História Jogo Vorazes:70° Edição (Dove Müller) - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jogos Vorazes (The Hunger Games)
Personagens Annie Cresta, Personagens Originais
Exibições 5
Palavras 1.052
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 14 ANOS
Gêneros: Ação, Artes Marciais, Drama (Tragédia), Luta, Romance e Novela, Violência
Avisos: Canibalismo, Mutilação, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 4 - Desfile,Centro de treinamento e notas


  

Dessemos do trem e fomos a um prédio onde pegaram nossas únicas coisas e nos deixaram em macas de metal onde fizeram algumas limpezas em mim.

Depois de terminarem me deixaram em uma sala na mesma maca. Logo depois entra uma mulher alta de cabelos verdes e um terno rosa e dourado.

- Prazer.

- Quem é você?

- Louisa.

- Dove.

- Hoje,vamos te deixar espetacular!

Desfile

Me vestiram com um vestido prata rodado nos joelhos com miçangas coloridas representando os grãos,um colete marrom e bota de cano curto. Trançaram meu cabelo com as mesmas miçangas coloridas.

Subo na carruagem e consigo avistar oito em minha frente. Olho pro lado e vejo uma garota ruiva do distrito quatro, seu nome é Annie Cresta e andam dizendo que ela não terá nenhuma chance na arena. Olho para trás antes que as carruagens comecem a andar e vejo duas crianças do distrito doze. Com roupas tão feias quanto as minhas e desnutridas. 

O hino começa e as carruagens começam a andar. Paramos e Snow com sua barba branca ridícula desenhada faz o discurso de sempre.

Voltamos as pessoas realmente são muito eufóricas. Nos levam ao prédio em que vamos ficar por três dias. Entramos no elevador com Chelsea,Buck,Louisa e Alaska,estilista de Axl. Quando ele para e abre as portas vejo um grande espaço branco com janelas de cristal e sofás verdes dando a um telão. Uma mesa gigante verde,bem a cara extravagante da capital com cadeiras da mesma cor. Uma escada de vidro dando a um corredor com portas brancas. Sem falar dos lustres...

- O jantar será servido daqui a pouco! Vão se arrumar! - diz Chelsea sorridente.

Subo entrando em qualquer quarto,vendo apenas um telão com a imagem de árvores, uma cômoda qualquer com um controle em cima e uma cama enorme com lençóis brancos. Um closet cheia de roupas e o banheiro. Tiro a roupa tomando um bom banho. Coloco uma calça roxa e camisa preta com sapatilhas amarelas. Desso sentido cheiro de um porco assado com batatas gratinadas. Me deparo com o mesmo na mesa,com uma maçã na boca. Ervilhas misturadas a arroz,macarrão com tomates picados,sopa de tomate e salada verde. Como até ficar cheia,eu nunca passei fome no meu distrito mas também nunca tinha comido tanto em um dia. Sempre comemos de manhã biscoitos secos com leite ou ovos mexidos. E raramente pãezinhos da padaria. Quando minha mãe tem vontade e se tiver tudo,ela faz um bolo. Muitas vezes na colheita. E jantamos. De uma salada de raízes à uma sopa de batatas com um esquilo ou coelho.

Logo deixam uma torta de limão na mesa,quente,acabava de sair do forno. Como um pedaço, me deixando completamente pesada. Subo de volta ao quarto,me vendo no espelho e como engordei. Eu entrei naquele trem como uma magrela e agora estou saudável, com um corpo normal que podem dizer que ficarei viva por um tempo na arena. Deito na cama sentindo os olhos ficarem pesados e durmo. Sonho novamente como elas devem estar sem mim. Minha mãe não pode ir mais a floresta, apenas fica na barraca. Toulia a ajuda fazendo o máximo,negociando ovos de nossas galinhas e leite da nossa cabra. Faith,ò Faith. Ao tentar ensina-la a caçar chorou ao ter acertado um esquilo. Continuei a ensinar mas com as raízes. Ensinei a colher as raízes e ervas que encontrava. Aposto que estão tentando conseguir um emprego de colher os grãos nas plantações. O nosso distrito é o que podemos dizer que não passa muita fome. Poucas pessoas morrem de fome. As famílias sobrevivem vendendo suas coisas no ponto,colhendo grãos e filhos colocando seu nome mais vezes na colheita por lotes de comida. Minhas irmãs sempre fizeram isso. Até que entrei na colheita porque sobraria muitos lotes em casa. Apenas eu e Toulia colocavamos mais vezes. Lizia nem colocou seu nome a mais na última colheita. Após sua morte sobrevivemos com minha pobre caça e colheita de raízes. Os lotes que ganhavamos e a troca.

Acordo com raios de sol de novo nos olhos. Me levanto e vejo uma bandeja com comida. Um café da manhã. Ovos mexidos, pãezinhos com queijo e suco de laranja. E um pedaço de torta de ontem.

Logo após me troquei, desso as escadas vendo que me esperavam. Lembro que hoje vamos ao centro de treinamento.

Em dois dias nos "treinaram" amanhã vamos mostrar nossas habilidades e ganhar notas.

No primeiro dia nos deram instruções sobre arena. Treinamos luta com facas e tiro com arco. Armadilhas e escalar árvores. Camuflagem. Aos tributos de doze anos ensinaram coisas como,fazer uma fogueira.

No segundo dia as mesmas coisas em nível alto. Alguns fizeram aliados e se mostraram aos carreiristas. Axl se aliou a eles,mostrando sua péssima pontaria. Os tributos do um,dois e quatro se juntaram. Ganharam três aliados,inclusive Axl. Mais pessoas se aliaram em outros grupos sobrando onze tributos sozinhos. Eu não me aliei a ninguém. Posso ter mais chances de vencer. Essas alianças acabam em um matando o outro. Sobrando poucos tributos.

Hoje mostraremos nossas habilidades. Estou na sala ao lado de Axl com os outros tributos. Seremos quase os últimos.

- Dove Müller. - a voz robótica chama meu nome.

Entro na sala onde treinamos nesses últimos dois dias. Eles tiraram tudo sobrando apenas para mim um espaço com plantas e árvores. Um alvo com arco e flecha. Pego o arco posicionando a flecha no mesmo atirando no ombro do alvo. Pego outra e atiro no peito fazendo poucas pessoas prestarem atenção. Atirou acertando na cabeça fazendo eles baterem palmas e voltarem a conversar. Nisso coloco grama e musgo na minha roupa,subindo com dificuldade na árvore com o arco e as últimas duas flechas. Atiro no alvo errando fazendo eles ficarem com uma cara confusa por não me acharem. Atiro outra acertando o suporte onde ficam as flechas. Saio e tiro o disfarce colocando o arco no suporte.

Hoje é o dia que passará as notas no telão. Começa, todos estão atentos e vão anunciar a nota de Axl até que falam "9". Todos aplaudem inclusive eu. Quem tirou nove por último foi Annie do distrito quatro. Hora de anunciar o meu. "10". Aplaudem mais ainda. Estou entre os carreiristas. A mesma nota que Lizia tirou alguns anos atrás. Isso me lembra de apertar meu broche. Espera! Cadê ele? A última vez que o vi foi no desfile! Já era,devem ter o jogado... Junto ao meu cordão




Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...