História Juntos pelo perigo - Capítulo 8


Escrita por: ~

Postado
Categorias Guns N' Roses
Visualizações 101
Palavras 1.373
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Ação, Aventura, Drama (Tragédia), Festa, Hentai, Luta, Romance e Novela, Terror e Horror, Violência
Avisos: Bissexualidade, Drogas, Estupro, Heterossexualidade, Linguagem Imprópria, Sadomasoquismo, Sexo, Tortura
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Notas do Autor


VOLTEIIIIIII, tenho de agradecer a cada um que comenta e favorita a fic, de verdade!! Tenho de agradecer a todos que me encorajam a continuar a escrever. todos os elogios, obrigadaaa!! Continuem desse jeito kkkkkkkkkk
ai nossa, espero que gostem deste capitulo, ok? e não se esqueçam de favoritar e comentar!!
Falamos lá em baixo, bom cap:

Capítulo 8 - Brasil


Fanfic / Fanfiction Juntos pelo perigo - Capítulo 8 - Brasil

“Decidi ver um filme, até que Romeu me interrompe.
-Patroa, tenho informações e são das boas. –Ele riu”


-Fale logo, o que encontrou?
-Essa menina, a Adriana. Bom, ela é Mexicana, mas enquanto ainda era criança foi morar no Brasil. Diga-mos que o pai é um viciado em cocaína, ou melhor… era, ele morreu à 10 anos. A mãe é prostituta desde então e apesar de sempre ter pago a escola da filha, a Adriana não era uma aluna exemplar. Ela fugia da escola e não se sabe a fazer o quê. Parece que quando ela terminou o ensino médio, ela se meteu em alguns esquemas…
-Que tipos de esquemas? –Falei entusiasmada.
-Isso é o que eu estou a tentar descobrir. –Nesse mesmo momento o brilho em meus olhos desfez-se. –A única morada que temos até agora é de onde eles viviam lá no Brasil.
-Tudo bem, vou ficar aqui a ver algumas das informações, obrigada!
-Porque não vai descansar? Não dorme faz mais de 24 horas.
-Tem razão, mas quero noticias na minha mão.
-Enquanto descansa, eu vou procurar informações e todas as que encontrar, deixarei em cima da sua mesa. Agora, suba e durma! –Ele quase ordenou, quase.
Mas ele tinha razão, então eu subi e dormi.
***
Quando acordei, acalmei-me para não correr para baixo e ver as novidades, então tomei um duche, vesti-me e só depois desci.
-Bom dia menina!
-Bom dia, Maria! Tem algo para comer?
-Sim, o pequeno-almoço está servido.
-Ótimo. –Eu ia para o escritório só depois de comer algo. As refeições matinais da Maria são as melhores. Enquanto eu comia, ela olhava-me especulativa.
-Pergunte! –Falei por fim.
-Eu só queria saber porque parte dos homens não estão aqui e o Romeu disse que estavam a fazer um serviço. É perigoso?
-Não sei, talvez.
-Como não sabe?
-Só estamos investigando uma pessoa.
Ela não disse mais nada e eu idem. Acabei de comer e fui até ao meu escritório.
Não tinha nenhuma pasta lá, apenas um pequeno papel escrito “A sua amiga Emily ligou, ela quer muito falar com a menina. Romeu.
Disquei o número dela às pressas e novamente, um homem do outro lado da linha atendeu. Porém, não era o mesmo de ontem.
-Alô? –Ele falou e eu ri internamente.
-Onde está a Ariana? Preciso de conversar com ela.
-Ela está a dormir, não pode ligar mais tarde? –Bufei.
-Não! Diga-lhe que a Serena está ligando. –Pude ouvi-lo bufar.
-Tudo bem! ARIANA, A SUA AMIGA SERENA ESTÁ QUERENDO FALAR COM VOCÊ. –Ele gritou e logo pude ouvir um “passa o celular e sai da minha casa, agora!
-Amiga?
-Oi Vadia, como vai isso?
-Muito bem! –Ela respondeu
-Bem demais por sinal. –Debochei
-Bom, eu tenho informações que vão interessar-lhe! A Adriana é mexicana, mas mudou-se para o… -interrompi-a
-Já sei dessa parte. O que me falta saber é em que esquemas ela se meteu.
-Sem problemas, eu já tenho essa informação! Ela estava metida no tráfico, exatamente como nós, a diferença, é que ela traiu o traficante para quem trabalhava, no Brasil. Ela desviou inúmeras cargas e deu imenso prejuízo. Ela teve de fugir do Brasil, por isso que ela está aí. A mãe dela está a morar na Europa, em Amesterdão.
-E onde eu posso encontrar esse traficante?
-Isso é o que eu ando à procura. Mas está bastante difícil, a rede é enorme e para chegar a ele, é preciso escalar muito.
-Vou pedir aos meus homens para o encontrarem também.
-Eu ficarei aqui na Austrália fazendo o mesmo.
-Está a viver na Austrália? –Perguntei boquiaberta.
-Acha? Estou só a fazer uma viagem, daquelas que nós não fazemos à muito tempo. –Ambas rimos e eu desliguei. Chamei o Romeu ao meu escritório e contei-lhe as novidades, ele iria procurar esse homem. Estava sem nada para fazer e sinceramente, não estava com paciência para as burras das minhas amigas. Mas foi aí que me lembrei de uma coisa. Subi ao meu quarto e peguei um saco preto que estava no meu closet e saí. Fui até à garagem e tirei o lamborghini branco, indo até à casa do Axl.
Felizmente ele já tinha mudado de casa. Entrei com o carro na garagem e troquei de roupa no banheiro. Passei por dentro de casa, indo até ao quarto dele. Não sei se ele sabia que eu estava lá, mas caso não soubesse, ainda melhor.
Bati à porta do quarto.
-Entre, está aberta. –Abri a porta e os olhos dele arregalaram-se. –O que está aqui a fazer, assim vestida?
-Não é meio obvio? –Disse enquanto fechava a porta.
Ele nada falou e eu fui até ele, o abraçando.
-Estou a trabalhar, Jennifer.
-Está mesmo? –Olhei para o computador e lá estava, a folha do word completamente em branco. Dei uma pequena risada.
-Eu estava a tentar…
-Vejo isso! –Puxei-o pela mão, fazendo ele se levantar da cadeira e ficar perto de mim.
-Vá embora… -Ele suplicou e eu ri.
Empurrei-o para a cama e sentei por cima dele, retirando a sua t-shirt e dando-lhe beijos no pescoço. Abri e tirei as suas calças, assim como os boxers. Pus-me de joelhos na sua frente e comecei por massajar-lhe as pernas, passando para as virilhas e pelos testículos. De seguida, fui passando a minha língua pelos mesmos sítios que massajei anteriormente, ora passava a língua, ora dava-lhe beijos. Comecei a massagear o seu membro com muita suavidade, acompanhando com a língua na ponta. Ele tentava sem sucesso abrir os olhos e olhar para mim e eu ria baixinho.
-Pare com isso. –Ele suplicou
-Com isso o quê?
-A tortura, vai logo!
E assim fiz, peguei no seu pénis e o levei a boca, colocando o máximo que conseguia. Continuei a trabalhar apenas com o seu membro, molhando-o cada vez mais, a minha saliva deslizava por ele…
Várias vezes o Axl tentou pegar nos meus cabelos, mas eu não deixei.
Continuei a massagear o seu pénis e ele cada vez estava mais louco, cada vez gemia mais. Depois, repeti tudo de novo, aleatoriamente. Várias vezes ele estava quase a gozar, então eu parava e passava a minha língua por outras zonas erógenas.
Ele tentava tocar no seu próprio membro e eu apenas lhe retirava a mão e nada dizia. Mas ele já estava a irritar-me.
-Eu é que mando, Axl! Não se toque! –Ele olhou para mim e gemeu, deitando a cabeça para trás e se segurando.
Quando ele estava quase a chegar ao orgasmo, comecei a massagear o seu pénis novamente, com a ponta dentro da minha boca. Ele gemia, acabando por gozar ali mesmo. Quando o fez, puxou-me, para me deitar ao lado dele.
-Porque veio? –Perguntou ofegante
-Estava com saudades suas. –Ele olhou-me especulativo, sem acreditar. –Estamos casados lembra? –Perguntei, fazendo ambos rirmos.
-Lembra quando as nossas mães souberam? –Ele perguntou rindo.
-Lembro! A sua mãe fez um escândalo.
Ficámos recordando as nossas mães. A minha, vive agora em Milão e a dele, está no Texas. Comprou por lá uma propriedade e é uma “mulher do campo”.
Vesti-me e dirigi de volta para casa, será que já existe mais informações sobre a Adriana? Assim que cheguei, guardei o meu carro e fui até ao meu escritório… Ou pelo menos iria, até uma Maria completamente desesperada aparecer no meu caminho.
-MENINA! AI NOSSA SENHORA, AINDA BEM QUE CHEGOU! –Ela gritava enquanto corria em minha direção.
-O que se passa?
-Está um homem no seu escritório.
-Que homem?
-Ai menina, ele apareceu aí falando que queria falar com a Jennifer, você. E aí ele pediu para aguardar no escritório. Estão lá dois seguranças nossos com ele. –Ela explicou
-Tudo bem, eu vou lá. Obrigada por avisar.
Entrei no escritório e os 3 olharam-me.
-Quem é você? –Perguntei
-Tire estes dois daqui e eu explico-me. –Assim foi, eu fiz sinal para os dois e eles saíram. Sentei-me na minha cadeira e debrucei-me na mesa.
-Seja breve, estou bastante cansada.
-Eu sou o traficante que a Adriana desviou as cargas. –Os meus olhos arregalaram-se.
-Ótimo. Ela está aqui na cidade, vá lá e mate-a! –Eu ri e ele deu um sorriso de lado.
-Não vou fazer isso, não dessa forma. Fácil demais!
-O que quer dizer?
-Tenho uma ideia…


Notas Finais


Vou falar um pouco aqui:
1º :: Se quiserem, dêem sugestões para a fic, eu realmente aprecio isso.
2º :: Esse traficante, é uma nova personagem. Ele será importante para a fic.
Ele é esse: FOTO :: http://www.lux.iol.pt/multimedia/oratvi/multimedia/imagem/id/13237384/420
e chama-se na fic: não sei o nome dele ainda '-' dêem sugestões plmdds. kkkkkkkk
3º :: Se acham que a Adriana vai desaparecer agora, estão muito enganados, ela ainda vai fazer muuuita merda até ao final da fic. Não vamos nos ver livres dela assim tão cedo ahahah BITCHOSA!!
4º :: Comente e favorite! É importante, talvez não para vc, mas é importante para mim :)
Meu twitter: @suckaxl
Vê-mo-nos nos comentários. BEIJÃO <333


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...