História Jogos Vorazes em Magix - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Jogos Vorazes (The Hunger Games), Winx Club
Personagens Aisha, Bloom, Flora, Icy, Layla, Musa, Roxy, Stella, Stormy, Tecna, Valtor
Tags Flora, Jogos Vorazes, Winx
Visualizações 26
Palavras 3.781
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 12 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Crossover, Luta, Poesias, Romance e Novela, Violência
Avisos: Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Oiiiii GENTAAAA !!!!!! TÔ de volta !!!!!!!!!!!!!!!!!

Capítulo 8 - Eu prometo


Fanfic / Fanfiction Jogos Vorazes em Magix - Capítulo 8 - Eu prometo


- Musa - confirmou Flora, embora esperasse que não fosse verdade. Pela primeira vez em sua vida, desejou que tudo isso fosse um sonho, um produto de sua imaginação. Resistindo ao desejo de apertar-se para ver se era real, ela se levantou para seus pés trêmulos. Mirta pegou todos os materiais e os empurrou dentro de sua bolsa enquanto Flora enrolava o saco de dormir. Com tanto em mãos, Flora fechou o zíper na bolsa quando um segundo grito soou.
Mirta caminhou para o perigo quando Flora estendeu a mão, pegando seu antebraço. "O que você está fazendo?"
- Vou ajudar, é claro - respondeu, afastando a mão.
"Não, você não vai", repreendeu Flora antes de empurrar o saco de dormir nas mãos de Mirta tão de repente que quase o deixou cair. "Poderia ser uma armadilha, montada, mas os outros tributos para nos atrair." De repente, Flora ouviu um riso de um de seus pesadelos. Era alto e frio, fazendo os cabelos levantarem-se na parte de trás de seu pescoço. - Mas e se não for?- Mirta persistiu, mas a fada da natureza não respondeu, seus olhos estavam vidrados, sua visão se desvanecendo, como se estivesse pensando no olho de sua mente em vez de em sua física. "Nós não podemos simplesmente deixa-la!"
"Não," Flora suspirou, finalmente entrando em ação. "Mas você pode."
"O que você quer dizer?"
"Quero dizer, pegue os suprimentos e corra, encontre um lugar para esconder, eu vou te encontrar quando tudo acabar."
- Não, Flora, você não pode ir! ... Se vamos, vamos juntos!
"Mirta, por favor", Flora implorou, "Se é isso que eu acho que é lá, então eu não quero você em qualquer lugar perto dela."
- Mas Musa está em apuros!- Mirta respondeu quando outro grito ecoou através das árvores. Mirta não discutia mais, não tinha sentido. Instinto tomou conta e seus pés começaram a correr para o seu destino. Flora correu e a cortou bem a tempo. Ela levou os ombros de Mirta para as mãos e fitou-a nos olhos. "Eu não quero que você se machuque ..." ela admitiu com um suspiro antes de Mirta baixou a guarda um pouco. "Se apenas um de nós vai ver se é um truque do que deveria ser eu."
"Mas-"
"Não, mas", ela interrompeu. "Eu sou mais velha, você ainda é jovem e ..." ela não tinha certeza do que dizer, mas eventualmente se forçou a encontrar as palavras. "E eu quero que você ganhe."
"Flora-"
"Não," ela balançou a cabeça. "Eu preciso que você corra ... Apenas corra e não olhe para trás não importa o que você ouve ... Apenas sobreviva." Mirta assentiu com a cabeça, uma única lágrima escapando de seus olhos antes que Flora a puxasse para um abraço. Ela tinha certeza de que Faragonda teria dito a ela para fazer isso com Helia, mas ela não se importava. Os dois se separaram e Mirta virou-se e correu para a folhagem quando Flora girou sobre seu calcanhar e se dirigiu ao seu destino, esperando que ela não fosse tarde demais.
Ela desesperadamente esperava que Mirta fizesse o que ela pediu. Por tudo que ela sabia que esses passos poderiam ter sido os últimos. Talvez Musa já estivesse morto e tudo isso não valesse nada, todo esse correr era em vão.
Se alguém lhe tivesse dito que acabaria correndo para tentar salvar um homenagem há quatro dias, ela riria. Seu plano original era entrar nos jogos sem conhecer ninguém, então seria fácil matar tantos quanto pudesse, deixar os outros morrerem em situações impossíveis. Mas o que ela estava fazendo agora? Correr para o que poderia ser uma armadilha para salvar alguém que até tinha dito que nem tudo na vida valia a pena lutar.
Empurrando outro ramo para longe de seu rosto Flora pulou sobre uma rocha quando viu algo. Ela ajoelhou-se no início, escondendo fora de vista. Nenhum cânone tinha disparado o que significava que ninguém estava morto ainda, outra evidência apontando para uma armadilha. Então ela viu Jared, deitado de bruços no chão, uma grande fenda se espalhando do ombro direito até o quadril esquerdo, o sangue fluindo livremente da ferida, descendo em sua camiseta preta e manchando a terra lá embaixo.
Ela ouviu um suspiro a sua esquerda e olhou para cima; Assistindo Musa agora transformou-se voando longe da única pessoa que ela definitivamente não queria ver. Engolindo seu medo, ela correu para frente, saltando sobre galhos baixos e empurrando outros de sua visão. Mas, quando as pernas cansadas chegaram ao destino, era tarde demais. Rose saltou alto no ar e trouxe seu facão para baixo nas costas de Musa, cortando uma de suas asas que caiu ao chão como uma pena perdida antes de desaparecer em nada como Musa caiu no chão e aterrissou em um montão.
Os dentes de Musa mordeu com força enquanto tentava levantar-se sobre os cotovelos, quando se virou para ver Rose lentamente rondando mais perto dela. Rose levantou a espada mais uma vez. "Diga adeus pequena fada", ela falou enquanto fechava os olhos, rezando para que fosse rápido, que ela fosse misericordiosa. Ela sabia que tudo ia acabar, e esperava que ela não sentisse a sensação da lâmina perfurando seu crânio, que ela seria capaz de ver seus pais mais uma vez, que esses jogos não existiam no primeiro Lugar, colocar.
Mas, depois de alguns segundos, nada aconteceu. Musa não sentiu nada. Ela não tinha certeza se era porque ela estava realmente morta e estava tudo acabado ou se ela estava dormente, mas nada tinha mudado. Ela precisava confirmar suas suspeitas e quando ela abriu os olhos para ver um escudo verde fino ao redor dela e Flora de pé protetoramente ao lado dela, ela estava cheia de emoção.
Por um lado ela estava aliviada por não estar morta, mas por outro sabia que agora devia a Flora a sua vida, um preço que não era o melhor a devolver a ninguém quando o resto dos tributos o desejava tão mal de graça.
"Bem, bem, bem, olha quem é," Rose sorriu, equilibrando a lâmina em seu ombro. - Flora, é tão bom ver você de novo.
"Eu queria que o prazer fosse meu", respondeu Flora, pegando a bruxa dominadora desprevenida.
"Eu devo admitir que eu não esperava que você aparecesse, eu pensei que você estaria com aquela perdedora Mirta."
- Ela está morta - respondeu Flora, advertindo seu olhar.
"Não minta cadela!" Rose respondeu, aproximando-se do escudo até que ela estava bem em frente a ela, seus olhos em linha com Flora, travado em um concurso olhando através do painel verde de vidro mágico. "Você sabe tão bem como eu que ela sobreviveu no primeiro dia e que ninguém foi morto ontem." Ela olhou por cima do ombro por um momento, fazendo Flora seguir. "Inferno até aquele idiota lá ainda está vivo." Ela riu novamente; Enviando um arrepio até a espinha de Flora e fazendo bile entrar em sua garganta.
Finalmente Rose sorriu e se virou, colocando uma mão em seu quadril e ainda segurando sua espada com a outra. - Você conhece Flora, estou entediado conversando com você agora. Ela deu três passos antes de rir mais uma vez e olhando por cima do ombro para a determinada Flora e Musa ferida. "Talvez Mirta faria companhia melhor."
- Fique longe dela! Flora exigiu, mas Rose não notou. Ela simplesmente passeou pelo corpo de Jarad e olhou para a espada que agora estava ao lado de sua carne coberta de sangue.
"Bem, o que você sabe?" Ela admirava, ajoelhando-se e pegando a espada pelo punho, admirando seu brilho ao sol. "O perdedor tinha uma espada com a lâmina no lado errado ... muito ruim que ele não sabia como usá-lo adequadamente." Ela riu, ajoelhando-se ao lado dele e observando seu peito se mover ainda tão ligeiramente. Ajoelhando-se, ela ergueu a cabeça pelos cabelos e segurou a espada abaixo, pronta para retirá-la.
Musa lutou para avançar enquanto lágrimas rolavam pelo seu rosto. Então Rose aproveitou sua oportunidade, ela puxou a lâmina ao longo de seu pescoço, fazendo com que uma grande quantidade pulverizasse todo o chão abaixo e contra seu braço. - Posso pegar você mais tarde Flora, uma vez que eu organize alguns negócios inacabados. Rose explicou, inclinando a cabeça, levantando-se e marchando pela floresta e fora de vista.
No momento em que ela se foi, Flora soltou o escudo e ajoelhou-se ao lado das costas de Musa, como soluço depois de soluçar seus ombros.
BANG!
O cânone disparou.
Mirta parou de correr e olhou por cima do ombro. - Corra e não olhe para trás, não importa o que você ouve.- Afinal, era uma armadilha? Será que a Flora acabou de correr numa armadilha e foi morta? A Flora, que havia procurado com ela um dia inteiro para encontrar água, partilhava a comida, o saco de dormir, partilhava as suas histórias de casa e falava com ela. Quem a ajudou no treinamento, fez amizade com ela e deu-lhe uma razão para lutar. E ... quem tinha acabado de salvar sua vida terminando a sua?
Ela caiu de joelhos, sentindo uma sensação esmagadora de dor bateu como um caminhão em alta velocidade em uma estrada. Talvez Musa gritou e foi para atraí-los e então ela matou Flora. Talvez tudo tivesse acabado, seu único amigo nos jogos tinha sido morto. Seu primeiro amigo verdadeiro no mundo estava morto. As lágrimas rolaram de seus olhos e, antes que ela soubesse, estava deitada na posição úmida no chão úmido abaixo. Seus joelhos seguraram firmemente contra seu peito quando sua respiração engatou. "Flora," ela suspirou. "Deveria ter sido eu, eu deveria ter ido."
"Oh, não, você não deveria ter", falou uma voz familiar fazendo Mirta arregalar os olhos e seu corpo se levantar, seu estilingue segurou diante dela com uma pedra do chão.
"Não há necessidade de ser tão hostil Mirta", sorriu Rose, avançando e para a luz do sol. "Somos amigos, afinal."
Flora cuidadosamente pegou os braços de Musa. - Deite-se para ver o quão ruim é o corte - explicou ela, fazendo Musa balançar a cabeça e seguir os comandos. Ela deitou-se sobre seu estômago, suas mãos por seus lados enquanto Flora colocou suas mãos sobre sua boca para parar de ofegar.
O corte era profundo e o sangue fluía generosamente da ferida para o chão abaixo. "É ruim, não é?" Musa perguntou quando sua forma encantadora desapareceu, devolvendo-a às roupas pretas que todos os tributos foram forçados a usar. Flora não sabia como responder, parecia ruim, a parte boa era que era um corte limpo, mas a perda de sangue não estava tornando as coisas melhores.
"Você vai ficar bem, eu só preciso de algo", ela explicou, correndo para seus pés e se movendo para a floresta. Usando o tanto cortou em videiras e levantou quatro grandes massas de musgo de uma rocha próxima. Trazendo-os, ela cuidadosamente levantou a camisa negra manchada de sangue de Musa de seu corpo, deixando-a em nada além de seu sutiã antes de colocar um remendo de musgo sobre o corte para tentar absorver o máximo possível.
Flora colocou toda a pressão que pôde sobre o corte, ganhando uma careta de Musa. - Desculpe, mas preciso tentar fazer o sangue coagular.
"Está tudo bem," Musa suspirou, seu rosto ficando um pouco mais pálido. "Você deveria me deixar ... vá e encontre seu amigo antes que ela o faça."
- Não vou a lugar algum - repetiu Flora. "Mirta vai ficar bem, você precisa da minha ajuda agora."
- Por que você está me ajudando? Ela perguntou, seus olhos lentamente começando a fechar. Flora levantou o musgo, mas mais sangue derramou de baixo. Não era coagulação. Removendo o primeiro remendo, ela ergueu outro e colocou-o firmemente contra o corte, esperando que ele logo. "Por que você não me deixa morrer?"
"Porque eu não posso fazer isso," Flora respondeu, colocando um pouco mais de pressão contra suas costas. "E não importa o que você pensa que Musa você tem algo para lutar por, e você não pode simplesmente desistir." Com cuidado Flora levantou a borda do musgo para cima, assistindo outro pequeno rio de sangue escapar da preensão de sua pele. "Droga!" Ela amaldiçoou antes de notar que Musa não tinha dito ou movido uma coisa nos últimos segundos. "Musa?" Ela chamou, olhando para as fadas tez pálida e olhos fechados. "Musa, acorde!" Ela perguntou. "MUSA!"
Seus olhos se abriram. "Fique comigo, fique comigo." Ela levantou o musgo pela terceira vez e felizmente viu que o sangue tinha começado a coagular. Soltando um suspiro aliviado, ela sorriu ligeiramente antes de ver a pele de Musa melhorar lentamente. "Você vai ficar bem, tudo bem. Eu prometo." Cuidadosamente Flora tomou os pedaços fortes de videira e envolveu-os em torno do corpo de Musa, segurando o curativo improvisado de musgo no lugar. - Isto terá de ser feito por enquanto - explicou ela, entregando a Musa a camisa que ela cuidadosamente conseguiu puxar para trás.
Os dois começaram a caminhar de volta na direção em que Flora veio, observando como uma nave pairada chegou para pegar o corpo morto de Jarad e trazê-lo para Magix. Nenhum deles se virou para olhar, eles veriam seu rosto no céu esta noite, isso era o bastante de um castigo. Musa apertou os dentes enquanto se movia para frente, segurando sua lâmina espada em uma mão e arrastando suprimentos extras. Flora conseguira tirar o máximo do pacote de Jarad e disse a Musa que iriam dividir a mercadoria mais tarde, quando encontraram Mirta. Ela concordou com isso e Flora encontrou seu pacote pesando duas vezes mais do que deveria.
No treinamento eles tinham sido informados sobre o que era um peso bom pacote para ter, leve o suficiente para fácil mover, mas que ainda continha todos os seus materiais. Este pacote era muito pesado, mas com as costas de Musa quase cortadas ao meio, as chances de ela ser capaz de segurar a bolsa em seus ombros eram mínimas, se não completamente impossível. Além disso, estragaria a coagulação que Flora tentara desesperadamente conseguir e provavelmente sangraria até a morte.
Embora a lâmina nas mãos de Musa fizesse Flora um pouco preocupada era uma boa verificação de realidade. Ambos estavam armados com uma arma e, embora Flora estivesse certa de que Musa não tentaria nada para machucá-la, ela não estava inteiramente certa. Os jogos eram imprevisíveis e, como Faragonda lhes dissera em numerosas ocasiões, nem todos deveriam ser confiáveis. Rose era um exemplo perfeito disso.
Rose, a jovem que agora assombrava seus sonhos a mulher que -
"FLORA!" Era um grito de criança, um grito de menina; Um grito que só Mirta poderia fazer. Musa olhou para Flora e juntos correram para a fonte do som. Ela não podia ser parada, ela precisava chegar lá o mais rápido que podia. Musa seguiu de perto para trás, desembainhando a lâmina e segurando-a protetoramente na frente dela enquanto corria em torno da piscina de água que ela e Mirta tinham encontrado dias antes e continuaram passando para o bosque.- Flora, Flora! - Ela gritou novamente. Poderia ter sido uma armadilha, talvez Rose e Stella estivessem esperando por ela do outro lado, mas ela não se importava. Se eles estavam indo para matá-la, então que assim seja.
- Quantos são? Ela perguntou a Musa que colocou uma mão em seus ouvidos e escutou atentamente.
- Como está o ombro? - perguntou a voz de Rose quando Mirta deixou escapar um pequeno grito de seus lábios. O som de ossos quebrando lentamente entrou nos ouvidos de Musa. "Não parece muito bom no momento."
- O que você quer? Mirta lutou para perguntar.
" Não é óbvio," Rose respondeu quando Mirta gritou mais alto do que antes. - Quero sua vida.
- Pensei que éramos amigos.
" Amigos não existem na arena, Mirta," Rose riu.
"É só Rose", Musa anunciou, seguindo Flora novamente como seu rosto virou pânico em pânico.
"Flora!" Ela gritou novamente e desta vez Flora respondeu.
- Mirta, estou indo! Ela tropeçou, batendo o pé em uma pedra e aterrissando em suas mãos. Ela se recuperando rapidamente e com Tanto na mão chegou perto da borda florestal onde ela os viu. Rose estava acima de Mirta, que estava deitada no chão. Seu ombro esquerdo tinha sido cortado, a manga de sua camisa agora desaparecida e sua pele pálida em contraste direto com o líquido carmesim que agora cobria a grama abaixo onde ela estava deitada.
O que mais a assustava era a espada que acabava de usar para matar Jarad que agora estava saindo do abdômen de Mirta. Flora correu adiante, raiva e puro ódio queimando-lhe as veias. Ela chamou sua magia para a ponta dos dedos e lançou vários ataques à sua maneira, mas Rose ignorou-os e correu para a distância, deixando o grupo sozinho. Ou ela tinha ficado ferida na luta ou tinha usado toda a sua energia na batalha. Musa escutou atentamente, ouvindo seus passos lentamente desaparecendo na distância enquanto os joelhos de Flora afundavam na terra perto da cabeça de Mirta.
Com cuidado, ela ergueu sua habilidade em seu colo como Mirta abriu os olhos e lágrimas rolaram pelo seu rosto. "Você está vivo."
"Sim querida, estou bem", suspirou Flora, embora sua voz tremia e tremia. Ela tinha visto a morte antes, esteve lá quando alguém estava escorregando para longe do mundo, mas nunca para alguém tão jovem, alguém tão inocente e gentil.
"Você tem que ganhar, Flora", ela suspirou, sua voz perdendo sua força e seu rosto perdendo a cor.
"Eu vou", ela respondeu com um aceno de cabeça, lágrimas agrupando mas recusando cair. "Eu vou ganhar para os dois agora, eu prometo."
A mão direita de Mirta ergueu-se fazendo Flora levá-la ao seu próprio e oferecer um aperto reconfortante. 
"Você pode ... cantar para mim?" Flora não era geralmente o tipo de cantar. A única vez que ela cantou foi para ajudar Miele a dormir até tarde da noite ou para ajudá-la através de um pesadelo. "sssstou-ccom-frio." Musa tirou o saco de dormir do chão e colocou-o sobre o corpo de Mirta para tentar impedir que ela tagarelasse enquanto Flora pensava nas canções que conhecia.
Musa fez o mesmo antes de sussurrar um nome em seu ouvido e ela concordou. Flora tomou fôlego, limpou um polegar macio sobre a testa de Mirta e começou a cantar e Musa também.
" Eu me lembro de lágrimas escorrendo pelo seu rosto 
Quando eu disse, eu nunca vou deixar você ir 
Quando todas essas sombras quase mataram sua luz 
Eu me lembro que você disse, Não me deixe aqui sozinho 
Mas tudo isso está morto e se foi e passou esta noite.
Musa respirou fundo antes de se juntar à harmonia de Flora. As duas fadas cantando o coro com uma bela e doce melodia enquanto os olhos de Mirta ficavam sem foco.
" Apenas feche seus olhos 
O sol está indo para baixo 
Você estará bem 
Ninguém pode te machucar agora 
Come luz da manhã 
Você e eu estarei sãos e salvos."
Os olhos de Mirta se fecharam, mas seu coração batia lentamente em seu peito. Flora continuou o segundo verso, cuidadoso para manter sua voz calma e forte quando realmente se sentia fraca e fraca. 
"Não se atreva a olhar para a janela querida 
Tudo está em chamas 
A guerra fora de nossa porta continua furiosa 
Mantenha-se nessa canção de ninar 
Mesmo quando a música se foi".
A força no aperto de Mirta afrouxou lentamente, sua cabeça lolling ao lado ligeiramente enquanto uma lágrima caiu dos olhos de Musa.
" Apenas feche seus olhos 
O sol está indo para baixo 
Você estará bem 
Ninguém pode te machucar agora 
Come luz da manhã 
Você e eu estarei sãos e salvos."
O peito de Mirta levantou-se uma última vez antes de sua respiração se libertar no ar indicando sua morte, mas as duas fadas não pararam. Eles precisavam terminar a música para ela.
" Apenas feche seus olhos 
Você estará bem 
Venha luz da manhã, 
Você e eu estaremos sãos e salvos ..."
Quando a música terminou, os lábios de Flora tremeram quando a mão de Mirta caiu da sua própria, deixando o pequeno estilingue esculpida em casa em seus dedos. As lágrimas caíram de seus olhos enquanto os suspiros estridentes escapavam de seus lábios. Ela se inclinou para a frente e plantou um beijo suave e terno contra a testa de sua amiga antes de limpar o estranho fio de cabelo longe de suas características perfeitas.
Musa colocou uma mão reconfortante no ombro de Flora, embora ela a sacudisse e estivesse de pé. "O que você está fazendo?" Ela perguntou.
- Dando a Mirta o que ela merece - respondeu Flora antes de caminhar até um arbusto próximo e coletar flores de cores diferentes em seus braços. Musa permaneceu ao seu lado enquanto o fazia, ouvindo qualquer outro movimento nas árvores que os rodeavam. Ela não ouviu nada, só os pássaros chilreando e o cânone disparando.
Seu estrondo ecoou pela floresta com tal magnitude que Musa quase ficou surdo. Era o som que todos ouviriam e que ela supunha que Rose riria.
Flora retornou com uma variedade de pétalas coloridas diferentes e procedeu a arrancar seus botões e organizá-los em seu cabelo. Musa colocou uma atrás da orelha antes que Flora usasse uma pequena quantidade de água para lavar o estranho ponto de sangue de seu rosto. Eles cobriram seu corpo com as pétalas, cada uma bonita e brilhante, assim como o espírito de Mirta. Quando terminaram, ambos levantaram-se.
Assim como fizeram um pequeno pára-quedas caiu do ar. É forro prateado brilhante contra o sol da tarde. Flora o pegou, percebendo o número escrito no lado. Ele disse originalmente 4, um presente que foi feito para Mirta. Mas tinha sido riscado e um 12 estava agora gravado ao lado dele.
As pessoas do Distrito 4 decidiram dar-lhe o dom em vez disso, quando eles poderiam ter guardado o seu dinheiro e enviado para o seu outro tributo. Flora foi tocado pelo gesto. Cuidadosamente, ela tirou a tampa do recipiente e viu um pacote de papéis recém assados, seis no total. Flora olhou para o céu, sabendo que eles filmaram cada ação. Ela pegou a mão de Musa na dela e segurou-a no céu, acenando com a cabeça em silêncio, agradecendo-lhe antes que eles arrumassem seus pertences, tomassem suas amostras e os suprimentos remanescentes de Mirta e voltassem aos confins do suprimento de água na esperança de apagar seus medos E tristezas com uma boa refeição e um longo descanso.
Dia três, sete tributos mortos, dezessete faltam e ainda Flora se perguntou se Helia estava vivo.
 


Notas Finais


desculpe se vcs não entenderam alguma coisa , mas perguntem nos comentariooooos !!!!! Aviso : A MUSICA É A TRADUÇAO DE OUTRA EM INGLES , OK ?! POR ISSO QUE FICOU MEIO ESTRANHA , MAS ERA SÓ PARA VCS ENTENDEREM A TRADUÇÃO


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...