História Junto e misturado, nova geração. (HIATUS) - Capítulo 18


Escrita por: ~

Postado
Categorias ASTRO, Bangtan Boys (BTS), Black Pink, Got7, Monsta X, Seventeen, UNIQ
Personagens Cho Seung Yeon, Eunwoo, Hong Jisoo "Joshua", I'M, Jeon Wonwoo, Jimin, Jin, Jinyoung, Jisoo, Joo Heon, Jungkook, Ki Hyun, Kim Mingyu, Lee Jihun "Woozi", Lisa, Mark, Moonbin, Soonyoung "Hoshi", Suga, V, Wang Yibo
Tags Astro, Binwoo, Blackpink, Bts, Eunwoo, Hoshi, Jikook, Jimin, Jinyoung, Jisoo, Jooheon, Jookyun, Jungkook, Kihyun, Lisa, Mark, Markjin, Meanie, Mingyu, Monsta X, Seventeen, Soonhoon, Suga, Wonwoo, Woozi
Visualizações 124
Palavras 2.101
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Colegial, Comédia, Crossover, Drama (Tragédia), Escolar, Famí­lia, Festa, Lemon, Romance e Novela, Shoujo (Romântico), Violência, Yaoi
Avisos: Álcool, Bissexualidade, Heterossexualidade, Homossexualidade, Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 18 - Fadas e bosques.


Fanfic / Fanfiction Junto e misturado, nova geração. (HIATUS) - Capítulo 18 - Fadas e bosques.

Jihoon Pov’s

Jihoon: Não pega ai. – Ele riu. – To falando sério, não pega. – Ele nem me deu atenção, desceu a mão novamente e dessa vez por dentro da minha cueca. Tirei a mão dele e o fitei.

Hoshi: Eu quero... – Fez biquinho. – Deixa...

Jihoon: Não... – Beijou meu pescoço em seguida me beijou, pousei minha mão em seu membro e ele já estava excitado. – A gente devia parar. – Negou com a cabeça e se encaixou entre as minhas pernas, eu estava sentado com as costas na cabeceira.

Hoshi: Você quer parar? – Neguei. – Então deixa... – Pediu manhoso apertando meu membro.

Jihoon: Seu pai vai me matar, ou melhor, vai me matar e comer os restos no jantar. – Ele sorriu e enfiou a mão dentro da minha cueca.

Hoshi: Ele nem vai saber... – Mordi os lábios e gemi baixinho com seus movimentos. Ele me beijou, gemi entre o beijo e ele parecia se divertir com aquilo. – Amor eu quero tentar os dois. – Arregalei os olhos e ele sorriu passando a língua nos meus lábios.

Jihoon: Os dois...?

Hoshi: Aham. – Tirei sua mão e o empurrei na cama ficando sobre ele.

Jihoon: Isso não vai prestar. – Ele riu.

Hoshi: Eu quero que você me foda...  – Eu nunca pensei que ouviria ele falar “foda” algum dia. – E quero te foder também. – Mordeu os lábios apertando minha bunda. Avancei em seus lábios e em menos de um minuto estávamos ambos de cuecas apenas.

Fiz questão de marcar cada parte do corpo dele, olhei seu volume e em seguida o olhei. Tirei a cueca dele e abocanhei seu membro, em alguns segundos eu já podia ouvir seus primeiros gemidos, passei a língua em sua entrada e ele mordeu os lábios contendo os gemidos mais altos. Quando penetrei um pouco a língua, ele se apoiou no antebraço e tirou o cabelo dos meus olhos.

Hoshi: Woozi... – Saiu como um gemido, senti meu membro pulsar só com isso e me ajoelhei na cama ao lado dele, apoiei uma mão no colchão e fiz um caminho com a língua até seu membro novamente, da entrada, até a cabecinha, parei um pouco para gemer quando ele enfiou a mão por dentro da minha cueca, mas logo voltei a chupá-lo. – Vem aqui... – O olhei e logo entendi o que ele queria, tirei minha cueca e fiquei sobre ele, senti sua língua passear pelo meu membro, o masturbei e ele as vezes afastava a boca para poder gemer.

Penetrei a lingua diversas vezes enquanto o masturbava e dando pequenas pausas para que ele não gozasse tão cedo. Quando penetrei um dedo nele, ele passou a lingua na minha entrada, gemi e o olhei por baixo, parei um pouco o que estava fazendo e tive a cena maravilhosa dele penetrando a lingua em mim enquanto me masturbava.

Mexi o dedo dentro dele e penetrei mais um, o que o fez gemer. Mordi os lábios, estava quase gozando, então ele parou um pouco de me masturbar e ficou apenas penetrando a lingua. Meus dedos saiam e entravam nele no mesmo ritmo que sua lingua saia e entrava em mim, endireitei não contendo alguns gemidos altos e ele pegou minha mão conduzindo para meu membro, apoiei uma mão em seu peito e a outra me masturbei, quando ele viu que eu ia gozar, segurou minha mão e penetrou a língua uma última vez antes de sair debaixo de mim e ficar de joelhos na minha frente.

Avancei em seus lábios enquanto sentava, ele colocou uma perna de cada lado do meu corpo e sentou lentamente no meu membro, parando as vezes com uma careta fofinha.

O observei sentando e ele me olhou, corou e eu dei um selinho nele.

Jihoon: Porque está corado? – Ele não respondeu, me abraçou pelo pescoço e quando ele estava totalmente sobre meu membro, o virei na cama ficando entre suas pernas, ele continuou com o rosto escondido, mas não deixou de pedir para eu começar.

Comecei a estocar lentamente para ele se acostumar, lembrei do que meu pai falou e não tive pressa alguma até ele pedir por mais, em alguns segundos ele colou os lábios no meu ouvido e gemeu em sinal de que queria mais. Apoiei as duas mãos no colchão e comecei a estocar mais rápido e mais fundo enquanto deixava seu pescoço todo marcado.

Ouvi um gemido mais alto que os demais e sorri me aproximando de seu ouvido.

Jihoon: Amor você é tão apertado... – Ele mordiscou minha orelha, segurou minha corrente do pescoço e me afastou um pouco para me olhar. Estava corado, com a boca entreaberta e os olhos cerrados.

Hoshi: Sou? – Ri e o beijei, espasmos de prazer percorreu por todo meu corpo e logo eu gozei dentro dele, afastei um pouco nossos lábios e gemi um tanto arrastado. Sai de dentro dele e segurei meu membro, ele o pegou e passeou a mão por ele enquanto eu liberava mais alguns resíduos.

Sentei na cama controlando minha respiração e o olhei, não sei se ele estava corado de vergonha ou cansaço.

Jihoon: Vem... – O chamei com o dedo e ele sorriu se aproximando.

Hoshi: Fica de quatro pra mim amor? – Pediu enquanto me beijava.

Fiquei de quatro na beirada da cama e ele passou a mão na minha bunda, parou na minha entrada, me deu um dedo para chupar e logo penetrou. Senti outro me invadir e se chutaram que doeu, sim, doeu.

Hoshi: Ta doendo? – Olhei levemente para trás e ele olhava para a minha bunda, seus cabelos estavam caídos sobre os olhos e logo ele me olhou.

Jihoon: Não. – De fato, o desconforto havia passado um pouco. – Esquece... fode logo. – Ele me olhou sorrindo maliciosamente, virei para frente e passei a mão nos cabelos, logo senti seu membro entrar lentamente, ele gemeu, um gemido cheio de prazer, fiz uma careta e o olhei.

Hoshi: Se eu soubesse que você é tão gostoso assim teríamos feito antes. – Ri e em poucos segundos, ele estava totalmente dentro de mim. – Você ta vermelho.

Jihoon: Vai lento pra eu me acostumar. – Ele começou, demorou alguns minutos para me acostumar, mas logo o olhei, rebolei levemente em busca de mais e ele entendeu.

Segurou minha cintura com as duas mãos e começou a estocar um tanto mais forte, aos poucos a velocidade foi aumentando, meus gemidos eram misturados com os dele e ecoavam pelo quarto. Olhei pra ele e o mesmo estava de cabeça baixa, mordendo os lábios e fitando seu membro entrando e saindo, ele o tirou totalmente e se curvou chupando minha bunda, passou a lingua na entrada e penetrou umas três vezes antes de substituir pelo seu membro que me invadiu rapidamente.

Não demorou para ele atingir minha próstata e eu o olhar pedindo por mais, me empurrou na cama em um movimento rápido e ficou entre minhas pernas, encaixou e me beijou enquanto estocava rapidamente com certeza procurando minha próstata novamente, não demorou, dei um gemido alto entre o beijo e ele sorriu da forma mais safada que conseguia.

Hoshi: Que delicia de gemido. – Atingiu novamente só pra me ouvir gemer de novo e mordeu os lábios. – Geme de novo assim vai... – O olhei e ele atingiu novamente.  – Que gostoso amor.

Jihoon: Para de brincar comigo. – Sorrimos, ele me beijou estocando mais rápido e mais forte.

Em alguns segundos ele gozou parando aos poucos as estocadas enquanto olhava para baixo, então saiu totalmente de dentro de mim.

Ele estava vermelho e sabia que eu não estava diferente, deitou exausto do meu lado e controlou a respiração aos poucos.

Hoshi: Podia transar com você toda hora. – O olhei.

Jihoon: Ainda não me acostumei com esse seu lado pervertido.  – Ficamos em silêncio.

Hoshi: Amor...

Jihoon: Hm? – Respondi de olhos fechados. – Já fez 69 antes?

Hoshi: Já... – Senti seus lábios no meu pescoço. – Com aquela menina? – Assenti. – Foi bom?

Jihoon: Você foi melhor.

Hoshi: Como você sabe tanta coisa? – Deitou no meu peito e eu puxei o lençol sobre nós.

Jihoon: Meu pai já falou comigo sobre isso quando eu tinha 15 anos.

Hoshi: Suga? – Assenti e ficamos em silêncio apenas sentindo a presença um do outro. – Vamos tomar banho? – Eu já estava quase dormindo.

Dia seguinte

Wonwoo Pov’s

Wonwoo: Que férias bosta, na moral.

Tae: Nem fale. – Estávamos todos jogados no tapete da sala da lareira.

Lisa: A gente podia fazer alguma coisa.

Joshua: Woozi eu e o Yoli pode brincar no jardim? – Ouvi ele gritar do andar de cima.

Jihoon: Pode, mas fique longe dos sprinklers!

Jisoo: Taehyung você poderia falar de você né? Já que não sabemos quase nada.

Tae: Como assim não sabem quase nada?

Mingyu: Bom... você é adotado, certo?

Tae: Sim... – Ele pareceu desconfortável. – Quando nasci meus pais me deixaram no hospital.

Lisa: Porque?

Tae: Por eu ser menino. – O olhei.

Wonwoo: Espera, ta me dizendo que você passou pelo mesmo que meu pai e seu pai passaram?

Tae: Sim, apesar de não lembrar, um dia eu perguntei para os meus pais onde os meus pais biologicos estavam.

Seokjin: E o que disseram?

Tae: De inicio desconversaram, mas depois acabaram abrindo o jogo afirmando que não sabiam e que era um assunto complicado... Perguntei porque e meu pai começou mais ou menos assim “você se lembra da história que te contei?” ai eu falei “dos dois coelhinhos que se perderam do papai coelho?” ai ele assentiu.

Jisoo: Que história?

Wonwoo: Meu pai me contou essa história quando eu era pequeno, antes de dormir, era mais ou menos assim:

“Era uma vez um papai e uma mamãe coelho, então eles tiveram dois coelhinhos e ficaram muito felizes com isso. Um dia os caçadores invadiram a toca dos coelhos e o papai coelho saiu para enfrentar os caçadores e leva-los para longe da família dele. Mas isso custou caro, os dois filhotinhos ficaram com a mamãe coelho esperando ansiosamente o papai deles voltarem, mas ele nunca mais voltou, eles se perderam do papai e nunca mais o viram. Mas a mamãe deles cuidou muito bem deles, ela deu amor, carinho, igual a mim quando dou amor há você. Eles cresceram, desconfiados as vezes com relação aos outros animais da floresta, mas um certo dia eles conheceram alguns amiguinhos que mudaram a forma deles verem o mundo, eles os ensinaram que nem sempre eles vão se perder dos animais, porque quem os amam de verdade, jamais permitiria que se perdessem no mundo”

Lisa: E depois?

Tae: Eles me contaram outra história.

Hoshi: Qual?

Tae: " Era uma vez, em um bosque encantando, uma flor mágica desabrochava e dava a existência uma nova fadinha. Essa fadinha, como todas as outras, ficou um tempo no caule da flor para se acostumar com suas novas asas, mas enquanto ela estava no seu tempo, guardiões de um reino vizinho invadiram o bosque e destruíram tudo que um dia fora bonito, sobrando apenas aquela fadinha, escondida perto do caule da flor que dará luz a ela. Ela ficou sozinha, a última fadinha do bosque, acabará de nascer e não teria outras fadas para lhe ensinar as coisas necessárias. Então, em um belo dia, passarinhos que andavam por ali a encontraram e decidiram ensinar-lhe como ser uma fada, pois as fadinhas eram amigas dos passarinhos. Essa fadinha cresceu e reconstruiu todo o bosque das fadas, com pó mágico ela formou novas flores mágicas que deram luz a novas fadinhas." No início não entendi direito, mas depois fui entender que a fada era eu, as flores mágicas eram os médicos e os guardiões eram meus pais.

Wonwoo: Seus pais...?

Tae: É... tipo, os guardiões destruíram o bosque, meus pais “destruíram” – Fez aspas com os dedos. - ...meus sentimentos quando me abandonaram.

Jisoo: Ainda não entendi.

Jihoon: Michael Jordan, você é loira e não sabíamos? – Rimos.

Hoshi: O que eles quiseram dizer é: Os pais dele abandonaram ele no hospital, com isso magoaram ele, ou seja, destruíram os sentimentos dele, os guardiões destruíram o bosque, o bosque é os sentimentos dele.

Jisoo: E o que tem haver a fada reconstruir o bosque?

Seokjin: Louvado seja o criador dos cream cracker.

Lisa: Larga de ser burra Jisoo, os passarinhos são nossos tios que ensinaram a fada, no caso o Tae, a sentir novamente, ajudaram ele a reconstruir seus sentimentos.

Jisoo: Ah, agora entendi. – A fitamos. – Era mais fácil terem dito que ele foi abandonado, do que contar uma história.

Mingyu: Ele era uma criança, inteligência rara.

Jisoo: E você entendeu na hora?

Tae: Não.

Jisoo: Viu? Pra que contar uma história? – Batemos nas próprias testas com a mão.

Mingyu: Desisto.

Levantamos e saímos da sala deixando ela lá sozinha refletindo sobre a história.


Notas Finais


Na vida eu sou a Jisoo kkkkkkkkkkkkkkkkk'

Ficou curto, mas é pq estou sem tempo, pretendo atualizar as outras histórias hj, já que estão sem atualização, por isso ficou curto.

Peço desculpas, mas por favor, sejam pacientes, minha vida está mt corrida :')

Um beijo no core e um cheiro no cangote <3


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...