História Juntos Pelo Acaso - 2 - Capítulo 11


Escrita por: ~

Postado
Categorias Once Upon a Time
Tags Lana Parrilla, Once Upon A Time, Rebecca Mader, Romance, Sean Maguire, Seana
Exibições 140
Palavras 5.457
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Comédia, Drama (Tragédia), Famí­lia, Ficção, Romance e Novela
Avisos: Insinuação de sexo, Linguagem Imprópria, Nudez, Sexo
Aviso legal
Alguns dos personagens encontrados nesta história e/ou universo não me pertencem, mas são de propriedade intelectual de seus respectivos autores. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos criada de fã e para fã sem comprometer a obra original.

Notas do Autor


Gente, eu não abandonei a fic tá? Eu andei muito atolada de coisas no último mês e não deu pra atualizar, mas agora eu vou recomendar a demora com um capítulo bem grande ❤
Espero que gostem!

Nanda!!! Meu presente pra você!!! O que vc pediu eu vou por em um dos próximos capítulos tá? Bjoo

Capítulo 11 - Vestidos, flores e hambúrgueres


Fanfic / Fanfiction Juntos Pelo Acaso - 2 - Capítulo 11 - Vestidos, flores e hambúrgueres

[Lana]

Um sol lindo lá fora. Os raios de sol batiam na janela e atravessavam por alguns vãos da cortina que não estava bem fechada. Alguns desses raios caiam sobre o rosto do Sean, o qual ainda dormia feito pedra. Eu já estava de pé, pois não conseguia me ajeitar na cama devido ao fato de estar inquieta hoje. Como ainda era cedo eu levantei o mais lento possível para não acorda-lo, já que ontem ele teve um dia cheio  e quando chegou em casa a Bia despejou toda a energia que ainda tinha sobre ele, o cansando muito.
Um dos motivos de estar inquieta era porque durante parte da manhã e da tarde iriamos tratar sobre alguns detalhes do casamento que ainda faltavam ser resolvidos e um deles é o meu  vestido de noiva e o vestidinho de aia da nossa princesa. A data está marcada para aqui mais ou menos um mês, então tudo tinha que ser feito o mais rápido possível. Depois que o Sean fez o pedido de noivado ele me questionou se eu preferia casar antes do nosso bebe nascer ou se eu queria esperar mais alguns meses, eu respondi que queria casar antes do nascimento. O aniversário da Bia é em Maio, então marcamos a data no mês de Abril, já que depois dessas datas  tudo o que eu queria era poder descansar e me cuidar nos últimos meses de gravidez. Decidido sobre a época do casamento nos começamos a dar jeito nos preparativos, apesar de optarmos por uma cerimônia mais simples ao ar livre Sean queria que tudo saísse do jeito que eu sonhava. E agora que falta eram detalhes que deixará tudo mais especial.

Então, assim que levantei e dei uma esticada no corpo fui vestir o meu roupão. Dei uma olhada no relógio antes de sair do quarto e ele marcava 8:20 da manhã, como o Sean e eu só temos compromissos as dez e meia eu ia deixar que ele dormisse um pouco mais. Assim que deixei o quarto fui ver se a Bia já estava de pé e por um milagre ela ainda estava no mais profundo sono, agradeci por isso mentalmente. Parece que só eu resolvi acordar mais cedo hoje. Deixei os dorminhocos no andar de cima e desci comer alguma coisa para depois organizar meus compromissos de hoje. Aproveitei que estava tudo calmo e quieto e passei um café para o Sean tomar assim que levantasse e exprimi algumas laranjas para fazer um suco. Fiz umas torradas e me sentei na ilha com a minha agenda em mãos. Agora pela manhã iremos pegar os convites que ficaram prontos e pela tarde seria uma das ultimas provas dos vestidos, já que a data se aproximava com muita rapidez. Como eu não quero que o Sean veja nossos vestidos antes da cerimonia eu convidei a Emilie para ir conosco no atelier.  Terminei o meu café e me lembrei também  que em breve é o aniversario da Bia, e como não queremos festas muito grandes ela vai ser em casa, para não ter tanta correria com preparativos.

- O que faz acordada tão cedo? – recebi um beijo carinhoso no topo da cabeça enquanto eu ainda estava sentada de costas para ele lendo algumas coisas no celular. É quase impossível não reconhecer de quem é o beijo que recebi.

- Perdi o sono – dei um sorriso ainda sem me virar e assim que meu olhar encontra o dele eu dou mais um sorriso e me levanto para dar um beijo nele também. Observo que além do Sean já ter acordado a Bia está no seu colo bocejando por recém ter despertado  – Achei que você dormir um pouco mais

- Achou que eu não iria sentir sua falta na cama? Não tem graça dormir sozinho – fez cara de coitado e deu uma risada no final. A Bia estava com a cabecinha deitada no seu ombro com a maior preguiça, tanto que nem fez nenhum alarde ao me ver.

- Faz sentido – dei de ombros e ri da sua cara – mas você podia ter ficado mais um pouco deitado – sorri enquanto fazia carinho na barriga da Bia para ver se ela terminava de acordar – essa mocinha não vai da bom dia para a mamãe? – ela virou um pouco o rostinho para mim

- “ dia mamain” – falou com a voz ainda sonolenta e estendeu os bracinhos para que eu a pegasse no colo

- Quanta preguiça, meu deus – assim que colei ela no meu corpo ela se aninhou da mesma maneira que fez com  Sean – você que acordou ela? – perguntei para o Sean que nos olhava com a maior cara de bobo

- Na verdade, ela já estava sentada na cama quando eu passei no quarto dela, então resolvi trazer a espertinha para tomar a mamadeira – coçou a cabeça e aproximou seu rosto da cabecinha da Bia para lhe dar um beijo

- tudo bem – aproveitei que seu rosto estava perto e dei mais um caloroso beijo – como eu estava sem ter o que fazer eu já deixei o café pronto para você – virei-me para a ilha e mostrei a ele o café que estava na térmica e as fatias de pão com geleia que ele gostava – não é nada comparado ao que você faz – brinquei e fui colocar a Bia no sofá para que eu pudesse esquentar a mamadeira dela .

- “ delenho mamain” – apontou para a tv depois de se deitar no sofá. Liguei a tv então e coloquei no canal de desenhos que ela gostava. Parece que assim que os personagens apareceram na tela a preguiça começou a ir embora.

- Lana, que horas temos que sair? – Sean perguntou enquanto lia o jornal e bebericava o seu café sobre o balcão da cozinha

- Saindo as dez eu acredito que dá tempo de irmos até a gráfica pegar os convites, o que acha? – coloquei o leite no micro-ondas para esquentar e sentei ao lado dele

- Ótimo, depois podemos sair almoçar e assim já ficamos perto do atelier para minhas mulheres experimentarem seus vestidos, pode ser? – perguntou tomando um gole do café e mirando os meus olhos com muita paixão, tanto ele quanto eu estávamos muito felizes por tudo estar dando certo com nosso casamento.

- Pode ser, mas sobre a prova...bem...eu sinto em dizer que você vai ter que ficar de fora dessa, meu amor – levantei rapidamente para pegar o leite que já tinha esquentado. Eu sei como o Sean estava doido para participar, mas eu não posso deixar dessa vez. Peguei o leite e me virei de volta para ele meio sem jeito, segurando para não dar risada.

- Você só pode estar brincado! Quer que eu veja no dia do casamento? – ele soltou o jornal e a xícara sobre o balcão e me olhou indignado com a possibilidade de eu estar falando sério.

- Sinto muito, mas se você ver antes vai perder toda a graça. E pode ter certeza que eu não vou mudar de ideia! – arrumei a mamadeira e fui para o lado dele dar um beijo de consolação

- Isso é maldade! Vou ser o noivo mais curioso desse mundo! – cruzou os braços e virou o rosto – nem adianta vim com beijinhos!

- Quanto drama! Azar o seu! – me virei para ir dar a mamadeira para a Bia, mas assim  que eu dei o primeiro passo ele me pegou pela cintura e me faz cair sentada no seu colo – Achei que não queria saber de mim – cruzei os braços e virei a cara assim como ele fez anteriormente, mas sua mão passou pelo meu rosto e levou ele ao encontro do seu. Seus lábios tocaram os meus e nossas línguas se cruzaram rapidamente até o momento em que ouvimos um resmungo vindo da sala ao lado.
- Vou pensar seriamente se ainda quero casar com você! Agora vou dar atenção para a nossa preguicinha – fiz piada com ele e dei  uns tapinhas na sua perna depois de levantar, ele riu demais do que eu falei. Fui até a sala e dei a mamadeira para a Bia – Você sabe o que vamos fazer hoje? – sentei ao seu lado e ela se aninhou perto de mim

- “ nhaum” – falou com a mamadeira ainda na boca

- Você e eu vamos provar nossos vestidos para o casamento da mamãe e do papai – fiquei fazendo carinho nas perninhas delas e a observar ela sugando o leite.

- “vetido?” – tirou a mamadeira da boca e olhou bem para mim, com um olhar meio confuso. Ela já tinha ido comigo tirar as medidas e experimentar a base do vestido, mas ela não tinha entendido bem o que seria aquilo – “ pincesa?” – falou com os olhos brilhando, ela deve ter feito referencia aos filmes de princesa que ela assistiu.

- Isso meu anjinho, nossos vestidos de princesa! – quase derreti com a referência dela e a abracei com muita força e coloquei ela entre minhas pernas para que eu pudesse enche-la de beijos – agora vamos nos trocar, para as princesas poderem ir por os vestidos! – levantei do sofá com ela em meus braços e fui até a cozinha propor algo para o Sean – Então, para você não se sentir excluído, o que acha de nós três sairmos para jantar hoje à noite? – cheguei por trás e o Sean estava terminando de lavar a  louça

- A ideia parece ser bem interessante, acho que vou aceitar a proposta! – pensou por um momento, secou as mãos e deu um belo sorriso para nós duas - agora eu acredito que devemos tomar banho, se não quisermos nos atrasar! – observou o relógio

- Amo vocês! – dei um abraço nele e mais um beijo em agradecimento – concordo, eu vou subindo dar banho nela e depois vai você – coloquei a Bia no chão, pois ela estava pesada e fomos de mãos dadas lá para cima nos arrumar. Até que não demoramos tanto e em seguida nós duas estávamos vestidas e cheirosas, prontas para sair. Coloquei uma calça jeans, uma blusa branca na Bia e um laço delicado no seu cabelo, já eu vesti uma saia preta e uma camisa bege e apenas escovei o cabelo. Enquanto o Sean se arrumava eu fiquei brincando de boneca com ela, essas brincadeiras rendiam altas risadas.

[...]

- Certo, primeiro vamos para a gráfica pegar os nossos convites, depois podemos passar na florista escolher as flores, almoçamos e por ultimo você nos deixa no atelier onde vamos encontrar a Emi – revisei todos os compromissos que temos durante o dia, durante o tempo que o Sean  manobrava e pegava a rua para irmos até o centro.

- já entendi – Sean deu risada, pois eu já falei a mesma coisa varias vezes desde ontem – vamos fazer tudo direitinho – olhou para mim – Já falei com o pessoal do som e das luzes e com eles está tudo acertado e também chamei o Josh e o Colin para serem meus padrinhos .

- Ok, obrigada meu amor! – fiz carinho na mão dele que estava sobre a direção – eu escolhi a Ginny e a Emi para madrinhas, você nem imagina a alegria delas quando as convidei. Se a Rebecca estivesse aqui ela teria tido um ataque – movimentei as mãos enquanto eu contava sobre elas, mesmo falando sobre a Bex eu não fiquei tão triste, pois sei que ela ia querer-me ver alegre nesse momento.

- Imagino, os rapazes ficaram bem contentes também -  Sean foi andando devagar em busca de uma vaga para estacionar – pronto, chegamos! – soltou o cinto e virou para mim

- Vamos então – dei um selinho nele e fui abrindo a porta para descer.  Sean tirou a Bia do carro e deu a mão para ela para atravessarmos a rua – Bom dia, viemos buscar nossos convites de casamento, estão no nome de Lana Parrilla e Sean Maguire – pedi para a atendente

- Ansiosa para vê-los? – Sean perguntou

- Curiosa para ser mais exta – rimos em coro

- Aqui estão senhora. Oitenta convites em seus nomes – a moça nos entregou uma caixa onde todos estavam dentro – Vocês querem dar uma olhada?

- Sim, por favor! – respondi animada. Ela então abriu a caixa com cuidado e retirou um dos envelopes de dentro. Ele tinha um formato levemente retangular. O envelope era feito de papel Kraft linhão e nele tinha um brasão com nossas inicias impressas. O convite feito com um  papel cartão na cor branca e o texto impresso com relevo  num tom de marrom. E para fechar havia um cordão encerrado. Escolhemos esse modelo por ser algo mais rustico que iria combinar com a cerimonia no campo – Ficaram perfeitos! – meus olhos brilhavam

- Exatamente como você queria! – Sean ficou contente por eu ter gostado e assim como eu, ele também havia gostado muito da escolha – vamos entregar o mais breve possível, pois o pessoal já esta nos cobrando – ele riu e a Bia riu junto mesmo sem entender. A risada deles combinada era uma delicia de se ouvir.

- Verdade! Agora temos que ir ver as flores! – falei para o Sean – Muito obrigada! O trabalho de vocês foi incrível! – agradeci a moça e acertei os valores com ela  - Bem, como nossa lista é curta e já esta pronta, em breve vamos poder entrega-los.

- Quero que essa data chegue logo para mim poder dizer que você é minha esposa – lá vem ele com seus momentos de romance que me deixam boba. Sean assim que saímos da loja me da a mão e me beija com carinho.

- E eu para dizer que você é meu esposo – retribui seu carinho e fomos para o carro. A floricultura ficava meio longe, então demoramos um pouco até chegar. Durante o caminho ficamos brincando com a Bia e trocando algumas ideias sobre a festa. O Sean não se cansava de dizer que o que eu quisesse teria na festa, mas às vezes eu gostava de ter a opinião dele sobre alguns detalhes.

- Bom dia, o que vocês desejam? -  o vendedor nos questionou

- Bia! Não pode mexer nas flores! Está bem? – Sean deu o  aviso para ela

- “ceito!” – deu um sorrisão para o pai e ficou de mãos dadas com ele – “ muntão di foir!” – Bia estava impressionada com a quantidade de buques e arranjos a nossa volta

-  Vim escolher as flores do meu casamento, a minha decoradora deve ter avisado vocês,eu acredito – falei, e fiquei dando uma olhada nos buques que tinham a minha volta

- Ah claro! Lana, não é? – deu um sorriso simpático

- Isso! – respondi

- Você já tem alguma preferencia, ou quer da uma olhada em alguns tipos de flores? – começamos a andar e a olhar as variedades de flores que estavam expostas

- Na verdade já tenho algumas ideias, eu gostaria de algumas gérberas, margaridinhas, gardênias, bocas de leão e tulipas são as quais eu tenho preferência, assim como alguns arranjos mesclando algumas delas. – fiz uma lista do que eu gostava e o rapaz ia anotando no pedido, antes de escolher eu pesquisei quais eram ideais para um casamento na primavera e que combinavam com o casamento no campo  - Tudo bem para você Sean?

- Meu entendimento sobre flores e bem vago, mas vindo de você eu acho que são ótimas escolhas! – sorriu meio sem jeito enquanto mostrava algumas flores para a Bia, que estava impressionada com as cores e tipos.

- Certo, vou falar com a decoradora sobre suas preferências e em seguida eu farei o pedido. Se não me engano eu devo ter a data de vocês na minha agenda. Pode ter certeza que terá as mais belas flores na sua festa! – anotou algumas coisas e voltou a falar conosco

- Muito obrigada! – agradeci gentilmente. O perfume das flores estava me deixando meio enjoada, então não demoramos muito ali dentro.

- Podemos ir almoçar agora? Alguém deve estar com fome – Sean apontou para a Bia que estava comportada ao lado dele.

- Vamos agora! Além de dela, tem duas pessoas aqui que também estão! – coloquei a mão sobre a minha barriga e sorri para eles

- Então vamos logo! – Sean riu e me abraçou pela cintura. Iriamos almoçar ali perto então fomos de a pé os três juntos. No caminho fomos jogando conversa fora e  erguendo a Bia no ar, o que a fez rir muito – você ainda quer casar comigo né? – ficou mexendo na aliança e rindo discretamente

- é claro que sim! – dei risada e peguei na mão dele – essa foi a melhor decisão que eu tomei! – nos beijamos e escutamos um resmungo

- Fazia tempo que ela não reclamava dos nossos beijos! – deu risada e fez cócegas nela que estava sentada na nossa diagonal

- Isso deve ser ciúmes – dei um beijo na testa dela e fiz coceguinhas no pescoço dela, desde bebê ela tem muita sensibilidade nessa região

- “ ain, ain” – deu altas gargalhadas, o que chamou a atenção de algumas pessoas nas mesas ao lado – “ qué doce” – pediu depois de recuperar a respiração

- Primeiro você vai comer tudo o que tem no seu prato, depois você pode ganhar doce! – Sean foi bem firme com ela e até fez alguns gestos com o dedo, as vezes era difícil ser meio duro com ela e eu sentia que o Sean não gostava muito disso.

- “ ah” – resmungou – “ ta bum, papain” – fez beicinho, mas concordou com a ordem do pai.

   Almoçamos com tempo e ficamos conversando sobre o que faríamos a noite. Decidimos ir a um local onde reunia vários food truck , desde os que vendiam comida saudável até os que vendiam doces.  Era um lugar novo e que queríamos conhecer, preferimos um lugar mais descontraído para ter uma noite bem família e eu imagino que a Bia ia adorar, já que tinha uma área infantil pelo que havíamos visto na propaganda. Saímos do restaurante e Sean nos deixou no ateliê para encontrar com a Emilie.

- Boa tarde, tenho um horário agora para experimentar o meu vestido de noiva e o de aia da minha filha – cheguei de mãos dadas com a Bia e fui até a recepcionista para que ela nos dirija até a sala de provas.

- Certo, a costureira já está no aguardo de vocês, podem passar – A moça nos recebeu e confirmou sobre o nosso horário. O ateliê era muito bem decorado, as paredes eram pintadas de marfim, havia flores em alguns vasos e havia algumas poltronas beges na recepção.

- Vou só aguardar a minha amiga que deve estar chegando – informei e sentei com a Bia nas poltronas para esperar a Emi.

- tudo bem – ela concordou e voltou a seus afazeres

- Está animada para por o vestido de princesa, meu amor? – A bia estava sentada no meu colo balançando as perninhas e eu abaixei o rosto para falar com ela

- “ pincesa ia” – falou enquanto brincava com os meus dedos

- A mais linda do mundo! – beijei o topo da cabeça dela e logo a Emilie já estava chegando para nos acompanhar.

- Lana! Desculpe o atraso – chegou correndo e com suas bochechas levemente rosadas. Ela se aproximou de nós para nos cumprimentar.

- recém chegamos também! – levantei e coloquei a Bia no chão – que bom te ver! – dei um abraço nela e um beijo.

- “ ti emii!!” – Bia correu para dar um abraço nela e seu abraço foi muito apertado pela careta que a emilie fez quando recebeu

- Olá princesa! – Emilie deu um beijo na testa dela

- Podemos ir? – perguntei

- Vamos indo! – ela concordou – estou animada para ver vocês em seus respectivos vestidos! – fomos entrando no local onde as noivas fazem as provas. Assim que entramos me deparei com os nossos vestidos expostos, prontos para que nos pudéssemos vestir e fazer os ajustes. Fiquei impressionada quando eu vi, agora ele já estava praticamente pronto. Da ultima vez que eu os vi, ainda faltavam ser costurados a renda e a espécie de cinto que ficava na cintura.

- você pode vesti-lo ali no provador e depois venha para ajustarmos -  a costureira me indicou e levou o vestido até lá para que eu vestisse. Eu estava deslumbrada com ele, era exatamente o que eu imaginei e agora que ele estava no meu corpo pude perceber que caiu muito bem em mim – Sua amiga pode ajudar a vestir a pequena?

- Vamos lá Bia! – Emilie entrou com ela no provador e acho que elas não tiveram muita dificuldade para vestir – prontinho! Você está linda! – ela ajeitou a saia

- Vocês podem subir naquele pedestal para eu poder fazer os ajustes – com a trena e alguns alfinetes na mão, ela me levou até ele.

- Estamos indo – sai do provador e a Bia saiu ao mesmo tempo do seu com a Emilie. Meus olhos ficaram fixos olhando para a minha ruivinha que estava linda no vestidinho, realmente uma princesa – vem cá meu anjo – estiquei a mão e ela pegou. Fomos as  duas de mãos dadas até o pedestal que ficava no meio de um espelho enorme em formato circular.

- Vocês estão lindas! Parecem duas princesas – Emilie estava um quanto emocionada vendo nossos vestidos, seus olhos tinha um brilho gigantesco e eles não tiravam o olhar da gente.

- Obrigada! – fiquei emocionada também ao ver meu vestido e ver a Bia no seu, fiquei nos admirando no espelho por um momento. Tudo parecia mais real dessa vez e de que o casamento não era um sonho – Viu meu amor, nos somos duas princesas! – falei com um sorriso bobo e os olhos marejados. A Bia estava incomodada com algumas flores que ficavam na gola do vestido, devia estar coçando e por isso ela não parava de se mexer.

- “ pincesa ia e pincesa mamain” – parou quieta por um momento e deu uma volta rápida com o vestido, fazendo a saia rodar. Ela parecia estar contente com a sensação de ser uma “princesa”.

- Minha princesinha! – me abaixei na altura dela tomando cuidado com o vestido e dei um abraço enorme. Tudo isso tem deixado meu emocional meio frágil, sendo difícil segurar algumas lagrimas.

- “ chola nhaum, ica feiz mamain” – Bia deu  o conselho da maneira mais fofa que se pode pensar, dando um beijo na minha testa e fazendo carinho no meu rosto.

- Mamãe está feliz! – dei outro beijo nela e fiquei de pé para a costureira poder fazer seu trabalho.

- Bem, como a sua barriga ainda vai crescer eu vou deixar sobrando um pouco mais de tecido nessa parte, e já que ele não vai ser justo, vai se adaptar muito melhor a mudança do seu corpo e vai se tornar mais confortável para você. Quanto à faixa logo abaixo do seu peito, ela não vai influenciar muito, mas vou deixar ela levemente folgada, mas antes da cerimonia você volta para podermos deixar ele no formato exato. E quanto ao comprimento, agora ele esta sobrando bastante, mas não será necessário tirar, pois ele vai encurtar quando sua barriga ficar um pouco maior – fez todas as medidas e previsões para o tamanho dele daqui a mais ou menos um mês. O modelo que eu escolhi era soltinho, pois não queria nada que pudesse apertar a barriga e prejudicar o bebê. Era também uma opção mais simples e delicada, as mangas curtas e com renda, uma espécie de cinto na cor perolada e a saia era lisa. Tanto a renda quando o corpo do vestido era branco, sendo o cinto um detalhe colorido. Como o casamento seria no campo, preferi esse modelo mais delicado.

- Tudo bem, vai ficar perfeito! – fiquei me admirando no espelho e movimentando o vestido para os lados. Estava tudo como eu sonhei.

- Quanto ao dessa mocinha, preciso ajustar a cintura e costurar as flores que faltam e diminuir um pouco do comprimento -  colocou um alfinete ajustando o comprimento e verificou mais alguns detalhes. O vestido de aia dela era um amor! A saia era creme e feita de tule com algumas flores brancas costuradas, a parte de cima era branca feita de um tecido mais liso e o decote levemente arredondado, com mais flores fazendo o contorno dele.

- Ela ficou linda! – Emilie falou – são duas princesas mesmo! – ficou nos admirando da cadeira que estava sentada

- Acha que o Sean vai gostar? – perguntei meio insegura a me olhar no espelho

- Acredite, ele vai se apaixonar mais ainda por vocês e conhecendo o jeito dele, ele vai se derreter todo quando entrarem no altar! – a segurança de suas palavras me deixaram mais tranquila e a ideia dele não gostar até saiu da minha mente.

- Está certa – sorri para ela. Achei uma graça da Bia rodando sem parar com o seu vestido, ela estava maravilhada com ele, e achando um máximo o movimento que ele fazia! A bex ia adorar ver a filha assim– Filha, cuidado com o vestido! – dei o alerta

- “ gila, mamain” – ela parou e me olhou com os olhos brilhando

- só uma vez! – avisei – um,dois e três.... – nos duas giramos ao mesmo tempo e nossos vestidos rodaram, fazendo a alegria dela. Confesso que foi uma sensação muito boa, que me fez imaginar a nossa dança – pronto filha, agora vamos tirar os vestidos.

- “ nhaum quer!” – ela cruzou os braços e fez cara de triste

- precisamos, para que essa tia – mostrei a costureira – possa terminar e gente ser as princesas mais lindas do reino, está bem? – peguei nas mãos dela

- “ pincesa mai lina?” – fez uma caretinha – “ tila intão” – ela concordou

- Isso, agora vamos tirar e ir ver o papai! – sai de mão dada com ela do pedestal  e voltamos para os provadores onde com a ajuda da Emilie nos trocamos. Agora sim estava quase tudo certo para o grande dia. Agradeci a Emilie por ter ido conosco e pegamos um taxi até em casa. Durante o tempo que passamos no transito a Bia dormiu no meu colo e nós duas fofocamos um pouco e eu contei mis detalhes sobre a festa e falei dos convites. O taxi nos deixou primeiro em casa e eu fui direto colocar a Bia na cama, para que ela estivesse disposta para sair conosco a noite.

[Sean]

Tanto a Bia quanto a Lana chegaram muito cansadas em casa, aconteceu que a Lana foi por a Bia para dormir e acabou dormindo junto com ela. Nem me atrevi a acorda-las e perguntar como foi a tarde delas, fiquei na sala vendo  TV e estudando alguns roteiros. As duas acordaram não faz muito tempo e a Lana foi tomar banho para sairmos. Eu já estava de banho tomado então fiquei responsável por dar banho na Bia. De banho tomado eu vesti um roupão nela, pois é certo que é a Lana quem  vai vesti-la. Enquanto a  Lana não saia do banho fiquei sentado na poltrona do quarto da Bia com ela no meu colo, ficamos abraçados para mantê-la quentinha.

- Como foi o dia de hoje? – ela estava toda enrolada e aninhada no meu colo, parecia até um bebê recém-nascido. Eu estava com meus braços envoltos das suas costas e na barriga.

- “mamain pincesa” – notei que seu olhar se iluminou

- Princesa?- fiquei surpreso e curioso com suas palavras. Por um instante fiquei imaginando a Lana em um vestido branco, caminhando no altar até o meu encontro. Perdi-me em meio aos devaneios que nem escutei a voz da Lana ao fundo.

- O que vocês estão fofocando? Posso saber? – ela estava encostada no arco, de braços cruzados e observando o que fazíamos.

- Ela esta contando sobre o dia de hoje – levantei  e coloquei a Bia no chão, que foi direto em direção a Lana assim como eu – Você está linda! – notei que ela já estava vestida e dei levei meus lábios até os dela, selando um beijo rápido.

- Obrigada – retribuiu o carinho – Vamos por uma roupa meu amor? – abaixei e estendi os braços para a Bia.

-“ simmm” – praticamente se jogou nos braços da Lana e nos demos risada da maneira como ela se jogou.

- Espero vocês lá em baixo! – dei outro beijo na minha noiva e um beijo na minha filha e fui lá para sala aguardar elas. As duas sem muita demora desceram  e quando eu vi, elas estavam vestindo roupas iguais! As duas de vestido azul marinho com um blazer branco, confesso que elas ficaram muito lindas! – Acho que não vou poder deixar vocês saírem assim!

- Sem graça – Lana riu – vamos logo antes que fique tarde – elas se aproximaram de mim e deram uma voltinha, que me deixou cheio de amores por elas – talvez mais tarde eu deixe você brincar com ele – cochichou no meu ouvido e eu quase não me contive com o que eu ouvi. Sem querer ela não pode conter a risada e rapidamente se virou para que saíssemos logo.

- Já peguei as chaves, vamos indo! – dei uma piscada para ela e saímos logo para jantar. Fomos então até o lugar que escolhemos durante o almoço, por sorte ficava a poucos minutos de casa. Chegamos lá e havia vários food trucks estacionados formando uma espécie de C e no meio haviam varias mesas de piquenique para o pessoal comer. Tinha também um área com uma cama elástica e uma pracinha paras as crianças. Assim que chegamos nos sentamos numa das mesas de piquenique e cada um escolheu o que ia comer. Eu pedi um hambúrguer, a Lana uma massa com legumes e para a Bia pedimos um mini-hambúrguer infantil.

- Filha, você está toda lambuzada! -  a Lana passou um guardanapo pela boca dela e pelas mãos que estavam cheias de molho.

-“ gotoso!” – falou empolgada e chupando alguns dedos que estavam ainda sujo – “ quelo soveti” – apontou para o trailer que vendia sorvetes.

- papai vai comprar um para você! – na hora a Lana me mata com o olhar

- depois de hoje, ela vai comer só arroz e feijão por um mês – ela deu risada, mas ao mesmo tempo falou sério. Eu mesmo assim levantei e comprei uma bola de sorvete de chocolate para a menina.

- aqui está! – dei o potinho e a colher para ela, que rapidamente começou a comer e a se lambuzar toda com o doce – acho que deve estar bem gostoso esse sorvete, me dá um pouco?

-“ ó papain” – ela levou uma colherada de sorvete até a minha boca

- Mamãe também quer! – Lana abaixou a cabeça para que ela pudesse alcançar a sua boca e a pequena fez o mesmo gesto que fez comigo – hum! Delicioso – fez uma cara muito fofa para a filha

- “ soveti boomm” – fez um biquinho e apertou os olhos ao dizer, o qual fez nos dois dar risada da sua careta.

- Quer ficar mais um pouco aqui, ou quer ir para casa? – questionei a Lana, minha cara não escondia minhas intenções.

- “ cama eiastica!!! Quelo i, quelo ii” – assim que a pequena notou o brinquedo ela ficou muito animada e começou a se sacudir toda

- Acho que você vai ter que esperar um pouco meu amor – ela quase não conteve a risada com a minha cara de indignação pela Bia ter surgido com essa ideia agora – Não se preocupe, ela não vai demorar – deu um selinho em mim

- Essa garota é bem filha da mãe dela! – cruzei os braços e um riso saiu da minha boca. Eu não conseguia ficar bravo por ela ter adiado nossos planos.


Notas Finais


Se não gostaram de algo me falem!
Espero que tenha dado pra matar a saudade!!
Tem um casamento chegando por aí ❤🎉
http://www.papeleestilo.com.br/convites-de-casamento/convite-de-casamento-rustico-para-casamento-no-campo/convite-bruna/ se vcs querem ver o convite

Meninas, me sigam no @lalaparrilla pra mim marcar vocês lá, ou me mandem os users de vcs ❤


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...