História Jet Black Heart - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias 5 Seconds Of Summer
Personagens Ashton Irwin, Calum Hood, Luke Hemmings, Michael Clifford, Personagens Originais
Exibições 30
Palavras 1.945
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Romance e Novela, Shoujo (Romântico)
Avisos: Álcool, Drogas, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


Amooooooooras, mil perdões pela demora! Eu estava sem internet desde o sábado passado, não pude postar nada!
Eu gostaria de pedir a vocês que deem uma olhada no trailer da fanfic, vai estar nas notas fianais.
Mas aqui está o capítulo 7, um beijo pra todas vocês! Boa leitura <3

Capítulo 7 - Falling


Fanfic / Fanfiction Jet Black Heart - Capítulo 7 - Falling

Jet Black Heart – Capítulo 7 – Falling

O estrago era grande. Estilhaços de vidro estavam espalhados por todo o carpete, assim como o conteúdo alcoólico que habitava o interior da garrafa.

A mesma cena se repetia: gritos, ofensas e agressão física vindas do mesmo casal. O filho dos dois estava no mesmo lugar que antes, sentado em um canto enquanto agarrava seus joelhos, chorando constantemente.

- Eu quero você fora da minha casa! – O homem grita e vai à direção de sua esposa. Após dar um gole em sua garrafa de vodka, ele segura o pescoço dela e o aperta. – Vadia... É isso o que você é. – Ele passa a língua sobre o pescoço da mulher e dá uma risada maldosa.

Assim que ele sai da sala, a moça corre até seu filho e o abraça bem forte. O menino se aninha no pescoço de sua mãe e ela a acalma.

- Vai ficar tudo bem, amor. – Ela lhe dá um beijo em sua bochecha e acaricia o rosto do menino. – Eu prometo.

 

Assim que o despertador toca, Lola se desperta daquele sonho terrível. Era a segunda vez que ela havia sonhado com a mesma família, e aquilo estava começando a assustá-la.

A menina se levanta e vai até o banheiro se arrumar para a aula, já era sexta-feira e ela não havia nenhum plano para o fim de semana. Após se arrumar, ela desce correndo. Toma apenas um pouco de café e logo pega carona com Calum até o colégio.

Ao chegar, Luke e Ashton estavam conversando no estacionamento.

- E aí, gata? – Luke abraça Lola assim que ela se aproxima. – Qual a boa?

- A boa é que se você não subir essa mão, eu quebro seus dentes! – Calum grita ao ver a mão de Luke na cintura da menina.

- Calma, Hood! – Lola ri.

- O que vão fazer hoje? – Ashton pergunta.

- Não faço ideia. – Calum diz.

- Vocês estão mais do que convidados para a minha casa hoje. Vou fazer uma social, com poucas pessoas. – Luke diz.

- Se você der sua palavra que não vai devorar a Lola com os olhos como fez na sua última festa, nós iremos. – Calum ironiza e todos riem.

- Tá marcado então, nos vemos lá. – Luke pisca para Lola, logo todos saem para suas aulas.

Ao chegar à frente da sala, a menina paralisa ao vê-lo. Michael estava sentado na última cadeira da sala, sozinho ao fundo do lado da janela. Os dois não haviam se falado durante toda a semana. Sempre que se encontravam nos corredores do colégio, o contato visual era intenso, porém não trocavam uma palavra. Ela estava confusa com tudo aquilo, desde que Michael assumira a culpa por ela na detenção, ele se afastara de perto dela.

A professora de Teatro chega, obrigando assim que a garota entrasse. Ela se dirige ao final da sala, onde o único lugar estava vago, e para sua infelicidade esse lugar era em frente à cadeira de Michael. Ela se senta e tenta prestar atenção no que a professora dizia.

- Bom dia, senhores! Eu sei que vocês gostariam de estar em qualquer lugar numa sexta-feira, menos aqui. – A mulher baixinha diz. – Acredite, eu também. – Ela brinca e todos riem. – Mas quanto antes começarmos, mais cedo terminaremos. Pois bem, semana passada pedi para que assistissem ao filme Lua Nova, da Saga Crepúsculo. Assistiram? –A professora ergue a sobrancelha e encara os alunos.

- O filme sem graça? Assistimos! – Um engraçadinho debocha e a turma ri, porém Lola e Michael permaneciam quietos.

- Muito bem. Gostaria que fizéssemos uma breve análise sobre o filme. – Ela pede e todos se mantêm em silêncio. – Eu terei que passar o filme em sala ou alguém quer falar? – A professora ameaça ligar o projetor, mas alguém do fundo da sala levanta o dedo. – Senhorita Edwards, compartilhe conosco o que têm a dizer.

- O filme retrata a vida da personagem Bella após Edward deixá-la. Tudo ao redor se transforma num caótico inferno, preocupando as pessoas que gostam dela. – Lola diz tímida, todos prestavam atenção nela.

- E o que acha disso? – A professora pergunta.

- Sinceramente? Eu acho egoísmo da parte dele. – Lola responde. – Todos sabem que Edward é um vampiro, e fica bem claro nos filmes o quanto é difícil pra ele se manter ao lado de uma humana, porém não é nítido o quanto isso deve ter afetado a Bella.

- O que quer dizer, Lola? – A mulher pergunta interessada no ponto de vista da garota.

- O que eu quero dizer é que não deve ter sido nada fácil para ela no início, até porque não é sempre que se namora um vampiro, mesmo que eles não existam... – Ela diz e arranca risos da turma com sua última frase. – Eu só acho que quando Edward entra na vida de Bella, vira tudo de cabeça pra baixo. – Não é justo ele a deixar depois de ter feito-a se apaixonar por ele. – Lola termina o discurso deixando sua situação com Michael tomar conta de seus lábios.

- Ótima observação! – A professora sorri. – Oh, sim... Michael? – Ela volta a olhar para o fundo da sala, onde Michael aguardava com a mão levantada.

- Como Lola disse, Edward é um vampiro. – A menina se vira e passa a encarar Michael. – Ele é um demônio, e como ele mesmo diz no filme, a alma dele está destinada ao inferno. Depois de Bella ter se machucado por causa de um de seus irmãos adotivos, o recém-criado Jasper, Edward se afasta para não estragar a vida da humana, que teria uma vida normal e saudável longe dele. – Ele diz. – Se gostamos de uma pessoa e fazemos mal a ela, devemos nos afastar, mesmo que isso a machuque. – Michael termina sua fala olhando fixamente nos olhos de Lola.

Todos ao redor percebiam a tensão presente na sala de aula entre os dois.

- Tudo bem, copiem o que está no quarto... – A professora ordena e todos obedecem.

Conforme as aulas passavam, a vontade de falar com Michael só aumentava. A mente de Lola mantinha as mesmas perguntas. Michael a confundia, e ela já estava farta disso. Enquanto o tempo a torturava, ela apenas pega seu caderno e suas canetas para copiar os tópicos expostos no quadro negro.

 

[...]

 

Faltavam apenas alguns minutos para que Calum chegasse à casa de Lola e ela ainda estava deitada no quarto tentando digerir a cena de mais cedo.

- Lola? – A mãe da menina dá três toques na porta e então a abre. – Calum está lá em baixo.

- Agora estou aqui. – Ele aparece e sorri, então a senhora Edwards deixa o quarto.  – Você quer assustar todos com essa cara? – Calum ironiza, mas Lola continuava do mesmo jeito. – A gente tá atrasado, tem como você se arrumar?

- Eu não quero ir, pode vazar e curtir a festa. – Ela resmunga e se senta na cama.

- Me recuso a te deixar aqui sozinha numa noite de sexta-feira! – Ele cruza os braços e Lola revira os olhos.

- Se eu não te conhecesse ia realmente achar que se preocupa tanto assim comigo. – A garota diz rindo. – A sua namorada não vai estar lá, não é? – Ela ergue uma de suas sobrancelhas para ele.

- Ela não é minha namorada, e não, ela não vai estar lá. – Calum responde e bagunça o cabelo de sua amiga. – Já que você não quer ir, eu fico aqui com você assistindo filme. – Ele se joga na cama dela e liga a televisão.

- Isso é demais pra mim! – Lola diz e levanta da cama. – Fica aqui enquanto eu me arrumo, tente não quebrar nada, por favor!

- Não prometo nada. – Calum retruca com os olhos vidrados na partida de futebol que passava agora no monitor.

Tentando correr contra o tempo, ela toma um banho bem rápido e logo se veste. Arruma os cabelos do jeito que a agradava e faz uma maquiagem elaborada, porém prática e bonita (1).

- Podemos? – Ela diz assim que sai do banheiro.

- Uau, você tá maravilhosa! – Ele diz coçando os olhos. – Já vi que vou ter que ficar de olho no Luke hoje, caso ele tente alguma gracinha.

- Você é um idiota! – Ela dá um tapa de leve em sua nuca, então os dois logo saem em direção a garagem da casa de Lola.

O caminho até a casa de Luke era bem conhecido, e como ficava perto dali, chegaram rápido. Calum estacionou o carro e eles logo tocaram a campainha.

- Olá, pessoal! – Luke os cumprimenta e abre passagem para que eles pudessem entrar.

Lola passa os olhos por todo o local. Alguns objetos que tinha visto da última vez que visitou a residência dos Hemmings não estavam lá, então deduziu que Luke teve o bom senso de guardá-los para evitar qualquer acidente. A casa não estava cheia, havia apenas algumas pessoas sentadas e conversando ao som das músicas lentas que tocavam.

Enquanto Calum e Luke conversavam, Lola pede licença e vai em direção à cozinha buscar algo para beber. A menina gela ao ver Michael preparando um drink. Antes de dar um passo à frente, ela respira fundo para acalmar as batidas de seu coração, que estavam agora agitadas.

 

Lola Edwards POV

Vou até a geladeira tentando ignorar totalmente o fato de que Michael estava no mesmo cômodo que eu, mas antes que eu ache algo para beber, a voz dele invade meus ouvidos.

- Não sabia que você gostava dos filmes da Saga Crepúsculo.

- Acredite, fiquei mais surpresa que você. – Digo e ele ri. – Não parece ser o tipo de filme que você assista.

- Eu conheço porque minha mãe é uma grande amante desses filmes, e eu admito, nem é tão ruim assim. – Ele dá um gole em sua cerveja e olha para mim. – Quer sair daqui? Essa playlist do Luke tá me enojando. – Eu concordo, então vamos para o jardim dos fundos.

Não havia ninguém lá, mas o lugar estava bem iluminado. Sentamos-nos abaixo de uma árvore, um silêncio constrangedor tomou conta do clima enquanto olhávamos para as estrelas, bebendo nossos drinks. De repente, Michael foca seu olhar em mim. Eu olho para o lado e me arrepio ao ter aquele par de olhos verdes vidrados em mim.

- Michael... – Seu nome escapa dos meus lábios, mas ele parece não ligar.

Ele então se aproxima e coloca uma mecha de meu cabelo para trás. Sinto meu coração acelerar ao vê-lo tão próximo de meus lábios. Apenas fecho os olhos e deixo que ele me beije. Mais uma vez eu estava ali, presa a ele e ao seu cheiro, seu toque.

Sem pensar, coloco minha mão em seu rosto, eu queria tocá-lo. Acaricio seus cabelos vermelhos, mas antes que pudéssemos continuar, ele para o beijo.

- Lola, me desculpa... – Ele sussurra assim que se afasta.

- Tudo bem, Michael. – Abaixo a cabeça e encaro o gramado.

- Me desculpa mesmo, Lola. – Michael aumenta o tom de voz.

- Tá tudo bem, você já se desculpou e não vai acontecer de novo. – Digo e o encaro, ele parecia estar envergonhado.

- Não, não! – Ele grita e se levanta. – Não foi sobre isso, foi sobre eu ter agido como um idiota essa semana. – Michael parecia arrependido de verdade, ele falava tudo muito rápido e desesperado. – Eu peço desculpas por ter entrado na sua vida e bagunçado tudo de uma vez, mas eu prometo que irei me afastar. – Foram suas últimas palavras antes dele dar as costas e me deixar.

E foi sentada ali naquele grande e vazio jardim que eu percebi o quanto eu estava apaixonada por Michael Clifford.

Lola Edwards POV off


Notas Finais




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...