História Jelena One Shots - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Justin Bieber, Selena Gomez
Tags Jelena, Justin Bieber, Selena Gomez
Visualizações 96
Palavras 3.849
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Romance e Novela
Avisos: Álcool, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


HEEEEEY
Voltei com uma one shot a pedido de vcssssss
Essa aqui foi o pedido da Babesky, espero que goste e se não se importa dei uma pequena mudada mas ela não afetou o fim.
Aproveirem amoresss
xoxo

Capítulo 11 - Lovers and Friends


Fanfic / Fanfiction Jelena One Shots - Capítulo 11 - Lovers and Friends

Justin Bieber Point Of View

Era mais uma manhã fria em Los Angeles, nada muito diferente do normal. Apenas eu acordando em um hotel qualquer pois não me sentia devidamente distante de tudo que me incomodava em minha própria casa, a estadia aqui não era ruim, longe disso, mas era triste saber que não me sentia confortável em um local onde as pessoas costumam chamar de lar. Decido levantar da cama macia e ir em direção ao banheiro, faço minhas necessidades rapidamente e logo estou de volta ao quarto.

Antes que eu pense em ligar para o serviço de quarto, o telefone toca e eu deduzo que alguém veio me ver. Não estava no clima para visitas mas mesmo assim atendo a ligação, a recepcionista me diz ser Scooter quem quer subir, então autorizo. Visto um moletom qualquer e abro a porta em poucos minutos para meu empresário.

- Bom dia, Justin. - Nos abraçamos. - Como vai?

- Estou com sono, Scoot. - Coço meus olhos e me sento na cama, ele continua em pé. - O que quer logo tão cedo?

- Sua música nova foi lançada ontem a noite. - Eu o olho confuso. -  Àquela com o BloodPop.

- Ah sim, essa música ficou foda!

- Sim, seus fãs estão indo a loucura! - Sorrio, eles eram os mais importantes na hora das criticas. Não me importava que alguém profissional do ramo não gostasse, a única opinião que conta é a deles. - Estão especulando sobre quem a música possa ser.

- Eu já esperava... - Coço a nuca.

De fato, "Friends" era uma música nada sutil em relação a indiretas mas a maioria de minhas músicas eram inspiradas em alguém, ou melhor, nela. Não é uma grande novidade e nem me surpreende mais que as pessoas fiquem dizendo por ai, a música é para Selena. Não há como negar.

- Sabe que isso pode te trazer problemas, Justin. - Ele diz sinceramente preocupado.

- Por quê? - O encaro já devidamente frustrado. - Por causa da merda do namorado dela?! Sabe que não dou a mínima para ele.

- Sei, mas também sei que se importa com o que Selena pensa. - O fito sem o que dizer, era a verdade. 

- Mesmo que ele chegue a saber sobre a música, Selena não o deixaria criar um problema sobre isso. - Ele assente. - Você a conhece, não gosta de nada polêmico ou que cause alvoroço.

- Certo. - Ele força sua garganta. -  Temos que ir para uma entrevista.

- Eu te disse que não queria fazer mais essas coisas, Scoot.

- Eu sei, Justin. Mas Michael quer que você compareça.

- Tudo bem.

Pego minhas coisas e partimos a caminho de seu carro, não demora para estejamos em meio as ruas movimentadas na cidade. A rádio já comentava sobre minha nova canção, os radialistas tinham sempre algo a dizer e nem sempre eram coisas boas, mas de fato um deles me chamou a atenção. A voz ecoava proclamando sobre o quão a música era boa e que eu estava cada vez mais próximo de ganhar prêmios importantes, até citar Selena e me fazer esperar seus comentários idiotas, mas na verdade tudo que ele disse foi:

- Justin e Selena tem uma história, e sinceramente, não acho que o primeiro relacionamento realmente sério que ela tem depois dele vá se tornar algo relevante. Me chame de romântico incorrigível ou um idiota iludido, o que preferir, mas aqueles dois foram feitos um para outro. E não vai ser The Weeknd algum que vai priva-lo de ser amigo de Gomez novamente.

Sorrio involuntariamente por sua opinião, Scooter percebe o movimento em meus lábios e apenas ignora sabendo que nada do que ele me diga me fará pensar de modo diferente do radialista. O automóvel finalmente estaciona e posso ver que estamos na casa de Michael, ou melhor BloodPop, batemos na porta e logo meu mais novo parceiro musical nos atende.

- Scooter! Justin! - Ele nos abraça sorrindo, retribuo. - Por um momento achei que não fosse vir, Justin.

- Confesso que não estava afim, mas Scoot me disse que insistiu, por isso vim.

- Agradeço por isso cara, sei que não gosta mais desse tipo de coisa. -  Assinto.

Seguimos até a sala de estar coberta por cores vivas e avistamos um homem que devia ter por volta de seus vinte e oito anos a nossa espera, todos nos cumprimentamos e logo estávamos prontos para entrevista. Me sento confortavelmente me preparando para as perguntas que viriam, apesar de ser sobre a música, a música é sobre alguém e eles nunca esquecem desse detalhe.

Perguntas iam e vinham, tudo sendo extremamente profissional como deveria. O homem chamado Mattew, nos questionava sobre como foi trabalharmos juntos, a criação da canção e a junção dos instrumentos e como lidamos sobre quem teria os direitos de posse até chegar a parte decisiva.

- Justin, apesar de a música ter sido lançada a menos de um dia, já existem diversas teorias criadas pelos fãs sobre quem a a canção poderia ser sobre e\ou para quem ela é. - Ele engole em seco, está nervoso por me perguntar isso. - Poderia nos dizer algo sobre isso? - Hesito por alguns segundos.

- As pessoas estão sempre debatendo sobre quem escrevo minhas músicas quando na verdade eles já sabem,  apenas querem ouvir isso saindo de minha boca. Meu objetivo com essa canção não é enviar indiretas nem nada parecido, é só como me sinto e queria que as coisas fossem. - Sei que não dou nenhuma resposta concreta de fato mas estava acostumado o suficiente com esse tipo de pergunta.

- Então quer dizer que a música foi mesmo feita para Selena Gomez? - Eu não o olho mas sei que todos os olhares estão em mim, coço minha nuca e pisco meus olhos ao menos duas vezes. Eu iria dizer o que eles queriam, não dava mais a mínima.

- Sim.

✦✦✦

Alguns dias se passaram e então a entrevista finalmente foi publicada, eu me torturava pensando se Selena já estava apar das coisas que eu disse. Assim como eu, ela tinha se distanciando das redes sociais mas sempre acabávamos sabendo das coisas de um jeito ou de outro. Me pergunto sua reação ao saber que admiti o fato da música ser para ela, todo tipo de reação vinda dela pairava sob minha mente, desde as expressões faciais até as palavras proferidas por sua voz doce.

Tento pensar em outras coisas e assistir a um seriado qualquer que passava na televisão mas meu coração palpitava esperando por uma mensagem dela, qualquer coisa que fosse referente a ela. Não consigo mais me aguentar e procuro seu contato em minha lista do celular, seu apelido que está ali, talvez ela nem saiba que possuo seu novo número de celular e depois de eu ligar para esta, o mude mas eu iria correr o risco.

Escuto a linha chamar e depois de três ou quatro vezes tocando, eu posso perceber que ela atende. Meu coração bate cada vez mais rápido, ela não fala nada e eu também não sei ao certo como me pronunciar mas escuto a voz de Theresa vindo de longe logo me apresso.

- Nós ainda podemos ser amigos?

Depois disso eu não escuto mais nada, nem ao menos sua respiração então sei que ela desligou na minha cara, bufo derrotado por isso me perguntando quantas vezes mais ela desligaria quando eu a ligasse.

✦✦✦

Selena Gomez Point Of View

Para uma quarta-feira minha casa estava bem mais agitada que o normal, Abel e minhas amigas estavam aqui comemorando o papel no novo filme que ganhei. Eu estava bem orgulhosa de mim por conseguir um papel como esse, ainda mais depois de um tempo longe das telas. Ele também iria me distrair dos problemas que o Lúpus estava me fazendo enfrentar, a cada dia eu me sentia mais testada por essa merda de doença da qual não tenho como escapar. 

Todos me ajudavam muito a passar por isso e não havia palavras suficientes para eu poder agradece-los por isso mas eu sentia uma saudade involuntária de um certo alguém que fora deveras importante para mim um tempo atrás, Justin.

Ele tentou entrar em contato comigo desde que soube sobre minha doença mas ninguém a minha volta concordou com isso e minha amigas faziam questão de dizer que isso seria como trair Abel e que ele não gostaria nem um pouco disso, era engraçado ver o quão elas o colocavam em um pedestal sendo que sou eu quem o namoro.

Apesar de termos uma boa relação, as coisas não são mais as mesmas desde o inicio do relacionamento e eu sinto que não importa o quanto eu tente, nunca teremos uma conexão realmente profunda. Embora eu tentasse o máximo para nos fazer dar certo e segui-lo até diferentes cidades por conta de sua turne, Abel não parecia me querer de fato ao seu lado.

Saio da área aberta de minha casa onde minhas amigas se encontravam rindo e dançando a mais uma canção de meu namorado, vou justamente a procura dele. Entro dentro do espaço de cores alvas e chamo por seu nome, ele não está por perto pois não me escutou, assim que chego em meu quarto posso vê-lo atender meu celular. Permaneço imóvel vendo com quem ele poderia estar conversando, talvez fosse apenas minha mãe e ela o adorava logo, ficariam conversando por um bom tempo mas ao invés disso, ele apenas desligou.

- Quem era?  - Ele se assusta ao perceber minha presença.

- Eu não sei, era um número desconhecido. - O olho confusa, ninguém tinha meu número de celular além dos mais próximos.

- Que estranho. - Vou até ele e pego o aparelho em mãos, leio os números presentes ali e sei que é Justin quem havia tentado me contatar. - A pessoa disse algo? - O questiono vendo até onde ele iria com isso.

- Não, apenas continuou em silêncio. - Ele dá de ombros.

- Mesmo? - Ele assente. - Engraçado porque, eu conheço esse número e sei á quem ele pertence, e sabendo isso acho que a pessoa teria dito algo.

- Se sabe quem é por que está me questionando, Selena?! - Ele revira os olhos.

- Porque queria que você me dissesse a verdade. - Ele morde a gengiva, fazia isso quando estava bravo ou mentia.

- Quer a verdade? Então tudo bem, Justin Bieber te ligou. - Ele levanta os braços em rendição. - Satisfeita?

- Por que continua fazendo isso? Eu não entendendo.

- Fazendo o que, Selena? Você está começando a ver coisas onde não tem.

- Não faça eu me sentir culpada por isso, eu sei que você também sente isso que eu sinto, sabe do que estou falando.

- Tudo bem, Selena. Eu admito, sinto que estou numa relação morta! É isso. - Sinto suas palavras abalarem o meu coração. - As coisas não são mais as mesmas desde o começo do nosso namoro mas eu sei que não posso ficar te cobrando nada, Selena. Você está numa fase da sua vida na qual eu não pertenço e você também não pertence a fase em que estou.

- E acho que nunca vou, não importa o quanto tente.

- Não me entenda mal, é só que isso não está certo. - Ele se senta em minha cama derrotado. - Eu realmente gosto de você Selena, mesmo. Mas eu já não sei mais o que fazer.

- Você não quer mais ter isso que temos?

- É claro que quero, mas...

- Não pode ter um "mas'', Abel. - Sinto as lagrimas darem sinal de vida. -  Eu desisto.

Eu digo quase em um sussurro enquanto meu namorado continuava a falar sobre como podíamos tentar fazer isso dar certo mesmo que eu soubesse que ele só queria continuar comigo por consideração ao que estou passando e o quanto ambos nos ajudamos de certo modo.

- Eu não posso continuar, Abel. - Eu suspiro pesadamente. - Eu desisto.

- O que?

- Eu desisto.

- Você não pode desistir, não pode me deixar, nos deixar.

- Você e eu sabemos que essa relação acabou faz tempo. - Me sento ao seu lado.

- Mas...

- Sinceramente, não sei porque está tentando continuar com isso. Você não me olha de verdade á meses, não mostra interesse pelas minhas coisas e nem parece mais me querer por perto. Não precisa ser o que eu espero que você seja, eu entendo o por que de estarmos terminando.

- Entende? - Ele me olha surpreso.

- Entendo. - Ele espera que eu continue. - O que temos foi bom mas não o suficiente para levar para o resto da vida, e a esse ponto em que me encontro, quero alguém que queira estar comigo mesmo nos piores dias em que quer estar sozinho.

- Você realmente acha que é só isso? - Ele me olha debochado, não entendo. 

- Acho, oras. - Ele ri.

- Não podemos dar certo porque você ainda compara todas as relações que você tem com o que você e o Bieber tiveram. - Eu estava pronta para contraria-lo, mas ele me interrompe. - Sua tentativa de namoro com aquele cara que você me disse, que não é famoso, não deu certo porque ele não aguentava a pressão da mídia e por não ser um terço do que Justin era. Não estamos dando certo porque você acredita em amores de contos de fada, Selena. Amores de contos de fada que ele te fez acreditar que existiam. Sinto lhe dizer, mas esse é o mundo real.

- Para você o amor é apenas algo que estamos sujeitos a passar e sentir? Apenas isso? Não acha que possa haver nenhum resquício de "magica" nisso? Acha mesmo que o coração é apenas músculo involuntário?

- Sinto muito por não ver as coisas do seu modo rosa e perfeito mas você mesma deveria entender que o amor pode sim não ser tudo aquilo que esperam, a relação mais saudável que você já teve foi essa que estamos vivendo agora e você não pode negar.

- Eu me recuso a ver as coisas em preto e branco, Abel. As coisas não podem ser tão angustiantes assim, o amor deveria ser aquilo que nos salva e não indiferença. Deveria ser algo a mais, algo como...

- Como o que você e ele tiveram? - Ele diz me fazendo ficar calada. - Vocês eram praticamente crianças, Selena. É claro que tudo parecia um conto de fadas, mas você é uma mulher adulta agora e precisa entender que podem existir todos os tipos de amor no mundo, mas nunca o mesmo duas vezes. - Ele bufa enquanto sinto as lagrimas rolarem sob minhas bochechas rechonchudas. - Selena...

- Foda se, eu desisto! Eu desisto de nós e você não pode me culpar ainda mais depois de tudo que me disse, na verdade depois de tudo isso eu só tenho mais certeza sobre o que eu quero agora. - Continuo a falar antes que ele possa me interromper como ele pretendia. -  Eu tentei ao máximo enxergar pelo menos um pequeno motivo para continuar persistindo em nós. Você não me deu nenhum. Em momento algum me fez sentir que me queria ao seu lado. Muito pelo contrário. Do jeito que passou a me tratar parecia que queria se livrar de mim o mais rápido possível. Apenas te dei o que senti que queria. Agora não venha mais se fazer de vítima, tentar me fazer parecer a errada na história. Eu te amei e demonstrei. Você  até me disse palavras bonitas, mas com suas atitudes deixou bem claro que todas eram falsas.

- Você vai se arrepender disso, Selena.

 Não dou mais atenção para as baboseiras que ele dizia, começo a vestir meus tênis e vestir um moletom qualquer. Pego meus óculos  escuros e minhas chaves sem esquecer de meu aparelho celular, ando o mais rápido possível a caminho da porta de minha residencia mas Abel entra em meu caminho me fazendo permanecer no lugar, claramente irritada.

- Me deixe ir, Abel. - Bufo. - Você melhor do que ninguém deveria aceitar nosso termino de uma forma saudável.

- Eu até aceito, Selena mas não posso deixa-la ir atrás dele.

- Já basta minhas amigas fazerem escolhas por mim e agora você?!  -  Reviro os olhos. - Por favor, me deixe passar.

- Como pode desistir assim, Selena?

-  Sim, eu desisti, e você não pode me culpar.

- Como pode desistir de si mesma? - Eu o encaro realmente irritada a esse ponto, era compreensível ele não querer me perder para Justin por puro ego mas dizer que desisti de mim mesma era mais do que baixo.

- Não ouse dizer que desisti de mim mesma sendo que depois de tudo que passei, a única coisa que tenho feito é lutar por mim mesma. Eu não precisei de você nem de Justin para me fazer passar por toda aquela merda e chegar até aqui, se estou aqui lutando pela minha felicidade com alguém que me fez feliz à muito tempo atrás, é porque finalmente encontrei a mim mesma. Então saia da porra da minha frente!

- Tudo bem! - Ele me dá espaço abrindo a porta fazendo minhas iris entrarem em contato com a claridade. -  Pronto, a porta está aberta. Vá, pode ir. Anda! Vá atrás do seu homem de verdade. Amores de plástico te esperam. Boa sorte, Selena.

- Eu vou, obrigada. - Passo pela porta e coloco meus óculos, olho para trás vendo meu agora ex-namorado me encarar decepcionado, decido dizer-lhe algo. -  Deixa eu te dizer uma coisa: a menos de seja um amor louco, apaixonado e extraordinário, é um desperdício do seu tempo. Há muitas coisas medíocres na vida, mas o amor não deve ser uma delas.

Entro no carro e dou partida o mais rápido possível, corro pelas ruas de Los Angeles a procura do único hotel em que eu sabia que Justin poderia estar. Querendo ou não, eu sempre dava um jeito de checar se ele estava bem. A música que ecoava da rádio era do dono da voz mais bonita do mundo, eu me pergunto quando foi que parei de apreciar as canções que ele fazia.

I know you're wondering why I been calling

Like I got ulterior motives

I know we didn't end this so good

But you know we had something so good

So I'm wondering

Can we still be friends?

Doesn't have to end

And if it ends

Can we be friends?

"Essa foi a mais nova música de Justin Bieber e BloodPop, em uma entrevista recente o cantor admitiu que a canção foi feita para ninguém menos do que Selena Gomez. O canadense parece querer reacender a amizade que ele a morena tinham, será que The Weeknd gostará disso?"

- Ele não tem que gostar ou deixar de gostar de nada, a vida é minha. - Reviro os olhos.

Volto a correr com o carro em alta velocidade até chegar ao hotel em que Bieber costumava se hospedar, antes que eu possa perguntar a recepcionista em que quarto ele se encontrava, sua voz rouca profere meu nome.

- Selena? - Direciono minha atenção ao loiro que se encontrava mais bonito do que eu esperava e me lembrava. - O que faz aqui? - Ele não parecia acreditar no que estava acontecendo.

- Eu queria esclarecer o que ocorreu mais cedo. - Ele me olhava ainda confuso, me aproximo e sinto o mesmo engolir em seco. - Sobre o telefonema.

- Ah, sinto muito. Não devia ter ligado, eu... - O interrompo.

- Justin. - Sorrio de lado. - Tudo bem, não era eu ao telefone.

- Não?

- Abel atendeu. - Ele faz uma careta e seguro minha risada. -  Precisamos conversar.

- Como assim, Selena? - Era fofo ver sua expressão confusa.

- Podemos subir para seu quarto? Quero apenas conversar sobre coisas que eu não gostaria que fossem espalhadas pela mídia. - Ele assente.

Nós andamos até o elevador lentamente, minha respiração estava mais normal do que imaginei, entretanto eu podia ver o peito do loiro subir e descer incessantemente. Me sentia mal por estar deixando-o ansioso, mas queria que as coisas acontecessem do jeito certo. Entramos em seu quarto, está uma bagunça mas eu não esperava diferente dele.

- Me desculpe pela desarrumação, você sabe que não sou uma pessoa muito organizada. - Ele ri de leve.

- Tudo bem. - O acompanho ao se sentar na poltrona verde musgo.

- O que quer conversar?

- Quando eu vi Abel ao meu celular, eu achei que ele estivesse falando com minha mãe mas assim que vi o número na tela soube ser você. Ele mentiu para mim e me fez perceber coisas que eu não queria admitir mas são a mais pura verdade. - Encaro suas iris caramelo que eu tanto gostava. - As relações que tentei ter desde que terminamos não deram certo porque eu as comparava com o que tivemos, eu nunca achava ninguém suficiente porque você foi o ápice da minha felicidade em um relacionamento. Você me fez acreditar em amores de contos de fadas, me fez me sentir como uma princesa apesar dos apesares. As coisas não foram sempre fáceis para nós, mas você foi o único que sempre foi meu amigo e meu namorado, numa pessoa só.

Eu dizia tudo tranquilamente, não possuía nada ensaiado apenas falava aquilo que sentia. Vejo os olhos do loiro se encherem de lagrimas apesar do mesmo ainda segurar o choro, eu não sabia explicar a saudade que sentia dele.

- Então em questão a sua pergunta, Justin. - Ele me olha esperançoso. - Não. - Ele me olha assustado e engole em seco, minhas palavras não eram coesas até agora mas ele entenderia o porque. -  Não podemos ser amigos, porque você é aquela força que me faltava. É aquela coragem para completar os 100%. É a adrenalina que me anima. É a sensação que me faz sentir viva novamente. Você é aquela música favorita que coloco como toque do meu celular. É como aquele meu moletom que eu vivo usando, porque é nele que eu me sinto confortável e quente. Você é o ar que entra em meus pulmões e faz eu respirar pra vida. É aquele por do sol no qual eu sinto vontade de chorar só por ser grata em estar aqui. É aquela pessoa com quem eu passaria o tempo todo ao lado, dividindo meus segredos. É aquela coberta que me esquenta nesses dias de frio. Você é tudo e mais um pouco, então não podemos ser amigos agora porque costumávamos ser amantes e eu não consigo ser nada além disso com você mais. Podemos ser amantes?

Ele sorri, e é aquele sorriso que me encanta, aquele que vai de canto a canto de seu rosto e diz:

- Acho que podemos ser amantes e amigos.


Notas Finais


Comentem bastanteeeeee <333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...