História Jovenzinho - Capítulo 1


Escrita por: ~

Postado
Categorias B.A.P
Personagens Bang Yongguk
Tags Bangão, Bap, Drabble, Eu Nem Sei Se É Centric, Jovenzinho
Exibições 41
Palavras 674
Terminada Sim
LIVRE PARA TODOS OS PÚBLICOS
Gêneros: Drabble, Lírica, Universo Alternativo
Avisos: Heterossexualidade
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas da Autora


que?? nem eu sei, mas obrigada por estar aqui mes amis

Capítulo 1 - Corre na frente do trem.


Apresento-lhe os motivos pelos quais Bang Yongguk é o meu garoto eterno. Longe de ser meu. Muito além de eterno.

Quando tinha só dezessete anos Yongguk tinha Les Fleurs du mal em um dos bolsos e o melhor jeans do falecido pai nas pernas. 

 Ele tinha autencidade nas pontas dos dedos e o céu era pintado em seus risos. Céu que ia além de azul, nuvens e um pássaro branco voando solitário. Sim, portões dourados, ruas de ouro, seres de asas e uma boa sinfonia de Bethooven no fundo. Coisas assim.  

 E, Yongguk era bonito, tanto quanto um príncipe, embora seu cabelo fosse preguiçoso e a gravata do uniforme escolar sempre frouxa revelasse sua magreza quase excessiva. Bonito, tão bonito que nas tardes de verão difundia-se com a luz do sol, alcançando meus pés e corpo, aquecendo-os com seu pequeno coração, tão doce, fazendo-me entender que a vida deve ser bem mais que mornidão. 

 E seu andar era gracioso e sua jornada pela terra era mais como uma dança maluca e divertida de alguma música estúpida que todo mundo conhece, mas não sabe o nome.

Corria na frente dos trens e tinha uma coisa toda tão certa.

A felicidade o fazia chorar. Perguntei-lhe se sabia disso e ele chorou bonito de novo.

 E Yongguk queria ser eterno, ele sabia que a certeza de um adeus fazia a jornada ainda mais difícil e dura. Não que nós dois precisássemos ser eternos, não, ele tinha de ser. Suas mãos eram delicadas demais para desaparecem como o melhor jeans de seu falecido pai, elas carregavam a glória da vida e da juventude.

Mas um dia eu lhe disse, consciente como não gostaria de ser, pois, embora fosse forte Yongguk ainda era pequenininho demais (tanto que cabia na palma das minhas mãos). Não se engane, menininho. Sua vida vai desaparecer assim como o melhor jeans do seu falecido pai. 

 E ele me perguntou 

 Você acha que um jeans azul pode deixar o céu ainda mais azul, mon bonbon? 

 E eu respondi que sim. 

 Assim como ele deixou minha vida ainda mais branca, porque, mesmo que garotos como Yongguk carreguem consigo toda uma áurea fantasticamente melancólica há algo realmente lindo nos lapsos de alegria revelados em seus olhos apertados e jovenzinhos, algo parecido com paz.

E Yongguk me deixou descobrir que cuidar das pessoas nos momentos bons pode ser mais trabalhoso do que cuidar nos momentos ruins, mas também mais gratificante quando as vê andando mais despertas, sem nem olhar pra trás.

E Yongguk me ensinou que embora sua ingenuidade e seus sentimentos fossem sinceros ele nem me amava tanto assim. E eu amei até isso. Era um bom menino, afinal. Comparava sexo com dança ao luar, piegas, mas, bem...

 Então, antes de desaparecer como o melhor jeans de seu falecido pai, deixando o céu azul ainda mais azul (acho que ele nem gostava dessa cor), Yongguk me ensinou, que, apesar de ser um garoto conflituoso

 Existem as nuvens e as folhas amareladas das árvores no outono

 Existe um outubro de céu rosa onde você sente saudades das pessoas mais excêntricas e desconcertantes

 Existem momentos onde você precisa entender que nem tudo pode ser seu

 (E tudo bem)

 Existem risos que ecoam por toda uma vida

 Existem os chocolates da loja de conveniência perto do colégio que são os piores do mundo

(Nunca os compre)

 E que também existe paz. Paz dentro de um garoto conflituoso que sonhava com a eternidade.

E eu queria poder viver dentro de Yongguk, sabe? Ou então 

 Eu queria poder comer todos esses tumores que destroem sua vida e fazê-lo eterno. Muito mais do que uma lembrança, Yongguk. 

 Ou você vai ter uma bela dor de barriga ou... Ei, eles não destroem a minha vida. 

 E eles de fato não destruíram, garoto eterno. Porque eu estava enganada, você nunca foi como o melhor jeans do seu falecido pai.

Você não pintou o céu de azul.

Você o pintou com cores ainda mais fantásticas e fez de sua dança pela terra, lembrança eterna e palpável. 


Notas Finais


ele morreu, tá? acho que preciso dizer pq tá confuso e eu fiz no meu horário de almoço kjdfjkdfh


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...