História Joker Game - Capítulo 9


Escrita por: ~

Postado
Categorias Batman, Esquadrão Suicida
Personagens Bruce Wayne (Batman), Coringa (Jack Napier), Harleen Frances Quinzel / Harley Quinn (Arlequina)
Tags Harleyquinn, Joker, Romance
Exibições 48
Palavras 1.301
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Crossover, Drama (Tragédia), Fantasia, Ficção, Hentai, Luta, Romance e Novela, Suspense, Terror e Horror, Violência
Avisos: Álcool, Drogas, Estupro, Incesto, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Mutilação, Nudez, Sexo, Suicídio, Tortura, Violência
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas da Autora


Pessoal... Não fiquem bravos comigo, muitas coisas vão acontecer ><
Boa leitura :3

Capítulo 9 - Heaven Knows


Fanfic / Fanfiction Joker Game - Capítulo 9 - Heaven Knows

Harleen não foi mais as consultas desde a última vez que viu Bruce na enfermaria – uma semana atrás –, sua amizade com Jack se aprofundou, mas por consequência, Floyd acabou se afastando – o que não a agradava.

Toda vez que estou com Jack, Floyd não se aproxima de mim..., pensou ela, incomodada.

Napier foi para sua consulta com Bruce – o que era extremamente raro – e a garota aproveitou essa chance para conversar com Floyd – que estava parado na frente da janela, olhando a paisagem como sempre.

– Hey. – cumprimentou ela, parando ao seu lado.

– E aí.

– Por que você se afastou de mim?

Floyd olhou para a garota como se ela fosse demente.

– Você tá tirando com a minha cara, né? – indagou ele.

– Não.

– Harleen, pelo amor de Deus... Jack quase matou você aquele dia, e depois... Viraram amiguinhos inseparáveis. O que quer que eu faça? Apoie essa porcaria e continue como se nada tivesse acontecido?

– Tigrão...

– Ouça... Eu já avisei para ficar longe dele. Você nunca sabe o que Jack está planejando ou o que vai fazer. Aquele cara... Quando menos esperar... Vai...

– Me matar? – ela adivinhou.

– Sim.

– Antes mesmo de Jack pensar em me matar... Ele já vai estar morto.

– E quem vai mata-lo? Você?

Harleen sorriu misteriosamente e deu de ombros.

– Espero mesmo que você saiba o que está fazendo. – murmurou ele.

– Fique tranquilo, tigrão.

– Bom... Mudando de assunto... O doutor está perguntando bastante de você.

– E daí?

Floyd suspirou fundo e encarou a garota.

– Não faça isso com ele. – pediu ele – Apesar de tudo, Bruce é uma pessoa boa.

– Pessoas boas só se ferram.

– Só... Vá a consulta dele, ok? Por favor... Faça isso por mim. Por favor.

Harleen abriu a boca para responder, mas de repente Jack se aproximou rapidamente por trás deles – pegando-os de surpresa.

 – Fazer o que por você? – indagou ele, olhando para Floyd.

– Nada.

Napier deu uma gargalhada insana e abraçou o ombro de Harleen.

– Ah, que bonitinhos... Guardando segredos de mim. – ironizou ele.

– Jack, eu não quero problemas. – esclareceu Floyd.

– Ah, não, não... Eu também não quero. Sabe... Foi um prazer trocar algumas palavras com você, Floyd... Mas espero nunca mais vê-lo, especialmente perto de Harleen.

A garota olhou para Napier, irritada.

– Vá se... – começou ela.

– Tudo bem. Eu entendi. – interrompeu Floyd.

A moça olhou para ele, confusa e perdida.

– Ah, ótimo... Sabia que você entenderia. – Jack sorriu – Vamos, docinho.

Napier puxou Harleen pelo braço, afastando-se de Floyd.

– Por que fez isso, seu palhaço? – indagou ela, nervosa.

– Porque, minha pequena... Eu não quero vê-la perto de outros homens. Mas não me entenda mal.

– O que?

– Não quero que pense que estou apaixonado por você ou algo assim. – explicou ele.

– E está agindo assim por que...?

– Você é a minha propriedade.

Harleen parou bruscamente e puxou o braço, livrando-se das mãos de Napier.

– Se cú é a sua propriedade. Eu não. – esclareceu ela.

Jack bufou e encarou a garota, nervoso.

– O que você disse? – questionou ele.

– Você não é meu dono, seu imbecil.

O sinal para o almoço tocou, e a moça aproveitou a oportunidade para virar as costas e ir para o refeitório. Harleen almoçou sozinha, e quando eram 13 horas, resolveu ir para sua consulta.

Droga... Eu deveria ter continuado com as consultas... Doc deve estar puto comigo..., pensou ela.

A menina bateu na porta, apreensiva.

– Entre. – ela ouviu Bruce dizer.

Harleen entrou no consultório e olhou para o doutor, mas antes de dizer ou fazer algo, Bruce se aproximou rapidamente e pegou o rosto da moça com as duas mãos – fazendo-a pensar que ele a beijaria.

– O que... – começou ela, confusa.

Wayne ergueu o rosto da menina e começou a analisar seu pescoço – que ainda estava um pouco roxo – e depois voltou a atenção para a boca dela – onde o corte cicatrizava rapidamente.

– Que bom... Eu estava preocupado. – ele suspirou, aliviado.

– Preocupado com...?

– Você, é claro.

– Ah é, esqueci que você se preocupa com todos os seus pacientes.

Bruce se limitou a suspirar e apontar para a poltrona.

– Sente-se, por favor. – pediu ele.

Harleen sorriu e sentou na poltrona, encarando o doutor.

– Venha, doc. Venha conversar comigo. – convidou ela, alegremente.

O doutor deu um leve sorriso e sentou na outra poltrona, fitando o rosto inocente da garota.

– Então... Por que não veio mais as minhas consultas? – indagou ele.

– Porque eu estava cansada de ser verdadeira e sincera sozinha.

– Eu não estava mentindo.

– Talvez nas consultas você tenha sido verdadeiro. Mas fora daqui... É uma idiotice atrás da outra... Então me diga, doc... Como está suportando tudo isso e a si mesmo?

Wayne arregalou os olhos, sentiu a cabeça ficar entorpecida e sua boca começar a formigar.

– Quer saber como tenho tanta certeza de que está quase sempre mentindo para mim? Você pode até duvidar, mas eu fiz psiquiatria em Yale. – ela revelou – Sempre fui a aluna mais genial... Sempre com as melhores notas... Sempre com um futuro brilhante, até...

A garota ficou com uma olhar vazio e inexpressivo, lembrando do seu passado conturbado.

– Só faltava seis meses para terminar a faculdade. Mas eu nunca consegui me formar... O que quero dizer é que sempre vou saber... Sempre estarei um passo à frente, querido doc. Não importa o que faça... Apenas aceite isso. – concluiu ela.

O doutor estava surpreso com tudo aquilo, não esperava que Harleen fosse revelar algo de sua vida tão facilmente. Nunca tinha conhecido uma pessoa que andasse no limite da sanidade e loucura igual a ela. Nunca foi impulsivo por causa de uma mulher. Nunca tinha se interessado tanto por uma garota ponto de ficar “viciado”. Nunca tinha se apaixonado... Principalmente por uma paciente.

– E sabe o que acho, doc? – indagou ela – Eu acho que completo o que falta em você.

Wayne não conseguiu distinguir o que sentia naquele momento, mas queria muito ter aquela garota. Queria tanto que chegava a doer. Porém, parecia que Harleen não tinha percebido aquilo.

– Diz alguma coisa, doc. Estou falando e falando, e você está aí feito um idiota. – ela xingou, indignada e irritada.

– Você pode ter frequentado a Yale, e ser dona das melhores notas... Mas não sabe de tudo.

A moça fechou a cara, e quando abriu a boca para falar, Bruce se adiantou:

– Não estou dizendo que não estou interessado em você. Por exemplo agora... Eu estou me controlando loucamente para não pega-la aqui mesmo. – disse ele.

O que diabos estou falando?, o doutor pensou, desesperado.

Mas ele não conseguia parar de falar... Simplesmente não conseguia mais se controlar.

– Odeio o fato de Jack vim aqui no meu consultório só para falar que você é a propriedade dele. – continuou ele.

– Doc...

– Odeio ainda mais o fato de você não estar vindo aqui por causa da influência dele e do meu orgulho. E o que me dá mais raiva disso tudo é que tenho que honrar minha profissão, e por isso... Não posso toca-la.

Merda... Falei igual uma menininha revoltada..., Bruce xingou, indignado.

Ele olhou para Harleen – que estava extremamente surpresa – e suspirou, ajeitando as mangas dobradas de sua camisa.

– Bom... Esqueça que eu disse isso. Foi um impulso do momento... Não vai acontecer...

Mas antes do doutor terminar de falar, Harleen levantou rapidamente e avançou na direção dele – puxando-o pela gravata –, interrompendo sua fala com um beijo – que Bruce correspondeu no mesmo momento. Depois de alguns segundos, os dois se separaram e encararam um ao outro.

– Viu? Você deveria ter sido mais verdadeiro desde o começo. – disse ela.

– Mas você não pode...

– Sei que não posso. Por isso, a próxima vez... Vai ser você que tomará iniciativa. A consulta acabou... Até mais, doc.

Harleen sorriu, beijou o rosto de Bruce e saiu do consultório – deixando o doutor confuso e com o coração acelerado para trás.

Merda... Merda, merda, merda... Agora não consigo mais parar..., pensou ele, Preciso tê-la.



Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...