História Jogos Vorazes - E se... - Capítulo 48


Escrita por: ~ e ~ML_Everllark

Postado
Categorias Jogos Vorazes (The Hunger Games)
Personagens Alma Coin, Annie Cresta, Beetee Latier, Brutus, Cashmere, Cato, Cecelia, Chaff, Cinna, Clove, Coriolanus Snow, Cressida, Delly Cartwright, Effie Trinket, Enobaria, Finnick Odair, Foxface, Gale Hawthorne, Glimmer, Gloss, Haymitch Abernathy, Johanna Mason, Katniss Everdeen, Madge Undersee, Mags, Marvel, Maysilee Donner, Paylor, Peeta Mellark, Personagens Originais, Plutarch Heavensbee, Primrose Everdeen, Rue, Rye Mellark, Seeder, Seneca Crane, Tresh, Willow Mellark, Wiress
Tags Galeniss, Hayffie, Peetniss
Visualizações 69
Palavras 1.223
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Comédia, Drama (Tragédia), Ficção, Romance e Novela, Violência
Avisos: Adultério, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Spoilers, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Capítulo 48 - Amigos? E... traições


Fanfic / Fanfiction Jogos Vorazes - E se... - Capítulo 48 - Amigos? E... traições

Ponto de vista Katniss:

A noite cai e o céu começa á ficar nublado. Cato e eu decidimos nos esconder em uma caverna, pelo menos até o dia amanhecer. Pego um coelho que ficou preso em uma das minhas armadilhas (Coitadinho dele Safadiniss) Calada consciência

Entro na caverna, Cato já acendeu uma fogueira, onde já cozinha um esquilo. Logo começa à chover fortemente, causando trovões e alguns raios no céu.

Coloco o coelho no fogo e me sento ao lado dele.

-Sabe, o que você fez mais cedo foi bem legal.- diz um pouco sem jeito -Por que você fez aquilo?

(Eu realmente não sei, por mim eu teria o deixado morrer afogado) O que? Você...Ahm...eu não sou cruel assim! E não conseguiria fazer isso...

-Eu te salvei.-digo sincera enquanto viro o esquilo nas chamas.-Foi por instinto, eu acho.

-Eu poderia estar morto agora. Esse não é o propósito dos Jogos? O mais forte sobrevive e o mais fraco morre- diz olhando pra mim, um tanto confuso.

(Na verdade, o propósito mesmo é só matar jovens inocentes para os distritos terem mais medo do diabólico Snow e seu governo, e como cachorrinhos fazerem o que Snow manda, serem um tipo de escravos da capital...)

-Eu não gosto de ver as pessoas morrendo sem poder ajudar. Eu ajudo quando posso.- digo suspirando.

-Você é uma pessoa boa, Katniss.- diz, sincero, enquanto olha pra mim.

-Você também é.

(Okay, admito, ainda não confio nele, má sei que Cato não é realmente uma má pessoa, só se faz de malvadão, mas é mais uma tática para sobreviver a esses jogos infernais como todos os carreirista​)

-Eu? Sou apenas um carreirista. Treinado desde sempre para matar pessoas.- diz frustrado com algo.

(Talvez esse algo, seja o fato dele ter percebido que é só mais uma peça para os jogos doentios de Snow e seu governo? Bom, é só um talvez, talvez mesmo)

-Eu te vejo além de um carreirista. Você é uma pessoa boa, só que foi obrigada a ser má.- diz suspirando

Ficamos em silêncio, apénas ouvindo o barulho da chuva e o crepitar do fogo.

Depois de comermos o esquilo Cato se oferece para montar guarda, e eu aceito. Vou até o saco de dormir, tentando me esquentar ao máximo.

(Meio impossível, já que os putos dos Idealizadores dos Jogos, baixaram bastante a temperatura da arena)

Quando estou quase caindo no sono quando Cato diz.

-Katniss?

-Fala- digo sonolenta mas olho para ele

-É...bom...eu acho que ...bom..podemos ser amigos de verdade, sabe, sem esse fingimento.- diz sem jeito

-Por mim, tudo bem.- digo bocejando, enquanto olho pra ele

-Katniss, acho que podemos sobreviver até o fim.-diz confiante.

-Mas e depois?

(Vocês se matam, é meio óbvio que isso vai acontecer, não pode ter dois tributos vencedores de distritos diferentes dããã)

-Nós pensamos sobre isso mais tarde. Temos que procurar os outros.

(Eca, não, nunca quero voltar a ver aqueles carreiristazinhos idiotas, principalmente a couve​ ciumenta...Oops...Clove)

-Vcê tem razão.-digo suspirando.-Vou voltar a dormir.

-Boa noite, Katniss.

-Boa noite, Cato.

Acordo com um raio de sol batendo em meu rosto, então fico alarmada, pois era para eu montar guarda da meia noite até as cinco.

Me sento e olho para Cato, que está sorridente e brincalhão.

(Vai ser sorridente e brincalhão no inferno! Ah é esse é a sala de espera do inferno, mas cá entre nós, ele  parece  aquele carreirista brutamonte que conheci no Centro de Treinamento.)

Levanto, muito irritada por ele não ter me acordado. Pego meu arco e saio, sem dar explicações para Cato.

(Até porque não tenho que dar explicações prós outros muito menos pra ele)

Não demora muito e logo Cato me alcança.

-Ei, Katniss, o que foi?- Pergunta confuso

-O que foi?- debocho irritada.-O que foi? Você não me acordou para o turno da meia-noite.

(Depois é a sua consciência que é xismenta né?)

É! Agora cala a boca.

-Qual é? Você estava cansada. Sei disso!

Reviro os olhos: - Idiota, que isso não se repita! Quando chegar minha hora de  guarda você tem que me chamar!- Dig um pouco irritada.

Cato revira os olhos: - Ok mandona.

Hoje nós vamos atrás dos outros. Mas antes verefico minhas armadilhas e consigo outro esquilo. Cato vai na frente com uma espada, cortando ora ou outra uma folha mais expessa. Chegamos no rio (onde Cato se afogou) e decidimos descansar por lá.

Pego as garrafas de água e alguns biscoitos da mochila. Enquanto estamos conversando, vejo que Cato mudou. (É verdade, ele abandonou aquela pose de Carreirista ameaçador, agora está mais gentil e um pouco migável, bom, Talvez o que eu tenha dito ontem tenha feito aglum efeito nele.) É talvez tenha feito mesmo.

De repente, escutamos um farfalhar de folhas e ficamos atentos. Olhamos em direção do barulho e vemos uma silhueta.

-Quem está ai?-pergunta Cato.

-Onde estão os bons modos, Catito?-Clove pergunta, revelando seu rosto e vestes cobertas de sangue.

-Clove!-fala aliviado, relaxando o corpo, mas, continuo com minha pose de caçadora.-Onde estão Marvel e Glimmer?

-Mortos.-ela sorri irônica

-Quem os matou?-eu pergunto desconfiada.

(Aposto que foi ela, nãoduvido dessa couve víbora)

-Eu. Os matei porque fiquei com raiva.- diz ficando proxima a mim- Agora vou matar você.

-Por que?-pergunto, andando para trás.

(Fudeu, a ciumenta se revoltou)

-Ah, doce Katniss. Você ainda pergunta?- diz irônica enquanto alisa o machado dela cheio de sangue.-Quer saber de uma coisa? É muito feio roubar o garoto de outra garota.

-Do que você tá falando?-pergunto confusa.

(Você é mais lerda que sua consciência, legal ein)

-Vou te matar porque você está com meu amor! Se não posso ficar com ele ninguém pode! Cato, eu te amo.- diz para ele

-Clove… Não faz isso. Podemos viver até o fim, podemos vencer.-Cato diz, se pondo entre mim e Clove, tentando a acalmar.-Podemos dar um jeito!

-Desculpe, meu amor. Mas não há um jeito.-ela fala e golpeia Cato com o cabo do machado, e olha pra mim indo em minha direção.

(CORRE KATNISS!!!)

Começo a correr.

(MERDA!)

Me esqueci do arco!

Clove vem atrás de mim, grintando enlouquecida.

(Louça essa garota, só pode!)

Tropeço em uma raiz de árvore e rolo ladeira a baixo, machucando as mãos.

(Merda! Levanto Katniss!!!! Rapido!!)

Me levanto e corro denovo, mas logo Clove me alcança e me derruba no chão. Ela fica sobre mim, colocando machado em minha garganta.

(Fudeu, adeus, essa é a nossa morte certa)

-Agora, o fim trágico da Garota em Chamas.- diz fingindo estar com pena.-Vou te matar como fiz com Marvel e Glimmer. Quais são suas últimas palavras?

-Idiota!-berro e cuspindo na cara dela.

(Fez bem! Cuspiu nessa imunda!)

-Palavra errada. Você perdeu, Katniss.-diz olhando para mim friamente.

(Sério? Esse é meu fim? Eu não vou poder ver meu P finalmente?)

E o que acontecerá com ele e Prim? Não verei Mad novamente, nem minha mãe, nem Gale? Como eu queria ver P novamente...

(Quero o beijar! Sentir seu corpo junto ao meu…)

Clove levanta seu machado mas não o abaixa, pois cai morta ao meu lado.

(Não acredito!!??? Cato conseguiu me/nós salvar!)

O machado corta um pouco da minha bochecha, mas não ligo.

(EU ESTOU VIVA!!!)

Me levanto e vejo o loiro.

Mas não é Cato, e sim outro loiro.

É o meu loiro.

-Cheguei bem na hora, não?-ele diz e sorri.

(É bem aquele sorriso que me faz perder o ar e os sentindos, Peetalicia sabe nos/me deixar suspirando de amores por ele, em qualquer situação)

Sorrio e o abraço forte, com medo que ele se vá e saudade do meu  P  e falo no ouvido dele enquanto cheiro seu pescoço ainda sentindo seu cheiro doce de pães, açúcar e cheiro amadeirado: -Você voltou para mim, P.-sussurro o abraçando

-Eu sempre vou voltar.-Peeta sussurra de volta



Notas Finais


Oieeee, bom, tenho agora uma Co-autora do Spirit fanfictions, a linda ML_Everllark, que me ajudou a fazer os capítulos, espero que tenham gostado vejo vocês nos comentários!


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...