História Just for Benefits ( Yixing Long Imagine ) - Capítulo 5


Escrita por: ~

Postado
Categorias EXO
Exibições 162
Palavras 1.828
Terminada Não
NÃO RECOMENDADO PARA MENORES DE 18 ANOS
Gêneros: Hentai, Romance e Novela, Universo Alternativo
Avisos: Álcool, Heterossexualidade, Insinuação de sexo, Nudez, Sexo, Violência
Aviso legal
Os personagens encontrados nesta história são apenas alusões a pessoas reais e nenhuma das situações e personalidades aqui encontradas refletem a realidade, tratando-se esta obra, de uma ficção. Os eventuais personagens originais desta história são de minha propriedade intelectual. História sem fins lucrativos, feita apenas de fã para fã sem o objetivo de denegrir ou violar as imagens dos artistas.

Capítulo 5 - Late


-Yeonjoo, eu disse a você pra não ficar até tarde comigo! - reclamei ao sair da minha sala e ver que ela tinha cochilado na cadeira. Hoje tinha decidido ficar até mais tarde por conta do trabalho que não fiz no dia anterior por ficar pensando no Chanyeol.


-Unnie, eu disse que ia ficar pra regular seu tempo aqui.


-Mas mesmo assim, você podia ter ido.


-De qualquer forma eu fiquei, e acho bom você ter terminado, já são 23:37 - ela disse precisamente depois de olhar o relógio.


-Já terminei sim mamãe! Você vai precisar de carona? - perguntei enquanto íamos até o elevador.


-Não, meu namorado veio me buscar - disse com um sorriso no rosto e eu retribui.


-Droga, deixei o celular na mesa - falei depois de procurá-lo por toda mesa - Pode ir, eu só vou pegar ele - falei quando vi que ela não ia  descer, mas não podia deixar o namorado dela esperando.


Sai olhando o celular e acabei esbarrando em um pessoa, mais uma vez, talvez eu devesse simplesmente parar com essa mania, antes que meu nariz acabasse batendo em uma parede.


-Só assim pra eu te encontrar né? - Yixing disse segurando meus braços, perto dos cotovelos, por conta do choque.


-Olha, hoje não tá? Não tô com humor pra… isso. - disse me afastando mas ele segurou meu braço.


-Não quero isso, eu queria saber o que aconteceu com você.


-O que aconteceu comigo?


-Sim, você tava muito alheia a tudo ontem na reunião, e hoje quase não saiu da sala.


-Não aconteceu nada.


-Sério _________? Vamos nos poupar disso, me diz logo o que foi.


-Eu já disse que nada!


-É o seu ex? - ele perguntou me surpreendendo tanto que não pude deixar de abrir a boca.


-Não - menti falhamente e ele franziu a testa preocupado.


-Ele tá te perseguindo?


-Não, a gente só se reencontrou depois daquele dia.


-E o que aconteceu?


-Ele me chamou pra sair.


-Você aceitou?


-Sim


-E por que? Você mesma disse que não queria ficar perto dele.


-Eu não s… por que eu to te falando isso?


-Porque eu perguntei


-Mas não te interessa saber da minha vida - disse e me virei pra sair mas ele me segurou mais uma vez.


-Para de fazer isso!! - reclamei tentando soltar os dedos dele do meu braço.


-Eu só te fiz uma pergunta _________, me responde que eu te deixo ir.


-Eu não sei ta? Ele me chamou pra sair e eu não soube como dizer não, pronto, agora me deixa ir. - falei mais brava ainda e ele me soltou em silêncio.


-Por que você tá me seguindo?! - virei furiosa quando percebi os passos dele atrás de mim.


-Não sabia que você era dona do elevador - ele disse apertando o botão para chamá-lo.


Quando entramos, sentia meu sangue ferver. Tudo bem que ele não fez nenhuma pergunta estranha, mas não era normal esse tipo de contato entre nós dois, não falávamos da nossa vida pessoal e pronto, mas de repente ele acha que tem o direito o de saber cada detalhe da minha?


Meu pequeno discurso mental foi interrompido quando o elevador fez um movimento estranho e logo depois parou.


-Isso só pode ser brincadeira né? - perguntei olhando um ponto escuro aleatório.


-Acho que ele quebrou - Yixing falou calmo.


-Jura? Não teria percebido se você não tivesse dito - disse irônica e me apoiei na parede atrás de mim.


-Podia ter faltado energia.


-E como você sabe que não foi isso? - perguntei virando meu rosto para o lado dele mesmo sem ver muito.


-Dá pra ver a luz do andar pelos espaços da porta.


-Eu quero ir pra casa - resmunguei e escorreguei até o chão, me sentando sem me importar muito.


Encostei minha cabeça na parede e fechei os olhos, o que eu menos precisava era ficar presa em um elevador até Deus sabe quando.


-Seu celular tem sinal? - ele perguntou depois de um bom tempo de silêncio.


-Não.


-Droga, nem o meu. A essa hora não deve ter mais ninguém aqui.


-Você tá tentando me animar?


-Se a realidade te deixa feliz… - ele disse levantando.


-Você tá tirando o terno? - perguntei agora que enxergava um pouco mais.


-Sim. Eu acho que consigo abrir a porta.


-Você o que?! Calma, isso não é um filme que a gente vai morrer se não sair daqui, só senta e espera.


-Você realmente quer ficar aqui provavelmente até amanhã?


-Não.


-Então pronto - ele disse se posicionando no encontro das portas e as forçando.


-Yixing, para com isso, você vai acabar machucando o braço.


-Eu tô quase conseguindo.


-Não, não tá conseguindo, para com isso - me levantei e puxei ele pelo braço.


-Eu vou conseguir - ele disse fazendo força e a porta abriu um pouco. - Eu disse.


Eu saí de perto e dei espaço pra ele se realizar abrindo aquela coisa pesada. Demorou mais um pouco até que ele finalmente conseguiu abrir a porta o suficiente para nós passarmos.


-Eu disse que conseguia.


-E como você pretende passar por aquele espaço? - falei apontando para o espaço grande o suficiente para que nós dois passássemos, um de cada vez, entre o andar e a parede. Depois de olhar e pensar, ele ficou de 4 no chão e eu fiquei o encarando.


-Me usa como apoio.


-Eu não vou subir em você Yixing!


-Você não vai alcançar se eu subir primeiro, então sobe logo _________.


-Ta… - falei relutante e tirei o salto. Seria muita crueldade pisar nele com um salto fino.


Assim que subi, tentei unir todas minhas forças nos meus braços pra me erguer e conseguir sair dali, sentindo meus músculos queimarem pelo esforço. Quando tinha conseguido erguer o necessário para sair das costas dele, senti que não ia sair daquele estágio, até que meu corpo foi erguido e eu consegui sair.


-Você precisa se exercitar _________ - ele disse depois que eu subi e apenas revirei os olhos.


-Me dá minhas coisas! - reclamei e o ouvi rir enquanto me dava as coisas antes de subir sem muito esforço.


-Ai - ele reclamou passando a mão no braço esquerdo.


-O que foi?


-Nada.


-Você se machucou né?


-Não - ele disse desviando o olhar.


-Eu disse que você ia se machucar.


-Você preferia ficar presa naquele elevador? - não respondi com palavras e sim com o silêncio.


-Obrigada. - agradeci falando baixo, em grande parte porque minha consciência mandava.


-Eu não entendi - ele disse com o sorriso que deixava claro que ele tinha entendido muito bem.


-Você ouviu.


-Ouvi, mas não entendi. - ele disse com o sorriso maior e eu bufei.


-Obrigada - falei com o tom um pouco mais alto e ele deu um sorriso vitorioso.


-Não precisa agradecer.


-Imagina…


-Eu vou avisar ao segurança que o elevador quebrou - ele disse assim que chegamos no térreo.


-Toma um remédio quando chegar em casa - falei antes de me afastar e ele me olhou - Pra o braço - apontei e ele pareceu lembrar que tinha se machucado.


-Ah sim, certo, até amanhã - ele acenou e se distanciou de mim.


Depois que ele saiu, entrei no carro e antes de dar partida olhei o celular, vendo outra mensagem do Chanyeol.


-Você quer mesmo ir no boliche né? Se tiver outra ideia pode dizer - Chanyeol.


Foi quando percebi que não pensei nele em nenhum momento desde que encontrei Yixing, e não porque eu tinha ficado preocupada por ter ficado presa no elevador, até porque desde que ele conseguiu abrir um espaço pequeno, eu já sabia que nós dois íamos sair; e nos primeiros 10 minutos que fiquei perto dele, nada parecia existir ao meu redor.


------------


-Você vai sair hoje com o Chanyeol mesmo? - Jongin perguntou quando nós saíamos do elevador.


-Sim


-Não me liga chorando depois.


-O que? Eu nunca fiz isso! - empurrei o ombro dele e ele riu.


-Só com o Chanyeol foram 4 vezes.


-4 vezes? Quando foi isso?


-Quando? Vamos lá : a primeira vez foi quando vocês começaram a namorar e ele ficou com ciúmes de um amigo seu e fez escândalo. A segunda vez ele disse que você era a pior namorada que ele já teve. A terceira foi quando ele contou que te traiu e a quarta quando você viu ele beijando outra mulher.


-Por que você lembra de cada uma? Além do mais, não foram tantas vezes.


-Eu lembro porque não é sempre que eu passo 3 horas no celular e depois vou na casa da pessoa porque ela não ia se controlar.


-Quem mandou ser meu amigo?


-Eu também não sei - ele disse com um sorriso e acabou rindo quando eu o olhei séria - Eu te amo, você sabe né? - ele me abraçou e deu um beijo no topo da minha cabeça.


-Oppa, me solta - falei o empurrando e ele me soltou enquanto ria.


-Mas é sério, cuidado pra não se magoar de novo - ele disse passando a mão no meu cabelo e eu concordei antes de ir até o carro.


Hoje o Yixing não tinha falado comigo, até tentei falar, mas não sabia como puxar assunto e que assunto podia falar com ele. De alguma forma eu fiquei extremamente incomodada com esse tratamento dele, não gostava quando alguém que eu conheço não falava comigo por uma razão que eu não sabia, era desconfortável.


-Só esquece __________ - disse a mim mesma, entrando no carro.


Cheguei em casa e me joguei no sofá, sentindo meus olhos fecharem sozinhos e tive que lutar comigo mesmo pra não dormir e poder ir me arrumar.


A sensação de nervosismo no meu estômago era indescritível, parecia que a qualquer momento eu ia vomitar só de lembrar da voz dele. Me arrependi um pouco não ter dito não , eu sabia que não era uma boa ficar perto dele, sozinha (mesmo que fosse num lugar com muita gente), mas agora é tarde, e pelo o menos por educação, eu preciso ir.


Levantei sem muita coragem e fui me arrumar, botei uma calça, uma blusa e um tênis. Algumas pessoa podem pensar “ai meu deus, você vai tão desarrumada assim”, mas pra começo de conversa, ir de salto alto e vestido longo pra um boliche é fora de cogitação, e depois, eu tava com muita preguiça pra pensar em me arrumar.


-Isso vai servir - disse me olhando no espelho depois de fazer um rabo de cavalo e terminar uma maquiagem extremamente básica e preguiçosa.


Peguei meu celular do carregador e fiquei sentada no sofá esperando ele avisar que tinha chegado.


Doce ilusão


Ele me disse que passaria às 21:00 porque eu podia descansar depois do expediente, mas já vão dar 22:00 e nem uma mensagem com uma desculpa, ele enviou.


-Eu mereço - resmunguei jogando minha cabeça no sofá e tirando o sapato.


Ele não viria a essa hora, com certeza tinha esquecido ou arrumado alguma coisa melhor pra fazer. Tinha me preocupado tanto pra nada, pelo visto ele não se importava comigo o tanto eu descobri me importar com ele.


Quando me levantei pra ir trocar a roupa e dormir, já que tinha perdido toda vontade de ficar acordada, a campainha tocou.


-Ele realmente veio? - me perguntei enquanto me dirigi até a porta com cautela.


-Chanyeol?! - falei espantada quando abri a porta e o vi parado, com o rosto todo machucado.


-Eu me atrasei - ele disse com um sorriso forçado.


Notas Finais


🌝🌝


Gostou da Fanfic? Compartilhe!

Gostou? Deixe seu Comentário!

Muitos usuários deixam de postar por falta de comentários, estimule o trabalho deles, deixando um comentário.

Para comentar e incentivar o autor, Cadastre-se ou Acesse sua Conta.


Carregando...