História Jealousy. - Capítulo 19


Escrita por: ~

Postado
Categorias Miraculous: Tales of Ladybug & Cat Noir (Miraculous Ladybug)
Personagens Adrien Agreste (Cat Noir), Alix Kubdel, Alya, André Bourgeois, Chloé Bourgeois, Gabriel Agreste, Hawk Moth, Jalil Kubdel, Lila Rossi (Volpina), Marinette Dupain-Cheng (Ladybug), Mestre Fu, Mylène Haprèle, Nathalie Sancoeur, Nathanaël, Nino, Nooroo, Personagens Originais, Plagg, Sabine Cheng, Sabrina, Tikki, Tom Dupain, Wayzz
Tags Adrinette, Drama, Ladynoir, Marichat, Personagens Originais, Plakki
Visualizações 198
Palavras 4.193
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Festa, Fluffy, Hentai, Luta, Romance e Novela
Avisos: Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Olaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaar pessoinhaxx! <3
E aqui estou eu, com mais um update de Jealousy pra vocês ¬u¬
Sei que demorei com esse cap, mas gente, ta enorme -qq Espero que o tamanho dele recompense a demora u.u -qq
Tia Scar ficou desde as 21:00 até agora escrevendo, ou seja, mais de 5 horas só escrevendo e bolando esse cap pra vocês, então, esperem que gostem porque fiquei muuuuuuito tempo nele -q
E vamos pro cap ¬u¬
Primeiro POV do Rafa (pov dele 2x no cap ¬u¬), o papo do Adrikins com o Rafa e drama, MUITCHO DRAMA -QQQ (Não me matem, pls qq)
Espero que gostemmm ¬u¬
Me desculpem por qualquer errinho de ortografia! <3

Capítulo 19 - Capítulo XVII



POV Rafa


- O próprio! - Eu disse, dando uma risada sincera, e sentado ao lado de Chat. - O que trás o grande herói de Paris á um telhado nessas horas?
- Eu precisava pensar. - Ele disse, limpando algumas lágrimas que caíram. - Mas e você? O que faz?
- Andando sem rumo por Paris. - Eu disse. - É bom para relaxar.
- Oh sim. - Chat disse. - Percebeu que essa é a primeira vez que conversamos?
- Pois é. - Eu disse. - Nem tive tempo de me apresentar da última vez, enfim, eu sou o Falcon, não sou de Paris.
- Sou Chat. - Ele disse, simplesmente. - Não sabia que haviam outros Miraculous.
- Existem vários espalhados pelo mundo. - Eu disse, enquanto observava o céu. - Por que tu tava chorando?
- Eu não estava chorando! - Ele disse, virando o rosto.
- Não minta. - Eu disse. 
-É que as vezes é complicado, sabe? - Ele disse, enquanto olhava para o lado ainda. - Muita coisa na cabeça.
- Infelizmente sim. - Eu disse, e suspirei. - Não tem ninguém pra conversar?
- Não é isso... - Ele disse, parecendo pensar. - É que ninguém entenderia. Os amigos civis não entenderiam muito por não saberem sobre eu ser Chat, e Ladybug, deve estar me odiando e não entenderia minha parte civil.
- Se quiser conversar sobre, tô aqui. - Eu disse, oferecendo um sorriso amigável. - Talvez eu possa entender.
- Magoei duas pessoas especiais para mim, uma sem saber e My Lady por dizer aquelas coisas horríveis. - Ele disse, e eu já tinha uma noção de quem seria a outra pessoa. - Me transformei em uma pessoa que eu não me orgulho de ser, mas ao mesmo tempo não me orgulho de quem eu era antes. É tudo tão....confuso.
- Você e Ladybug estavam com a cabeça cheia, é normal terem dito coisas que vocês não deveriam. Vocês deveriam pedir desculpas um para o outro, e talvez conversar sobre isso. - Eu disse. - E bom, você já tentou achar um meio termo em quem você realmente quer ser? Afinal, se você ainda se confunde entre as mudanças de personalidade, é porque tem algo que te prende em uma e na outra.
- Eu sinto falta de ser aquele menino doce, mas não me orgulho de ter sido tão....manipulavél. - Ele disse, e suspirou. - E dessa nova personalidade, eu acho que não gosto de nada.
- E por que continua sendo assim? - Perguntei, era notável a curiosidade na minha voz.
- Por medo. - Ele disse, olhando para o céu. - Medo de ser manipulavél de novo, e de ver algumas pessoas fazendo graça com a minha cara.
- Você só vai ser manipulado se quiser. - Eu disse. - E você é um super herói cara, quebra a cara de quem fazer graça contigo. 
- Seria muito agressivo, não? - Ele disse, rindo.
- Talvez, mas who cares? - Eu disse, rindo também. - Você não é como o Chat na vida civil, né?
- Como você sabe? - Ele me perguntou, arqueando uma sobrancelha.
- Por tudo que tu disse, foi isso que pareceu. - Eu disse, num tom simples. 
- As pessoas não aceitariam meu lado Chat Noir, afinal, eu sou só o perfeitinho aos olhos de todos. - Ele disse, revirando os olhos. - Isso cansa.
- Tem medo de ser rejeitado? - Perguntei.
- Um pouco, mas, é complicado. - Ele disse, colocando a mão na nuca.
Continuamos a conversar por mais um tempo, até o primeiro ''Bip'' do anel dele. Eu já tinha uma idéia sobre quem ele deveria ser por trás da mascára, mas ele não precisava saber disso.
Chat não era uma pessoa ruim, ele parecia só estar confuso, assim como Mari. De algum modo, tudo o que Chat disse me lembrava de uma pessoa. Uma pessoa que eu sabia que eu logo precisaria. Suspirei com esse pensamento.
Dei mais uma volta pela cidade, vendo como Paris é linda. Eu já viajei para alguns países, e por mais que Paris não seja o que eu mais gosto, tenho que admitir que é uma das mais bonitas.
Parei um pouco na Torre Eiffel, para observar um pouco a cidade e pensar um pouco. Mari estava mais feliz, e isso me fez dar um sorriso. Eu gostava da Mari, mas não iria a forçar a ficar comigo ou algo do tipo, afinal, sei que ela ainda sente algo por Adrien e até por Chat. Não queria confundir ainda mais a cabeça dela. Eu gostava de fazer o papel do ''namorado de mentira'' e de ser o confidente dela quando ela precisa. 
Mas seria melhor ser o namorado de verdade. Suspirei com esse pensamento, e depois fui para casa.
Me destransformei em um beco próximo, e depois fui andando. Chegando na mesma, abri a porta e entrei, trancando-a em seguida. Fui direto para o meu quarto, e entrei no banheiro, indo tomar um banho rápido. 
Depois do banho, coloquei uma calça de moletom e me joguei na cama, dormindo em seguida.


POV Marinette.


Acordei e me espreguicei. Tikki ainda dormia na almofadinha, então decidi não incomoda-lá. Olhei para o relógio, e vi que ainda tinha uma hora e meia livre antes de ir para o colégio.
Me levantei, e fui tomar um banho. 
Tomei um banho quente e relaxante. Não que eu estivesse estressada, mas é sempre bom ficar relaxada antes de ir para o colégio.
Depois que saí do banho, me sequei com a toalha e me enrolei na mesma e fui para o meu quarto. Tudo estava normal, até eu abrir a porta e dar de cara com o Rafa sentado em minha cadeira giratória. 
- R-Rafa?! - Perguntei, um pouco atônita e vi o mesmo corar quando me olhou. Só ai que percebi que ainda estava de toalha, e sem querer soltei a mesma.
- M-Mari! - Ele exclamou, fechando os olhos rapidamente. - E-Eu  volto depois!
- Espera! - Eu disse, enrolando a toalha no meu corpo de novo. - N-Não precisa ir, e-eu vou me trocar no banheiro e já volto!
Peguei a primeira roupa e o primeiro par de calcinha e sutiã que vi pela frente e fui para o banheiro. Felizmente, era um vestido simples mas bonito. Me vesti, enquanto pensava no que acabará de acontecer.
Me praguejei por ter deixado a toalha cair, por mais que não tivesse sido ruim, afinal, eu confiava no Rafa. Mas mesmo assim foi vergonhoso! Sentia meu rosto quente, mas não poderia ficar ali fechada, respirei fundo e depois voltei para o quarto.
- E-Então, o que foi? - Eu perguntei, tentando ser o mais natural possível e me sentando no divã.
- E-Eu conheci o Chat ontem. - Ele disse, respirando fundo. - E bom, ele até que é legal.
- Ele é legal. - Eu disse. - Mas ele deve estar me odiando como Ladybug.
- Humpf. - Ele disse e depois pigarreou. - Enfim, acho que você deveria conversar com ele, você sabe, como Ladybug.
- Também acho! - Tikki disse, se sentando no meu ombro.
- Desde quando cê ta acordada? - Perguntei, arqueando uma sobrancelha pra pequena kwami.
- Desde quando você foi tomar banho, oras! - Ela disse, e eu e Rafa coramos quando percebemos o que ela deve ter visto. Ela deu um risinho abafado. - Calma, não vou contar pra ninguém sobre a toalha.
- Tikki! - A repreendi por ter tocado nesse assunto. - Mas continuando, eu preciso conversar com Chat mesmo.
- Mas antes você deveria pensar no que vai dizer pra Alya hoje. - Tikki disse. - Ela não para de te ligar, e já te disse que vai querer saber sobre tudo.
- Rafa, você também vai participar do interrogatório dela! - Eu disse, fingindo estar emburrada. - Não é justo só eu ser a interrogada!
- Ok, ok! - Ele disse. - Mas agora eu tenho que ir, antes que teus pais apareçam aqui.
- Não! - Eu disse, e ele me olhou surpreso. - Q-quer dizer, fica e toma café comigo. Eu posso dizer que você entrou pela outra porta, eles estão na padaria mesmo.
- Pode ser. - Ele disse, com um sorriso. - Mas depois tu tem que ir comigo lá em casa, deixei minha mochila lá.
- Beleza! - Respondi, e me levantei, logo puxando ele. - Vamos!
Descemos, e fomos para a cozinha. Minha mãe já tinha arrumado a mesa, a unica coisa que fiz foi buscar uma xícara e um prato a mais para Rafa. Tomamos café da manhã juntos, enquanto conversávamos sobre a viagem e o que diríamos para a Alya, que eu tinha certeza que iria fazer as perguntas mais absurdas possíveis!
Descemos, e saímos pela outra porta. Rafa fez questão de levar minha mochila. Ainda iriamos ter 40 minutos, daria tempo de irmos na casa dele e depois ir para a escola.  A faculdade que ele frequentava não era longe da minha escola, então teríamos tempo para ficar conversando.
Fomos andando até a casa dele. Ficava uns 10 minutos dali, e logo chegamos na casa dele. Entramos e eu sentei no sofá, enquanto ele foi no quarto pegar sua mochila.
- Casa enorme pra uma pessoa só. - Eu disse, quando ele voltou para a sala, e ele riu.
- Então, né. - Ele disse rindo. - Se eu fosse do tipo festeiro, dava pra fazer uma ótima rave aqui.
- Dava mesmo. - Concordei. - Agora vamos, quanto mais cedo formos, mais cedo o interrogatório da Alya acaba.
- Por que tanta preocupação Mari? - Ele perguntou, enquanto andavamos em direção a porta. - Alya não vai perguntar muitas coisas.
- Só as mais cabulosas. - Eu comentei, e ele riu, enquanto trancava a porta.
- Mas vamos nos sair bem nas respostas, tenho certeza. - Ele disse, enquanto entrelaçava nossas mãos. - Agora vamos.
Fomos andando até a Françoise Dupont, e quando chegamos lá, Alya e Nino já estavam na escadaria.
- Bom dia! - Eu disse, chegando perto deles com Rafa ao meu lado.
- Bom dia. - Alya disse, com um olhar malicioso e se levantou do degrau que estava sentada. - Já sabem o que eu quero saber, podem começar a contar!
- Ahh, foi normal. - Eu disse.
- VOCÊ VAI PRA AMÉRICA DO NADA, AVISA EM CIMA DA HORA E DIZ QUE É NORMAL?! PUTA QUE PARIU MARINETTE! - Alya praticamente gritou, atraindo olhares para nós.
- Calma Alya! - Eu disse.
- A gente não fez nada demais, Alya. - Rafa disse calmamente. - Só fomos no Coachella, e no ultimo dia que ficamos lá, almoçamos com minha mãe e demos uma volta em Palm Springs. Só isso.
- Vocês são muito santos! - Alya disse, revirando os olhos. - Se abusar, nunca ficaram semi-nus ou nus na frente um do outro.
Rafa apertou minha mão, e eu apertei a dele. Senti meu rosto corar, e nem precisei olhar para o moreno do meu lado para que eu percebesse que ele estava na mesma situação que eu. A cena de hoje de manhã repassou na minha mente, e logo em seguida, a cena do Rafa sem camisa, depois a cena da gente aos beijos no quarto do hotel, e por fim, um dos sonhos que eu tive. Se eu já estava corada aquele momento, agora eu poderia facilmente ser comparada com a Tikki!
- Safados! - Alya disse, com um sorriso convencido no rosto. - Não acredito que fizeram isso!
- N-Não fizemos nada, Alya! - Eu disse, e me virei, escondendo meu rosto no peito do Rafa.
- Não fizeram o que? - Escutei uma voz bem conhecida por mim, a do loiro.
- Mari ta dizendo que nunca viu o Rafa nú e vice-versa, mas quando eu disse sobre isso, eles ficaram vermelhos igual o uniforme da Ladybug. E você não tinha tomado suspensão, Adrien? - Alya disse.
- Hey! Eu neguei que tivessemos transado! - Eu disse.
- Então tá afirmando que transaram? - Nino perguntou, e eu quase soquei a cara dele por isso.
- NÃO! - Eu e o Rafa praticamente gritamos juntos.
- To confuso. - Nino disse, arqueando a sobrancelha.
- Não transamos, e nunca ficamos sem roupa na frente um do outro. - Rafa mentiu, corado.
- Vou fingir que acredito! - Alya disse. - E Adrien, você não me respondeu.
- É-Ér, meu pai conversou com o diretor, e bem, você sabe. - Ele disse, meio envergonhado. 
- Papai poderoso conseguiu que você voltasse antes né? - Alya disse. - Aham, sei.
- Sim. - Adrien disse. Claramente, ele não estava feliz por isso.
- Teu velho é muito chato, Adrien. - Nino disse, passando o braço ao redor dos ombros de Alya. - Tipo, ele poderia ter marcado um monte de sessões de fotos pra você, mas preferiu te mandar pra escola.
- Não ta ajudando, Nino. - Adrien disse, revirando os olhos.
- Ah, desculpa cara, não queria ofender. - Nino disse, um pouco envergonhado.
- Tudo bem. - Adrien disse.
- O papo ta bom, mas, a faculdade me chama. - Rafa disse, brincando. - Vejo vocês depois.
Rafa soltou minha mão, e me deu um selinho. Quando ele ia sair, o puxei de volta e o dei um beijo, um beijo quente e que parecia necessitado, mas um beijo que não foi tão longo. Nos soltamos, e ele me deu um sorriso sincero, antes de dizer um rapido "Te vejo no almoço" e sair andando.
Virei o rosto, voltando a encarar meus amigos. 
Alya estava praticamente vomitando arco-íris, enquanto segurava o celular. Ela provavelmente tinha tirado 20 fotos desse momento. Nino sorria para a mesma, e Adrien estava com a cara fechada. Acho que realmente o loirinho estava com ciúmes. Não perdi a chance de provocar, dando um sorriso de canto pra ele, e umedecendo os lábios.
- Vamos? A aula já vai começar. - Eu disse, entrando na escola.
Alya, Nino e Adrien vieram em seguida. Alya não parava de falar em como me shippava com o Rafa e como ela já até imaginava nossos filhos. Eu ria com isso, pois antigamente, era eu comentando sobre meus filhos com Adrien e ela rindo da situação.
E falando nele, ele vinha conversando com Nino, mas ainda com a cara fechada. Entramos na sala, e logo me sentei no meu lugar. Não demorou muito para que alguns dos meus amigos me rodeassem perguntando sobre a viagem. Até o loiro tinha se virado para ouvir eu contando sobre.
O papo só acabou quando a Mme. Bustier entrou na sala, pedindo atenção para que pudesse começar sua aula.
A manhã estava ocorrendo normalmente, até ouvirmos uma explosão. Eu suspirei, já sabendo o que era. Não demorou muito, e o diretor entrou na sala, pedindo para que fossemos o mais rápido possível para casa, pois pelo que soube, o akuma era muito poderoso.
Vi todos saíndo em desespero. Alya, como sempre, correu em direção aonde estava o akuma. Eu e Nino tentamos a impedir, mas foi como se não tivessemos falado nada.
Respirei fundo, e sai correndo, entrando em um beco qualquer. Olhei para os lados, e como não vi ninguém, me transformei.
Em poucos minutos, cheguei no local onde estava ocorrendo uma luta. Chat e Falcon já estavam lá.
A vítima dessa vez era uma mulher, que aparentava ter uns 25 anos. Ela parecia segurar uma corda que parecia soltar algumas faíscas.
- Ladybug! - Ela gritou quando me viu. - Eu sou a Eletrocuter, e se não me der o seu Miraculous, eu vou fazer churrasquinho de joaninha, gato e falcão!
- Hey! - Chat gritou. - Sabia que isso é crueldade com animais, sim?
- Crueldade? - Ela disse, e riu sarcástica. - Não foi isso que o prefeito disse quando soube do ocorrido com o fio elétrico em frente a minha casa, e olhe que nem foi com um animal! E será que ele vai achar uma crueldade quando ver os três heróis de Paris mortos por eletrocução, assim como meu filho? É o que vamos descobrir!
Fiquei perplexa ao ouvir isso. 
Era a primeira vez que eu via uma pessoa ser akumatizada por um motivo tão cruel. Hawk Moth não tinha limites! Nem para respeitar a dor como essa, como ele pode? Fiquei puta com isso, afinal, haviam varias pessoas sofrendo aqui em Paris, por que ele escolheu uma que estava sofrendo por algo desse tipo? A cada dia, eu tomava mais ódio pelo Hawk Moth.
- Ladybug! - Ouvi um grito, foi tudo o que pude ouvir antes de sentir todo o chão tremer. 
Eletrocuter havia batido a corda no chão, e criou uma onda eletrica que me jogou pra trás. Senti meu corpo todo ir de encontro com a parede de um prédio, e uma dor horrível passar por ele todo quando cai no chão. 
Respirei com um pouco de dificuldade pelo baque, e tentei me sentar, mas não consegui.
- Mari, Mari! - Senti alguém me ajudando a me sentar, e vi que era Falcon. - Você tá bem? Que pergunta idiota, obvio que não está! Quer que eu te leve para um hospital ou algo assim?
- N-Não. - Eu disse, ainda com um pouco de dificuldade. - P-Precisamos...acabar...com..ela.
- Você não tem condições de lutar, Mari! - Ele disse, e me pegou nos braços. - Vamos!
- P-Pra onde? - Perguntei, enquanto ele voava pelo ar.
- Um prédio. - Ele disse, e me colocou sentada num canto em um prédio. - Fique aqui, eu e o Chat cuidaremos dela!
- Isso não é justo! - Eu disse, mas ele apenas deu de ombros e saiu voando.
Observei a luta do prédio, fazendo força para me manter em pé. Meu corpo doía, principalmente minhas pernas, onde a onda elétrica bateu com mais intensidade.
- CHAT NOIR! - Gritei, quando vi que ele quase foi atingido pela corda. Tentei me segurar, eu sabia que não estava em condições para lutar, mas simplesmente ignorei quando vi a cena que estava lá embaixo
Chat estava de um lado, parecia estar machucado e tinha alguns rasgos no seu traje. Rafa parecia tentar de todos os jeitos retirar o objeto onde a borboleta estava, que era em uma rosa no bolso de sua blusa, mas era quase impossivel. Me desesperei quando vi que uma ponta da corda acertou em uma de suas asas, fazendo com que o mesmo se desequilibrasse e caísse na calçada.
Ví ela indo em direção aos cívis que saíam correndo feito desesperados. Todos em que ela batia, nem que fosse só a ponta da corda, pareciam sofrer de uma dor horrível. 
Eu não podia ficar parada vendo tudo aquilo acontecer, mesmo que eu estivesse com muita dor! Ser heroína, pra mim, era dar minha vida pela de outros, e eu iria fazer isso agora!
Peguei meu yo-yo, e logo estava no chão novamente, de cara com a akumatizada.
- Ora, ora! Parece que a joaninha voltou! - Ela disse, num tom debochado. - Achei que já tivesse acabado com você, inseto nojento!
- Eu não morro fácil. - Eu disse, enquanto começavamos uma luta usando nossas armas. - E você não vai conseguir trazer teu filho de volta fazendo isso!
- Mas vou fazer o caso dele ficar na memória dos Parisienses! E principalmente na memória desse prefeito! - Ela disse, dando uma risada cínica. 
- Matando os outros como ele morreu? Isso não é fazer justiça! - Eu disse. - Você está machucando inocentes, assim como seu filho foi machucado!
- EU ESTOU FAZENDO ISSO POR ELE! - Ela gritou. - E QUER SABER? CANSEI DE VOCÊ, INSETO!
- Eu também cansei de você! - Eu disse. - LUCKY CHARM!
Observei com atenção o bastão de madeira que caiu em minha mão, mas nem tive tempo de pensar muito. Em um momento rápido, vi ela vindo correndo na minha frente mas acabou tropeçando, e nesse momento, consegui puxar a flor. de seu bolso. Olhei para ver o objeto em que ela tropeçou, e vi que fora em uma das flechas do Rafa. Olhei para cima, e vi o mesmo me olhando. 
- Nem precisei usar o objeto do Lucky Charm. - Disse para mim mesma, enquanto respirava, tentando me recuperar dos momentos anteriores. 
- LADYBUG, CUIDADO! - Ouvi a voz de Chat, e quando me virei, vi que a corda da Eletrocuter vinha em minha direção. Fechei os olhos, esperando a dor do choque, mas nada aconteceu. Quando abri os olhos, vi Chat e Falcon na minha frente. Falcon usava o bastão de madeira e Chat o dele próprio para defender os ataques da corda da mesma.
- Fode logo com essa flor, Ladybug! - Falcon disse, irritado. Nunca tinha ouvido ele tão irritado.
Raguei a rosa, e a soltei, vendo a mesma cair no chão enquanto a borboleta preta saía dela.
- Chega de maldade pra você akuma! Hora de aniquilar a maldade! - Eu disse. - Te peguei! Tchau, tchau borboletinha. Miraculous Ladybug!
Vi as joaninhas voando por todos os lados onde haviam danos causados pela akuma, até mesmo nos machucados de Rafa e Chat. Logo em seguida, andei até eles.
- Zerou! - Fiz o meu toque com Chat e Rafa, e quanto me virei, fui puxada pelo ultimo.
- Nunca mais se distraia desse jeito de novo! - Ele disse, colocando sua testa sobre a minha. - Nunca!
Senti a mão dele indo até o meu queixo, e logo ele juntou nossos lábios em um beijo necessitado. Fechei meus olhos, e me deixei levar pelo momento, e nem liguei se tinha pessoas vendo ou não, eu também precisava desse beijo.
Quando nos separamos, eu olhei nos olhos dele.
- Não posso te prometer isso, mas posso prometer que vou tentar ser o mais atenta possível da próxima vez! - Eu disse, o abraçando.
- Assim espero! - Ele disse, respirando fundo. - Tenho que ir agora, te vejo depois?
- Pode ser. - Eu disse, com um sorriso.
Nos separamos, e vi ele saindo voando. Olhei ao redor, e vi algumas pessoas sorrindo pelo momento, e a Alya parecia estar quase surtando no canto. Senti uma mão nos meus ombros.
- Podemos conversar depois, na Torre Eiffel? - Chat perguntou.
- Claro. - Assenti, e ouvi o primeiro ''Bip'' do meu brinco. - Preciso ir! Te vejo depois!


POV Rafa


A cena da Mari quase sendo atingida pela corda não saía da minha cabeça. O que poderia ter acontecido caso eu não chegasse ali naquela hora? Aquela porra de corda teria acertado ela em cheio, e realmente, não seria algo bom de se ver! A dor de ser acertado de raspão era horrível, ser aceitado em cheio deveria ser muito pior.
Voltei para a faculdade, mas não estava com cabeça para terminar de assistir as aulas restantes. Peguei minha mochila, e simplesmente fui embora. Não queria saber sobre o resto, já estava de saco cheio daquele dia, e só queria ficar em paz, mesmo sabendo que isso não ia acontecer.
Cheguei em casa o mais rápido que pude, e agradeci mentalmente pela governanta estar de folga. Entrei, e depois de trancar a porta, abri a parte da mochila em que Hans ficava, e logo depois que ele saiu, joguei a mochila com tudo no sofá.
- CARALHO! - Praticamente gritei. - MAS QUE PORRA FOI AQUILO HOJE?!
- Rafa, tu precisa se acalmar! - Hans disse, voando até minha direção. - Você sabia que os akumas ficariam mais difíceis, foi por isso que você veio!
- Forte? Tudo bem, mas ao ponto de querer matar pessoas?! - Eu disse, perplexo. - Isso não é certo! 
- Nem tudo é certo, Rafa. - Hans disse com um suspiro. - E a Ladybug sabe como se defender, ela não é novata nisso.
- Ela foi lançada pelo akuma, e ainda quase foi atingida pela corda! - Eu disse. - Ela poderia ter morrido!
- Mas ela não morreu. - Hans disse. - E a partir de agora, os akumas só tendem a piorar. O mestre já te disse sobre isso.
- Eu sei. - Eu disse. - E não precisa repetir tudo, eu sei o que tenho que fazer.
- E por que não fez ainda? - Hans me perguntou. - Rafa, eu sei que você se preocupa com ela, mas você sabe, você precisa dela pra te ajudar.
- Urgh, eu sei. - Eu disse. - Mas você lembra a última vez.
- Na última vez, vocês eram irresponsáveis, Rafa! - Hans disse bufando. - Hoje vocês já estão com quase 20 anos! Não vai terminar como da última vez.
- E se terminar? - Perguntei. - E se terminar pior do que da última vez?
- Infelizmente, é um risco que temos que correr. - Hans disse, suspirando. Sentei no sofá, e joguei minha cabeça para trás, respirando fundo.
Eu protegeria Mari e Paris não importa o quanto custasse.

 


Notas Finais


~~Só to esperando as teorias que cês vão fazer qq~~
Enfimm, cap cheio dos dramas mas foi necessárion! Mas nos próximos capítulos vamos ter mais cenas engraçadas ¬u¬
(Como por exemplo, nossa Ladybuguei vendo o senhor Agreste Junior pelado qq) ~~spoiler lararara~~
Desculpem por só postar agora, off teve um dia agitado (fui arrumar o guarda-roupa gnt, e mano qnt roupa. Se eu fizer um bazarzinho fico r1k4 -qq)
Espero que tenham gostado! <3
Comentários, perguntas, sugestões e opiniões são sempre bem vindoxxx! <3
Vejo vocês nos comentários e no próximo capítulo! <3
Beijoxxxxxxxxxxx! <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...