História Jogue os Dados - Capítulo 39


Escrita por: ~

Postado
Categorias Bangtan Boys (BTS)
Personagens J-hope, Jimin, Jin, Jungkook, Personagens Originais, Rap Monster, Suga, V
Tags Aposta, Colegial, Drama, Férias, J-hope, Jimin, Jungkook, Menção Yoonjin, Namjin, Namjoon, Romance, Seokjin, Taehyung, Yoongi
Visualizações 82
Palavras 1.092
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Ficção, Hentai, Lemon, Musical (Songfic), Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Visual Novel
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Sexo
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


Oiii Gente!!! Demorei um pouco mas estou de volta, eu tô meio gripada por isso demorei rsrsrsr

Boa Leitura!!!

Capítulo 39 - Capítulo 39


Fanfic / Fanfiction Jogue os Dados - Capítulo 39 - Capítulo 39


Capítulo 39 - Jogue Os Dados


Eu me levantei da cama quando já devia ser oito da noite. O sol ainda estava explodindo nas janelas, mas ficava cada vez mais alaranjado, se despedindo aos poucos do seu momento de glória enquanto eu olhava as fotos tiradas por JungKook.

Observando as expressões faciais de SeokJin, me fazendo morder os lábios ao relembrar do momento. SeokJin era um sonho, um sonho de consumo. E eu tinha ele inteiramente e exclusivamente para mim, que se encontrava dormindo enrolado nos lençóis. 

Eu deveria começar a contar os motivos para SeokJin ser tão atraente.

1° SeokJin era lindo. Eu até duvidava se ele era algum tipo de anjo perdido nesse mundo, pois não havia outra explicação para toda aquela beleza e elegância que exalava de Kim SeokJin.

2° SeokJin cozinhava. A comida de Jin é de outro mundo. Eu realmente admito que SeokJin tem um talento especial para gastronomia.

3° SeokJin é perfeito na cama. Depois da tarde de sexo que tivemos, nos repetimos a dose e dormimos o resto da tarde. Ele conseguia fazer com que eu me atraísse ainda mais por ele sem que ele precisasse me provocar.

Deixei a câmera na mesinha de centro e segui para a cozinha quando meu estômago reclamou de fome e eu comecei a mexer no congelador separando algo que não demorasse a ficar pronto.

Jin surgiu na prova quando os hambúrgueres estavam saindo da chapa, vestido com um moletom marrom bem maior que ele, o rosto ainda inchado de sono, deixando-o adorável. Parei com a mão perto do queijo sentindo todo o meu ventre se revoltar, me dizendo - na verdade, exigindo - que queria fodê-lo outra vez, naquele mesmo instante.

Ele me lançou um sorriso quase que sem jeito e começou a andar em minha direção de forma desajeitada e eu soltei um suspiro, contemplando o fato de que ele estava dolorido, tirando as marcas de arranhões e apertos em suas coxas, resultado da força que eu usei.

- Boa Noite. - Ele disse com a voz baixa de sono.

Eu ri, todo o nervoso que eu sentia antes se esvaiu e eu tinha apenas uma breve consciência da fome. Ele parou a minha frente, mas não se sentou no banco ao meu lado, me fazendo rir mais ainda.

- Dolorido, é? - Perguntei.

Ele revirou os olhos, mas percebi suas bochechas ganhando um pouquinho da cor rosada.

- Um pouco... - Respondeu, por fim, dando de ombros.

Puxei-o pela cintura, os dois braços se cruzando atrás dele, acima de sua bunda, com uma de minhas mãos em sua coxa fazendo um leve carinho.

- Tem um creminho na minha gaveta que deve te ajudar. - Sussurrei. Beijei-lhe os lábios, sentindo o seu sorriso. O beijo foi na velocidade dele, calmo e relaxado, e mesmo assim fez meu estômago revirar. Eu já tinha ganhado alguns desse, dele, durante o dia. Era um beijo de agradecimento e me fez sorrir também. - Achei que você não ia acordar nunca. Te cansei, foi?

Ele gargalhou e se virou de lado, de frente para a bancada, terminou de montar o lanche e mordeu um pedaço do meu hambúrguer. Mordi-lhe no pescoço para mostrar que eu não tinha gostado muito daquilo.

- Claro. - Disse, lambendo os dedos sujos com molho. - E algum homem no mundo já conseguiu te acompanhar, por acaso?

A pergunta era legítima, tal como sua curiosidade, mas tudo o que eu fiz foi dar um sorriso amarelo.

Como eu lhe diria que homem nenhum no mundo tinha me feito ficar com aquela vontade irredutível de transar o tempo todo? Vontade que simplesmente não tinha acabado depois que eu gozara; parecia que só aumentava e eu queria fodê-lo e, depois, foder mais uma vez. Inclusive naquele momento, mesmo que eu estivesse esgotado ao extremo, eu mal podia olhá-lo sem sentir meu corpo exigir o seu mais uma vez.

Eu não podia. Então, mudei de assunto.-

- Escuta... - Murmurei. Ao constatar que eu queria fodê-lo, acabei levando meus pensamentos sobre ele estar dolorido. - Estava pensando em ir à cidade agora. Acho que precisamos comprar um lubrificante para a próxima vez, eu simplesmente esqueci e... Bem..

Sua despreocupação me desconcertou. Ele virou-se de frente para mim novamente e uma de suas mãos foi ao meu rosto. O polegar e o indicador apertaram minha bochecha entre eles, enquanto ele fazia um biquinho adorável.

- Você se preocupou, que fofo. - Disse, rindo. Soltou minhas bochechas e beijou-me nos lábios. - Eu trouxe um pequeno pote de lubrificante na mochila, mas com a presa em que estávamos acabei esquecendo de dizer, então, se você não tiver nenhuma doença, tudo bem.

Eu demorei para notar que ele estava basicamente me fazendo uma pergunta, porque fiquei muito concentrado no fato que eu estava ganhando permissão para me afundar nele sem precisar de nenhum tipo de preparação.

- Ãhn... É, sem doenças. - Confirmei. 

Ele sorriu e me beijou os lábios brevemente, se soltando do meu abraço para preparar seu próprio hambúrguer.

- Então tudo bem. - Repetiu. - Mas acho que ainda temos que ir à cidade, o que você chama de cidade, eu não sei. Afinal, você está me devendo um jantar.Ll

Levantei a sobrancelha ao vê-lo apenas pegar o pão, um pouco de molho e o hambúrguer e montar seu sanduíche.

- Você não ganhou a aposta. - Eu disse.

Ele riu, enquanto eu mastigava.

- Ainda. - Falou, apenas.

Eu me engasguei com a comida e tossi enquanto ele comia, tentando disfarçar o sorrisinho convencido em seu rosto. Resolvi deixá-lo em paz, mas minha mente continuava passeando em todas as possibilidades.

Jin acabou de comer antes que eu e me deu mais um selinho. Segurei-o pela cintura, tentando impedi-lo de sair de perto de mim, mas ele apenas gargalhou e me deu um tapa no ombro, se desvencilhando e anunciando que ia tomar banho.

- Não vai me chamar não? - Perguntei, quase ofendido.

- Te chamei ontem, você que não quis. Você vai depois. - Disse. - Se formos juntos, eu não vou ter o meu jantar, vou?

Deixei-o ir porque eu estava realmente interessado em saber o que ele faria para me deixar de queixo caído.

Durante a tarde, eu tinha me atentado ao fato que ele estava toda jogado, suado, marcado e rendido na minha cama e eu podia ter feito alguma piadinha sobre ele estar todo maluquinho e meu, ao que ele respondeu dizendo que conseguiria fazer isso comigo sem nem encostar em mim - fato que eu não duvidava, mas estava ansioso para vê-lo tentar, então concordei. Ele ainda queria o jantar e eu sabia que ele iria jogar todos os dados possíveis para conseguir o que ele quer.


Notas Finais


Eu peço desculpas pelo capítulo estar pequeno mas é que eu ando meio gripada e minha criatividade não está das melhores, mas eu prometo que no próximo eu vou estar melhor 😉😉

Até o Próximo!!

Beijos da Mochi!!!! 💖💖😘😘


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...