suspirar.
Enquanto estava do outro lado do quarto ainda de costas, me dei conta. Eu havia tocado nele.
Não era um espírito ou uma visão, era...real.
-Como você está aqui?-perguntei me virando e percebendo que o homem me encarava.
-Eu estou aqui por você, vim...
-Corta essa!-o interrompi.-Por mim? Tom, você me bateu tantas vezes que eu nem consigo me lembrar! Foram seis meses de tortura e sofrimento! Acha que vou acreditar que está aqui por mim?
-Você me tocou, Margot. Eu sou real, tanto quanto você. Mas estou morto, vim aqui somente por você.-explicou.
-Se estivesse morto não estaria aqui!-respondi rapidamente. Pus as mãos na cabeça e o encarei.-Eu estou ficando maluca? Tipo...a Harley? Estou vendo e tocando uma pessoa morta! Eu estou tendo alucinações!-falei comigo mesma.
-Me deixe explicar...-ele pegou minha mão que já estava abaixada e eu pude sentir seu calor.
-Não quero explicações! Quero que vá embora e suma da minha vida que construí com Jared.
-Você ficou mesmo com aquele cara?
-Sim, e é alguém que eu amo muito. Não vou deixar você ferrar com isso outra vez!-vociferei puxando minha mão de volta.
-Você não ama ele, ainda sente algo por mim! Eu sei! Vejo isso em seus olhos! Já disse que estou arrependido por tudo que fiz! Só me perdoe, por favor!
-Não! Eu não te amo mais, vá embora!
-Vou provar que ainda sente.-ele puxou minha cintura e colou nossos lábios em um beijo quente.
Minhas mãos pegaram em seus rosto e fomos nós intensificando cada vez mais a medida que estávamos cada vez mais colados.
O empurrei pelo peito e levei uma mão a boca.
Ele tinha razão. Ainda sentia alguma coisa por Tom...
-Viu? Eu também sinto o mesmo, Margot. Por favor, tente entend...
Jared abriu a porta rapidamente e viramos nossas cabeças para vê-lo.
-Love? Porque está demorando tanto?-perguntou vindo em minha direção. Olhei para Tom e ele ainda estava ali.-Esta tudo bem?-me deu um selinho demorado.-Demorou.-ouvi Tom bufar.
-Está, eu só..-olhei para onde loiro estava a poucos instantes. Não havia mais ninguém ali.-Achei ter visto algo...
-E era importante?
-Nada demais, eu acho.-levantei meu olhar e o encarei.-Acho que estou ficando doida.-ri e o beijei com vontade.
Percebi seus lábios se curvarem e milésimos depois nossas línguas se tocaram e estavam fazendo um festa. Pus a mão no fecho de sua calça e o abri, puxando-a junto com a cueca para baixo. Tirei minha blusa antes que desse tempo dele pensar algo e o empurrei na cama. O mesmo caiu deitado nu e me observou tirar a calcinha devagar, subi em cima dele e comecei a beijar seu abdome, subi para o pescoço e logo colei nossas bocas novamente.
-Margot...o que houve..?-ele perguntou em meio aos beijos.
-Nada...Só fica quieto e me beija...
Estava por cima dele e suas mãos passavam pelas minhas costas nuas me prendendo em seus braços.
-E sério que você vai fazer sexo por que eu apareci?-perguntou uma voz.
Olhei para o lado e Tom estava ali novamente. Meu corpo parou e afundei minha cabeça no ombro de Jared.
-O que foi?-ele passou a mão no meu cabelo.
-Sabe que não vou embora.-disse o loiro parado do lado da cama se sentando com os braços cruzados na poltrona do quarto.
-Eu não sei...-respondi baixo. Sai de cima do moreno e me cobri com o lençol.
-Como assim? Você veio pra cima de mim com tanto fogo e agora ficou quieta.-ele se sentou e acariciou meu rosto.
-Acho que...são as vozes.-dei de ombros.
-Você escuta vozes?
-Esquece. Não é nada.-me levantei enrolada na coberta.-Eu acho que já vou, tenho que ir ao...vou fazer umas coisas em casa.-entrei no banheiro e vesti minhas roupas que estavam lá.
Quando sai, Jared estava na frente da porta me observando de braços cruzados.
-Você vai falar?
-Não há nada a dizer.-suspirei.-Adorei passar a noite com você, juro!-dei um beijo nele e sai do quarto.
Chamei um Uber e cheguei em casa, assim que abri a porta, vi Cara e Blaine se estapeando no sofá, com ela por cima dele.
-Que porra tá acontecendo?-pendurei minha bolsa e casaco no cabine atrás da porta.
-A Cara não quer deixar eu ajudar a arrumar o casamento dela!-disse Blaine apontando o dedo para mesma e se levantando, desamassando a roupa.
-Eu nem sei se quero me casar na igreja, talvez só façamos uns votos na prefeitura, nós não somos desse tipo de coisa.-a loira deu de ombros.
-Bacana...-subi as escadas devagar e entrei no meu quarto.
Não queria chorar por causa da morte de Tom, tampouco ficar feliz. Não sabia o que estava acontecendo, aquilo...Eu preciso ir ao médico. Essa alucinação deve ser alguma coisa..
-Maggot?-alguém bateu na minha porta. Eram as mesmas pessoas que estavam lá embaixo.
-Aconteceu algo? Você brigou com o Jared de novo, né? O que aquele viado fez dessa vez?-Cara quase gritou se jogando na cama enquanto Blaine fechava a porta.
-Ele não fez nada, eu só...não estou me sentido bem. Preciso descansar...
-Quer algum remédio?-o moreno disse preocupado.
-Um copo de água seria bom.
-Vou buscar.-Cara se levantou e desceu as escadas e saltinhos.
-Preciso lhe dizer algo, senta agora, tem que ser antes que a Cara volte!-falei baixo e o homem fez o que ordenei.
-Fala, mulher!
-O Tom morreu, ontem à noite, enforcamento.-revelei olhando para as minhas mãos juntas.
Ouvi ele suspirar, provavelmente como todos os outros que eu contasse fariam, com a expressão "É sério que você tá mal por ele?"
Mas o que posso fazer? Eu amei esse homem como nunca amei ninguém na minha vida! Antes de ele começar a me espancar, ele era o cara perfeito! O mais lindo, o mais carinhoso, o mais cuidadoso...Aí ele mudou e tudo ficou diferente.
-Você tá bem?
-Eu...-eu ia dizer a ele que vira Tom morto e nos beijamos, mas achei melhor guardar isso só para mim.-Eu tô bem, sim.-dei um sorrisinho de lado e voltei a olhar para minhas mãos inquietas.
-Aqui! Trouxe um analgésico se voc...Eita porra! Blaine, pega um pano e limpa essa água aqui.-disse Cara entrando no quarto e derramando o líquido no copo com a animação.
-Valeu.-peguei o recipiente e bebi metade da agua, coloquei o resto em cima do criado-mudo.
-Sua pregueira folgada!-ele deu um tapa na bunda dela e desceu.
-Iai?-a loira se deitou na cama junto comigo.
-Cara, porque consumiu drogas enquanto eu não estava aqui?-perguntei sendo direta.
Ela me olhou com os olhos arregalados.
-Como sabe?
-Eu não acredito nisso, Cara Delegvine!
-Eu tava mal! Não tinha ninguém aqui comigo pra me apoiar e ajudar a tomar decisões, não sabia o que fazer!-ela disse com um expressão de culpa.-Ai o Jared apareceu com os saquinho e...eu não resisti, me perdoe.-pediu.
-Um dia eu não vou mais estar aqui, Cara! Você vai ter que aprender a ser virar e por isso vai virar uma drogada?-me levantei.-Voce sabe o quanto eu odeio isso!
-Eu prometo que isso não vai mais acontec...-sua frase foi interrompida pela minha mão em seu rosto, fazendo um estalo ensurdecedor.
Ela levou a mão ao local onde ficaram as marcas de meus dedos.
-Já falou isso diversas vezes! Não acredito mais em você, Cara! Você perdeu a minha confiança nisso!-gritei.-Eu só acredito vendo! Quando você tomar juízo, você volta e me diz! Eu já perdi meu pai para essa merda, me recuso a perder você e Jared. Então vai pra casa e toma jeito!
-Desculpa...-ela murmurou e saiu do quarto apressadamente.
De novo não, isso não pode tá acontecendo. Da última vez que presenciei Cara se drogando foi horrível, ela falava coisas sem sentido e tentava me beijar, tive que colocá-la no chuveiro gelado e dar remédio para a mesma por tudo para fora. Fiz ela morar comigo e Tom durante um mês quando ele ainda era...o Tom por qual me apaixonei.
Bebi o resto da água e sentei na cama.
-Foi realmente uma merda quando ela ficou chapadona.-disse o homem aparecendo e me dando um susto.
-Foi horrível! Ela viu! Porque ainda continua fazendo?-questionei puta na cara.
-Cada um tem sua maneira de enfrentar a dor, a deles é isso, Mag.-ele se sentou do meu lado.
-Não banque o amigo companheiro! Eu ainda não te perdoei pelo que fez comigo, vá embora.-me levantei.
Eu só queria dormir. Minha cabeça girava e eu estava tonta.
Ouvi meu celular assobiar e a tela se acender.
-Parece que seu amante quer sair com você hoje.-disse o loiro olhando a mensagem.
-Ele não é meu amante, é meu namorado! Você morreu, não somos nada! Nem sei porque está aqui.
-Estou aqui por você, Margot. Você logo entenderá.
-Grande merda!-reclamei.-Ajudou bastante!
-Por favor, amor!-ele se aproximou e colocou uma das mãos e meu rosto, o acariciando.-Me perdoe e deixa eu tentar mais uma vez, só mais uma!-implorou.
-Eu não sei, Tom...Preciso pensar, ficar um pouco sozinha ajuda.-indireta lançada.
-Tá..-ele suspirou e beijou minha bochecha. Eu fechei os olhos, quando os abri, ele já não estava mais lá.
Respondi a mensagem de Jared. Ele virá para cá hoje à noite.
Deitei na cama e deixei meus olhos me levarem para um sono profundo.

Acordei com o som da campainha ecoando em meus ouvidos. Ninguém está nessa casa para atender está merda não? Que porra!
Soltei meu cabelo e joguei a franja para o lado enquanto descia as escadas. Abri a porta e Jared estava ali.
-Oi, linda.-ele me beijou.-Porque demorou tanto?
-Tava dormindo, foi mal.
-Percebi, tá com a mesma roupa.-ele ria.
-Engraçadinho. Entra.-pedi.
-Trouxe para você.-ele tirou as mãos das costas e revelou duas rosas, uma azul e a outra vermelha.-Como a Harley.
-Obrigada, Wonder-Boy!-peguei-as.-Não precisava. Tá me mimando muito.-o abracei.
-Sua mae disse pra eu fazer isso, então só estou comprando minha palavra.
Revirei os olhos e pus as flores em um jarro com água gelada.
-Vem!-entrelacei nossas mãos e o puxei para meu quarto.-Quero ficar juntinha com você.-fiz um voz manhosa.
-Você consegue tudo o que quiser com essa voz linda!-Jared me abraçou e encheu meu rosto e pescoço de beijos de variados tipos.
Sentamos na cama e eu peguei o celular, enviei uma mensagem e o olhei.
-Quem era?-perguntou ligando a TV.
-Ninguém, só tava pedindo nossa comida, abriu um restaurante saudável aqui perto, então pensei em chamar para nós já que ambos somos péssimos na cozinha.-expliquei me aconchegando em seus braços quentinhos.
-Margot saudável, adorei!
-Deixa de zoação, seu babaca!-chutei sua perna de leve.
Uns 20 minutos depois, a campanha tocou novamente.
-Deve ser a comida. Jad, pega lá, por favor. O dinheiro tá em cima do balcão.-sai de cima do mesmo que levantou e desceu.
-Ok.

Terminamos de comer e ficamos conversando um pouco, a banda do Jared vai abrir o show do Ed Sheeran amanhã.
-Sweet, eu tava aqui pensando...
-Hm.-grunhi com a boca cheia de salada.
-Depois do show, que vai ser pela manhã, a gente podia ir no Camp Mars...-sugeriu me olhando.
-Claro, porque não? Sempre quis ir ver como era.
-Tem varias coisas, tirolesa, fogueira, trilhas...e minha mãe.
-Sua mãe?
-Não me bata, mas eu marquei um jantar com minha mãe para te apresentar.
-Jared!-ele fez o que?
-Qual o problema?-perguntou ele sem entender
-Mães não gostam de mim, Jared! Eu sou simplesmente deprimente com meus problemas, não preciso que sua mãe também me odeie!
-Ela vai te adorar, amor! É só relaxar que vai acabar conquistando a dona Constance assim como fez comigo.-Jared me puxou me fazendo deitar em seu colo.
-E se ela não gostar de mim?
-Aí ela vai tar que respeitar minha escolha e aceitar que eu te amo!-ele me deu um beijo na posição em que seu queixo tocava meu nariz.
-Ta...
-Deixa de ser birrenta, tenho mais três notícias, uma boa e duas ruins. Qual quer ouvir primeiro?
-Não gosto quando você fala isso...-me sentei de frente para ele.-Fala a boa vai.
-Bom, vão voltar a gravar o Suicide Squad.
-Que ótimo! Meu deus, já tava na hora de voltar a gravar mesmo!-oba!-Em compensação já sei até qual é uma das notícias ruins...
-Exatamente, a Halls e o Joker podem voltar, ainda não consegui desvendar o objetivo deles com isso.-suspiramos.
-Ok, mas o que é a outra?-perguntei com minha cabeça já começando a doer.
-Eu já vou.-ele me deu um selinho.
-Mas ja? Você mal ficou aqui...
-Eu só vim te ver mesmo, você saiu meio estranha lá de casa. Aconteceu alguma coisa depois?-perguntou se levantando e me ajudando a fazer o mesmo com a mão.
Bem, teve a briga com a Cara, e Tom, mas acho melhor resolver isso depois...
-Não, tá tudo bem, valeu.-o abracei.-Ate amanhã.
-Até, Honey.-ele beijou minha bochecha fazendo um estalo e saiu do quarto.
Depois que arrumei a bagunça que fizemos na cama, tomei um banho de chuveiro, gelado. Vesti um pijama de short e blusa de Harry Potter que tava vendendo na Riachuelo e eu achei biuriful e prendi meu cabelo em um rabo de cavalo alto.
Mandei uma mensagem para o nosso diretorzinho.

"Quando começamos a gravar?"

Vou ao Camp Mars, passar o outro dia e no outro dia voltamos para o set.
Eram umas 22:35, achei melhor arrumar umas roupas para amanhã, coloquei uns três conjuntos, maquiagem, objetos de uso pessoal, sapatos e coisas para cabelo.
Usei a menor mala de rodinhas que tinha, ela era cinza, e só.
-Gogo?
-Tô aqui em cima, já desço.-gritei. Blaine havia chegado.
Cheguei na sala e ele estava deitado no chão, acordado, só deitado mesmo.
-O que é que você tá fazendo aí, maluco?-chutei seu braço de leve e me sentei no chão.
-Pra que você foi brigar com a Cara? Levei um ano pra acalmar essa garota!-reclamou.
-Eu não fiz nada, ela que se estragou.-deitei no seu ombro.
-Ela brigou com o Shannon, de novo! Tá pior que esse vai e volta seu e do Jared.-o moreno revirou os olhos.-Ela tá bem mal, e não costuma agir desse modo, você sabe mais do que ninguém.
-Sei.-respirei fundo.-Eu vou ao Camp Mars com Jared amanhã, acha que ela vai?
-É provável, mas só se ela se resolver com Shannon.
-Vou ver que o posso fazer...-me levantei.-Bora dormir agora, tá tarde.
-Viu. Já vou, viada.
-Boa noite, viado.-soltei um beijo no ar e fui para meu quarto dormir.


Notas Finais


UMA PERGUNTA(again): VOCÊS PREFEREM CAPITULOS LONGOS QUE DEMOREM UM POUCO A SER LANCADOA OU CURTOS, TIPO 1000 PALAVRAS QUASET TODO DIA? EU PREFIRO A PRIMEIRA OPÇÃO, MAS DECIDAM AÍ É DEIXEM NOS COMENTÁRIOS
KISSUS
COMENTEM
AMOS VOCES❤️❤️❤️❤️


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...