História Jikook: Um certo alguém - Capítulo 7


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS), Black Pink, G-Friend
Personagens Jennie, J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Lisa, Rap Monster, Suga, Umji, V
Tags Bts, Jikook, Jikook Flex, Kookmin, Yaoi
Visualizações 29
Palavras 1.655
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Crossover, Drama (Tragédia), Lemon, Romance e Novela, Yaoi
Avisos: Álcool, Homossexualidade, Nudez, Sexo, Suicídio
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oi amoreeeees! Mais um capítulo! Eu tô doida pra pular logo pra parte em que eles irão se apaixonar um pelo outro. Tanta coisa irá acontecer sjshsjsj quero logo. Espero que gostem e desde já me perdoem os erros que sempre tem.

Capítulo 7 - Eu não quero mais te ver!


Fanfic / Fanfiction Jikook: Um certo alguém - Capítulo 7 - Eu não quero mais te ver!

Manhã...

*batidas na porta*

- Quem é?

- Sou eu, Jin. Minha mãe quer falar contigo. Ela está na linha do telefone da sala.

- Vou ter que ir até lá?

- Sim, terá. 

- Já estou descendo! - fitei o teto por alguns segundos antes de levantar. 

- Está bem, vou pedir para que ela espere.

Levantei da cama um pouco amassado. Dormi de mau jeito e tive sonhos horríveis. Calcei as minhas sandálias e desci ainda com os olhos pregados de sono.

- Oi mãe!

- Bom dia, filho!

- Bom dia!

- Você está bem? Desde que eu recebi a notícia fiquei extremamente preocupada com você.

- Mãe, eu estou abalado, triste e destruído, eu não vou mentir.

- Você está pensando em ir ao velório?

- Meus pensamentos é de ir, mas ao mesmo tempo não. Eu não sei se aguentaria ver alguém que passou tanto tempo comigo, sendo velado.

- Eu acho uma ótima opção você não ir. Sabe, eu não quero cortar as suas expectativas, mas é que eu sou mãe e entendo o melhor para você. E o melhor para você é ficar em casa descansando e tentando aliviar essa dor que está dentro de você.

- Mãe. – comecei a chorar. – Eu preciso tanto do seu abraço agora.

- Meu amor, eu prometo que não irei demorar e logo chego para te abraçar bem apertado, como sempre.

- Eu te amo, mãe.

- Eu também te amo muito, meu filho. Vá dormir. Se cubra com o cobertor mais quente e deite para descansar. Tente não pensar muito em coisas ruins. Guarde apenas lembranças de tudo que foi bom entre vocês. Eu tenho certeza de que ele está em um bom lugar descansando agora. Faça o mesmo.

- Vou fazer sim. Irei subir e deitar novamente. Obrigada.

- Por nada, meu anjo. Mais tarde eu ligo novamente para saber como você está. Tchau.

Desliguei o telefone e fiquei parado por um tempo. Observei o vento adentrar a minha sala e bater em meu rosto. Subi de volta para o meu quarto, ainda muito fraco e solitário. Eu só queria chorar tudo o que estava entalado dentro do meu peito. A dor que eu sentia não podia ser calculada.

Cheguei ao meu quarto e deitei novamente em minha cama. Peguei o celular para ver algumas mensagens, mas não consegui responder nenhuma. Queria apenas deitar e dormir para esquecer o clima ruim.

JUNGKOOK POV ON

- Amor, ainda está dormindo? – Lisa sussurrou em meu ouvido.

- Que susto! – virei para olhá-la.

- Que dinheiro é esse aqui? – ela pegou o dinheiro que estava na banquinha.

- É uma história complicada a desse dinheiro.

- Complicada como? Você roubou?

- Claro que não! Que idiotice pensar isso logo de mim! – levantei.

- Desculpa, mas foi a primeira coisa que veio a mente.

- Você pensando isso de mim me deixa até fraco.

- Ai, foi sem querer, amor.

- Tudo bem, Lisa.

- Mas e aí, que história é essa?

- Eu vou te contar, mas preciso escovar os dentes primeiro.

- Está bem, pode ir.

- Me espera aqui, já volto.

Levantei e fui até ao banheiro lavar meu rosto. Ainda estava zonzo da madrugada que passei. Não parava de pensar no Park Jimin e acabei até sonhando com ele.

Voltei para o quarto e me sentei na cama para poder conversar com Lisa.

- Então, o que foi que aconteceu?

- Essa madrugada eu fui até uma lojinha comprar alguns salgadinhos.

- Mas por que não foi lá em casa buscar algo?

- Não queria incomodar; além do mais eu queria comer um salgadinho, que acabou caindo no rio.

- Foi por outro lugar?

- Sim, e por incrível que pareça, eu tenho certeza que foi o destino que me fez ir por lá.

- Por quê?

- Eu encontrei um rapaz que parecia estar muito estranho. Ele me perguntou se passava carro na rua e se jogou em frente a um que passou muito rápido.

- Jura?

- Juro. Eu não sei como, mas eu que empurrei ele para não morrer. Foi tudo muito rápido, Lisa. Eu acabei tendo o pé direito atropelado.

- Você é doido! Como se arrisca assim por alguém que nunca viu?

- Eu senti a necessidade de ajudar ele.

- Sim, e a parte do dinheiro?

- Eu levei ele em casa. Ele me deu o carro dele para dirigir. Lisa, você precisava ver, ele mudou de uma hora para outra e parecia que havia esquecido tudo. Aí na volta para casa ele me deu uma boa quantia para pagar o táxi. O triplo da passagem, né.

- Que doido! Mas eu fico feliz por você ter ajudado alguém.

- Tem mais. Sabe quem ele é?

- Eu não.

- Park Jimin, filho do Senhor Park que tem empresa.

- Mentira!

- Verdade!

- Que coisa doida, meu amor.

- É... eu não imaginava que ele era tão humilde assim, porque eu sempre pensei...

- Você sempre pensou que todos os ricos fossem arrogantes.

- Exatamente. Depois do que o Namjoon fez eu não poderia pensar diferente.

- Ai, meu amor, esquece isso um pouco. Nem todas as pessoas são como ele, tá? Tudo se resolverá.

- Tudo se resolverá se eu correr atrás. Não aguento mais dever esse aluguel. O que eu queria era pagar tudo de uma vez e me mudar daqui.

- Mudar para onde? Ficaria longe de mim?

- Lisa, mudar de casa, lugar. Bairro é um pouco difícil, né! Eu não tenho dinheiro para pagar uma casa aqui, imagina em outro bairro.

- Você nem pode pensar em sair de perto de mim.

- E se um dia isso acontecer?

- Eu vou junto com você!

- Seus pais nunca iriam deixar, Lisa.

- Pior que é verdade, mas eu dou um jeito.

- Eu vou dar um jeito em outra coisa. – a beijei.

- Em quê?

- Vamos tomar café fora?

- Oba! Eu estou doida para comer aquele bolo de chocolate.

- Então vamos! Eu irei comprar o maior pedaço.

- Você é o melhor namorado do mundo, Jungkook.

- Você que é, Lisa.

Troquei de roupa e descemos juntos para ir até uma cafeteria próxima a nossa casa. Era domingo, o movimento estava estável e o sol bem quente. Fomos até lá e sentamos na mesa da frente. Fizemos os pedidos e ficamos conversando

JUNGKOOK POV OF

- Jimin? Posso entrar? – a porta foi empurrada pelo Tae.

- Claro.

- Eu vim saber como você está. Não respondeu as minhas mensagens.- ele se sentou na cama

- Tae... – sentei e comecei a chorar.

- Jimin, abraça-me. – nos abraçamos e eu chorei em seu ombro.

- Tae, eu não sei explicar a dor que eu estou sentindo. Eu sinto uma vontade enorme de gritar e correr para aliviar essa dor.

- Eu entendo, Minnie. Eu só posso dizer que isso irá passar com um tempo.

- O tempo, ele é tão cruel, Tae.

- Meu amigo, eu vou ficar com você a todo momento, até você ficar bem.

- Obrigada. Você é meu braço direito.

- Você também é o meu.

- Cadê o Yoongi?

- Ele ficou em casa.

- Ah, sim. Você quer tomar café comigo?

- Eu quero sim. Quero beber aquele suco de maçã que a Sue faz.

- Vamos descer.

Descemos abraçados. Sentamos nas cadeiras. O café já estava sobre a mesa. O Tae sentou do meu lado e não parava de me olhar.

JUNGKOOK POV ON

- Jungkook, no que você tanto pensa?

- Estou pensando no Park Jimin.

- Por que está pensando nele?

- Lisa, o que aconteceu me abalou, então eu fico preocupado com ele.

- Meu bem, eu tenho certeza que ele ficará bem. Ele tem dinheiro, então logo isso passará.

- Lisa, as coisas não são bem assim. Problemas não escolhe classe social.

- ‘tá, ‘tá, eu já entendi.

- Vamos voltar? Eu preciso arrumar as minhas coisas.

- Você não irá para a minha casa?

- Melhor não. Hoje é domingo, seus pais estão em casa, e eu não me sinto tão à vontade com eles lá.

- Af! Tudo bem, então. Mas, mais tarde eu posso ir lá? Eu quero ter uma noite com você. Eu sinto tanta falta de fazer coisas legais com você.

- Você pode ir, mas eu não garanto que iremos ter coisas legais.

- Vai ser sempre assim?

- Lisa, fala baixo! Aqui não é lugar para discutir isso.

- Tudo bem, Jungkook! Vamos embora logo.

Paguei o nosso café e logo seguimos para casa. Lisa se afastou de mim e não pegou em minha mão. Fomos o caminho inteiro em silêncio. Fiquei chateado por não poder fazer com que ela se sentisse bem, mas era mais forte do que eu.

JUNGKOOK POV OF

Eu e o Tae estávamos tomando café, quando eu escutei um sussurro pedindo para que eu fosse até meu quarto. Levantei muito rápido e fui até lá para saber do que se tratava.

- Tae, eu vou até meu quarto e já volto!

- Mas Jimin... 

Saí correndo sem dar tempo de ouvir  o que ele iria falar. Chegando ao meu quarto, dei de cara com o Hae sentado em minha cama. Sim, ele estava lá e me olhava fixamente.

- O que você estava fazendo aqui? – disse sem se aproximar.

- Você não foi me ver. Você não me ama mais?

- Você já morreu! Não faz sentido me querer ao seu lado! 

- Eu não tenho mais ninguém além de você. Eu preciso de você.

- Hae, por favor, vá embora! Descanse em paz longe de mim!

- Jimin, com quem você está falando? – Tae perguntava do lado de fora tentando abrir a porta.

- Jimin, eu te amo! Venha ficar comigo!

- Vai embora! Eu não quero mais te ver! – Após gritar, caí no chão em lágrimas.


Notas Finais


Gente, eu tô bem doida nas ideias para essa fanfic, mas espero que estejam gostando :x Amo vcs 💙☁


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...