História Jogos ABO - Capítulo 4


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Personagens Baekhyun, Chanyeol, Chen, D.O, Kai, Kris Wu, Lay, Lu Han, Personagens Originais, Sehun, Suho, Tao, Xiumin
Tags Jinjing_
Visualizações 35
Palavras 4.155
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Bishounen, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Ecchi, Famí­lia, Fantasia, Festa, Ficção, Fluffy, Lemon, Luta, Mistério, Musical (Songfic), Poesias, Romance e Novela, Saga, Shonen-Ai, Shoujo (Romântico), Shounen, Slash, Sobrenatural, Survival, Suspense, Terror e Horror, Universo Alternativo, Yaoi
Avisos: Adultério, Álcool, Bissexualidade, Drogas, Estupro, Gravidez Masculina (MPreg), Heterossexualidade, Homossexualidade, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sadomasoquismo, Sexo, Spoilers, Suicídio, Tortura, Transsexualidade, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Olá~
27 favoritos são poucos mas pra mim são muitos❤
Eu realmente estou feliz com o resultado dessa fanfic, e muito feliz por saber que vocês gostam❤
Boa leitura❤❤❤❤

Capítulo 4 - 04. Perseguição no labirinto


《 Do Kyungsoo 》

– CORRE, BERG! –Jongin gritou, sendo seguido por Junmyeon, Yixing e Byungjo.

– QUEM FOI O DOIDO QUE INVENTOU ESSE DESAFIO?! –Junmyeon choramingou ofegante.

– PAREM DE RECLAMAR E CONTINUEM CORRENDO! –Foi a vez de Yixing gritar.

1° Desafio: Perseguição no labirinto.

Objetivo: Coletar o maior número de ovos de gárgula possíveis e sem ser visto, sem deixar nenhum se quebrar ou ser recuperado pelas gárgulas espalhadas no labirinto. Caso as gárgulas vejam o ovo sendo pêgo, corra o mais rápido que puder.

Fitas: Cinza– Desafio sem regras. Tudo pode acontecer; Azul– Desafio em duplas.

Esfera: Esfera de Prata.

Prêmio: Dez pontos para os vencedores.

A voz de Bitna repetindo como o desafio funcionaria e o objetivo dele ainda era nítida em minha memória.

“O desafio de ontem foi apenas uma introdução, o verdadeiro desafio começa hoje. Fita cinza significa desafio sem regras. Se é sem regras, significa que tudo é permitido, desde trapaça até desclassificar um oponente. É do critério de vocês.”, disse ela. Logo em seguida, ela continuou: “O nome desse desafio é “Perseguição no labirinto”. Em duplas, vocês irão percorrer o labirinto em busca dos cinquenta ovos de gárgula espalhados e escondidos nos arbustos e todos os tipos de ninhos, mas claro, sempre haverá uma gárgula vigiando os ninhos e locais onde os ovos possívelmente estão. Se vocês forem vistos, corram o mais rápido possível. Vence a dupla que conseguir o maior número de ovos.”.

As duplas foram divididas por números. A minha dupla é o Minseok, mas faz mais ou menos oito minutos que ele tomou chá de sumiço e me deixou aqui sozinho. Não se faz mais betas como antigamente.

“Por estes walk-tok’s, vocês poderão se comunicar entre si, caso percam-se das suas duplas.”, foi o que ela disse, mas eu acho que aquele beta idiota não entendeu isso.

Puxei o walk-tok do cós da calça e liguei para ele. – Minseok! Onde você está?! –Questionei num sussurro estressado.

Kyungsoo! Eu preciso da sua ajuda! –Disse também num sussurro.

– Onde você está? –Indaguei olhando para os lados. Constatando que não havia perigo, comecei a andar.

Num ninho de gárgola. –Disse rindo sem humor. Eu parei de andar na mesma hora com cara de “mas que porra”.– A mamãe gárgula me viu pegando um dos ovos dela e me trouxe pro seu ninho, junto com filhote. –Explicou-se engolindo em seco.

– Me dá um sinal para que eu veja em qual ninho você está. –Pedi olhando para cima na esperança de vê-lo balançar os braços como um boneco de posto ou fazer um sinal de fumaça, sei lá!

Logo senti um brilho irritante incomodar os meus olhos. Olhei na direção de que ele vinha e finalmente enxerguei o Minseok balançar os braços feito um boneco de posto. Olhando daqui debaixo, ele parece um pokémon.

Que falta faz uma pokeball uma hora dessas.

Respirei fundo e corri até a árvore onde o ninho estava, lancei uma corda para que o Min segurasse e prendesse no ninho. Feito isso, ele começou a descer pela corda com sua mochila nas costas. Certamente cheia de ovos.

– Pegou muitos ovos? –Indaguei quando ele finalmente chegou ao chão.

Ele suspirou e arqueou as costas para trás com uma expressão de dor, em seguida me olhou. – Peguei, sim. –Sorriu mostrando as gengivas. Eu sorri da mesma forma.

– Quantos?!

Ele fez uma expressão confusa e começou a contar nos dedos, vez ou outra olhando para o chão. Em seguida me olhou.

– Apenas um. –Meu sorriso sumiu na mesma hora.– Eu teria pegado mais ovos se a mamãe gárgula não tivesse me confundido com um filhote.

– É mais fácil ela te confundir com um esquilo do que com um filhote, Min. –Retruquei bufando.– Vamos continuar. Bitna disse que quando a luz verde nos nossos relógios ficar vermelha, significa que os ovos acabam e a Esfera de Prata surge no centro do labirinto. Se quisermos ter uma chance de ganhar este desafio e conseguir a Esfera de Prata, temos que pelo menos estar no centro do labirinto. –Expliquei enquanto andávamos.

– E como chegaremos lá? –Parei bruscamente, e acabei por sentí-lo colidir contra as minhas costas.

Olhei envolta tentando achar uma solução. Eis que me lembro do canivete que sempre andava comigo e o puxo do meu bolso.

– Desde quando anda com um canivete? –Minseok indagou de olhos arregalados de surpresa.

– Minha mãe diz que quando se é um ômega bonito e atraente, deve-se estar preparado para tudo. –Expliquei indo até um muro de folhas pronto para escalá-lo.

– Você é um ômega estranho. Gostei. –Ouvi sua risadinha antes de começar a me seguir.

O muro era alto que só a porra – arrisco a dizer que era quase tão alto quanto o Chanyeol –, mas ainda assim conseguimos chegar ao topo.

– ‘Tá, agora que estamos aqui, o que faremos? –Min indagou olhando para baixo.

– Vamos andar por cima do labirinto até o centro dele, onde a Esfera de Prata irá aparecer quando as luzes ficarem vermelhas. Podemos não conseguir um bom número de ovos, mas aposto que ganharemos pontos por encontrarmos a Esfera de Prata. –Expliquei me levantando aos poucos para começar a andar.– Temos que aproveitar a oportunidade, afinal é um desafio sem regras.

– Que boa ideia, Kyungsoo. –Sorriu, mais uma vez, mostrando suas gengivas.

Que hyung fofo, dá vontade de agarrá-lo e não largar mais.

《 Byun Baekhyun 》

Será fácil vencer esse desafio. De todos, eu com certeza sou o mais rápido.

– Aqueles imbecis nunca vão conseguir me alcançar.

A mochila que Bitna me dera estava cheia de ovos. Tinha uns vinte ovos, no mínimo. – Baekhyun-ah! Espere! –Ouvi o lento do Sehun resmungar atrás de mim, ofegante por ter corrido para conseguir me alcançar.

– Você é lento demais, Sehun. –Rolei os olhos ao cruzar os braços.

– Lento?! Eu sou o alfa mais rápido da minha família! –Esperneou ultrajado. Eu sorri de canto.

– Então acho que já está na hora de passar esse título para outro alfa, Sehunnie. –Debochei dando as costas para ele.

– Não dê as costas pra mim, seu ômega metido! –Reclamou usando sua voz de alfa. Eu parei de andar e o olhei por cima do ombro.

– Eu devia ficar intimidado com esse rosnado de chiuaua? –Questionei irônico. Seu cenho franziu-se em fúria e então ele correu na minha direção, pronto para me bater, porém eu segurei o seu punho e ele passou direto, fiquei atrás do mesmo e segurei o seu outro pulso, puxando ambos para trás. Para completar, apoiei o pé direito em seu quadril, o imobilizando. Ele gritou de dor. Curvei o meu corpo para frente e apoiei o queixo em seu ombro, dando uma risada sarcástica.– Se eu quisesse, poderia facilmente arrancar os seus braços agora mesmo. –Sussurrei rente ao seu ouvido. O vi engolir em seco.– Fique fora do meu caminho, se sabe o que é bom pra você. Eu não gosto de alfas territorialistas, muito menos de alfas que se acham donos dos ômegas. –Ameacei e então o soltei.

Sehun ainda encontrava-se estático no chão, massageando os seus pulsos. Acho que o segurei com um pouco mais de força. Dei as costas para ele mais uma vez e segui o meu caminho, correndo entre os arbustos em direção ao centro do labirinto.

《 Kim Taehyung 》

– Você ouviu isso? –Indaguei estático.

– Isso o quê? –Seokjin indagou também.

– Parecia um grito de dor. –Engoli em seco.

– Ah, deve ter sido da muriçoca que eu matei. Ou dos meus pés que já estão mortos de tanto andar. –Brincou me fazendo rir.– Mas agora que você falou, eu ouvi mesmo um grito. De onde será que veio?

– Não sei. E nem estou afim de descobrir. Vamos continuar procurando pelos ovos. –Falei voltando a andar e sendo seguido por ele.

Quando viramos para a esquerda, vimos uma gárgula dormindo ao lado de uma moita. Certamente era lá que o ovo estava escondido. Pus o indicador em frente aos lábios indicando que não devíamos fazer barulho e coloquei a mochila no chão, tirando dela, uma corda para amarrar a gárgula e conseguir pegar o ovo sem risco nenhum. Sem fazer barulho, nos aproximamos dela e amarramos os seus pés e asas, Seokjin pegou o ovo e o enfiou na mochila, e depois?

A gárgula conseguiu se soltar e nos perseguiu, enquanto nós corríamos por nossas vidas. Resolvemos nos separar para ficar mais difícil da gárgula nos perseguir. Para minha sorte e azar do Jin, a demônia resolveu ir atrás dele.

– Vou pedir pra minha mãe me lembrar de ir no seu funeral, hyung. –Debochei pelo walk-tok.

Cala a boca, Taehyung! –Retrucou em desespero, enquanto eu só conseguia rir.

《 Autora 》

O último ovo havia sido pêgo por Hansol e Jimin, e no centro do labirinto já começava a surgir a Esfera de Prata, brilhando em todo o seu esplendor e grandiosidade. Todas as duplas já estavam próximos dela, entretanto, Baekhyun era o único que estava mais perto de conseguir tocá-la.

Not today, ômega! –Sentiu um soco em seu rosto o jogando para longe.– Será este alfa aqui que irá tocar a Esfera de Prata. –Chanyeol debochou apontando para si mesmo com o polegar.

Ainda no chão, Baekhyun passou o dorso da mão pelo canto da boca, constatando que ali havia um pouco de sangue. Rosnou cravando os seus dedos na terra molhada ao ver que Chanyeol debochava de si.

– Vai se arrepender por isso, Park. –Sussurrou cheio de ira, mas quem disse que o Park ligou?

Byun levantou-se do chão ainda encarando Chanyeol com fúria, enquanto este correu em direção à esfera que brilhava em seu nível máximo. Num rosnar, Baekhyun tomou impulso e correu com toda a sua velocidade na mesma direção que o Park, passando por ele e sorrindo de canto ao conseguir ultrapassá-lo. Faltava pouco para conseguir alcançar o seu objetivo, se não fosse por uma corda que entrou em seu caminho, o fazendo tropeçar e rolar diversas vezes pelo chão.

– Não corra pelos corredores. Seus professores não lhe ensinaram isso na escola, Byun? –ZiTao debochou sorrindo ao se escorar no muro de folhas, formando risquinhos adoráveis em seus olhos.

Só podiam estar de sacanagem com a sua cara. Parecia até que haviam tirado o dia para atrapalhá-lo! Baekhyun socou o chão mais irado do que antes.

ZiTao correu o mais rápido que pôde, finalmente alcançando a tão desejada Esfera de Prata. Antes que pudesse tocá-la, sentiu ser agarrado pelos pés e acabou por cair no chão, imobilizado por Yifan, que sorria convencidamente por ter capturado o menor.

– SAI DE CIMA DE MIM, SEU ALFA PERVERTIDO! –Esperneou ao sentir a mão boba do chinês em sua virilha. Atrás de ambos, Yixing surgiu com cara de sono, coçando sua nuca.– Yixing! Toque a esfera! –Pediu enquanto se debatia debaixo do corpo maior.

O chinês sonolento olhou para o parceiro, depois olhou para a esfera brilhante, para então dizer:

– Não estou afim. –Pôs as mãos atrás da cabeça, com um ar despojado e desleixado.

– Mwo?! –Todos ali gritaram ao mesmo tempo, esperando explicações.

– Aish, pelo visto vocês não leram nada sobre os jogos ABO, não é mesmo? –Bocejou.– Essa esfera não dá pontos extras. Ela revela tanto o passado, quanto o presente ou o futuro de quem as toca, e podem ser em formas de lembranças ou flashs incompletos, ajudando a dar sentido à algumas coisas que antes não faziam sentido. Além disso, ela também pode mostrar algo do passado, do presente ou do futuro da pessoa que está destinada a ser nossa parceira pela eternidade. –Explicou, detalhe por detalhe.

– E por que não a toca? –Baekhyun indagou, já mais calmo.

– Porque eu não tenho nada para descobrir ou esclarecer. Nem mesmo um parceiro eu estou destinado a ter. Assim como vocês. Duvido muito que algum de vocês tenha um assunto inacabado para resolver. –Cruzou os braços.

De fato, nenhum deles tinha razão para tocar a esfera. Se ela não dava pontos extras, então para quê tocá-la?

– Eu tenho. –A voz doce e até então calada de LuHan se pronunciou, acanhado como um gatinho assustado.

– Que tipo de assunto inacabado? –Yixing indagou olhando atento para o baixinho.

LuHan não lhe respondeu pois estava hipnotizado pelo brilho da esfera que lhe ajudaria a buscar a resposta da pergunta que há tempos se fazia. Com as mãos rente ao peito, ele caminhou em direção à esfera, ergueu o seu braço esquerdo até tocá-la com a ponta dos dedos.

《 Xiao LuHan 》

O brilho daquela esfera era tão lindo, tão hipnotizante. Me dava um grande alívio. E assim que a toquei, uma voz feminina sussurrou serenamente em meu ouvido:

Encontre a resposta para a pergunta que tanto ronda a sua cabeça, Xiao LuHan.

– Por acaso você pensa apenas em você?! Não pensou na falta que ele vai sentir do pai?! –A voz cansada questionava, e parecia indignada com algo.

– Ele não precisa de um pai. Assim como eu não preciso de um filho me perguntando toda a hora “Mamãe, onde o meu papai está?”. –A moça retrucou de braços cruzados e nariz empinado. Seria ela a minha mãe?– Xiang não pensou em mim quando decidiu me trair.

– E o que o garoto tem haver com isso?!

– Tudo! Por culpa dele, eu fiquei enorme e isso fez o Xiang perder o interesse em mim! Eu devia tê-lo abortado na mesma hora que eu descobri sobre a gravidez! –Socou a parede, fazendo um feiche de sangue escorrer por entre os seus dedos e pingar no assoalho.

– Nunca mais diga uma barbaridade dessas, Shuang! –A senhorinha de idade a repreendeu com um tapa em seu braço.

– Vou me livrar desse garoto de uma vez por todas. –Disse decidida.

– O que pretende fazer?

– Deixá-lo na floresta para que seja devorado pelos lobos selvagens, abandoná-lo no frio para que morra de hipotermia, jogá-lo numa fogueira, qualquer coisa! Eu só quero me livrar da única coisa que ainda mantém o meu laço com Xiang firme! –Esbravejou pegando um pacotinho embrulhado nos braços. Parecia um bebê.

Shuang saiu na calada da noite e andou floresta adentro, ainda com o pacotinho embrulhado em seus braços. Nevava muito, e a neve que chão, cobria os seus rastros no chão.

– Xiang não pensou em mim quando me abandonou, e eu não vou pensar em você quando te abandonar. –Sussurrou deixando o embrulho encostado numa pedra grande.– Você faz parte de uma história que eu quero esquecer. Morra, seu vermezinho. –Concluiu com desdém, em seguida deu as costas para o pequeno embrulho e voltou para o seu vilarejo.

O coração de uma mãe é sempre dos seus filhos. Porém, o coração de Shuang, era apenas dela.

Uma mulher que não é capaz de dar amor ao seu filho, não é capaz de dar amor à mais ninguém.

Meus olhos encontravam-se marejados, eu finalmente havia descoberto a verdade por trás do meu passado. Minha mãe não me quis, porque meu pai não a quis. Que tipo de mulher é essa que, abandona o seu filhote por ter sido abandonada por seu alfa?

Pousei minha testa na esfera que já havia perdido o seu brilho e, em meio aos soluços, me fazia perguntas mudas.

– Se você não me queria, então porquê me permitiu vir ao mundo, mamãe? –Questionei num sussurro inconformado. Meu rosto enxarcado de tanto chorar, o ar me faltava devido os soluços.

Senti um par de braços envolver-me num abraço por trás, logo em seguida um queixo se apoiar no meu ombro. – Ei, menino bonito, por que chora? –A voz grossa sussurrou serena, acarinhando minha barriga e me deixando aos poucos mais calmo.– Alguém tão belo como você não pode chorar. Se for para o fazer, tem que ser apenas de alegria. –Olhei minimamente para o lado, constatando se tratar do alfa e cabelos laranja. Qual era mesmo o seu nome? Sehun?– Diga, o que você viu? –Abaixei a cabeça.

– Não quero falar sobre isso. –Respondi ainda soluçando.

– Está bem, então não fale. –Me abraçou mais forte.

– Sehun, certo? –Concordou com a cabeça.– Posso fazer um pedido? –Sussurrou um sim.– Promete que nunca vai me abandonar? –Pedi choroso.

– Mas...

– Por favor, Sehun. Sei que somos de alcateias diferentes, mas, por favor não me abandone. Eu não quero ser abandonado uma terceira vez. –Pedi prestes a reiniciar o meu choro. O ouvi suspirar, antes de me apertar ainda mais em seus braços.

– Está bem, eu prometo que nunca vou lhe abandonar. –Fechei os olhos, formando um pequeno sorriso.

– Esse momento é muito bonitinho e pá, mas eu ainda estou sendo dominado por um alfa que fede a peixe em conserva. –Ouvimos Tao resmungar, fazendo todos ali rirem. Exceto Baekhyun, ele permaneceu sério o tempo inteiro.

《 Autora 》

– Parabéns por terem concluído o primeiro desafio. E parabéns, Xiao LuHan, por ter conseguido tocar a Esfera de Prata. –Bitna os parabenizou sorridente.– Coloquem suas mochilas sobre a mesa para que Somin e Jiwoo façam a contagem dos ovos. –Pediu, e prontamente os vinte e quatro fizeram o que lhes foi mandado.

Duas betas aproximaram-se, contando mochila por mochila. Tanto Baekhyun e Sehun quanto Sangwon e Byungjo haviam conseguido um grande número de ovos.

– Não acho que esses Sangwon e Byungjo tenham alguma chance de ganhar do Baekhyun e do Sehun. –Taehyung murmurou para Kyungsoo e, para o seu azar, Sangwon havia o escutado.

– E você? Acha que tem alguma chance de me vencer? –Sangwon desafiou o Kim fitando-o de forma acusadora. Taehyung abaixou a cabeça.– Se sabe que não tem chance, então não me desafie. –Concluiu desviando o seu olhar para Bitna.

Todos estavam em silêncio. Foi assim que constataram que, Sangwon podia ser um ômega tanto quanto, ou talvez, até mais assustador que Baekhyun. Aquele havia sido o aviso para todos de que ninguém deveria se meter com o ômega.

– A dupla Byun Baekhyun e Oh Sehun e a dupla Seo Sangwon e Kim Byungjo conseguiram um total de trinta e sete ovos de gárgula, o que significa que estão empatados. –Anunciou Somin, fazendo as duas duplas entreolharem-se com um ar de rivalidade.

– Não pode dar empate. Se der empate, nenhuma das duas duplas ganha os pontos. –Bitna lembrou arrumando os seus óculos.

– E nem vai dar. –Disse Sangwon, puxando um ovo amarelo da sua mochila.– Pelo o que li nas regras, um ovo amarelo vale por três. Sendo assim, temos quarenta ovos. –Sorriu vitorioso, fazendo Baekhyun arregalar os olhos em surpresa.

– A dupla Seo Sangwon e Kim Byungjo vencem o primeiro desafio, acumulando dez pontos cada um. –Jiwoo anunciou, fazendo ambos abraçarem-se felizes pela primeira vitória.

Enquanto a alegria era nítida nos semblantes tanto do beta quanto do ômega, a ira era nítida no semblante de Baekhyun, que encontrava-se indignado por ter perdido mais uma vez. Ergueu o braço pronto para dar um soco nas costas de Sangwon, porém foi impedido por Kyungsoo que meteu-se em seu caminho, o olhando no fundo dos olhos.

– É apenas um jogo, Baekhyun. Não tem porquê ficar tão irritado. –Sussurrou numa tentativa de acalmar o outro ômega e, por alguma razão, o seu tom sereno de fato acalmou o Byun, que passou a olhar de um jeito doce e calmo para o baixinho em sua frente.

– Acho que ele é tão mimado que nem sequer aceita ou suporta perder de jeito nenhum. –Chanyeol provocou, recebendo o olhar irritado de Baekhyun.

– Chega de provocações, Chanyeol. A não ser que você queira ser castrado pelo esquentadinho aqui. –Sehun puxou o amigo para longe dali, não sem antes se desperdir de LuHan, que voltou para a companhia dos amigos chineses.

– Aconselho voltarem para o quarto. O toque de recolher começa em duas horas. –Bitna aconselhou.

– Ok, tchau Ashley! –Tao sorriu mostrando suas gengivas.

– O meu nome é Bitna! –Corrigiu-o.

– É, e os seus pais com certeza te odiavam muito para terem te dado um nome desses. –Debochou.– Eu vou chamá-la de Ashley porque é mais bonitinho e combina com você. Bye bye, Ashley! –Fez um coração com os seus dedos para a mais velha antes de sair sendo seguido pelos outros.

Aos poucos a sala esvaziou, e Kyungsoo notou o quão irritado Baekhyun havia ficado tanto pelo comentário de Chanyeol quanto por ter perdido mais uma vez. Ele até entendia a razão disso, afinal ninguém gosta de perder. Mas talvez fosse como Chanyeol falou, Baekhyun era acostumado a vencer e estar perdendo realmente não o agradava. Então, o que Kyungsoo poderia fazer para tentat ajudá-lo?

– Ei, Baekhyun. –Kyungsoo chamou, vendo o moreno parar ainda de costas para si.– Está zangado por ter perdido outra vez? –Indagou.

Mas, para o azar do Do, Baekhyun era um ômega de poucas palavras. Não seria fácil fazê-lo falar. Mas, ele pelo menos podia tentar.

– Olha, se não quiser responder, não precisa. Mas não pense que eu vou desistir de tentar me aproximar de você. –Cruzou os braços decidido.

O silêncio incômodo se instalou entre eles. Agora, quem estava perdendo a paciência era Kyungsoo e não Baekhyun.

– Eu não fiquei irritado por ter perdido. –Disse com um pouco de remorso. Kyungsoo até se surpreendeu. A voz do moreno era encantadora.– Eu não sou mimado, Kyungsoo. –Fechou os punhos, cravando suas unhas nas palmas das suas mãos.– Eu só... Cresci aprendendo que eu devo vencer, sempre. Eu fui ensinado que ser um vencedor faz as pessoas te respeitarem, e que ser um perdedor apenas serve para que você seja motivo de piada. Meus avós nunca permitiram que eu perdesse. –Abaixou a cabeça.– É por isso que eu fico tão irritado quando perco provas tão simples, como a de ontem.

– Mas a prova de ontem era pura sorte. Minseok ganhou por sorte. –Kyungsoo, aos poucos, começava a se aproximar cautelosamente de Baekhyun.– Você não falhou, Baekhyun.

– Me diga uma coisa. –Pediu, virando-se para o ômega menor.– Por que se importa tanto comigo? –Indagou de cenho franzido.

– Acho que é porque... –Conseguiu ficar frente a frente com o maior, segurando em sua mão.– Eu simpatizei com você. –Sorriu entrelaçando os seus dedos. Baekhyun o olhou surpreso, alternando o seu olhar entre o rosto do Do e seus dedos entrelaçados, com direito a engolir em seco.

– Como você consegue? –Murmurou. Kyungsoo franziu o cenho em dúvida.– Digo, como consegue me acalmar tanto assim? Eu sinto como se eu fosse um vulcão em erupção, fervendo em fúria. Mas, quando estou com você, o meu vulcão adormece, me transformando numa pessoa completamente diferente da que eu sou. Qual é a explicação disso? –Franziu as sobrancelhas, num misto de confusão.

– Algumas coisas simplesmente não tem explicação. Acho que isso é uma dessas coisas. –Explicou de cabeça baixa.– Eu vejo que você precisa de um amigo, Baekhyun. Um amigo para desabafar e te apoiar nas horas difíceis. Eu posso ser esse amigo.

– Você é o primeiro que me diz isso. O meu temperamento explosivo acaba afastando as pessoas de mim. –Sorriu sem graça, mexendo os seus dedos entre os de Kyungsoo, completamente nervoso.

– Gosto de pessoas explosivas, ainda mais quando são ômegas. Quebra os estereótipos de que todo ômega é calmo e meigo. –Riram ao mesmo tempo.– Hey, é a primeira vez que eu te vejo rir. Você tem uma risada bonita, deveria rir mais vezes. –Cruzou os braços sorrindo gentil.

– Só você para conseguir me fazer rir. Meus pais diziam que eu não ri nem quando era um filhote.

– Você apenas não é acostumado a rir, mas a partir de hoje vai ter que se acostumar, porque eu estou aqui.

– Kyungsoo. –Chamou ficando sério de repente.– Eu posso te abraçar? –Pediu levemente corado, e esse pedido acabou fazendo Kyungsoo corar também.

Entretanto, ao invés de ser Baekhyun a dar o primeiro passo, quem o deu foi Kyungsoo, o abraçando com todas as suas forças. O Byun nunca imaginounque um abraço fosse tão bom, tão confortante. Timidamente, ele envolveu o menor em seus braços, sentindo o seu coração aquecer-se pela forma carinhosa sem igual que Kyungsoo o abraçava. A única vontade que Baekhyun tinha era a de ficar ali, abraçado ao mais novo para sempre.

– Não acham estranho o Kyungsoo e o Baekhyun estarem tão próximos? –Chanyeol murmurou desconfiado, enquanto observava os dois ainda abraçados no meio do jardim.

– Eu acho estranho você se importar tanto com isso. –Sehun rebateu, sem interromper seus abdominais.

– Eu acho essa interação ótima. Pelo menos assim o Baekhyun deixa de ser tão assustador. –Minseok debochou chupando o seu tão precioso pirulito enquanto folheava uma das revistas que Seokjin lhe emprestara.– Além disso, eu sou muito Baeksoo shipper. Quem gostar, gostou. Quem não gostar faz um protesto.

– Pois eu vou agora pro jardim fazer panelaço contra “Baeksoo”! –O Park resmungou saindo pela janela.

– Acho que ele está com ciúmes. –Junmyeon, que até então estava com cara de bosta, murmurou olhando envolta.

– Resta saber se é ciúmes do Baekhyun ou de Kyungsoo. –Foi a vez de LuHan murmurar depois que se deitou nas costas de Minseok, apoiando o seu queixo na cabeça do mesmo.

YiFan ainda observava tudo, atento à cada detalhe. Mesmo sendo um pouco desligado, ele já havia percebido o que estava acontecendo com Chanyeol para ele estar tão possessivo e paranóico assim. Estava surpreso pelo fato dos outros alfas ainda não terem notado o que estava mais do que claro para si. E, em seu pensamento, tudo ficaria mais interessante a partir de agora.


Notas Finais


Peço que dêem muito amor à essa minha nova fic: https://spiritfanfics.com/historia/adolescente-nem-tao-inocente-7562603
O spirit me obrigou a fazer essa loucura. Pelo menos funcionou❤
Obrigada por lerem e até o próximo❤❤❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...